Uber: a história da startup mais valiosa do mundo

Por trás de toda grande história empreendedora existe algo fundamental: a necessidade de alguém! Saber identificar essa necessidade é muitas vezes a chave para o sucesso.

Caroline Melo

Um fato que se observa em toda grande história empreendedora é que startups surgem para melhorar algo que, digamos, não está bom no mundo. A maioria das grandes empresas, que já foram muito pequenas, surgiram com a intenção de melhorar a vida das pessoas, melhorar a experiência delas em relação a algo. Em meio a isto uma delas tem me chamado bastante atenção ultimamente: a Uber. Resolvi então pesquisar sobre a história dessa startup que já vale mais de US$ 50 bilhões e que tem causado polêmicas por onde passa devido a “disputas” com taxistas.

Como não poderia deixar de ser a Uber também surgiu através de uma necessidade. Imagine: Estavam em Paris, em uma noite fria e com nevasca, Travis Kalanick e Garret Camp, ambos recém-milionários. Travis havia vendido por US$ 20 milhões o RedSwoosh, um serviço de compartilhamento de arquivos e Garret vendeu por US$ 75 milhões o site de buscas StumbleUpon. Eram amigos e na ocasião participavam de um evento de tecnologia e empreendedorismo na cidade. Como não conseguiam encontrar um táxi, eis que surgiu a grande ideia: imaginaram um serviço onde poderia ser possível chamar um carro com motorista particular, apenas com um toque no celular.

Os amigos então voltaram para San Francisco e “amadureceram” a ideia e em março de 2009 fundaram a empresa que no começo se chamava UberCab. O aplicativo que informava a localização do passageiro através do GPS e estava disponível para iPhone e Android foi oficialmente lançado em Julho do seguinte ano. O plano inicialmente era oferecer apenas carros executivos (como o Mercedes-Benz S550 e Cadillac Escalade), o serviço seria semelhante a um táxi de luxo.

O primeiro desafio foi então tentar convencer os motoristas que já faziam esse serviço (geralmente em parceria com hotéis) a usar o Uber. Para resolução deste, pasmem, os que mais ajudaram foram os brasileiros. Apesar da falta de estatística existe um número considerável de motoristas executivos e taxistas brasileiros em San Francisco e estes foram os primeiros a “abraçarem a causa”.

Um impulso importante para a empresa veio quando a secretaria de transportes de San Francisco implicou com o nome e serviço da empresa o que a fez ganhar os holofotes. Polêmicas, controvérsias, brigas, viraram rotina para a empresa desde o início e isso a deixou também no radar de grandes fundos de capital de risco. Nesse começo uma corrida realizada pela Uber custava quase cinco vezes o que um táxi cobrava, mas isso não afastava o cliente-alvo da época: empresários e investidores endinheirados do Vale do Silício. Um dos fatos mais atraentes para o sucesso nesse início era a praticidade: chamar um carro pelo celular, através de um aplicativo, fazer a corrida confortavelmente e não precisar tirar a carteira do bolso para realizar o pagamento já que este é feito pelo próprio aplicativo.

A startup recebeu seu primeiro financiamento de risco no final de 2010, de um grupo de investidores que incluiu Chris Sacca, um dos primeiros a acreditar (colocando dinheiro) no Twitter. Depois no início de 2011 arrecadou mais de US$ 11,5 milhões e com isso pode expandir seus serviços para Nova York, onde também teve problemas com a organização que coordena táxis e limusines na cidade, mas não foi afetada grandemente e pouco depois disso introduziu o serviço em outras grandes cidades americanas como Seattle, Boston, Chicago e Washington. A primeira cidade fora dos EUA a receber o serviço foi Paris.

Em 2012 foi criado o UberX serviço que permite qualquer proprietário de veículo a virar motorista e foi a partir deste ponto que começaram grandes problemas e o crescimento da startup “bombou”. A Uber é considerada uma empresa de tecnologia disruptiva, este nome é dado para inovações com potencial para criar ou destruir mercados e o Uber esbarra constantemente em questões legais. Em toda cidade que a empresa desembarca vem os levantes de taxistas, prefeituras e órgãos oficiais contra o serviço. Diante de tanta resistência a empresa adotou uma postura incisiva, acusando as cooperativas de táxi de atuarem como cartel e proporcionando promoções agressivas nos lugares onde é proibida. Além disso a mesma alega ser uma empresa de tecnologia e não de transporte.

A empresa não possui nenhum carro, sequer motoristas contratados. Ela trabalha com parceiros cadastrados no serviço, mas não pense que é fácil se tornar um, existe uma série de exigências como: possuir uma carteira de habilitação especial, atestado de antecedentes criminais, possuir um veículo dos modelos pré estabelecido, possuir seguro para uso comercial do carro e passar por horas de entrevistas. Além disso os motoristas são ensinados sobre praticas de direção segura e boas maneiras, como exemplo, abrir e fechar a porta para o passageiro, perguntar se o ar-condicionado está agradável, se o passageiro prefere o som ligado ou desligado e qual estilo de música prefere escutar, oferecer água e manter o carro limpo. Os motoristas ainda são avaliados pelo passageiro e vice-versa, só continuam com a parceria aqueles que alcançarem uma média de 4,6 em uma escala de 0 a 5. O colaborador (motorista) é remunerado com 80% do valor pago em cada corrida.

Portanto, meus caros amigos, convenhamos o mundo muda e apesar de tantas controvérsias a empresa tem feito sucesso em boa parte do mundo e acabar com ela virou tarefa impossível eu diria. Grandes empresas sempre passam por problemas, Google e Facebook já compraram muitas brigas por suas políticas de privacidade, assim como Amazon e Apple já foram processadas por práticas anticompetitivas pelas autoridades de defesa do direito econômico. A Uber sabe de tudo isso e está bem-disposta a enfrentar os problemas e por “não largar o osso” já atraiu investidores de peso como: Bill Gates, Jeff Bezos, Google Ventures e tantos outros. A Uber vem testando os limites das legislações que regulamentam os transportes e por enquanto vem conseguindo crescer bastante, obrigado.

Café com ADM

Café com ADM

#51
Fábio Seixas: entre camisetas e bitcoins
Fundador da Camiseteria, principal referência em venda online de camisetas no Brasil, Fábio tem se dedicado agora também ao mundo das bitcoins. Este bate papo está imperdível.
Café com ADM #51 Fábio Seixas: entre camisetas e bitcoins
00:00 00:00
Confira outros episódios


Administradores
Administradores

O login deve conter apenas "letras" (minúsculas), "números" e "_". Ele será usado para lhe identificar no seu perfil.

Entre com a sua conta

Administradores
Administradores

Torne-se um Administrador
Premium por apenas
R$ 29,90 mensais

Ou cadastre-se com: