Mais comentada

Por que investir nas mídias sociais durante a crise pode ser um erro?

Se sua empresa está sofrendo com a crise, a primeira coisa a fazer é planejar, para assim poder utilizar a comunicação como aliada na conquista dos seus objetivos

iStock

As empresas no Brasil vêm presenciando algumas situações que assombram qualquer administração. Demissões em massa, férias coletivas, crescimento do PIB abaixo do esperado. Muitas, olhando seu faturamento diminuir, podem pensar: vou investir no Facebook, YouTube, criar um blog ou Instagram, para atrair mais clientes e aumentar os lucros gastando pouco. Afinal, a máxima de uma crise é poupar.

Essa atitude pode ser um erro. Por quê?

1. Problemas internos. Se a empresa tem problemas internos relacionados à produção e comunicação entre funcionários, as redes sociais podem trazê-los à tona para um maior número de pessoas e deixá-las descontentes.

2. Relacionamento. Se a empresa não possui pessoas treinadas e capazes de conversar com o cliente, e de forma rápida, ele poderá se irritar, se sentir rejeitado, e não mais voltar.

3. Distribuição. Se a empresa não tem uma logística bem organizada, uma avalanche de pedidos oriundos das redes poderá fazer com que ela não consiga atender à demanda, deixando muitos clientes insatisfeitos.

4. Falta de atualização. Não adianta a empresa ter uma fanpage ou uma conta no Twitter e não entregar conteúdo relevante periodicamente para seus seguidores. Mais do que um canal de promoção, as redes sociais servem para relacionamento, como foi falado há pouco, o que requer tempo e constância. Divulgar uma vez e não aparecer mais fará mal à sua imagem coorporativa, pois os clientes, ou possíveis clientes, verão suas postagens antigas, ou comentários não respondidos que denigrem a imagem da empresa e acreditarão que ela não é boa.

Abrir um canal nas redes sociais é como colocar um telhado de vidro bem grande na sua empresa. Todos nós temos um espaço dele, pois ninguém é perfeito. Mas, normalmente, costumamos cobri-lo para evitar danos. Nas redes sociais, esse teto enorme irá receber pedras (questionamentos e críticas), granizo, poderá trincar, e, quem sabe, quebrar, e todos os que participam da organização poderão sair feridos.

Na crise e nas adversidades é preciso cautela, ponderação e estratégia. Pensar onde se quer chegar, os pontos fracos (que deverão ser corrigidos) e os fortes (que deverão ser enaltecidos) e perceber quais meios de comunicação poderão ajudar no alcance dos objetivos.

Se sua empresa está sofrendo com a crise, a primeira coisa a fazer é planejar estrategicamente e utilizar a comunicação como aliada na conquista dos seus objetivos.

Conforme McLuhan, estamos todos conectados, fazemos parte de uma Aldeia Global. Mas para que utilizemos as mídias sociais a nosso favor, é preciso planejamento e objetivos claros, senão, em vez de nos ajudar na crise, elas poderão atrapalhar, ou pior, gerar uma.

Pense! Crie! Inove sempre! E boa sorte!

Avalie este artigo:
(7)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: comunicação comunicação estratégica mídias sociais redes sociais

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração