Bitcoin: a Serra Pelada das moedas digitais

A polarização quanto a "ser um bom negócio", "ser uma moeda" ou "ser um ativo", tem chegado as arraias do debate às vezes até desrespeitoso

Vinicius Carneiro Maximiliano Administradores.com,
iStock

A disparada de preço de determinado "ativo" gera uma corrida pelo lucro rápido, fácil. Ficar rico sem trabalhar é algo que faz sentido no subconsciente humano. E aí as pessoas pagam o equivalente a um apartamento por alguma coisa inútil (como 1 Bitcoin, que não serve para nada).

O cenário brasileiro anda agitado com a valorização meteórica da mais famosa das cryptomoedas (bitcoin)! Até a Câmara dos Deputados está perdida e correndo contra o tempo para tentar regulamentar o uso de moedas digitais, devido ao teor das discussões da audiência pública que ocorreu no dia 19 de dezembro de 2017.

Os debates nas redes sociais não são menos acalorados, muitas vezes beirando a revolta, tanto dos que apoiam quanto dos que a odeiam. A polarização quanto a "ser um bom negócio", "ser uma moeda" ou "ser um ativo", tem chegado as arraias do debate às vezes até desrespeitoso. Os "early adopters" xingam qualquer um que critique a moeda: retrógrado, atrasado ou defensor do status quo dos bancos.

Do outro lado, economistas e analistas (alguns de peso, outros nem tanto!), fundamentam seus temores e alertas. Buscam suas análises em fatos históricos e cíclicos da economia mundial, na maioria as vezes sem sucesso! Não que seus fundamentos sejam inválidos: a multidão de "crentes" nas cryptomoedas simplesmente nega, em trocadilho gramatical, "o outro lado da moeda", literalmente.

Entre discussões e debates, venho tentando formar uma opinião sobre as cryptomoeda. E sobre elas, de forma geral, já cheguei às minhas conclusões. Eu não acredito em bolhas… mas que elas existem, existem! Tulipomania é a mais famosa delas, mas tantas outras já se mostraram arrasadoras em mercados muito estruturados. Um detalhe: não é porque um investidor de credibilidade e peso adere ao ativo, que isso torna o ativo seguro, capisce?

Mas com relação ao bitcoin, especificamente, ainda tenho buscado entender alguns movimentos de mercado para formar meu convencimento. Portanto, esse momento em que escrevo essas linhas, acredito que o que deixarei aqui é o que tenho até agora. Certamente, com toda essa dinâmica que vemos, isso vai mudar! Em suma: é apenas mais um ativo, no caso digital, para investimentos.

Dinheiro e moeda, certamente, não o é. E isso não tem relação alguma com defesa aos bancos ou a conservadorismo. Isso é lógica pura (a qual tem faltado muitas vezes nos debates sociais) sobre a forma em que o dinheiro (efetivo) circula em função da aquisição e venda da moeda digital. Não é porque os cryptopunkers disseram que isso é uma desmonetização do dinheiro que isso é uma desmonetização.

Aliás, chamá-la cryptomoeda a mim parece muito mais uma bela sacada de marketing, estruturada em um fantástico storytelling da "lenda do seu criador anônimo", do que efetivamente um meio monetário. Prefiro o termo "ativo digital fantástico" (porque realmente é!), que atende nesse momento minhas conclusões e evidências sobre essa nova onda.

A bitcoin, bem como as demais cryptomoedas, padece de um dos maiores problemas do mundo moderno: falta de liquidez! Dinheiro que é dinheiro, está disponível de imediato, na mão ou virtualmente, para adquirir bens e serviços. E essa é uma das maiores barreiras que as moedas digitais (atualmente!) sofrem. Sim, sim, eu sei que isso é fácil de resolver… mas enquanto não for resolvido, é um limitador.

Some-se a isso os custos de transação. Certamente nem todo mundo (ou quase ninguém!) entende como funciona a famosa "mineração" das moedas. E a grande sacada delas está nesse processo. Certamente, por essa razão chamei este post de "Serra Pelada" das moedas digitais. Vemos um batalhão de pessoas buscando ganhar dinheiro com o "ouro digital" que brota das CPU e GPUs mundo afora, em uma busca insana pela "pepita" (bloco de dados) mais pesada e mais brilhante, e que pague mais!

Não me diga que você não sabia que os mineradores podem escolher quais "blocos" minerar, em função dos melhores pagamentos? Essa é uma das razões pelas quais algumas transações entre carteiras demoram horas… e outras alguns minutos! A coisa não é tão democrática assim…

Atrele a isso tudo que o algoritmo criado pelo lendário desenvolvedor da moeda, vive alardeando que em dois mil e alguma coisa, será minerado o ultimo bitcoin… praticamente uma mina de "ouro" que, com o tempo, se esgotará, e todo o "produto" que foi minerado ficará circulando no mundo em uma quantidade estável, porém com uma cotação totalmente instável. E que venham as especulações!

Assim, vemos pessoas nos mais recônditos cantos do mundo investindo em placas de processamento, hardware, usinas de energia portáteis, hipoteca da casa, empréstimos em bancos (tradicionais!) para viabilizar a tão sonhada mineração! Se pensarmos bem, em nada difere dos mineiros que, buscando o enriquecimento, largaram famílias país afora para ir viver em condições precárias em Serra Pelada, em busca de uma vida melhor. Se alguma vez você ler a história do Tio Patinhas, vai ver que, antes dele ficar quaquilhonário, se endividou em bancos e perdeu diversas "minas de ouro" em razão dos empréstimos para adquirir os materiais de mineração…

As "fazendas de mineração" não tem tanto glamour como pensamos! A imagem que se tem é de uma central hiper resfriada, com controles e luzes piscando e todo aquele charme do Vale do Silício. Faça uma busca simples no Google e verá que esse romantismo é bem longe da realidade dos mineradores da vida real. Famílias estão ficando malucas com seus adolescentes que montam verdadeiras centrais em casa e consomem a energia do bairro todo.

Ainda temos o alarde mundial (que confesso não saber se é verdadeiro) que o consumo de energia está aumentando assustadoramente para as mineradoras, e que isso pode causar um colapso energético, ou coisa do tipo! Vejam, é o mesmo caos de um impacto ambiental de uma mineradora de ouro, não é? Uma perfeita Serra Pelada, com toda sua glória e suas mazelas!

Na prática, o que mudou foi o instrumento e o formato: ao invés de picareta, precisamos de um laptop e placas potentes de processamento; ao invés da terra e mercúrio, utilizamos energia elétrica aos "tubos" e cryptografia decodificada; no final, de uma tonalada de barro (blocos de dados para serem descryptografados), sai 1 biticoizinha… ou quando não, um centésimo de milésimo de uma bitcoin.

E esse é outro detalhe: moeda, em sentido estrito, é uma unidade de medida com referencial definido. Moeda digital fez com que "um inteiro", fosse dividido aos milhares dos milhares, chegando ao ponto de uma pessoa adquirir ou receber 0,000001 de bitcoin, pode?

Entre essas e outras características, que as moedas digitais ainda possuem desafios grandes para serem socializadas e aceitas pelo mercado corrente. Sim, existe um lobby fortíssimo dos bancos e outros meios de pagamento para que isso tudo seja barrado. É sim um dos maiores impactos no sistema financeiro mundial. Porém, tais limitações ainda dificultam que o ativo seja facilmente transacionável por pessoas comuns. Fora as acusações de lavagem de dinheiro e os esquemas de pirâmide usando moedas digitais.

Como tudo nesse mundo capitalista em que vivemos, quem tem dinheiro, tecnologia e conhecimento, pode operar facilmente com moedas digitais, pagando com cartão de credito, ou transferências internacionais. Porém, traga isso ao mundo real, do dia a dia, da compra do pão na padaria aos quilos de carne no açougue… é quase que ressuscitar a URV… quem se lembra?

Sou um entusiasta dessas inovações e acredito fortemente que o blockchain, que é a tecnologia que permite essa corrida do ouro, veio para ficar. Mas confesso que essa euforia com a bitcoin é mais um modismo digital. Veja-se os choques anafiláticos que pessoas tem sofrido mundo afora quando a moedinha dá um sustinho e cai uns 90% em meia hora… Imagina!

Costumo dizer que bitcoin é para os fortes… de bolso! Se você tem dinheiro para perder e não vai passar necessidades, invista! Ainda dá para ganhar um bom dinheiro… e para perder um tanto bom também. Contudo, dinheiro e moeda não estão nem perto do que é um bitcoin, uma grande sacada de ativo digital dos tempos modernos. E por fim: quer saber quando uma bolha está chegando ao seu limite ou querendo estourar? Preste atenção aos movimentos de "liquidez" de grandes investidores no ativo… se começarem a vender, tem coisa por ai!

Vinicius Carneiro Maximiliano — Advogado corporativo e gestor contábil. Com MBA em Direito Empresarial pela FGV e especialista em Direito Eletrônico pela PUC/MG, atuou como advogado de Propriedade Intelectual no Brasil para a Motion Picture Association (MPA), Associação de Defesa da Propriedade Intelectual (ADEPI) e também para a União Brasileira de Video (UBV). Em seguida, foi gestor de projetos especiais na Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES) - e Business Software Alliance (BSA). Nomeado pela OAB/SP para a Comissão de Mercado de Capitais e Governança Corporativa. É diretor executivo da Etecon Contabilidade, escritório especializado em questões fiscais e contábeis para empresas tradicionais e da nova economia digital. Autor do livro "Dinheiro na Multidão" – Oportunidades x Burocracia no Crowdfunding Nacional", obra em que analisa o mercado de financiamento coletivo no Brasil e as questões fiscais e burocráticas que podem impactar esse segmento de mercado.

Café com ADM

Café com ADM

#66
Como construir e comunicar uma marca hoje
Leandro Vieira bate um papo com o consultor, pesquisador e professor Marcos Hiller sobre marketing, redes sociais e a maneira mais eficaz para as marcas se relacionarem com consumidores: levando histórias reais para pessoas reais.
Café com ADM #66 Como construir e comunicar uma marca hoje
00:00 00:00
Confira outros episódios


Administradores
Administradores

O login deve conter apenas "letras" (minúsculas), "números" e "_". Ele será usado para lhe identificar no seu perfil.

Entre com a sua conta

Administradores
Administradores

Torne-se um Administrador
Premium por apenas
R$ 29,90 mensais

Ou cadastre-se com: