É possível utilizar a procrastinação a favor da produtividade?

Americano afirma que sim e explica “tese”

Redação, www.administradores.com,
Shutterstock

Em um post publicado no site da revista norte-americana Fast Company, o jornalista Drake Baer faz uma proposta ousada: utilizar a procrastinação a favor da produtividade. Para escrever o texto, ele se baseou na tese do colega, blogueiro e importante formador de opinião nos EUA Adrian Chen, que explica como o cultivo da (in)disciplina pode ser útil na hora de realizar suas tarefas.

Chen explica que, criando uma estrutura de procrastinação, é possível transformar um hábito negativo em algo positivo. Segundo ele, você pode pegar aquele pensamento de “eu prefiro fazer qualquer coisa a isso” – que normalmente o manda direto para o Youtube ou Facebook – e usá-lo como um fator de produtividade, deixando de lado a tal tarefa chata e concentrando esforço em outras mais leves.

A base da “teoria” é pegar o tempo que seria perdido com a procrastinação em atividades inúteis ao trabalho – como redes sociais e sites de fofocas – e dedicá-lo a algo da atividade profissional que seja mais leve e menos desinteressante de se fazer.  

Para que a “procrastinação produtiva” dê certo, o autor da tese recomenda seguir três passos rigidamente:

1 -Entregue-se à vontade de procrastinar (tentar fazer algo com preguiça pode gerar resultados pífios)

2 - Evite desperdiçar tempo com bobagens (procrastinar vendo futilidade não vai mesmo agregar nada ao seu trabalho)

3 - Realize as tarefas menos importantes, porém produtivas (em vez de ficar tentando fazer aqueles trabalhos pesados ou, pelo contrário, deixar tudo de lado e ficar vendo bobagens na internet, dê andamento às atividades mais simples)

E você, o que acha: será que a ideia funciona? Será que, lá na frente, quando se encerrar o prazo final para cumprir aquela tarefa mais chata, ela estará pronta? Deixe sua opinião.





Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração