Mais comentada

Do varejo físico ao mobile e o impacto sobre o consumo

O crescimento acentuado do e-commerce ampliou a concorrência e é natural que os lojistas busquem novas soluções para se destacar e aumentar a taxa de conversão. As novas tecnologias possibilitam que o varejista conheça melhor o seu consumidor para que este possa ser tratado de forma personalizada.

O crescimento acentuado do e-commerce ampliou a concorrência e é natural que os lojistas busquem novas soluções para se destacar e aumentar a taxa de conversão. Segundo pesquisa da Forrester, a soma das vendas dos três maiores mercados da América Latina (Brasil, Argentina e México) deve alcançar US$ 30,9 bilhões em 2020.

As novas tecnologias possibilitam que o varejista conheça melhor o seu consumidor para que este possa ser tratado de forma personalizada, com ofertas de seu interesse e outros serviços que tragam mais comodidade durante o processo de compras. Ferramentas que utilizam soluções big data, como o Braspag Analytics, permite também conhecer melhor o mercado e as tendências de compra por setor e tipo de produto. Por outro lado, o consumidor tem a seu favor, uma série de ferramentas que favorecem a pesquisa instantânea de preços, capacitações e condições entre lojas concorrentes.

Outra tendência fundamental é o omni channel, que têm como premissa a multicanalidade do consumidor moderno, que busca uma melhor experiência de compra, possibilitando a aquisição do produto pelo ambiente online e o recebimento na loja física, por exemplo. A integração dos canais, sejam físicos ou online é uma demanda importante do consumo moderno que precisa ser atendida por lojistas de todos os segmentos, sob o risco de perda na conversão e fidelidade do cliente para um concorrente com abordagem digital.

Este cenário vai ao encontro do abrupto crescimento da busca de produtos e efetivação de compras via mobile, bem como a virtualização de pagamentos, na qual os dados do cartão já ficam armazenados em uma base segura, permitindo a compra com apenas um clique, como ocorre com o Cartão Protegido Braspag. Já os recursos da Internet of Things (IoT), vêm chegando para revolucionar todo este processo, possibilitando que produtos também se tornem canais de compras. Segundo dados do IDC, a IoT deve movimentar US$ 4,1 bilhões no Brasil em 2016 e os dispositivos domésticos conectados movimentarão US$ 37 milhões.

As ferramentas que proporcionam virtualização de pagamentos, integração mobile e recursos IOT exigem plataformas que garantam agilidade e total segurança dos dados do consumidor. Por isso, é essencial contar com empresas que possuam certificações internacionais de segurança e apostem em data centers robustos e soluções responsivas. Segurança e privacidade são temas permanentes que desafiam a inovação, pois, infelizmente, o desenvolvimento de novos métodos de fraude caminha em paralelo com a evolução do comércio e da tecnologia.

A inovação no consumo, que o torna cada vez mais digital, multicanal e automatizado através de “coisas” que compram segundo alguma regra prévia do usuário (IoT) traz ainda um desafio maior: o armazenamento e tratamento de uma infinidade de informações geradas a cada compra. Afinal, dados do cliente, meio de pagamento, geolocalização do comprador, regra de consumo adotada, além dos tradicionais SKU do item comprado, entre outra infinidade de dados são capturados a cada nova transação. O uso aplicado destas informações pode gerar modelos interpretativos e preditivos que transformará as estratégias de marketing e a aquisição de novos clientes. Esta já é uma nova revolução, com grande impacto não somente em lojistas, mas que afeta a publicidade, canais de mídia e agências de comunicação, gerando também uma migração para o universo digital.

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(1)
Tags: consumo e-commerce inovação Internet of things mobile omini channel varejo