Metas, sim; sentimentos, não.

Seja frio, calculista e acerte o alvo, não se importando se os meios são ruins ou inapropriados para alcançar os resultados.

Tudo gira em torno de metas... estudar para ter importância, ou ser menos medíocre, menos pobre. Dinheiro para felicidade familiar a fim de que todos possam comprar o que desejam, além de viajar e divertir-se. Os filhos não sabem expressar sentimentos; e os pais ou responsáveis não conseguem interpretar sinais de que não são bens materiais e, sim, atenção ou carinho de que seus filhos necessitam.

Casais sem filhos vivem com metas e não sabem se expressar; afinal, desde pequenos, perseguem metas externas e não conhecem a si mesmos. Vivem superfluamente, com contendas e discussões infindáveis. A separação é o provável resultado, ou manter um relacionamento superficial.

Somos programados a vivermos como números que devem gerar resultados explícitos; sentimentos não são considerados. O desprezo ocorre como consequência; e a depressão, como presente inesperado.

Gratidão pela vida: presentes de aniversário, uma máscara chamada meritocracia, cultivando pessoas, promovendo o bem-estar e a geração de uma espécie de investimento com resgate anual. Os presentes de aniversários correspondem ao que a pessoa promoveu, no decorrer dos muitos dias anteriores, gerando impacto e respostas de aprovação, baseados em eventos, visitações, comentários, "likes", autopromoção e o ato de importar-se com o próximo de maneira supérflua.

Todos culpam e não se culpam. Criticam, mas não sabem olhar para dentro de si. Afinal, as atividades do trabalho e o dever acadêmico são tão cansativos que a melhor solução tem sido viver de paliativos, de ilusão e de pílulas da felicidade – gurus de diversas áreas. A ordem é empreender a qualquer custo, com promessas de retorno, esquecendo-se dos riscos, outra frustração e pesadelo de dívidas. Estudos servem apenas para promover a felicidade financeira. Os amigos são meio de autopromoção da felicidade superficial. Sentimentos? Afinal, o que é mesmo isso?

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: frieza metas agressivas relações duradouras sentimentos e trabalho

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração