Mais comentada

Assédio moral horizontal: o que é isso?

Empresa é obrigada pela justiça a pagar indenização de R$ 10.000,00 para funcionário que era molestado por seus colegas de trabalho

Marcos Alencar,
A notícia abaixo, que extraí do site do Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais, que acredito não mencione o número do processo por questões de sigilo/segredo de Justiça, aborda um tema que vai de encontro a definição do assédio moral, quanto a sua caraterização. Normalmente, vem sendo entendido que só pode existir assédio moral, quando a prática dos atos ilícitos se dá por um superior hierárquico da vítima. Isso faz sentido, porque se não há hierarquia pode a vítima, em tese, reagir e mandar o assediador às favas, ou, denunciá-lo ao superior hierárquico, ao dono da empresa, etc.. Eu particularmente discordo da condenação, isso porque mesmo ocorrendo a inércia da empresa em resolver o problema ou proibir que o empregado fosse molestado no local de trabalho, caberia sim uma indenização desta em favor dele, mas pela omissão, jamais pelo assédio, porque a empresa não assediou ninguém. Mas.. fica o recado, que o empregador deverá sempre policiar o ambiente de trabalho e impedir que situações como estas se instalem.

 

Assédio horizontal: empresa indenizará empregado humilhado por colegas de trabalho.

Em uma convivência diária, durante um longo período, é comum que os profissionais acabem iniciando relacionamentos amorosos com colegas de trabalho. Entretanto, quando profissionais se envolvem em um relacionamento amoroso, há risco de o trabalho invadir os assuntos pessoais e vice-versa. Por isso, o empregador deve estar atento, cercando-se de cuidados para que o local de trabalho não se transforme em ambiente hostil, onde proliferam boatos e comentários indesejados. Mas, então, que providências devem ser tomadas pela empresa no caso de incidentes envolvendo a vida particular de seus empregados? No julgamento de uma ação que tramitou perante a 5ª Vara do Trabalho de Betim, a juíza substituta Maila Vanessa de Oliveira Costa trouxe a sua resposta para esse questionamento: "É certo que a empregadora não pode interferir na vida privada de seus empregados, mas deve garantir um meio ambiente de trabalho saudável e respeitoso, não podendo se furtar à obrigação de coibir abusos". A magistrada analisou o caso de um trabalhador, vítima das constantes chacotas dos colegas de trabalho, que o chamavam de chifrudo, entre outros termos do gênero.

O reclamante relatou que vivia com sua companheira, também empregada da reclamada, com quem teve um filho. Mas, o supervisor da empresa passou a manter relacionamento amoroso com a esposa do reclamante, no período em que esta ainda se encontrava em sua companhia, o que resultou na separação do casal. A partir de então, a ex-esposa passou a morar com o supervisor. Esse fato veio ao conhecimento dos demais empregados, que, diariamente, passaram a humilhar o reclamante com ironias e brincadeiras de mau gosto.

O trabalhador denunciou esse tratamento degradante e aviltante, alegando ter sofrido danos morais no ambiente de trabalho. A empresa se defendeu argumentando que não pode ser punida pelo fim do relacionamento do casal e nem pelo adultério praticado pela empregada. Acrescentou a reclamada que a empresa jamais teve ciência de que o reclamante era tratado de forma pejorativa pelos colegas. Por fim, alegou a empresa que o reclamante somente levou ao conhecimento da chefia que estava separado, tendo pedido ajuda para obter a guarda do filho, o que lhe foi negado, já que a reclamada não interfere na vida pessoal dos empregados.

Porém, na visão da magistrada, as provas não favorecem a tese patronal. Ela entende que os depoimentos das testemunhas comprovaram que a empresa teve conhecimento dos fatos e chegou até a realizar reuniões entre os supervisores dos empregados dos setores envolvidos. Mas foi tudo em vão, porque a empregadora nada fez para reprimir ou censurar a atitude de seus empregados. Conforme ponderou a julgadora, se a reclamada chegou a convocar reunião para tratar do assunto, significa que a situação, "embora originada na esfera pessoal, íntima, de seus empregados, chegou a níveis insustentáveis, de modo a influenciar o andamento normal dos serviços ou a boa convivência no local de trabalho".

Observou a magistrada que, mesmo depois da reunião, o panorama no local de trabalho não foi modificado, não havendo, portanto, provas de que a empresa tenha adotado medidas efetivas de controle dos empregados. Chamou a atenção da juíza a declaração constante dos depoimentos das testemunhas no sentido de que o reclamante tornou-se cabisbaixo, triste. Assim, entendendo que ficou caracterizado o assédio horizontal, isto é, o assédio moral que parte dos colegas de mesmo nível hierárquico, a juíza sentenciante condenou a empresa ao pagamento de uma indenização por danos morais, fixada em R$10.000,00. O TRT de Minas confirmou a sentença.


www.trabalhismoemdebate.com.br

Avalie este artigo:
(0)

Curta o Administradores.com no Facebook
Acompanhe o Administradores no Twitter
Receba Grátis a Newsletter do Administradores

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: 00 5ª Vara do Trabalho de Betim 5ª Vara do Trabalho de Betim MG Acuados no trabalho administração administrador adv advogado advogado marcos alencar advogado trabalhista marcos alencar alencar alencar marcos articulista artigo artigos assédio assédio moral e suas manifestações assédio moral horizontal assédio moral horizontal na administração empresarial Assédio moral horizontal. O que é isso? assédio moral na administração Assédio Moral nas relações de Trabalho betim blog blogspot bra brasil brasilia brazil bullying bullying no trabalho caracteriza assedio moral horizontal casal CNJ comportamento conteúdo conteúdo jurídico convivência diária dano geral danos gerais debate dez mil reais DF DIREITO direito do trabalho Direito Empresarial Distrito Federal efeitos jurídicos empreendedor empreendedores empregador EMPRESA empresa é processado por danos morais horizontal empresários esposa ex-esposa filho gestão gestor gestores google gov governo horizontal humilhação indenização indenizações juíza jus Justiça do Trabalho condena empresa por assédio moral horizontal Justiça Federal líderes magistrada magistrado Manifestação manifestações manipulação marcos marcos alencar marido mg minas minas gerais minas gerais 5ª Vara do Trabalho de Betim molestado moral notícia o que é assédio? o que é assédio moral horizontal org pernambuco portal portal administradores.com portal administradores.com.br processo processo por danos morais horizontal psicoterror publicação publicado quinta R$10.000 recife reclamante recursos humanos rh risco de assédio risco de assédio moral horizontal são paulo seara trabalhista segredo segredo de justiça senado senadores sigilo site site administradores.com site administradores.com.br situações de assedio situações de assédio moral horizontal sp supervisor terror Terror psicológico no trabalho trabalhador denuncia trabalhador denuncia assédio trabalhador denuncia assédio moral trabalhador denuncia assédio moral horizontal trabalhismo trabalhismo em debate tramitou perante a 5ª Vara do Trabalho de Betim tribunal regional tribunal regional do trabalho de minas gerais trt trt de minas gerais trt mg vara violência do Cotidiano visão da magistrada web wordpress