8 dicas para fazer o release da sua empresa

Se a grana é curta e você vai ter que fazer tudo sozinho, a gente dá uma mão com dicas simples sobre a principal ferramenta de contato com formadores de opinião: o release

Emídia Felipe | EuEscrevo
iStock

A chegada no mercado, um novo produto lançado, a promoção de um evento ou até a fusão com outra empresa. O fato é que você tem uma novidade em mãos e acredita que divulgá-la vai ser útil para seu negócio. Com um bom orçamento, o ideal é contratar os serviços de uma assessoria de comunicação. Mas se a grana é curta e você vai ter que fazer tudo sozinho, a gente dá uma mão com dicas simples sobre a principal ferramenta de contato com formadores de opinião: o release.

O release (que vem de "press release") é básico porque dá insumo aos jornalistas e blogueiros para trabalharem em cima de sua informação. Assim, eles avaliam melhor se há realmente uma boa história ali, se vale a pena entrevistar os empreendedores e dar espaço no site, jornal, rádio, blog ou qualquer que seja o veículo de comunicação. Sem falar que muita gente – em busca de volume de conteúdo, sem equipe, tempo ou disposição para escrever uma matéria – até republica diretamente o texto.

Vamos lá?

Defina o conteúdo

Antes de escrever, defina o mais importante: o conteúdo. Uma boa técnica para fazer isso é um brainstorming, deixando tudo sair para só depois organizar. Algumas perguntas que podem ajudar:

– O que eu estou querendo comunicar? É importante que esteja claro.

– A informação é relevante para outras pessoas ou só para mim e meus amigos? Se só pessoas que gostam de você vão se interessar, descarte. Uma questão que vem depois é “Qual é o maior benefício disso para as pessoas?”.

– Posso conectar esta informação com algo que está acontecendo? Se a resposta for sim, aumentam as chances de interesse. Por exemplo: um sistema que reduz custos de empregados e evita demissões é interessante em um momento de crise; um marketplace de costureiras que customizam abadás e fantasias cai bem no carnaval.

– Qual palavra-chave engloba minha mensagem? Isso vai ajudar no SEO – lembre que seu texto pode até ser publicado sem alterações. Depois que definir a principal, defina pelo menos mais cinco que fazem referência ao seu conteúdo, para usar ao longo do texto. Vale a pena pegar dicas básicas de busca de palavras-chave para esta tarefa.

Faça um título que se venda sozinho

Um bom título de um relese convence o jornalista ou blogueiro a “ouvir” você. Ele vai servir para o assunto do email também – e ajudar a definir se o email que você vai mandar será aberto ou não. Mas como fazer? Uma dica básica é que ele deve ser ativo, com um verbo que destaque a ação que descreve sua mensagem.

Ele também deve ser curto, com um tamanho ideal de 70 caracteres, incluindo espaços, e um máximo (máximo mesmo) de 100. Esse tamanho ajuda no SEO e passa bem a mensagem. E, claro, deve ser muito objetivo, não deixando dúvidas do que está sendo dito ali. Muitas vezes, fica mais fácil fazer o título e o subtítulo depois que o texto está pronto – então não se aperreie se o título estiver demorando para sair. Escreva o texto e tente de novo.

Digamos que a empresa X, focada em profissionais de baixa renda e que gera currículos para impressão, tenha lançado uma função nova e gratuita, que distribui o currículo para empresas locais com vagas abertas. Então, a melhor combinação de palavras-chave é currículo grátis. Qual é o melhor título: “X faz envio gratuito de currículos para empresas” ou “Currículos gerados por X ganham nova função que faz envio grátis para empresas com vagas abertas”? Ambos comunicam o que X quer divulgar, mas o primeiro é menor, mais direto e dispensa “nova função” (que é uma base para a novidade, mas o fato de a plataforma ter ganho uma nova função é menos importante do que o que ela proporciona). Ficamos com o mais curto, então.

Subtítulo ajuda o título

Ele vem logo abaixo do título e dá uma introdução expressa do texto. Alguns colegas jornalistas acham que o subtítulo deve ser uma figura independente. Mas, na minha opinião, é praticamente impossível lê-lo sem ler o título, por isso é melhor aproveitar o que o título já diz e usar o subtítulo como complemento. Bom, você provavelmente não é jornalista, então vamos usar outra dica: faça um "tweetpitch", diga em 140 caracteres, ou no máximo 200, qual a mensagem que o texto vai passar.

Monte a estrutura do texto

Seu texto tem que trazer os detalhes da mensagem, sem deixar de ser claro e objetivo. Não precisa – na verdade, nem deve – ser grande. Tente trabalhar com algo entre 350 e 500 palavras. Mantenha frases curtas e parágrafos com até cinco linhas.

O primeiro parágrafo, chamado no jornalismo de lead (ou lide), tem que dizer por que aquilo é tão importante. No jornalismo clássico, o lead tem que responder às perguntas: “O quê?”, “Quem?”, “Quando?” “Onde?”, “Como?” e “Por que?”. Se elas não ajudarem, tenha em mente que você deve deixar muito clara a importância da sua novidade, como ela ajuda as pessoas ou empresas e que é você quem a está oferecendo.

Nos dois ou três parágrafos seguintes (se necessários) , explique como funciona, como pode ser acessado, quanto custa e outros pontos importantes. Faça isso de modo mais simples possível, em que até uma criança possa entender. Não, não estamos julgamos a capacidade intelectual dos formadores de opinião, mas sim desafiando você a mostrar que sua solução é acessível e que não é preciso ser um especialista para usar ou ao menos entender. E nada de jargões técnicos, hein?

Falas, dados e mais informações

Você pode incluir também uma “fala” sua, em terceira pessoa, dando uma opinião. No exemplo da empresa X, a fundadora Fulana de Tal pode incluir "'Percebemos que havia muita dificuldade entre as pessoas de baixa renda em entrar em contato com as empresas, ainda que as vagas estivessem disponíveis na internet', explica Fulana de Tal, fundadora da X".

Mas vale lembrar que a mesma informação pode ser dada em texto corrido: “A fundadora da X, Fulana de Tal, explica que a nova função surgiu a partir da dificuldade entre as pessoas de baixa renda em entrar em contato com as empresas, ainda que as vagas estivessem disponíveis na internet”. A diferença é que alguém falando gera mais identificação por parte do leitor – afinal, tem uma pessoa ali.

Usar fatos e dados para embasar seus argumentos dá mais credibilidade. Só não esqueça de citar a fonte, especialmente se forem dados curiosos. Nos fatos, dê o contexto: em que data e local ocorreram?

No encerramento, duas coisas são importantes. Você pode abrir um intertítulo (um “subtítulo curto” no meio do texto, de uma ou duas palavras) para dar mais informações sobre sua empresa: quando foi fundada, que outros produtos tem, como tem sido o crescimento e o que mais contribuir para sua credibilidade.

Não esqueça o SEO

Lembre de usar palavras-chave relacionadas à principal no seu texto. E não fique repetindo a palavra-chave principal em todo o seu release: isso é irritante, demonstra pobreza de conteúdo e os buscadores já identificaram como uma prática ruim.

Outra coisa a favor do SEO é linkar a página correspondente sempre que citar outro produto, um lançamento anterior, dados de terceiros ou mais detalhes que possam ser estendidos. Isso ajuda se seu texto for republicado, mas a importância maior é justamente o que faz ser importante para o SEO: ajuda o leitor a ter mais conteúdo ligado ao seu.

Antes e depois do release

No email que vai levar o release ao formador de opinião, uma mensagem curta pode dar a introdução: é cortês fazer uma saudação e falar rapidamente por que você está invadindo a caixa de correio do jornalista ou blogueiro.

Fulana de Tal, nossa empreendedora-exemplo, poderia começar assim: “Oi, Sicrano! Aqui é Fulana de Tal, fundador da empresa X. Não sei se você lembra: meses atrás lançamos uma plataforma que ajuda pessoas de baixa renda a gerar e imprimir currículos. Agora a gente tem uma função nova, que envia os currículos gratuitamente pras empresas! Acho que pode lhe interessar. Qualquer coisa, meus contatos estão no fim do email. Obrigada!”.

Ao final, coloque links para vídeos, fotos em boa resolução (melhor os links do que em anexo), áudios e outros conteúdos de apoio. Isso também pode vir no meio do texto, se estiver conectado com a informação que está repassada naquele ponto – mas se for muita coisa, prefira deixar no fim mesmo.

E, para fechar, duas coisas: 1) é indispensável colocar seus contatos, 2) dê para outra pessoa ler, de preferência alguém que domine bem a língua portuguesa e não seja da sua equipe. Em relação aos contatos, se você tem certeza do bom senso de quem vai receber o email, inclua o número do seu celular. Digo isso porque já vi releases republicados em que sequer tiraram o celular de quem enviou.

Nada de anexos

Prefira deixar o release no corpo do email, para evitar filtros antispam ou antianexos, ou ainda serviços de emails ruins que não conseguem entregar alguns arquivos (sim, isso existe ainda). Além disso, o texto no corpo do email facilita a cópia do texto todo ou de trechos.

É isso, gente.

Claro que o release não é um passe de mágica para sua empresa ganhar divulgação espontânea – e gratuita. Contam muito o relacionamento prévio com esses formadores de opinião, os contatos deles (email e telefone ativos) e a conversa posterior para falar sobre o que você quer divulgar. Podemos falar disso no futuro. Aqui nos concentramos em dicas para que seu texto realmente ganhe a atenção que sua empresa precisa.

Espero que tenham gostado. Deixe sua dúvida ou comentário.

Café com ADM

Café com ADM

#54
Um panorama da Administração no Brasil
Neste episódio, Leandro Vieira conversa com Wagner Siqueira, presidente do Conselho Federal de Administração.
Café com ADM #54 Um panorama da Administração no Brasil
00:00 00:00
Confira outros episódios


Administradores
Administradores

O login deve conter apenas "letras" (minúsculas), "números" e "_". Ele será usado para lhe identificar no seu perfil.

Entre com a sua conta

Administradores
Administradores

Torne-se um Administrador
Premium por apenas
R$ 29,90 mensais

Ou cadastre-se com: