2018 começando: bitcoins, investimentos em imóveis e um unicórnio brasileiro

O ano começou bem para quem se interessa por investimentos. Veja algumas notícias e cuidados sobre como lidar com elas

Fábio Zugman
iStock

A não ser que você esteja vivendo em uma caverna sem Internet (e se for assim, como você está lendo isso?) já deve ter ouvido falar sobre bitcoins. A tal moeda digital, que não depende de governos para funcionar, começou como uma ideia libertária, e hoje virou a última onda de quem quer ganhar dinheiro fácil, foi criada por um sujeito chamado Satoshi Nakamoto. 

Quem é Satoshi Nakamoto? Ninguém sabe. O tal teria sumido alguns anos atrás sem deixar vestígios. Mesmo que o bitcoin dê certo, eu não me surpreenderia se algum historiador do futuro descobrisse que todo esse papo de "criptomoedas" começou como uma grande piada. 

Satoshi Nakamoto com as letras trocadas vira "So a man takes a shit" - "Então um cara faz um cocô". Lembre disso quando encontrar alguém que leva o tema a sério demais.

Em notícia relacionada, Peter Thiel, um dos investidores de tecnologia mais famosos do mundo, famoso por sua participação no Paypall, Facebook, entre outros, teria comprado milhões de dólares em seus fundos a partir da metade de 2017. Se ele é muito esperto ou só está procurando outra pessoa para repassar o cocô, só o tempo poderá dizer.

Imóveis

Uma outra coisa que me chamou a atenção foi um artigo publicado em Dezembro de 2017 em que um monte de economistas bacanas investigou a taxa de retorno em várias economias desenvolvidas (infelizmente, países como o Brasil não têm dados muito confiáveis), e concluiu que a taxa de retorno de longo prazo de investir em ações e imóveis residenciais é bastante parecida.

Sim, sabe todos aqueles livros de finanças pessoais e entrevistas sobre como é melhor "alugar do que comprar"? (acho que até eu já cai nessa). Pois bem, se o artigo estiver certo, comprar imóveis pode ser melhor negócio do que se pensava.

Veja, não estou dizendo que comprar qualquer imóvel é sempre melhor do que investir em um fundo diversificado de ações. Uma das razões da briga entre "comprar" e "alugar" é que há muita variação de imóvel para imóvel e é muito mais difícil tirar conclusões confiáveis sobre o todo.

Ainda assim, no agregado, investir em imóveis parece que não é um negócio tão ruim quanto se diz por aí. Talvez os livros de Finanças Pessoais tenham que ser reescritos (mas desconfio que não, já que a maioria não passa de auto-ajuda sem vergonha).

A conclusão? Não dá para "investir" em bitcoin. Investimento por definição é algo que dá uma taxa de retorno. Você "investe" em ações, imóveis, etc. Você compra coisas como dólar, ouro e bitcoin. Você pode comprar dólar porque quer tirar férias na Disney, ou porque acha que o dólar vai subir. Nesse caso, está apostando no dólar. Eu desconfio de que a maioria das pessoas falando sobre bitcoin não pesquisou o suficiente sobre o assunto e boa parte está indo na onda achando que é fácil transformar cem reais em um milhão. Ainda assim, se você quiser separar um pouco de dinheiro e APOSTAR em criptomoedas, pelo menos você está em boa companhia. (Mas por favor, dê nome aos bois).

Segundo, toda vez que você ler matérias sobre "o melhor investimento", ou aquelas do tipo "é hora de comprar imóvel", lembre que ninguém tem bola de cristal. Comprar um imóvel pode ser uma boa forma de aumentar o patrimônio, desde que você faça a lição de casa.

Unicórnio brasileiro

Por último, antes que eu me esqueça, a 99, empresa que começou como aplicativo de táxis, teve uma parte vendida a uma empresa chinesa por um valor altíssimo. Como todo mundo gosta de um jargão bacana, o nome disso é "unicórnio" (porque uma startup que vale tanto é algo tão raro que você nunca vai ver uma na vida - meigo né?). Notícia que dá uma esperança aos empreendedores brasileiros, mas já prevejo uma enxurrada de "guru" vendendo o sonho do próximo unicórnio para candidatos a empreendedores e investidores incautos.

Então é isso amiguinhos. 2018 começando bem. Feliz ano novo e vamos ver o que mais vem pela frente.

Café com ADM

Café com ADM

#67
Trabalho colaborativo: novas formas de trabalhar e fazer negócios
Neste episódio, Leandro Vieira conversa com Fernanda Schroder, gerente de Carreiras do Ibmec, sobre a revolução que a colaboração vem promovendo nos ambientes de trabalho
Café com ADM #67 Trabalho colaborativo: novas formas de trabalhar e fazer negócios
00:00 00:00
Confira outros episódios


Administradores
Administradores

O login deve conter apenas "letras" (minúsculas), "números" e "_". Ele será usado para lhe identificar no seu perfil.

Entre com a sua conta

Administradores
Administradores

Torne-se um Administrador
Premium por apenas
R$ 29,90 mensais

Ou cadastre-se com: