Mais comentada

Inovação: o segredo está no "pessimismo ensolarado"

Inovar é, antes de tudo, conseguir negar o atual e acreditar na construção do novo

Olá, pessoal. A coluna está de volta e nesta semana retomamos o assunto Inovação respondendo a algumas perguntas da leitora Caroline Alberghini. No e-mail que nos enviou, ela pede uma definição mais clara do conceito, pergunta como a personalidade pode interferir no processo de implantação de projetos novos e se a motivação para esse trabalho depende da personalidade. Então, vamos lá!


Inovação é lançar algo novo ao mundo. Muitas pessoas confundem com palavras como criatividade e imaginação. Imaginação é o simples ato de imaginar qualquer coisa, criatividade é imaginar e tornar viável, e por fim, a inovação é quando o produto de seu esforço criativo finalmente vê a luz do mundo.

A personalidade é um conceito mais complicado... Primeiro, porque há várias teorias diferentes sobre a personalidade e o grau com que nascemos de certa forma ou podemos modificá-las. Como o espaço é curto, vamos tentar focar em alguns pontos importantes. O primeiro deles é a persistência. Dificilmente uma inovação nasce pronta e perfeita no mundo. Geralmente, o resultado final é fruto de um longo processo de tentativas e erros. A capacidade de persistir perante o fracasso é uma característica de pessoas inovadoras.

Nuvem
Imagem: Thinkstock

 

Outro fator importante é que pessoas criativas tendem a ser avessas a regras e hierarquias. Afinal, para chegar a algo novo, é preciso destruir o velho e pisar em alguns calos, algo que dificilmente você vai fazer se é do tipo que segue as regras tim-tim por tim-tim. As pessoas criativas também tendem a ter um traço que faz com que elas olhem mais para si mesmas, passem mais tempo em conversas internas do que a média.

Essas características respondem mais ou menos ao grosso da questão, mas deixam de tocar no principal. Afinal, é preciso reunir todos os requisitos para ser criativo? A resposta é negativa. Há pessoas criativas de todos os tipos. Sim, podemos tentar desenvolver um ou outro traço ou melhoria que julguemos importantes para nossas vidas. Mas o mais importante, se você está criando algo novo, é o momento de reconhecer no que você realmente é boa, e no que você não é. Se você é boa em ter ideias, pode não ter as habilidades de uma boa vendedora, e talvez seja importante encontrar alguém para "vender" suas ideias para você. Se você é empreendedora, pode contratar alguém, se está dentro de uma empresa, pode busca parcerias com profissionais que te completam.

Tem um autor de quem gosto muito, com o pequeno nome de Mihaly Csikszentmihalyi (agora repita o nome dele 5 vezes seguidas!), que tem uma frase ótima sobre pessoas criativas. Segundo ele, pessoas criativas têm o que ele chamou de um "pessimismo ensolarado". Ou seja, elas são pessimistas o suficiente para ver o que há de ruim no mundo para querer mudá-lo, mas são otimistas o suficiente para acreditar que realmente podem fazer algo para mudá-lo.

Se você é pessimista demais, pode "travar" achando que tudo é ruim demais e não adianta fazer nada. Se é otimista demais, acha tudo muito ótimo! Por que então, mudaria alguma coisa? A motivação, pelo menos quando falamos sobre mudanças, vem daquele lugar dentro de você com o qual você está insatisfeita o suficiente para querer mudar, e tem a dose de otimismo suficiente para levar a ideia em frente e achar que tudo vai acabar bem.

E você? Tem alguma dúvida sobre empreendedorismo, criatividade ou inovação? Envie sua pergunta para pergunteaozugman@administradores.com.br. 

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: inovação otimismo personalidade pessimismo

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração