Mais comentada

Gestão Privada x Gestão Pública

Walber Nunes,
        Sabemos que o Brasil é um dos poucos países do mundo que reserva uma pequena percentagem do seu orçamento para educação pública. A conseqüência desse fato é refletida diretamente nos jovens que saem do ensino médio sem a capacidade plena de enfrentar o mercado de trabalho, pois o que se percebe é que o 2º grau é focado somente nas provas de vestibulares e mesmo na conclusão do colegial. As empresas que optam em contratar os concludentes do ensino médio arcam com alguns investimentos desnecessários, pois os estudantes necessitam de todo um treinamento, com altos custos, especial para obter um funcionário de qualidade e com produtividade.

A grande dúvida é: Como mudar essa realidade? Quais as competências que poderiam ser absorvidas enquanto aluno do ensino médio? E como realizar esse ensinamento sem interferir nos estudos normais? Vamos juntos desvendar esse grande mistério.

O pensamento do aluno enquanto estudante do Liceu ainda é muito prematuro em relação à realidade do mundo globalizado. E é nesse momento que começa a verdadeira mudança. O ideal seria a realização de palestras, eventos e feiras que demonstrasse de maneira dinâmica, interativa e com muito entusiasmo assuntos sobre tendências mercadológicas e principalmente demonstração da realidade e ensinamentos de como vencer esse cenário competitivo o qual vivemos atualmente.

As competências que podem ser estimuladas e potencializadas nos jovens do ensino médio são:

Auto – Confiança: Consiste na capacidade de ter a plena certeza do que está fazendo, tendo fé e confiança em sua tarefa. Importante virtude que eleva a motivação interna para vencer grandes desafios. É exigida em todos os trabalhos de uma empresa do nível mais baixo até o mais elevado.
Desenvolvimento na Escola: Neste caso aconselha-se que os professores estimulem a leituras, produção de trabalhos em equipe e quando o estudante tirar alguma nota baixa deve-se falar palavras motivadoras ( sensação de confiança no potencial do aluno ) fim de que o mesmo desenvolva maior confiança em sua capacidade intelectual.

Liderança: É a capacidade de influenciar pessoas, sinergias e recursos em direção a metas pré – estabelecidas por uma equipe. Competência imprescindível para o sucesso de pessoas que almejam cargos superiores numa organização.
Desenvolvimento na Escola: Estímulos a criação de grêmios estudantis onde todos elegem algum líder, trabalhos escolares em equipe e se possível nomeação do Líder da Sala o qual terá como função de manter em ordem a sala, realização de encontros, deve motivar a todos os alunos aos estudos, realizar pesquisa de satisfação e qualidade de ensino dos professores.

Inteligência Emocional: É o controle, segurança, plenitude, harmonia e a racionalidade das emoções de cada pessoa e principalmente usando a I.E. favorável a evolução diária de sentimentos aplicado ao mercado. Podemos afirmar que a I. E. está sendo um grande desafio para as empresas, pois o convívio com a alta competitividade, pressão, mudanças constantes e o elevado índice do conhecimento organizacional faz-se necessário dessa competência a fim de melhorar o desempenho de cada funcionário.
Desenvolvimento na Escola: Realizar pequenos trabalhos e depois praticar com todas as equipes uma sessão de reflexão de tudo o que foi feito, tendo como base as reações, atitudes, sentimentos e as emoções de todos os colaboradores. Ensinar os alunos a reconhecer suas emoções, saber categorizá-las e comunicá-las, fazendo-se entender, ajuda-os a serem os responsáveis por suas próprias necessidades emocionais.
Obs: A escola deveria reservar tempo e espaço em seus programas para iniciar as crianças em projetos de cooperação. A participação de professores e alunos em projetos comuns pode dar origem à aprendizagem de métodos de resolução de conflitos e construir uma referência para a vida futura dos alunos, enriquecendo a relação professor – aluno.

Criatividade: Ação de criar algo diferente, porém com sentido a todas as pessoas. O ser criativo é outra competência que as empresas almejam no funcionário e por isso deva ser potencializada e estimulada na escola e pelos próprios pais.
Desenvolvimento na Escola: Estimulação a leituras diversas. Habituar o aluno ao mundo da leitura e demonstrar o quanto pode ser prazeroso ler um livro é uma importante prática que desenvolverá seu ego criativo. Deixar o estudante livre para criar algo diferente, mas que servirá como bem em comum para todos que compõe a sala também irá potencializar a criatividade. Deve ser feito programas de leituras, concurso de redação na escola ou alguma competição que exija um nível mínimo de criatividade

Falar em público (desinibição): Parece algo muito simples, mas não é. Estima-se que quase 90% dos jovens que se formam no colegial perpetuam a timidez e falta de coragem para falar em público ou realização de qualquer atividade que envolve equipes, impedindo a devida colocação de idéias e pensamentos. As organizações não podem mais perder tempo com esse tipo de ensinamento, pois seu foco é o cliente e o mesmo necessita ser atendido por pessoas desinibidas capazes de entender seu gosto.
Desenvolvimento na Escola: Desenvolver eventos que seja organizado pelos próprios alunos, integrar atividades que o estudante tenha que se expressar em sala de aula ou criar ações que desenvolva melhor a comunicação e elimine com a timidez em sala. Potencialize a comunicação aberta em sala; professores devam transmitir segurança e acabar com barreiras que impedem os alunos de tirar suas dúvidas.

Raciocínio Crítico e Analítico: Desenvolvido através da leitura analítica e crítica de livros que instiguem o aluno a pensar. As disciplinas de Português e Literatura estimulam a criação desses raciocínios, nos alunos. Para as empresas é importante porque devido ao ambiente constante de mudanças do cenário atual faz-se necessário que o funcionário entenda as evoluções e criem alternativas para melhor adaptação de todos os colaboradores.

Raciocínio Lógico e Quantitativo: Consistem na capacidade de entender logicamente situações diversas que envolvam situações matemáticas. Na parte financeira das organizações esse tipo de competência é imprescindível para obtenção de melhores resultados e atingir metas. A matemática do ensino médio deva se tornar algo prazeroso e dinâmico aos alunos, pois dependerá do seu desenvolvimento para potencializar esses raciocínios nos estudantes.

Depois de conhecer essas competências que podem ser adquiridas apenas no ensino médio você acha que seria gasto algum tipo de custo elevado? Isso mesmo a resposta é clara NÃO haveria custos para que a Gestão Pública ajudasse muito a Gestão Privada de empresas que querem contratar mais, eliminando custos.

Falta somente uma coisa importantíssima dos senhores gestores públicos a VONTADE.
Vontade de mudar com excelência a nossa educação e conseguir aliar: Ensino Médio + Mercado + Preparação para vestibulares + Educação para a vida. Tenho certeza que se um dia isso acontecer o futuro nosso país irá mudar totalmente.

O ideal seria uma conciliação entre o poder público e as empresas, pois sabemos que pessoas estão na escola para criar um futuro melhor para si mesmo e aos seus familiares, e com certeza as organizações podem garantir melhor qualidade de vida a essas pessoas, porém as empresas necessitam de pessoas qualificadas e preparadas para assumirem cargos organizacionais.

'' O futuro da administração está na mãos daqueles que acredita no potencial das pessoas e das virtudes plenas de enriquecimento societal ''

Ass.: Walber

Curta o Administradores.com no Facebook
Acompanhe o Administradores no Twitter
Receba Grátis a Newsletter do Administradores

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Shopping