Mais comentada

As Empresas Familiares e a Governança Corporativa: repensando modelos clássicos de gestão

A implementação de princípios de Governança Corporativa nas empresas familiares, entre eles os vetores básicos de transparência, equidade, prestação de contas e responsabilidade corporativa não raramente vai de encontro ao modelo clássico de gestão familiar, em que o patriarca costuma centralizar informações e decisões, não permitindo que nem mesmo seus familiares e colaboradores de confiança tenham acesso a passos estratégicos a serem tomados.

Segundo o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), “Governança corporativa é o sistema pelo qual as empresas e demais organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo os relacionamentos entre sócios, conselho de administração, diretoria, órgãos de fiscalização e controle e demais partes interessadas”.

Portanto, a implementação de princípios de Governança Corporativa nas empresas familiares, entre eles os vetores básicos de transparência, equidade, prestação de contas e responsabilidade corporativa não raramente vai de encontro ao modelo clássico de gestão familiar, em que o patriarca costuma centralizar informações e decisões, não permitindo que nem mesmo seus familiares e colaboradores de confiança tenham acesso a passos estratégicos a serem tomados.

Contudo, no modelo de competição empresarial atual, conduzir negócios sem um mínimo de Governança Corporativa é tornar organizações ultrapassadas. O próprio mercado, em seu processo de seleção, priorizará a demanda junto a empresas com políticas de conduta transparentes, abertas e responsáveis.

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Avalie este artigo:
(0)
Tags: empreendedorismo gestão