É preciso enxergar o que ninguém vê

Nunca mais somos os mesmos depois que damos chance as oportunidades

iStock

Quando olho para trás percebo que eu sempre fui “do contra”. Nadar contra a maré se tornou minha especialidade. Minha trajetória empresarial e meu posicionamento como líder, destacam-se justamente porque sempre fui na contra mão dos demais ou em um mercado ainda inexplorado.

E como isso acontece? Quando os outros não olham para um mercado ou desacreditam de um determinado nicho ou não entendem dele, simplesmente deixam pra lá, desdenham ou apostam “que não vai dar em nada”, se fizer sentido pra mim, é lá que eu estou. Nunca segui o óbvio, nenhuma “boiada” ou modinha e muito me orgulho disso. Em minha opinião, é muito mais fácil se iludir e quebrar a cara quando você simplesmente aposta todas suas fichas apenas no que “todo mundo” está fazendo (a mesma coisa).

É claro que por ter essa mentalidade e atitude paguei um preço alto várias vezes. Sei que em diferentes momentos e contextos do mercado e da minha própria vida eu me posicionei a frente do meu tempo, as vezes até da minha própria capacidade. Mas quando olho pelo meu retrovisor, o resultado foi muito positivo em todos os sentidos, principalmente em aprendizado.

Poucas pessoas estão dispostas a pagar esse preço, ao risco de perder tudo ou dar a cara a tapa. A grande maioria se prepara apenas para os aplausos e retornos positivos, fazem opção pelo caminho mais curto e menos arriscado, não suportam admitir que podem errar e que algo pode sair diferente do esperado. Pois bem, alguns descrevem essa habilidade como "Olhos de Lince" que é uma expressão em português usada para descrever alguém que tem uma visão acima da média, que enxerga além do que todos veem.

Quantas pessoas você conhece com essa capacidade?

Ser visionário, é conseguir enxergar além do obvio, olhar para onde todos estão olhando, perceber o que ninguém consegue ver e prever o que vem pela frente, definitivamente não é uma tarefa fácil e requer esforço repetido. Quando era jovem ouvi a lenda que um piloto chamado de Linceu da expedição dos “argonautas”, grupo composto por 56 heróis da mitologia grega, embarcaram no navio Argo para conquistar o Tosão de Ouro (a lã de ouro do carneiro alado Crisómalo). Linceu tinha uma visão tão boa que podia ver através de paredes de pedra para verificar a existência de potenciais tesouros escondidos. Outros afirmavam também que Linceu tinha a capacidade de conseguir ver o que acontecia no céu e no inferno. Em uma ocasião específica, conseguiu contar de uma só vez e a uma distância de mais de duzentos quilômetros, o número de barcos de uma frota de guerra que tinha saído de Cartago. A cada dia que passa eu busco treinar ainda mais essa visão diferenciada que algums chamam de "chute", "sorte" e até de "Midas".

O que eu faço? Na maioria das vezes me distancio, observo por outras perspectivas e tomo decisões com paciência e responsabilidade (apesar de não parecer!). Em resumo, eu procuro por mares nunca antes navegados ou até mesmo olhar pra onde todo mundo tá olhando, mas tento ver o que ninguém está conseguindo enxergar naquele momento.

Foi assim com vários negócios e mercados ao longo da minha jornada, antes obviamente deles virarem padrão de mercado. Seguem apenas alguns exemplos de forma cronológica dentre vários que vivenciei:

- A Informática nos anos 80/90
- Cooperativa de Serviços em 1990
- Software para automação de Concessionárias de Veículos em 1995
- A Venda Porta a Porta direta da fábrica nos anos 2000
- O Cartão Crédito Consignado no ano 2003
- Os Ingressos OnLine (one click to buy) no ano 2007
- Investimento Anjo e Startups em 2009
- Vendas na Era Digital em 2010
- Micro Venture Capital no Brasil em 2015
- Oportunidades diferentes com Cryptomoedas em 2017

Assim consegui chegar onde estou hoje entre erros e acertos, sempre fazendo apenas o que gosto, mas sem me acomodar quando estava ganhando. Ao longo dessa jornada fracassei também, nem tudo deu certo. Mas o que fazer quando algo não está dando certo? Reclamar? Culpar alguém ou o mundo? Ou chorar o leite derramado? Jamais!! Respirar, repensar, refazer, levantar a cabeça, virar a página e buscar novos negócios sempre. Foi o que fiz! Nunca permiti que meus sonhos fossem sepultados pelas dificuldades que enfrentei ou por comentários negativo dos outros, por isso, aprendi a corrigir os erros durante a trajetória. Nesse sentido também já me chamaram de “Fênix”. (aquele que consegue ressurgir das cinzas).

Te garanto que é muito pior viver a margem de sombras, seguir apenas tendências ou o que te falam pra fazer. Se posicione, levante a cabeça, tome decisões pensadas, arrisque mais, acredite em você em primeiro lugar. Nunca mais somos os mesmos depois que damos chance as oportunidades.

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: carreira João Kepler kepler lince negócios oportunidade visão visionário

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração