Como os serviços podem gerar satisfação ao cliente

Pensar em serviços, nos tempos atuais, requer um olhar mais específico nas áreas de tecnologia e alimentícia, sofredoras de muitas inovações.

iStock

Pensar em serviços, nos tempos atuais, requer um olhar mais específico nas áreas de tecnologia e alimentícia, sofredoras de muitas inovações. No campo da alimentação, podemos observar a gama de restaurantes requintados e os pratos diversificados quanto às culinárias oriental e europeia, assim como os novos métodos aplicados em comidas tradicionais, a aplicação de outros temperos etc.

Na de tecnologia, a evolução dos smartphones e dos tablets deixou os notebooks e os desktops em grande escala de desuso, por tornar muitas aplicações empresariais compatíveis a sistemas operacionais antes desconhecidos, como Android, Symbian, iOS e Windows para versões de smartphones e tablets. Dessa forma, quase tudo é realizável nas atividades de escritório, compatível aos tradicionais modelos de notebooks e de desktops. Essas mudanças baseiam-se na necessidade de atender às expectativas dos clientes de tais segmentos, considerando seus desejos e sugestões, permitindo a experiência de produtos elaborados em molde especial e único, sob medida.

Pensa-se em uma alfaiataria ou em um ateliê, em qualquer estilo de uma roupa na medida, com diversidade de tecidos, cores, moldes e cortes à escolha do cliente, ocasionando perfeição quando o projeto da vestimenta estiver finalizado; e o cliente, trajado. Em serviços, os clientes, mesmo durante um contrato vigente, desejarão realizar mudanças no serviço contratado para que as novas metas sejam cumpridas. Quando há inflexibilidade ou péssimo atendimento, pois ninguém da empresa consegue dar respostas satisfatórias, certamente não haverá renovação de contrato, e sua inflexibilidade já não é aceita por muitos. Os novos empresários estão extremamente empenhados em fidelizar os possíveis clientes e, por meio de contratos bem-elaborados, permitem alterações na prestação dos serviços em vigência, tornando claras as novas premissas, os possíveis custos envolvidos e as alterações dos prazos de entrega.

As empresas de publicidade e de marketing conseguem facilmente vender um produto, ou um serviço, ou a própria equipe de vendas da empresa. Porém, o pós-venda continua a ser a queixa mais comum. Esqueceram-se de planejá-lo e de implantá-lo como parte do processo de elaboração do produto/serviço.

A fragilidade de algumas empresas passa a ser notória com a força de impacto das redes sociais. Um cliente insatisfeito e sem suporte adequado realiza a queixa on-line e, em pouco tempo, essa informação é compartilhada, atingindo milhares de usuários. Isso denigre a imagem da empresa, e esta age rapidamente para contornar a situação. No entanto, infelizmente, o caso torna-se grave por haver erro no processo de pós-venda, deixando sua imagem arranhada.

Perder tempo também não é mais o foco do cliente. Agilidade, respostas concretas e soluções definitivas e satisfatórias são os novos requisitos a serem revistos pelas empresas. No ateliê ou na alfaiataria, qualquer falha precisa ser corrigida, e o cliente jamais sairá da loja com seu produto defeituoso. Quanto à garantia do produto, qualquer problema detectado será corrigido em curto espaço de tempo, deixando o cliente satisfeito. Assim, ele é fidelizado por ações coordenadas pela empresa, do início ao fim do processo de produção das vestimentas, com as respectivas equipes preparadas para tais situações. Ainda há, todavia, as inflexíveis que perdem clientela para os novos empreendedores ou para os empreendimentos dinâmicos.

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: prestação de serviços satisfação do cliente serviços e clientes serviços século XXI

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração