Mais comentada

Conceito elasticidade e fatores da elasticidade

Wagner Ribeiro,
ELASTICIDADE

Através das Leis da Oferta e da Procura é possível apontar a direção de uma resposta em relação à mudança de preços – demanda cai quando o preço sobe, oferta aumenta quando o preço sobe, etc.. – mais não informa o quanto mais os consumidores demandarão ou os produtores oferecerão.
O conceito de elasticidade é usado para medir a reação das pessoas frente a mudanças em variáveis econômicas. Por exemplo, para alguns bens os consumidores reagem bastante quando o preço sobe ou desce e para outros a demanda fica quase inalterada quando o preço sobe ou desce. No primeiro caso se diz que a demanda é elástica e no segundo que ela é inelástica. Do mesmo modo os produtores também têm suas reações e a oferta pode ser elástica ou inelástica.

A ELASTICIDADE-PREÇO DA DEMANDA (Ed)

A elasticidade-preço da demanda (Ed) mede a reação dos consumidores às mudanças no preço.

Essa reação é calculada pela razão entre dois percentuais. A variação percentual na quantidade demandada dividida pela mudança percentual no preço. Ou seja,
Ed = variação percentual na quantidade demandada
mudança percentual no preço

Por exemplo: Digamos que o preço do leite muda de R$ 2,00 para R$ 2,20. Qual a elasticidade-preço da demanda por leite se a quantidade demandada de leite é de 85 mi de litros por ano quando o preço é R$ 2,20 e é de 100 mi de litros por ano quando o preço é R$ 2,00. Então:

A mudança absoluta na quantidade foi de 15 mi de litros (100 – 85) para baixo. Em termos percentuais isso equivale a 15% pois, a quantidade era de 100 mi litros a R$ 2,00 que era o preço inicial. Quando o preço aumentou para R$ 2,20 houve uma queda na quantidade demandada de 15% [100(85 – 100)%/100].

A mudança absoluta no preço foi de R$ 0,20 (2,20 – 2,00) para cima. Em termos percentuais isso equivale a 10% pois, o preço inicial era R$ 2,00 e aumentou para R$ 2,20 houve um aumento de 10% [100(2,20 – 2,00)%/2,00].

O percentual pode ser calculado por uma regra de três simples:
Se a quantidade era 100 e caiu para 85 a uma queda de 15. Então a regra é se 100 equivale a 100% a quanto equivalerá 15?


O que resulta em 100x = 100*15  x = 1500/100  x=15%
Da mesma forma o preço: O preço aumentou de 2,00 para 2,20. O aumentou foi de 0,20. Se 2,00 era 100% do preço quanto seria 0,20?


O que resulta em 2x = 100*0,20  x = 20/2  x=10%
A elasticidade desta mudança é de Ed = 15%/10% = 1,5.

CLASSIFICANDO BENS COM A ELASTICIDADE-PREÇO DA DEMANDA

1. ELÁSTICOS

Se a elasticidade-preço do bem for maior que 1,00 diz-se que a demanda por esse bem é elástica. A variação percentual na quantidade excede a variação percentual no preço. Ou seja, os consumidores são bastante sensíveis a variações no preço.

2. INELÁSTICOS

Se a elasticidade-preço do bem for menor que 1,00 diz-se que a demanda por esse bem é inelástica. A variação percentual na quantidade é menor que a variação percentual no preço. Ou seja, os consumidores são relativamente insensíveis a variações no preço.

3. ELASTICAMENTE UNITÁRIOS

Se a elasticidade-preço do bem for igual a 1,00 diz-se que a demanda por esse bem é de elasticidade neutra. A variação percentual na quantidade é igual à variação percentual no preço.

ELASTICIDADE E BENS SUBSTITUTOS

A elasticidade-preço da demanda para um bem em particular é influenciada pela disponibilidade ou não de bens substitutos. Quanto mais bens substitutos estiverem disponíveis mais elástica é a demanda, se não há bens substitutos a demanda é inelástica.




OUTROS DETERMINANTES DA ELASTICIDADE

Tempo
Elasticidade de Curto-Prazo e Elasticidade de Longo-Prazo. Quanto mais tempo os consumidores tiverem para procurar substitutos maior será a intensidade de sua reação.
Espaço
A elasticidade de um mercado é diferente da elasticidade de uma única firma. A elasticidade do mercado diz quanto a quantidade global mudará se o preço geral mudar mas se uma única empresa muda seu preço a elasticidade é outra.
Participação no Orçamento
Se um bem representa pouco do orçamento total do consumidor a reação será menor a variações de preço. Exemplo: aumento de 10% no preço do lápis. Aumentou de R$ 1,00 para R$ 1,10. Poucas pessoas deixaram de comprar lápis por isso. Entretanto, se o bem tem um participação razoável no orçamento então as reações serão maiores. Exemplo: O preço do automóvel subiu 10%. Aumentou de R$ 15.000,00 para R$ 16,500,00. Mais pessoas irão reagir a essa mudança. A demanda será mais elástica.
Bens Necessários versos bens supérfluos
Para bens essenciais como pão, arroz, feijão, etc a demanda é mais inelástica. Para bens de luxo a demanda é mais elástica.
A ELASTICIDADE DE UMA DEMANDA LINEAR
A elasticidade muda a cada ponto. Ela aumenta a medida que os pontos vão se movendo para a esquerda.
Em cada local as mudanças absolutas no preço são de 4 unidades (80-76=4; 50-46=4; 20-16 =4) os percentuais de mudança nos preços são de: do ponto r para o s queda de 4 unidades ou 5% (4*100/80); do ponto t para o u queda de 4 unidades ou 8% (4*100/50); do ponto v para o w queda de 4 unidades ou 20% (4*100/20). Essas são as mudanças nos preços.
As quantidades variam da seguinte maneira: do ponto r para o s aumento de 2 unidades ou 20% (2*100/10); do ponto t para o u aumento de 2 unidades ou 8% (2*100/25); do ponto v para o w aumento de 2 unidades ou 5% (2*100/40).
As elasticidades em cada mudança são de: Ed = 4,0 (de r para s); Ed = 1,0 (de t para u); Ed = 0,25 (de v para w). Teoricamente a elasticidade de uma reta vai de zero ao infinito.


USANDO A ELASTICIDADE-PREÇO DA DEMANDA
Sabendo-se da elasticidade-preço da demanda para um bem se pode quantificar e predizer o quanto mais de um bem será vendido a um preço menor e vice-versa.
Ex: Suponha que a elasticidade da demanda por filmes num cinema seja de 2,0 quantos ingressos a menos o dono do cinema esperaria vender a um preço mais elevado. Se o dono aumenta em 15% o preço então ela espera uma queda de 30% na quantidade de clientes (Ed= %quant / %preço ou 2,0 = %quant / 15% ou %quant = 2,0 * 15% = 30%). Se o preço era R$ 5,00 e ele tinha uma demanda diária de 200 espectadores. A R$ 5,75 ele espera ter 140 espectadores (200 – 60 onde 60 é 30% de 200). Ele pode então calcular se vale a pena aumentar os preços. Na situação atual sua receita é de R$ 1.000,00 (5*200) com o aumento sua receita passará a ser R$ 805,00 (5,75*140). Dessa forma, neste caso, não vale a pena aumentar os preços dessa maneira.
Em geral o aumento de preço tem dois efeitos, do ponto de vista do empresário:
1. Efeito Positivo de vender a um preço mais alto.
2. Efeito Negativo de vender menos.
A decisão de aumentar ou não dependerá de qual dos efeitos supera o outro.
A ELASTICIDADE-PREÇO DA OFERTA (Eo)
A elasticidade-preço da oferta (Eo) mede a reação dos vendedores às mudanças no preço.
Essa reação também é calculada pela razão entre dois percentuais. A variação percentual na quantidade ofertada dividida pela mudança percentual no preço. Ou seja,
Ed = variação percentual na quantidade demandada
mudança percentual no preço
Dos determinantes o tempo tem grande importância, pois a elasticidade de curto-prazo será em geral diferente da de longo-prazo. Assim, ao longo do tempo, quando as firmas têm possibilidade de reagir mais intensamente às variações de preço, a curva de oferta irá se tornando cada vez mais elástica.

PREVENDO MUDANÇAS NO PREÇO USANDO ELASTICIDADES
Quando oferta ou demanda mudam pode-se traçar um diagrama para saber a direção da mudança do preço de equilíbrio. Esse diagrama dirá tudo sobre direções mais quando se deseja saber o quanto o preço mudará faz-se uso das elasticidades.
Sabendo-se as elasticidades de demanda e oferta, a variação nos preços, resultante de um aumento na quantidade demandada será é dada pela divisão do percentual de mudança na demanda pela soma das elasticidades de oferta e demanda:
Variação no preço = variação percentual na quantidade demandada
Ed + Eo
Isso para o preço de equilíbrio.
Equivalentemente pode-se calcular variações devido a mudanças na oferta:
Variação no preço = variação percentual na quantidade ofertada
Ed + Eo
De um modo geral:
Variação no preço = variação percentual na quantidade
Ed + Eo

OUTRAS ELASTICIDADES DE DEMANDA
Elasticidade cruzada
É utilizada para medir a reação dos consumidores às mudanças de preços de bens afins.
É definida como a variação percentual na quantidade demandada de um produto em particular (X) dividida pela variação percentual no preço de um bem afim (Y):
Para bens substitutos há uma relação positiva entre quantidade demandada do bem e variação de preço do substituto, logo a elasticidade cruzada de bens substitutos é positiva.
Para bens complementares há uma relação negativa entre quantidade demandada do bem e preço do bem complementar, logo a elasticidade cruzada é negativa.
Elasticidade-renda
É utilizada para medir a reação dos consumidores a mudanças na renda.
Para bens normais há uma relação positiva entre renda e quantidade demandada, logo a elasticidade renda é positiva.
Para bens inferiores há uma relação negativa entre renda e quantidade demandada, logo a elasticidade renda é negativa.
Diz-se que a demanda é renda-elástica se a elasticidade-renda é maior que um e renda-inelástica se maior que um.

Curta o Administradores.com no Facebook
Acompanhe o Administradores no Twitter
Receba Grátis a Newsletter do Administradores

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: microeconomia

Shopping