Mais comentada

Bitcoin e por que você nunca deve ouvir conselhos de um torcedor

Fãs são pessoas legais, mas é preciso tomar um certo cuidado ao ouvir o conselho deles

iStock

Nunca me pergunte se você deve assistir ao próximo Star Wars. Quando eu era criança, eu brincava de ser o Darth Vader. Eu tenho um chaveiro do C3-PO e, com 37 anos na cara, continuo assistindo os desenhos da série “Rebels”. Se você me torcer muito, vai conseguir me arrancar que a cena da morte do Han Solo foi completamente estúpida e que o roteiro daquele filme não é grandes coisas, que o filme número “1" com a criancinha é muito ruim, e assim por diante. Ainda assim, vai me ouvir responder “Ah, mas o Darth Maul salva o filme”. Não adianta, coloque o Chewbacca dormindo por duas horas na tela e eu vou feliz da vida à pré-estreia.

Por isso, é uma péssima ideia me perguntar se gostei do filme. Se você não é fã, eu vou exagerar e você provavelmente vai se frustrar. É uma lição importante. Já se perguntou porque tanta gente odeia e tanta gente ama Batman Vs. Superman? Para muita gente, só ver os personagens amados na tela basta. Quando você está envolvido em um assunto, perde a objetividade. É mais fácil você conseguir uma briga do que convencer um fã de que o filme não é tudo isso.

Esse tipo de coisa faz parte da vida. Torcemos para times de futebol diferentes, competimos com a concorrência no mercado, até tentamos escolher “a melhor” pessoa para ser o nosso par. O fã está investido no assunto. Provavelmente passou anos acompanhando, torcendo pelos personagens. É difícil manter a objetividade quando o seu time chega às finais.

Sem querer, fazemos o mesmo no mundo dos investimentos. Você já deve ter percebido isso com seus conhecidos, ou até com você mesmo: alguém compra um apartamento e de repente começa a dizer como o momento é ótimo para investir em imóveis. Alguém compra a ação de um banco e começa a dizer como o serviço daquele banco é melhor do que outros. Outro faz um investimento em outro país e imediatamente começa a convencer os amigos de que agora que o Brasil afunda de vez…

Quando você está comprado, investido, é praticamente impossível ser objetivo. Você pode dizer para os outros que está sendo objetivo, você pode gritar, até se convencer de que suas ações são 100% racionais. Mas não são. Você é humano como eu, como todo mundo.

E agora vamos falar do Bitcoin. O Bitcoin é uma “moeda virtual” que não precisa de um controle central. Quem sabe um dia eu tente escrever um artigo explicando melhor, mas basicamente o controle que seria feito por governos e Bancos Centrais é feito por diversos computadores chamados de mineradores. Como recompensa por esse trabalho, os mineradores são premiados com mais Bitcoins.

A tecnologia por trás da ideia parece ser revolucionária e não somente para moedas. Vários sistemas que antes precisavam de um controle central, agora, pelo menos em teoria, podem passar a ser descentralizados. Não só o Bitcoin, mas outras “cripto-moedas”, também vêm sido propagadas com a ideia “libertária" de que está na hora de criar uma moeda que não dependa de nenhum governo.

E aqui voltamos ao problema dos fãs: quem está falando sobre Bitcoin? Pessoas que compraram Bitcoin. Pessoas que querem “minerar" Bitcoin. Pessoas que, de uma forma ou outra, têm algo a ganhar vendendo Bitcoin.

Veja, não estou falando que essas pessoas são mal intencionadas. Eu realmente acredito que você deve continuar assistindo aos filmes do Star Wars. Quem compra Bitcoin realmente acredita que aquilo é bom. Se você me falar que o Chewbacca é só um cachorro gigante, só vai conseguir me fazer revirar os olhos. Na minha experiência, o mesmo acontece ao tentar convencer alguém que está “operando” Bitcoin que colocar dinheiro ali pode ser perigoso: o “investidor” provavelmente vai se irritar, ou te chamar de trouxa.

Se a história nos mostra algo, é que, volta e meia, novas ideias parecem fantásticas, atraindo um monte de dinheiro e atenção. Menos óbvio é que, na maioria das vezes, o vencedor não é o primeiro a entrar no mercado e a maioria das pessoas perdem muito dinheiro pelo caminho. Quem entra antes nem sempre ganha. O investimento fantástico de um ano é a piada do próximo, e as regulações que o pessoal do Bitcoin odeia foram criadas justamente para tentar proteger os investidores de picaretas (e sim, é bastante fácil manipular um ativo quando não há controles externos). Sim, a tecnologia pode ser boa e até revolucionária, mas isso não é nem nunca foi sinônimo de ganhar dinheiro.

Se você for fã do Batman, inevitavelmente verá alguns filmes ruins pelo caminho, perdendo o tempo e dinheiro do cinema. Tornar-se fã de um investimento pode dar mais prejuízos ainda.

Fãs são pessoas legais, mas é preciso tomar um certo cuidado ao ouvir o conselho deles.

Avalie este artigo:
(7)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração