Blockchain, a tecnologia por trás do Bitcoin

E a oportunidade para gerar confiança em um mundo desconfiado.

Está na moda falar sobre o bitcoin e suas características enquanto criptomoeda. Não é de se estranhar a admiração geral por esse ativo financeiro afinal, ele apresentou um desempenho surpreendente este ano, duplicando seu valor no período de janeiro a maio de 2017. Há quem diga que a culpa fora de Trump. E ainda há especuladores que arriscam afirmar que o valor de um bitcoin passará dos quatro mil dólares em 2018. Bom, especulações a parte, existe uma tecnologia inovadora por trás do bitcoin e ela se chama Blockchain.

Mas o que é blockchain?

Sua definição é mais simples do que suas aplicações. Em uma tradução livre seria “corrente de blocos”. E se trata de um banco de dados compartilhado que armazena inúmeros registros de transações diversas, com a característica de ser permanente e a prova de alterações. Vale ressaltar que essa corrente está presente não somente no bitcoin, mas também em todas as criptomoedas. Ainda é uma tecnologia recente, com apenas 9 anos de idade porém, apesar de ser nova, já desperta interesses de grandes organizações e governos que estudam e realizam testes para aplicações em setores diversos.

E qual sua utilização?

Imaginem um livro de registros público presente no mundo inteiro que não dependa de uma organização ou pessoa para funcionar ou gerar confiança. Essa é a tecnologia de registros distribuídos onde, por exemplo, dados de prontuários médicos podem ser criptografados e guardados de maneira distribuída e acessados em uma velocidade fora do comum.

Porém é necessário ir além. Imagine a criação de um processo eleitoral descentralizado, ou seja, os votos não terão sua apuração realizada por humanos ou sistemas confusos, sem possibilidades de alterações das transações ou voto dos participantes, uma vez em que cada voto será anunciado em blocos para cada participante do sistema. E como regra da blockchain, cada computador, espalhado pelo mundo afora, manterá um registro de cada variável anterior, tornando possível verificar cronologicamente dos registros. Explicando de forma simples, haverá três códigos, um para representar o endereço da Blockchian, outro para identificação do voto e um último que confirma a identidade anônima do eleitor. Com isso, esses dados são inseridos no sistema, havendo transferência automática do voto para o candidato. Há inúmeras outras utilidades para essa tecnologia que devem ser discutidas analisadas.

Pequenos passos para o Brasil, um salto decisivo para inovação

Segundo Edilson Osório, CEO da startup OriginalMy, “O blockchain traz uma camada de confiança e uma infraestrutura à prova de fraude. É atualmente a única tecnologia capaz de trazer transparência absoluta, auditabilidade, é distribuída e descentralizada e totalmente imparável, impossível de ser derrubada ou ficar fora do ar”. Não é recente que já é possível ver instituições financeiras no mundo testando o uso de Blockchain. Isto já é realidade no Brasil também, como foi verificado no ano passado com a realização da Conferência Blockchain em São Paulo. Contou com a presença de mais de cem executivos com o intuito de preparar um Brasil líder em Blockchain. A nova tecnologia oferece muitas oportunidades, permitindo a redução de custos com economia na casa dos bilhões para o sistema financeiro.

Presente na conferência, Edilson Osório, destacou “o poder da blockchain para usos além da criptomoeda, surgindo como uma nova internet, autônoma, poderosa, capaz de gerir recursos financeiros e regras de negócio, melhorando a eficiência da governança, bem como o potencial do DLT (distributed ledger) de alterar o modelo de prestação de serviços financeiros".

A blockchain surge enquanto uma solução importante para a falta de confiança e principalmente para as deficiências do mercado e de governos que são acometidos por fraudes e burocracias. Proporciona redução de custos, novas camadas de segurança, descentralização, imutabilidade e transparência.

 

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(0)
Tags: autônomo banco bitcoin blockchain criptomoeda descentralização eleição internet tecnologia transparência