Avast junta-se ao projeto No More Ransom como parceiro associado

A Avast acaba de unir-se ao No More Ransom,
um projeto internacional que ajuda as vítimas de ransomware a recuperar
seus arquivos criptografados, sem ter de pagar um resgate a
cibercriminosos - o ransomware tornou-se uma das maiores ameaças que os usuários de PCs, dispositivos móveis e até mesmo Macs enfrentam.  O No More Ransom tem quatro parceiros principais e é apoiado por agências de aplicação da lei de todo o mundo. O ransomware é um malware
que trava um dispositivo ou criptografa os arquivos, tornando-os
indisponíveis. Um resgate é então exigido pelos cibercriminosos para
destravar esses dispositivos ou arquivos. O valor do resgate varia, mas
em média a exigência durante o ano passado foi de um Bitcoin
(aproximadamente USD 500 na época). O ransomware é distribuído em geral
por meio de emails de phishing ou exploits
e é direcionado tanto a pessoas quanto a empresas. No Brasil, muitas
municipalidades têm registrado ataques, como as de Turvo e Pitanga, no
Paraná, no ano passado, mas especialistas da comunidade de segurança da
informação comentam que muitas pequenas e médias empresas também já
foram atingidas. Veja por que você deve estar atento:

  • A Avast identificou 60 milhões de incidências do ransomware Locky em 2016
  • O resgate exigido é de 1 Bitcoin (USD 533) em média
  • A Avast economizou USD 64 Bilhões em pagamentos de resgates
  • As equipes de TI lidam com até 4 ataques semanalmente

O No More Ransom foi lançado na metade de 2016 e agora contém 40 ferramentas gratuitas de decifragem,
seis das quais foram fornecidas pela Avast. A Avast cria continuamente
novas ferramentas de decifragem, que também podem ser encontradas na
página de ferramentas gratuitas de decifragem de ransomware da Avast.“O
ransomware se tornou um negócio lucrativo para os criminosos. Tivemos
um aumento de 105% nos ataques de ransomware entre 2015 e 2016”, diz
Jakub Kroustek, líder no laboratório de ameaças da Avast e co-autor das
ferramentas de decifragem da Avast. “Esperamos que o projeto No More
Ransom amplie o conhecimento das ferramentas gratuitas de decifragem
agora disponíveis. Se pudermos reduzir o número de resgates pagos,
podemos tornar o ransomware menos atraente para os cibercriminosos.”Embora
as ferramentas de decifragem de ransomware possam ajudar a salvar os
arquivos, elas devem ser vistas como um último recurso. O ransomware se
tornou tão bem sucedido, que está até sendo comercializado e vendido na darknet, e até mesmo hackers
com menos conhecimento técnico podem comprar, alterar e espalhar
ransomware. Isso significa que novas variantes de ransomware aparecem
diariamente, e você pode ser infectado por uma para a qual não exista
ferramenta de decifragem. Portanto, recomendamos a instalação de
antivírus, que funcionará como uma rede de segurança e protegerá você de
ransomware, caso você entre em contato com ele, e faça backup regular
dos seus arquivos para um disco rígido externo, que não esteja conectado
ao seu computador ou à internet.Desde 2013, os pesquisadores do Avast Threat Labs notaram um enorme aumento no número de ameaças de ransomware. Somente no ano passado, eles acharam mais de 150 novas variedades, e a Avast criou ferramentas gratuitas de decifragem de ransomware para ajudar as vítimas a desbloquear arquivos criptografados.Os sistemas que rodam Windows são os alvos mais comuns, mas os usuários de Mac também estão na mira
dos cibercriminosos. A maneira mais comum para um ransomware entrar num
sistema é através de links maliciosos e anexos de e-mail. Nos EUA e na
Alemanha, quase metade dos ataques a empresas ocorreu após um
funcionário clicar em algo que não deveria, presente no conteúdo de um
e-mail, de acordo com uma pesquisa feita em Junho de 2016 pela Osterman
Research.Para proteger-se do ransomware:Instale proteção antivírusNão abra anexos desconhecidosTome cuidado com os downloadsFaça backup dos seus dados regularmenteSe você for atingido, use o kit de ferramentas de decifragem da Avast

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração