Bloodline: como não administrar um negócio em família

Além de ser um ótimo entretenimento para quem deseja acompanhar um seriado, a produção do Netflix é um guia perfeito de como não administrar seu negócio

Divulgação

A família Rayburn tem um dos principais resorts da Florida Keys, arquipélago com milhares de ilhas que se dividem entre regiões desabitadas e destinos turísticos paradisíacos. No comando, está o patriarca, Robert Rayburn, que supervisiona todo o funcionamento do negócio, ao lado de sua mulher, Sally Rayburn. O casal decide reunir parentes e amigos para celebrar seu aniversário de quarenta e cinco anos de casamento, e, pela primeira vez em muito tempo, o filho mais velho e deslocado, Danny, resolve voltar para casa, trazendo velhos fantasmas consigo.

Temos, assim, o início de Bloodline (EUA, 2015), produção original da Netflix que conta a história de uma família cheia de segredos, traumas e histórias mal resolvidas. Enquanto se passa numa Flórida bonita e ensolarada, o drama dos Rayburn consegue ser um tanto sombrio e pessimista. E, para aqueles que possuem negócios familiares, Bloodline é um verdadeiro filme de terror.

Já com a volta de Danny, que deseja fazer parte do negócio da família, vemos o primeiro conflito: na empresa, não há uma definição clara de qual o papel de cada um dos Rayburn, nem uma linha de sucessão da família. Quando um acidente de caiaque obriga o patriarca a se ausentar do trabalho por um tempo, os filhos se veem perdidos. "O que acontece se papai não se recuperar?", pergunta um dos quatro irmãos, mas nenhum dos Rayburn tem uma resposta.

Na empresa, a parte jurídica fica nas mãos da filha caçula. Meg é uma advogada competente, mas, na hora de tomar decisões, o peso do seu sobrenome atrapalha seu trabalho. Envolvida emocionalmente nos dramas de sua família, a advogada não consegue elaborar o testamento de seu pai conforme o combinado. Ao seu noivo, ela explica: "se fosse qualquer outro cliente, eu já teria feito".

A verdade é que o dilema entre deveres profissionais e questões pessoais está presente em toda a série. Em Bloodline, a separação entre negócio e família é quase inexistente. "Se você deseja fazer parte do negócio da família, precisa respeitar o nome da família", declara um dos herdeiros. Bom para arcos dramáticos, péssimo para os negócios. Além de ser um ótimo entretenimento para quem deseja acompanhar um seriado, a produção do Netflix é um guia perfeito de como não administrar seu negócio.

Texto publicado originalmente na edição 44 da Revista Administradores

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Avalie este artigo:
(0)