Mais comentada

Gestão Ambiental no Agronegócio

A Gestão Ambiental no Agronegócio tem por objetivo a inserção da dimensão ambiental sem que a mesma se apresente como custos adicionais ou gargalos nos processos produtivos.

A história relata, desde muito tempo, práticas extrativistas e nas cadeias produtivas ligadas à agropecuária inúmeros impactos negativos e perdas ambientais no País.

Logo após a chegada dos portugueses à sua nova colônia, a primeira atividade econômica girava em torno da exploração do pau-brasil existente em grande quantidade na costa brasileira, principalmente no nordeste do País.

Em 1552 Martim Afonso de Sousa instalou em São Vicente, a primeira povoação dotada de um engenho para produção de açúcar.

Para colonizar o Brasil e garantir a posse da terra, em 1534, a Coroa dividiu o território em 15 capitanias hereditárias. Estas eram imensos lotes de terra que se estendiam do litoral até o limite definido pelo Tratado de Tordesilhas.

Esses lotes foram doados a capitães (donatários), pertencentes à pequena nobreza lusitana que, por sua conta promoviam a defesa local e a colonização.

A empresa açucareira foi escolhida, porque apresentava possibilidade de vir a ser um empreendimento altamente lucrativo, abastecendo o grande mercado de açúcar da Europa.

Foi no nordeste do país que a atividade açucareira atingiu seu maior grau de desenvolvimento, principalmente nas capitanias de Pernambuco e da Bahia.

Desde modo o Brasil Colônia, afetou consideravelmente os biomas Caatinga e Mata Atlântica pela extração intensiva de uma unica espécie, pela cana-de-açúcar sem falar na pecuária extensiva.

O crescente aumento da demanda mundial por alimentos tem elevado o valor das commodities agrícolas de modo geral. O Brasil tem intensa participação nesse segmento da economia, gerando grande capitalização do setor produtivo.

Esse cenário tem sido fator determinante à expansão agrícola no País, uma vez que o mercado mundial demanda fortemente por esses produtos, além de melhor remunerar o produtor em questão.

O momento exige medidas adequadas para a atuação junto a esse setor, visto sua necessidade de crescimento ao mesmo tempo que não se pode permitir o exaureamneto dos bens produtos: o meio ambiente!

O momento se torna propício pois o mercado possui uma demanda crescente por produtos ambientalmente sustentáveis. Assim, é fundamental a implantação de processos eficientes de controle e monitoramento da expansão agrícola, de modo a reduzir os processos de degradação ambiental e tornar essas atividades menos impactantes.

Processos que visem:

• desenvolver e incorporar a variável ambiental nos processos produtivos do agronegócio, por meio do desenvolvimento de novas técnicas que visem à sustentabilidade ambiental da atividade, bem como pela incorporação das já existentes;

• sugerir novas e avaliar a efetividade das políticas públicas vigentes relacionadas à diminuição da abertura de novas fronteiras agrícolas, à ocupação ordenada e racional do território e ao efetivo cumprimento da legislação ambiental.

Artigo por: Renata Pifer
Consultora, Mentora e Palestrante em Gestão Ambiental e Estratégias Sustentáveis, Executive and Business Coach. Consultora e Analista Comportamental e Trainer.

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(0)
Tags: agronegócio gestão ambiental sustentabilidade ambiental