Educação e doutrinação

É difícil educar sem impor sua vontade?

Fábio Zugman
iStock

Há muito tempo, quando eu ainda era professor de graduação, tive problemas com um certo colega de trabalho. Eu dava aula de algo chamado “Estratégia Empresarial”, que é uma forma de determinar como as empresas chegam ao lucro e o que fazer para melhorar.

Acontece que os alunos chegavam até mim, após passarem por esse sujeito, professor de Direito (até onde me consta, podia até ser um bom advogado), com colocações do tipo: “Professor, o professor de Direito disse que lucro é ruim e só sobra para o patrão”; “Mas professor, competição tira empregos das pessoas”. Eram coisas que comecei a escutar como “fatos" relatados na aula de Direito.

Certa vez peguei uma prova do sujeito. Ele só falava de exemplos de trabalho escravo, casos de assédio moral que beiravam o absurdo, processo trabalhistas que fariam qualquer um querer pular de um precipício. Não é de admirar que meus alunos, todos com vinte e poucos anos, chegavam a mim achando que o mundo empresarial era uma safadeza só. E lá ia eu, perder horas e horas de aula para desfazer a atitude preguiçosa e covarde do sujeito.

Preguiçosa porque é muito fácil empurrar uma “verdade" qualquer a um punhado de jovens em um contexto educacional. Basta apresentar seu lado como “fatos" da vida. Preguiçosa porque, não tendo nada a ver com sua matéria, o professor não apresentava o contexto das tais teorias da luta de classes, não apresentava os contrapontos, não deixava os alunos pensarem por si. Apresentava, de forma sutil e covarde, “o mundo como ele é”, como se processos de trabalho escravo fossem a regra, não a exceção.

Para quem gosta de um pouco de história, como eu, sabe que esse não é um recurso novo. Prisioneiros de guerra por toda a história foram obrigados a ressaltar as belezas do inimigo e delatar os horrores de sua pátria natal. Na guerra da Coréia, por exemplo, era comum que prisioneiros norte-americanos só tivessem algum conforto após declamarem redações sobre as maravilhas do comunismo.

O cérebro é algo engraçado. Quando você recebe uma informação e a declara em voz alta, algo muda e você passa a se identificar um pouco mais com aquela ideia. Isso não é segredo. Aliás, o objetivo inicial de muitas terapias é mudar nossa “conversa interna” para lidarmos melhor com os problemas que enfrentamos.

Educação e a confiança dos alunos são coisas preciosas. Veja, caro leitor, não estou dizendo que ideias diferentes não devem ser apresentadas. No mínimo, alguém que tem um compromisso real com a postura de professor, deveria mostrar os diferentes ângulos de uma discussão. Pode até honestamente mostrar sua posição. Nunca, a meu ver, apresentar algo como fato consumado da forma como meu colega fazia.

Se quisesse, o sujeito poderia muito bem desenvolver um curso a respeito, se colocar como especialista no assunto para aí, sim, mostrar determinado ponto de vista aos alunos interessados. Inserir sua visão de mundo em outra disciplina é jogo baixo. É uma injustiça com alunos que se matriculam em um curso com um objetivo e de repente recebem outra coisa.

Estou contando essa história em meio a mais uma daquelas confusões causadas pela prova do Enem. Algumas questões, diz-se, possuem viés ideológico (a questão que cai na minha área de conhecimento, em que a globalização teoricamente aumenta os níveis de desemprego no mundo é uma bela porcaria, diga-se de passagem).

Os defensores de todos os lados dizem que estão exagerando, que a coisa não é bem assim, ou que as questões sempre pedem aos alunos para marcar a opção correta de acordo com o texto.

Bem, o “de acordo com o texto” é um comportamento tão ruim quanto os soldados norte-coreanos pedindo aos inimigos para marcarem a “opção correta” na hora de comer, ou meu colega covarde impondo sua versão sobre o mundo em uma aula de direito empresarial. Se você é justo consigo mesmo, não precisa impor sua visão de mundo dessa forma.

Eu não consigo deixar de comentar que, em uma prova que visa determinar quem é mais apto a entrar em uma faculdade, políticos, comentaristas e analistas terem tantas opiniões diferentes é um mau sinal. Faz algum tempo que saí das salas de aula de graduação, mas, se bem me lembro, preferia que meus alunos chegassem com um pouco mais de domínio sobre matemática, lógica, língua portuguesa. As questões que geram problemas são exercícios toscos de interpretação de texto. O aluno, mesmo não acreditando que a globalização causa problemas ou que as mulheres são socialmente construídas, se vê forçado a marcar a opção que lhe dará maior probabilidade de passar na prova. Questões complexas que poderiam ser alvo de anos de estudo são relegadas a uma “certeza" de acordo com um trecho curto.

Não sei em que isso ajuda a determinar se tal aluno será um bom profissional no futuro. Sei que foi perdida uma bela oportunidade de avaliar. É difícil educar sem impor sua vontade.

Café com ADM

Café com ADM

#54
Um panorama da Administração no Brasil
Neste episódio, Leandro Vieira conversa com Wagner Siqueira, presidente do Conselho Federal de Administração.
Café com ADM #54 Um panorama da Administração no Brasil
00:00 00:00
Confira outros episódios


Administradores
Administradores

O login deve conter apenas "letras" (minúsculas), "números" e "_". Ele será usado para lhe identificar no seu perfil.

Entre com a sua conta

Administradores
Administradores

Torne-se um Administrador
Premium por apenas
R$ 29,90 mensais

Ou cadastre-se com: