Novas habilidades para emprego e carreira

O Relatório do Capital Humano 2017 considera que o fracasso dos países em desenvolver adequadamente os talentos das pessoas está subjacente à desigualdade, privando as pessoas de oportunidade e acesso a uma ampla base de trabalho de boa qualidade.

iStock

O Relatório sobre o Capital Humano do Fórum Econômico Mundial, publicado em setembro de 2017, traz informações importantes para o mundo do trabalho, em termos de empregos e carreira.

Uma das conclusões contidas neste relatório, é que os esforços para alcançar plenamente o potencial econômico das pessoas - em países em todas as fases do desenvolvimento econômico - estão caindo devido à implantação ineficaz de habilidades em toda a força de trabalho, desenvolvimento de habilidades futuras e promoção adequada da aprendizagem contínua para aqueles que já estão no emprego.

Essas falhas em traduzir o investimento na educação durante os anos formativos em oportunidades de trabalho de melhor qualidade durante a vida útil contribuem para a desigualdade de renda ao bloquear os dois caminhos para inclusão social: educação e trabalho.

O relatório é resultado da análise de 130 países, com base em quatro áreas-chave do desenvolvimento do capital humano:

1. Capacidade, em grande parte determinada pelo investimento passado na educação formal;

2. Implantação, aplicação e acumulação de habilidades através do trabalho;

3. Desenvolvimento, educação formal da mão-de-obra da próxima geração e contínuo aumento e recuperação dos trabalhadores existentes; e

4. Know-how, a amplitude e a profundidade das habilidades especializadas-uso no trabalho.

O desempenho dos países também é medido em cinco grupos etários ou gerações distintas: 0-14 anos; 15-24 anos; 25-54 anos; 55-64 anos; e 65 anos e mais.

De acordo com o Índice de Capital Humano do relatório, 62% do capital humano já foi desenvolvido globalmente.

Apenas 25 nações aproveitaram 70% do capital humano de suas pessoas ou mais. Com a maioria dos países que alavancam entre 50% e 70% de seu capital humano, 14 países permanecem abaixo de 50%.

Um princípio fundamental do relatório é que a acumulação de habilidades não termina em uma educação formal, e a aplicação contínua e acumulação de habilidades através do trabalho faz parte do desenvolvimento do capital humano. Muitas vezes, as economias já possuem o talento exigido, mas não conseguem implantá-lo.

Embora muitas vezes sejam feitas de desigualdades entre as gerações, quando se trata da realização do capital humano, o relatório considera que cada geração enfrenta desafios consideráveis quando se trata de realizar o potencial individual.

Por exemplo, enquanto as pessoas jovens são consistentemente melhores do que as gerações mais velhas quando se trata do investimento inicial em sua educação, suas habilidades nem sempre são implantadas efetivamente e muitos empregadores continuam a procurar talentos prontos.

O problema do subdesenvolvimento de habilidades entre os jovens também afeta aqueles que chegam ao fim de sua vida profissional. Enquanto isso, poucos dentre os que estão atualmente no emprego - em todos os grupos etários - têm acesso a um trabalho qualificado e oportunidades para aprimorar o know-how.

"A Quarta Revolução Industrial não apenas perturba o emprego, mas cria uma falta de competências recém-requeridas. Portanto, enfrentamos uma crise global de talento. Precisamos de uma nova mentalidade e de uma verdadeira revolução para adaptar nossos sistemas educacionais à educação necessária para a futura força de trabalho", disse Klaus Schwab, fundador e presidente executivo do Fórum Econômico Mundial.

"As estratégias dos países para desenvolver o capital humano devem variar de acordo com a estrutura demográfica. No entanto, todos os países correm o risco de criar gerações perdidas se não adotarem uma abordagem mais holística para criar talentos que leve em conta uma abordagem proativa para gerenciar a transição da educação para o emprego e a aprendizagem contínua e aquisição de habilidades", disse Saadia Zahidi, gestor, Educação, Gênero e Trabalho, Fórum Econômico Mundial.

"As habilidades são a unidade fundamental do capital humano. Conhecer quais habilidades são mais resistentes, mais persistentes e provavelmente continuarão relevantes através da inovação tecnológica e as mudanças econômicas são fundamentais para o sucesso dos funcionários que estão sendo aprimorados e resgatados. Usar nossos dados para armar governos e comunidades de políticas mais amplas com uma compreensão mais rica da dinâmica de habilidades pode e deve impulsionar investimentos mais nuançados e estratégicos na construção de capital humano para o futuro", disse Guy Berger, LinkedIn Economist.

O Índice de Capital Humano 2017

O top 10 é liderado por países europeus menores como: Noruega (1), Finlândia (2), Suíça (3) - e grandes economias, como Estados Unidos (4) e Alemanha (6). 

Quatro países da Ásia Oriental e da região do Pacífico, três países da região da Europa Oriental e da Ásia Central e um país da região do Oriente Médio e da África do Norte também estão no índice top 20.

A nível regional, a diferença de desenvolvimento do capital humano é menor na América do Norte, seguida pela Europa Ocidental, Europa Oriental e Ásia Central, Ásia Oriental e Pacífico, América Latina e Oriente Médio e África do Norte. A diferença é maior no sul da Ásia e na África subsaariana.

A América do Norte é o artista regional mais forte, com uma pontuação média de 73,95. Os Estados Unidos (4) são os 10 melhores e o Canadá (14) no top 20.

A Europa Ocidental tem uma pontuação média global de 71,10, a segunda maior após a América do Norte. Os rankings são dominados pelos países nórdicos - Norte (1), Finlândia (2), Dinamarca (5) e Suécia (8), bem como Suíça (3) e Alemanha (6) - que coletivamente ocupam os principais pontos da região.

Doze países atravessaram o limiar de desenvolvimento de pelo menos 70% de seu capital humano. Os Países Baixos (13) e a Bélgica (15) estão à frente do Reino Unido (23) e da França (26) para constituir o intervalo médio da tabela da liga regional, enquanto três países do Mediterrâneo - Portugal (43), Espanha (44 ) e Grécia (48) - marque as fileiras inferiores.

Europa Oriental e Ásia Central ocupa o terceiro lugar globalmente, com uma pontuação média global de 67,36. Três países da região estão no top 20: Eslovênia (9), Estônia (12) e Federação Russa (16). A República Checa (22), a Ucrânia (24) e a Lituânia (25) obtêm uma pontuação superior ao limiar de 70%. Os países mais bem classificados da região, da Macedónia, da RY (67) e da Albânia (85) são retidos pelo alto índice de desemprego e subemprego em todas as faixas etárias.

A região leste da Ásia e da região do Pacífico atinge o meio do intervalo do índice, com uma média geral de 65,77. Os países de melhor desempenho da região, como Cingapura (11), Japão (17) e República da Coréia (27), são fortalezas globais do sucesso do capital humano, enquanto países como a República Democrática Popular do Laos (84), Myanmar (89 ) e o Camboja (92) seguem para trás, apesar do alto grau de utilização do capital humano em todo o pilar da implantação. As economias da ASEAN, como a Tailândia (40), o Vietnã (64), a Indonésia (65) e a Malásia (33) procuram o alcance médio. A China (34) está bem à frente dos outros países BRICS, exceto pela Federação Russa.

As pontuações da América Latina e do Caribe no intervalo médio inferior do índice, com uma pontuação média global de 59,86. O fosso entre o melhor e o pior desempenho da região é menor do que para qualquer outra região.

Os dois países com melhor desempenho da região são a Argentina (52) e o Chile (53). As duas maiores economias da região, o México (69) e o Brasil (77), classificam-se na metade e metade do índice geral, juntamente com o Peru (66) e a Colômbia (68). Na parte inferior do ranking, na região estão a Venezuela (94) e nações centro-americanas como Honduras (101).

Oriente Médio e África do Norte tem uma pontuação média global de 55,91. Apenas um país, Israel (18), da região, atinge o topo 20. Três estados do Golfo - Emirados Árabes Unidos (45), Bahrein (47) e Qatar (55) - superam o resto da língua árabe da região países e pontuação no intervalo médio do índice em geral.

A pontuação da Turquia (75) foi de 60%. A Arábia Saudita (82), a maior economia da região, está à frente do Egito (97), é a mais populosa. A Argélia (112), a Tunísia (115) e Marrocos (118) constituem a parte inferior do ranking, à frente da Mauritânia (129) e do Iêmen (129).

A Ásia do Sul é a mais baixa do índice, com uma pontuação média global de 54,10. Sri Lanka (70) é o melhor desempenho, enquanto Nepal (98), Índia (103), Bangladesh (111) e Paquistão (125) estão atrasados. Com exceção do Sri Lanka, o resto ainda não atingiu o limiar de 60% em relação ao desenvolvimento do capital humano.

Com uma pontuação média global de 52,97, a África subsaariana é a região mais baixa do índice. Ruanda (71), Gana (72), Camarões (73) e Maurícia (74) desenvolveram mais de 60% de seu capital humano. A África do Sul (87), a segunda maior economia da região, vem para o meio da região. Nigéria (114) classifica no meio-campo inferior e Etiópia (127) é o artista mais baixo, quarto a partir do fundo no índice geral.

Habilidades

Uma parceria de pesquisa com o LinkedIn abre uma nova luz sobre educação e habilidades em todo o mundo.

Dentro do alcance mais amplo da expansão do ensino superior entre gerações, houve uma mudança nas escolhas feitas pelos alunos sobre quais assuntos se especializarem, bem como uma expansão do conjunto de graus em oferta.

Alguns campos de especialização, como administração e gerenciamento de negócios, tem representação substancial e contínua por faixa etária em todas as gerações.

Outros cursos, como economia, diminuíram com a proporção de cursos entre as gerações mais jovens. Cursos como ciência da computação têm crescido com a proporção dos cursos escolhidos pelas novas gerações. Finalmente, cursos como psicologia, combinando a popularidade que de escolha de tempos anteriores.

Negócios, administração e direito, ciências sociais, jornalismo e informação, bem como tecnologias de informação e comunicação (TIC) dominam as especializações mais populares em todos os mercados de trabalho.

As economias da América do Sul estão entre as mais propensas a ter uma especialização focada em negócios, administração e direito, especialmente em algumas das maiores economias da América do Sul, como Argentina, Brasil, Chile e Colômbia.

Por outro lado, alguns dos países nos quais os alunos têm mais probabilidade de procurar uma especialização em artes e humanidades são o Reino Unido, a Irlanda, a Dinamarca, os Estados Unidos, o Canadá, a Nova Zelândia e a França. Os países que abrigam grandes grupos de talentos de educação (terceiro grau) especializada em engenharia, fabricação e construção incluem economias com alta demanda por engenheiros petroquímicos, como o Catar.

Quando se trata de talentos em Tecnologias de Informação e Comunicação, os dados da associação global do LinkedIn mostram que houve uma expansão considerável deste conjunto especial de habilidades especializadas. No entanto, esse boom por profissionais de TIC não é distribuído de forma igual entre países e gerações.

Economias como a Suécia, a Austrália, os Estados Unidos, a Suíça e o Reino Unido têm profissionais "TIC" relativamente mais maduros; outros, como a Lituânia, o Brasil, a Romênia e a Estônia, possuem grupos predominantemente jovens de talentos "TIC".

Embora a expansão do acesso à educação e a realização de reformas nos currículos sejam fundamentais para assegurar que as gerações futuras estejam preparadas para um mercado de trabalho em mudança, o Relatório sobre o Capital Humano 2017 enfatiza a natureza vital da qualificação contínua, aprimoramento e novo aprendizado de habilidades, por parte da força de trabalho.

Isso exige que os empregadores forneçam oportunidades de aprendizagem aos seus trabalhadores e vejam isso como investimentos, os governos a ter uma visão holística para ampliar e aprofundar as habilidades - especialização e complexidade do trabalho em suas economias, e indivíduos para ver o aprendizado como uma atividade ao longo da vida.

Fonte: Global Human Capital Report 2017.

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: administração carreira emprego gestão de pessoas Global Human Capital Report 2017 habilidades