Como um coworking pode transformar seu negócio?

O que é; quanto custa; ponto ideal; coworking para o integrante; tendência; onde encontrar.

Até março de 2017, 810 espaços de coworking foram conhecidos no Brasil, atingindo um crescimento em cerca de 114% em relação a 2016, segundo um censo da categoria divulgado pelo site coworkingbrasil.org. Nesse sentido, é fácil afirmar que a expansão do mercado inflama a concorrência e incentiva a criatividade no momento de oferecer o espaço. Mas, afinal, quais são as vantagens ideais para seu empreendimento? Para responder essa importante questão, é preciso compreender em qual cenário seu negócio tende a prosperar.

Em junho de 2017, o site Pequenas Empresas & Grandes Negócios divulgou o “Mapa do coworking no Brasil” com base no censo de 2016 e citou o que os participantes veem como vantagens e entre elas, constava que 82% das pessoas “acreditam que o ambiente compartilhado oferece ótimas oportunidades de networking”, em contrapartida se queixaram onde 66% “acredita que os ambientes não são formais o suficiente para receber clientes” e ainda 52% “acreditam que o ambiente não é adequado para reuniões com a equipe”.

O que é coworking?

Chamado de ambiente de trabalho compartilhado, é um lugar pronto para trabalhar, além de uma estrutura adequada para receber seus clientes. Você não precisa alugar uma sala inteira, trabalhar isolado em casa e nem ter que lidar com a distração de espaços públicos.

O participante investe praticamente o mesmo valor do aluguel de uma sala comercial na locação de um espaço em local todo estruturado (internet, climatização, mobília, sala de reunião, o famoso cafezinho, etc.) e ainda poderá encontrar no mesmo ambiente um futuro parceiro comercial.

Quanto custa alugar um cantinho no espaço compartilhado?

O site Pequenas Empresas & Grandes Negócios ainda divulgou o preço médio do aluguel nas capitais que girou, naquele ano, em torno de R$ 800,00 por pessoa/mês.

Na região de Ribeirão Preto, atualmente, o plano mensal dos coworkings está na média, cerca de R$ 500,00. Entre os benefícios mais comuns estão: disponibilidade do espaço em horário comercial - de segunda à sexta-feira; lugar fixo; wi-fi; impressões P&B; armários privativos; endereço para correspondência e salas de reuniões.

Qual seria o ponto ideal para um coworking?

Um local com espaços compartilhados tem como público-alvo profissionais liberais, empresas que precisam apenas de um escritório para atendimento ou qualquer organização que necessite de um local para realizar alguma reunião ou treinamento. O público alvo pode se estender a empresas que desejam expandir a atuação no mercado e escolherem o espaço compartilhado para instalar escritórios como filiais. Nesse sentido, diferente de lojas comerciais, o ponto não necessariamente precisa ser no centro da cidade, em meio à confusão de trânsito e barulho cotidiano.

O que se espera de um coworking para com seus integrantes?

“Os clientes não compram produtos, eles compram o que o produto faz por eles”. Essa frase define bem o papel de um coworking para seu cliente. O ambiente de trabalho compartilhado não deve ficar apenas com foco em oferecer o que sua finalidade indica, mas empreender ações em busca de fazer com que os ciclos dos negócios de seus clientes tenham experiências mais sustentáveis.

Que vá além de disponibilizar o espaço e benefícios básicos. Que incentive e ofereça a reciprocidade de uma parceria. Seja com um plano de divulgação com postagens sobre os empreendimentos de seus integrantes, e-mail marketing com conteúdo direcionado ao que eles ofertam, viabilizar eventos que permitem a participação/exposição dos produtos, etc.

 Tendência?

“Coworking não é mais uma tendência. É realidade.” – é o que diz o artigo no site da Exame publicado em dezembro de 2017. E enfatiza: compartilhamento de espaço é solução para demandas de empresas e profissionais por mais flexibilidade.

A publicação aborda o potencial de um coworking como alternativa para um escritório tradicional, onde “o novo empreendedor teria de buscar um local próprio, ter garantias para alugar, se amarrar num contrato de três anos e ter capital”. Em entrevista para o site, o CEO do Spaces/Regus Brasil - rede de escritórios compartilhados, Tiago Alves, afirma: Ele (o empreendedor) compra um risco grande quando empreende no modo tradicional. Já no coworking, os contratos são flexíveis, com um escritório já montado e serviços de pay per use (pague o que usar, em inglês).

No conteúdo ainda é mencionado o quanto oportuno pode ser o momento dos espaços compartilhados, pois “com a recente aprovação da reforma trabalhista, o coworking também tende a ser um formato que resolve as novas necessidades de configuração de espaço. Como agora uma empresa pode contratar um funcionário por apenas um período de 15 horas no total, por exemplo, em um escritório tradicional seria necessário pagar o aluguel de mês inteiro para esse profissional poder trabalhar”.

Onde encontrar um coworking?

Em Sertãozinho – região de Ribeirão Preto, destaca-se a Atlantica Coworking. Além dos benefícios comuns, se diferencia no que pode ser considerado o mais importante item em custo-benefício, pois em seu plano mensal disponibiliza aos integrantes consultoria administrativa, através da equipe de profissionais da MBF Agribusiness – empresa de assessoria empresarial que está há 25 anos no mercado. Além disso, o participante da Atlantica terá à disposição a mentoria de Marcos Françóia que, além de diretor da MBF Agribusiness, é coach, palestrante e consultor. Françóia, ao longo de seus 35 anos de carreira, já atuou como professor universitário e executivo de importantes empresas do agronegócio.

Um coworking com mentalidade empreendedora para planejar a implantação de seu projeto, ou para acelerar o crescimento do seu negócio, com certeza pode transformá-lo.

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Avalie este artigo:
(0)
Tags: autonomia clientes coworking empreendedorismo escritório compartilhado espaço compartilhado estrutura compartilhada inovação investimento negócios resultados ribeirão preto sertãozinho