Emprego em tempos de crise

Como enfrentar as dificuldades de conseguir uma ocupação em tempos de turbulências políticas e econômicas

Dias atrás, cumprindo atividades comuns ao meu trabalho, recebo o tema de uma das palestras que ministrei na Feira de Profissões do Senac PR que acontecera no último 04 de Maio. O tema da palestra vem de encontro com uma das maiores dificuldades do momento econômico atual, claro que propositadamente, afinal vivenciamos um momento que não víamos já há algum tempo, o tema era “Conquiste seu emprego em tempos de crise”, logo comecei a refletir sobre o mesmo, primeiro na crise, reparei que a mesma é novidade para mim, um Administrador da geração Y que no imediatismo em que vivemos não paramos para analisar que nós jovens das gerações mais novas ainda não tínhamos o desprazer de conviver com ela, a crise.

Então veio a primeira dificuldade, falar de algo que ainda não vivenciei, logo parti para o estudo da última grande crise econômica e política em que vivemos. Minhas pesquisas me levam para o começo da década de 90 que apesar de já nascido, era muito novo para lembrar dela. Fato é que todos já conhecem essa história, com congelamento de poupança, inflação que acabava com o orçamento de qualquer família de um dia para o outro, enfim, me ative ao presente novamente e comecei a responder as perguntas que o título da palestra me perguntara.

Analisei que alguns fatores são necessário para se ter ou não emprego em tempos de crise, mas vou chamar de ocupação, visto que nem sempre a oportunidade de passar pela turbulência está disponível no mercado de trabalho, daí a necessidade de empreender, que é o primeiro fator que listarei das necessidades em tempos de crise, vamos a eles:

1 – Empreendedorismo: como disse anteriormente, empreender em um momento de dificuldade se mostra não só o caminho para aqueles que estão sem ocupação mas também para se ter uma segunda renda, seja para a família que queira completa-la ou até mesmo porque perdeu parte de sua renda. Lembrando que empreender não é somente “abrir o próprio negócio”, necessita de mais, costumo dizer aos meus alunos que quem empreende sem pesquisa de mercado, planejamento e disponibilidade para enfrentar algumas dificuldades, não é empreendedor, é louco. Vejo alguns exemplos de pessoas, alguns cases de sucesso, que ao empreender obtiveram sucesso imediato, histórias iguais a essa estão aos montes em sites, televisão, redes sociais, mas é preciso lembrar que o simples fato de se ter uma boa ideia, um ótimo produto não faz de você uma garantia de sucesso, então planeje bem, realize uma pesquisa de mercado e vá em frente.

Cabe também salientar que as franquias podem ser uma ótima oportunidade e também um meio de conseguir um pouco mais de facilidade, tendo em vista que a maioria já tem uma marca estabelecida no mercado, sistemas de marketing próprio, entre outras. Para aqueles que não possuem o capital para adquirir uma franquia ou abrir um negócio físico, há a possibilidade de empreender dentro de casa, como por exemplo com vendas pela internet, que de fato o investimento inicial é bem baixo já que abrir um perfil é totalmente gratuito. Neste caso específico atente-se para algumas dicas de marketing digital como saber divulgar o seu produto, não importa qual seja ele, uma postagem com foto atinge muito mais pessoas, e já é comprovado, conseguirá um número maior de curtidas que são importantíssimas em se tratando de divulgar o seu produto.

Falando em foto, cuidado com elas, podem tanto elevar o sentimento de valor agregado ao seu produto como acabar com ele, então tire fotos de qualidade, se puder utilize alguns efeitos ou filtros facilmente utilizáveis e com diversos aplicativos gratuitos para realizar esta tarefa. Também é legal se preocupar com a comunicação com cliente, cuidado ao falar com possíveis compradores e perder a venda por não saber algum dado do produto ou até mesmo demorar pra responde-lo. Enfim, marketing digital é tema para outro artigo mas aí estão dicas infalíveis para se começar um negócio digital e empreender na crise.

2 – Empregabilidade: é nesse momento que lembramos da importância de se ter uma alta taxa de empregabilidade, mas o que é isso? Empregabilidade se resume em o quanto você como profissional é importante para o mercado de trabalho, o quanto você pode ajudar uma empresa principalmente em tempos de turbulência. Alguns fatores aumentam o seu grau de empregabilidade, a principal delas é o Networking. Quando falo de Networking em minhas aulas e palestras algumas dúvidas pairam sobre esse tema, então vamos a alguns pontos: o networking é uma rede de relacionamentos, conexões, que podem ajudá-lo a obter alguma vantagem profissional, como por exemplo uma indicação para uma entrevista de emprego, avisá-lo de uma vaga disponível, entre outros benefícios.

A notícia ruim é que se você ainda não praticou o Networking e agora está precisando daquela ajuda, é tarde demais, o networking é permanente, nunca devemos esquecê-lo, e é para longo prazo. Não adianta conhecer uma pessoa hoje e logo ir entregando o seu currículo que vai pegar mal, então corre praticar, mas sabendo que os resultados virão depois. A empregabilidade envolve também suas experiências profissionais, claro que um profissional com bom currículo ficará mais fácil de encontrar uma vaga, porém não é só isso, tem também a qualificação profissional permanente, que é necessária nos dias de hoje visto que com a atualização constante de conhecimentos e a rápida logística da informação, chegando a nós no momento em que acontece a notícia fica claro que precisamos nos atualizar constantemente. Dito isto, concluo que empregabilidade é um conjunto de fatores que fazem de você o profissional que o mercado procura, ou não.

3 – Competências: o último fator que listo são algumas competências que o atual mercado de trabalho procura em qualquer profissional, seja de qualquer área, que são:

- Resiliência: que pode ser definida como a capacidade que um profissional tem de se comportar de maneira resistente diante de uma dificuldade, e essa é uma característica que qualquer recrutador adora. Já está em tempo dos profissionais aprenderem que as empresas buscam profissionais que a fortaleçam nos momentos difíceis, tomando decisões corretas, buscando inovações, e não aqueles que choram porque existe um momento difícil.

- Produtividade: o que as empresas querem de nós profissionais? Resultado. Quem apresenta resultado jamais ficará desocupado. Então a produtividade é essencial para aquele que primeiro quer se manter no mercado, ou então buscar uma nova oportunidade.

- Fazer mais com menos: poderia encaixar em produtividade, mas esse fator tomou caminho só justamente quando entramos na crise, ou seja, esse é o momento de mostrar produtividade com a falta de recursos abundantes, mostrar produtividade com a empresa querendo e tendo que cortar custos, mostrar produtividade para passar esse momento em que estamos de maneira que nem ao menos pareça que houve um dia a tal da crise.

 

 

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: crise empreendedorismo empregabilidade emprego

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração