Despertar ou despedida?

Você costuma refletir? Confesso que no início não, mas atualmente faço esse exercício de reflexão constantemente na minha própria história, pois sempre que se inicia um ciclo é preciso fechar outro, mas quais são as lições e compromissos que se assumem cada vez que um novo ciclo se abre?

Era mais uma manhã rotineira que havia se iniciado, havia finalizado a minha sequência de atividades físicas na academia e caminhava até a padaria onde costumo tomar café antes de iniciar o meu dia de trabalho. Na TV estava passando o jornal Bom Dia SP, confesso que não costumo dar atenção uma vez que as notícias não têm saído fora do que já estamos cansados de ouvir, antes de seguir para o intervalo, o ancora Rodrigo Bocardi em sua fala faz um comentário que me chama a atenção para o próximo bloco fazendo referência a um assunto que está movimentando a cidade de Jundiaí em relação há um hospital de câncer infantil. Me acomodo no balcão, faço o pedido para o rapaz que sempre converso e começo a prestar atenção na matéria que se inicia, se tratava de um hospital especializado no tratamento de crianças com câncer sem condição financeira que iria ser fechado por falta de recursos e durante a matéria eles iam explicando os fatos e acabaram por entrevistar os administradores do hospital e outros, mas o ápice do tema foi a entrevista do pequeno Rodrigo e sua mãe, menino de nove anos que luta contra o câncer, mas que declarava estar perdendo as esperanças e estar pronto para partir, pois demonstrava certa clareza e maturidade da sua falta de longevidade, a mãe chorava pela situação e deixava fluir o seu sentimento de impotência e indignação e a reportagem seguiu com outras pessoas sobre o assunto.

Captei cada fala, cada olhar, expressões e tudo que foi possível, me emocionei muito, como se fosse pai do menino, tive dificuldade de tomar meu café da manhã, pois fiquei muito abalado com aquilo tudo, além de ter uma simpatia muito grande com crianças e principalmente pelas que enfrentam essa doença. Paguei a conta e fui para o carro e durante os dias que se sucederam ouvi a minha consciência me perguntando, o que você está fazendo? O que irá fazer a respeito?

Passei uns dias com essas perguntas me martelando, cada vez mais forte, como costumo fazer diversas perguntas para mim mesmo o tempo todo, tenho compreendido que faz parte do meu caminho sair em busca da resposta, embora venho aprendendo que o melhor de tudo não é encontrar a resposta e sim fazer o caminho para encontrá-la.

Resolvi mergulhar e me colocar numa posição de encontrar essa resposta, pois a pergunta central que passou a me nortear foi: Você está fazendo o que precisa ser realmente feito na vida e no trabalho?

Por mais que eu tirasse a atenção nessa hora, em verdade eu sabia que deveria mudar a minha atuação para fazer algum tipo de contribuição, pois já tinha idealizado no passado não tão distante, pois lidar com empresários que estão realmente precisando de apoio, ou, executivos que se encontram sem saber o caminho, sempre me deixou a pensar em algo mais, pois acredito que o tempo todo, somos convidados a evoluir.

Por mais que nos coloquemos numa posição rígida a consciência nos cobrar e todo esse movimento começou a se transformar, pois tempos atrás eu mesmo o inaugurei quando fiz o revir do meu propósito de vida, tinha me surpreendido com o resultado, inclusive acabei naquele momento sentindo um aperto no peito e um leve embrulhar no estômago, hoje, nesse inverno de 2017 com a minha decisão de mudança tomada, declarada e iniciada, consegui compreender o que era aquele sinal. Como um presságio senti de forma direta e clara um futuro próximo, pois quando escrevi essa nova elaboração do meu propósito de vida e fiz a conexão com a vida pessoal e o trabalho, notei que estava diante de uma escolha a ser feita, que levei quase um ano para tomar novamente uma grande decisão.

Coincidentemente quando deixei a minha empresa anterior, há muitos anos atrás tive a mesma sensação, sabendo que havia me tornado inaceitável, inclusive a mim mesmo, tive a convicção de que havia chegado a hora de deixar o esquecimento e acordar para realidade.

Notei que para viver um propósito forte e encantador, precisamos adiar a satisfação e assumir um compromisso e não poderia continuar cético e fechado para perceber uma realidade maior, um chamado, onde me coloco diante de vários empresários de pequeno e médio porte ao qual me apaixonei por contribuir e passo a cultiva-los numa boa direção, mas agora com um sócio oculto ligado a essa reportagem.

Como um ser humano consciente tomo a obrigação e assumo de bom grado esse compromisso e deixo as paixões de lado, confessando que não foi nada fácil, pois sabia que colocava em risco as amizades mais belas que já tive na vida, mas não poderia passar a não viver a minha verdade, pois quem não há vive, acaba por se condenar ao fracasso, e não é o financeiro que me refiro e sim o pior deles, o da vida.

Esse fracasso ocorre quando estamos buscando no lugar errado – fora de nós, pois o mundo ao qual queremos viver, que nos dá a chama da vida e o contentamento com a alegria do dia a dia está presente no aqui e agora e não num futuro próximo e muito menos na quantidade de dinheiro na conta bancária que também é importante.

Reuni as minhas forças e evoquei o que mais precisava, a coragem e a humildade e para abrir mão do meu orgulho, tive que contar com um valor virtuoso chamado emancipação, pois foi nesse momento que consegui entrar em contato com algo que havia desaparecido da minha vida de alguma forma, a coragem de ser o que devo ser.

Com o intuito de dar movimento a uma energia capaz de cultivar os empresários e empreendedores para uma vida em abundância contribuindo diretamente com o mundo que idealizo, começo a me transformar mais uma vez e agora estendendo ainda mais isso tudo.

Acabo por colocar o meu coração a frente, formando a coragem que preciso e numa segunda-feira fria depois de uma noite em claro, decido deixar a morada que vivi os meus últimos belos anos, estou saindo para peregrinar pelo mundo em busca de viver um compromisso, um propósito a ser realizado e alguns “quem’s” para contribuir.

Acabei por deixar a instituição que fazia parte com muito orgulho, mas com a certeza de que deveria viver algo maior, pois independente de querermos ir pela mesma linha, temos qualidades diferente e propósitos únicos, convergentes, mas que se unem em última estância a partir de agora.

Revendo a minha história, noto que o que me dará sustentação na edificação de uma nova obra será os valores virtuosos, as minhas virtudes e uma nova equipe que vem junto comigo nesse desejo de educar os sujeitos de negócio em busca de uma orientação empresarial assistida e contribuir com esses outros que também tanto precisam de apoio.

Noto que quanto mais forte vivo o meu propósito, mais os desdobramentos começam a florescer na vida, virtudes, dons e talentos são o impulso que precisamos para desenvolvermos a nossa eterna capacidade de se transformar.

Renovação e maturidade passam a ser as palavras que norteiam o meu caminho, pois representam aquilo que mais importa para a minha vida junto aos que estão ao meu lado e representam justamente o que já tinha ouvido anteriormente e lido que o que viemos a realizar é um grande ato de amor e de entregar-se oferecendo ao mundo o melhor que temos que é a realização e entrega de si mesmo, pois somos todos um só, numa única busca a de um mundo mais humano, ético e próspero.

Convido vocês que sentem que está faltando algo a refletir e embarcar comigo numa jornada rumo a expansão da consciência, pois essa aventura que aprendi com a minha grande referência de vida, o líder da instituição que deixei, pois mesmo com tantas incertezas e desafios pela frente, tenho a convicção de que, o que nos levará para um outro estado muito mais elevado será exatamente o amor, e aplica-lo em tudo será o desafio, e essa é a busca do meu novo negócio e da minha pequena grande equipe.

Despertar, está aí o primeiro dos motivos do porquê que estamos aqui e o outro é caminhar juntos, para fazer o bem ao lado de empresários e empreendedores que desejam fazer bem, então pergunto, o que vocês têm feito para encontrar o que realmente importa na vida e no trabalho?

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: despedida despertar negocios negócios rompimento

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração