Quanto sua empresa deveria dar de lucro?

A essência dos negócios é investir dinheiro hoje para obter mais dinheiro (caixa) maior no futuro. Mas por que damos tanto valor à medição do lucro?

 Essa é uma pergunta recorrente de empresários, gestores e até executivos financeiros de alto escalão. Como vimos em artigo recente, a essência dos negócios é investir dinheiro hoje para obter mais dinheiro (caixa) maior no futuro. O caixa é rei. 


Mas por que então damos tanto valor à medição do lucro?

Porque o lucro é uma forma de você medir o desempenho econômico do negócio (estamos ganhando dinheiro?, estamos indo bem?) enquanto este está em andamento. O caixa final só vamos ter quando a empresa encerrar suas operações, pagar e receber tudo que tem direito e o que sobrar é o caixa final do empreendimento que compararíamos com investimento inicial feito e o custo de oportunidade.

De um ponto de vista de prático o lucro, bem medido, pode ser considerado uma excelente variável "Proxy"(uma variável estatística que é utilizada no lugar de uma outra de difícil mensuração) do fluxo de caixa de longo prazo da empresa. O lucro é considerado uma medidor eficaz do desempenho da empresa no curto prazo enquanto que o fluxo de caixa faria esse papel de forma mais efetiva para a medição no longo prazo.

lucro
(imagem: Thinkstock)

 

Para que tenhamos o lucro bem medido, precisamos partir de uma definição de lucro sob um ponto de vista econômico , onde o lucro é o valor residual depois de remunerados todos os recursos consumidos e investidos num empreendimento. Como remuneração, entendemos aqui inclusive a reposição dos ativos consumidos no processo de obtenção de lucro de forma que o ativo da companhia tenha a mesma capacidade de geração de benefícios do início do período.

Importante ressaltar que o "custo de oportunidade" do investimento , não pode ser negligenciado, isto é, ao investir caixa hoje se abstendo do consumo presente, o investidor precisa ter remunerado pelo valor do retorno da alternativa de investimento disponível que ele teria para aplicar. A lógica aqui é simples, para que você investiria na empresa ou num projeto, se você pudesse investir numa alternativa que te oferecesse um retorno semelhante e menor risco?

A dinâmica do Investimento

Ao iniciar uma empresa os acionistas investem seu capital na empresa (patrimônio líquido) e aí esses recursos são investidos em terrenos, máquinas, equipamentos (ativos permanentes) e em ativo circulante (contas a receber, estoques e um pouco de caixa). Parte dos investimentos no ativo, vai ser financiada por terceiros (passivo circulante e a longo-prazo) e estes quando na forma de empréstimos exigem uma remuneração pelo capital emprestado (juros). De outro lado, como já diria Benjamim Franklin, "nada é mais certo neste mundo do que a morte e os impostos", e o lucro gera impostos que têm de ser recolhidos aos cofres do governo.

A quem o lucro remunera?

O lucro deve remunerar todos os fatores, iniciando-se pelo capital dos acionistas. O capital dos acionistas, é remunerado, via dividendos (parcela do lucro distribuído) e a valorização da empresa e de suas ações. Chegamos ao lucro líquido, após o pagamento dos impostos ( Imposto de renda e Contribuição social) , o pagamento dos juros pelos recursos emprestados de terceiros , a remuneração de empregados, aluguéis, serviços e por fim matéria-prima e os recursos variáveis envolvidos na obtenção dos produtos e serviços oferecidos aos clientes. A demonstração de resultado abaixo ilustra os vários tipos de lucro e a remuneração de cada parte.

Vendas

(-) Custo da Mercadoria Vendida

(=) Lucro Bruto

(-) Despesas Operacionais

(=) Lucro Operacional ou (Lucro antes dos juros e Imposto de Renda) EBIT

(-) Juros

(=) Lucro Antes dos Impostos ( EBT)

(-) Imposto de Renda/CS

(=) Lucro Liquido (EAT)

E como se chega ao valor do lucro objetivado?

A mecânica envolve o planejamento da DRE (Demonstração de Resultado) começando pelo fim, isto é pelo valor objetivado de lucro líquido.

Ora o Lucro líquido deve como vimos , deve remunerar o acionista pelo investimento que ele tem na empresa ( Patrimônio Líquido) e esta remuneração tem como base o custo de oportunidade do acionista ( digamos 10% ao ano) e um prêmio de risco por investir na empresa, num segmento econômico e em ultima instância num país onde a empresa e seus clientes estão localizados. Para exemplificar vamos imaginar que o retorno exigido pelo acionista seja de 15% (10% +5%) e que o investimento inicial seja de R$1.000.000,00.

Assim temos que gerar de lucro líquido depois do Imposto de Renda e da Constribuição social ( que para empresas maiores gira em torno de 34% de alíquota no Brasil) de R$150.000,00 ou seja ( R$1.000.000,00 (x) 15%).

Para se chegar a esses R$150.000,00 líquidos de IR/CS precisamos de um lucro antes do IR/CS de R$227.272,72, ou seja (R$150.000,00/(1-34%)).

Supondo-se que para as operações normais da empresa, ela tenha se endividado em R$300.000,00 e que os juros cobrados pelo emprestador se situem em 12% a.a precisamos somar ao Lucro antes do Imposto de Renda/CS outros R$36.000,00 e chegar ao Lucro Operacional de R$263.272,72

Como todos nós sabemos as despesas operacionais se caracterizam por terem um comportamento fixo e assim, ao somarmos as despesas fixas de digamos R$200.000,00 ao lucro operacional chegaríamos ao lucro bruto de R$463.272,72.

Se o custo das mercadorias vendidas , representarem cerca de 60% das vendas líquidas, teremos então o valor necessário de vendas R$1.158,181,80 ou seja (R$463.272,72(/)40%) para que alcancemos o lucro necessário para remunerar o acionista de acordo com as expectativas dos mesmos.

Refazendo nossa DRE ( Demonstração de Resultado ) teríamos:

Vendas R$1.158,181,80

(-) Custo da Mercadoria Vendida -R$ 694.909,08

(=) Lucro Bruto 40% R$ 463.272,72

(-) Despesas Operacionais -R$ 200.000,00

(=) Lucro Operacional ou (Lucro antes dos juros e Imposto de Renda) EBIT R$ 263.272,72

(-) Juros -R$ 36.000,00

(=) Lucro Antes dos Impostos ( EBT) R$227.272,72

(-) Imposto de Renda/CS (34%) -R$ 77.272,72

(=) Lucro Liquido (EAT) R$150.000,00*

*Equivalente a 15% do valor investido pelo Acionista.

Resta agora saber, se nossa empresa tem capacidade produtiva e competência para vender o equivalente a R$1.158,181,80 e eficiência para controlar custos e despesas dentro dos parâmetros planejados da DRE. Mas isso é tema pra outro artigo.

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: custo de oportunidade custos despesas. investimento Lucro receita

Administradores Premium

Últimos Workshops


Revista Administradores

Revista Administradores

Como você usa seu tempo?

Saiba como render mais no trabalho, ter momentos de lazer e até como explorar melhor o ócio.


Seja um Administrador Premium e
Tenha acesso a todos esses benfícios.

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração