O mundo é plano - uma breve história do século XXI

Geograficamente falando a Terra é redonda, porém, os negócios "achataram" essa estrutura criando um mundo quase sem fronteiras, sem diferenças, completamente plano

O livro O mundo é plano, de Thomas L. Friedman relata sobre um fenômeno que vem ocorrendo no mundo em consequência da globalização. A expressão que deu origem ao título do livro refere-se à facilidade de comunicação, transporte, terceirização e união de mercados que parece extinguir as barreiras político-geográficas existentes.


O primeiro capítulo titulado “Só um cochilo” comenta sobre a terceirização de call centers na Índia, que em pouco tempo se popularizou e tornou-se prática de diversas empresas em diversas regiões. Grandes empresas dos Estados Unidos terceirizam suas centrais de atendimento neste país, e apesar de estarem do outro lado do mundo, todos são treinados para que os clientes, ao ligarem “se sintam em casa”, até o sotaque e o nome dos atendentes são americanos. Os funcionários dessas empresas são em sua maioria jovens, que veem o emprego como uma oportunidade para conseguir arcar com os custos de seus estudos e terem uma melhoria de vida no futuro.


A tendência é que cada vez mais os serviços operacionais sejam terceirizados para além das fronteiras, em países subdesenvolvidos, reduzindo-se assim os custos com mão de obra. Outro exemplo citado são escritórios de contabilidade terceirizados também na Índia, onde realizam declarações de impostos de renda, dentre outros serviços. A pergunta que se faz é: se todo esse trabalho está sendo transferido para países subdesenvolvidos, em que trabalharão os países? Aqueles tomarão o lugar destes? A princípio, não.


Apesar de muitos processos poderem ser transferidos, alguns ainda são exclusivos, ligados à inteligência do negócio. O que os empresários almejam com isso é desocupar-se com o serviço “pesado” para ocupar-se com a estratégia, com as atividades que agregam maior valor para o consumidor. No caso do escritório de contabilidade, não precisando mais fazer inúmeras declarações de imposto de renda, o contador tem tempo para estudar o código tributário e encontrar maneiras de fazer com que seu cliente pague menos impostos. Enquanto as reclamações e dúvidas de clientes são direcionadas para Bangalore, mais engenheiros pesquisam novas tecnologias no Vale do Silício.


Um fator que muito contribuiu para esse “achatamento” do mundo são as novas tecnologias de comunicação, a internet e sistemas inteligentes que permitem a troca de dados em qualquer parte do mundo, dentre várias outras “forças” que são apresentadas no segundo capítulo.


Enquanto por um lado, o “achatamento” do mundo representou um salto em competitividade para as empresas, por outro lado, atiçou a ira de pessoas perigosas como Bin Laden, que movido por uma ideologia conseguiu atacar seu inimigo mesmo estando a quilômetros de distância.


O “achatamento” do mundo e todas as outras mudanças que veio com ele não impactaram apenas na política ou economia, mas também no cotidiano das pessoas, nos costumes da sociedade, mudaram as pessoas. Essas mudanças podem trazer sim muitos benefícios, mas devemos absorvê-las sem deixar de enxergar e reconhecer o verdadeiro valor das pessoas e daquilo que realmente importa, além do material.

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: estratégia globalização negócios

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração