Mais comentada

O RH da sua empresa não funciona? Saiba o que fazer

Veja como se virar em uma empresa em que o departamento de recursos humanos não tem condições ou nem sempre está à disposição para atendê-lo

Infomoney,

Quem nunca se deparou com um problema que poderia ser facilmente resolvido com a cooperação do departamento de recursos humanos, que levante a mão! No entanto, nem sempre é possível contar com a ajuda de tal departamento, seja para uma simples atualização da carteira profissional, seja para a aquisição de uma autorização interna ou mesmo para a liberação de documentos pessoais de urgência.

Com isso, um pedido de simples solução acaba se transformando em um verdadeiro mar de burocracias, não é mesmo? Aliás, não é à toa que essa triste realidade vivenciada por muitas empresas venha deixando tantos trabalhadores de cabelos em pé.

Mas será que existe uma maneira mais fácil de solucionar este problema? De acordo com a consultora de Recursos Humanos, Maria Bernadete Pupo, a resposta é não, ao menos se depender da ação dos profissionais.

“Não há nada que os trabalhadores de uma organização possam fazer para melhorar o desempenho da área de RH. Mas é possível que, por meio de uma observação mais atenta, eles possam identificar de onde vem o problema e, com isso, possam agir de uma maneira mais adequada”, orienta.

Idenficando o problema

Segundo a especialista, as falhas do departamento de recursos humanos costumam ser motivadas pela falta de capacidade dos profissionais que operam na área ou ainda pela política e cultura das empresas, que nem sempre valorizam a gestão de pessoas em sua corporação.

“No primeiro caso, ao identificar que o problema é o profissional de RH, o colaborador deve fazer uso do canal de reclamação corporativa, seja ele a ouvidoria interna, seja outro meio para informar a insatisfação pessoal”, recomenda Maria Bernardete.

Segundo ela, essa é a melhor forma de resolver o problema internamente. Uma outra maneira de tentar uma solução, entretanto, é se queixar com o próprio gestor organizacional. “Tudo dependerá da política interna da empresa, que pode orientar os trabalhadores a reclamarem de outros setores aos gestores de cada área, por exemplo”, esclarece.

Conflito com seu chefe?

Mas se o seu chefe for o alvo de suas queixas, é melhor tomar cuidado, especialmente se você tentar falar com o departamento de recursos humanos e não conseguir retorno.

Segundo a consultora de Planejamento de Carreira da Ricardo Xavier Recursos Humanos, Rachel de Carvalho Vieira, a melhor maneira para solucionar esse impasse com a chefia é por meio de uma conversa franca, mas cautelosa.

“O trabalhador deve agendar um horário e debater os problemas que têm com seu supervisor, sem demonstrar nenhum sinal de exaltação, pois isso poderá trazer uma repercussão negativa para imagem que o gestor faz dele” , orienta Rachel.

Para ela, o importante é que a conversa seja sutil, mesmo se o gestor for uma pessoa de temperamento mais difícil.

Política que não funciona

E se identificado que o problema para a ação do RH está na política da própria empresa, a ação deve ser outra, especialmente porque dificilmente algo ajudará o profissional neste momento.

“Nem sempre o problema é o profissional que atua no setor de recursos humanos. Muitas vezes, a companhia é que não possui uma cultura de RH”, informa Maria Berbnardete Pupo.

Segundo ela, quando isso ocorre, é comum que a área de recrutamento demore para dar feedbacks aos contratados ou mesmo não tenha força para solucionar os dilemas dos profissionais.

“Nem todos os empregadores se atentam à importância de gerir pessoas, ignorando os pedidos dos trabalhadores. O que eles não percebem, no entanto, é que, ao fazer isso, eles prejudicam seus próprios interesses”, diz Maria Bernardete.

Empresa doente

Ao que parece, em empresas onde a insatisfação profissional é grande, o número de pessoas doentes costuma ser maior.

“Em minha experiência, já observei pessoas que tiveram problemas de saúde em companhias em que a política de RH era fraca. Nestas corporações, o índice de rotatividade era grande, assim como o absenteísmo e o despreparo dos líderes”, revela Maria Bernadete.

E nessas horas, é difícil se conformar, mas não há muito a ser feito. Ou o profissional aceita a situação ou parte em busca de um novo emprego, que melhor atenda às suas expectativas de trabalho e saúde.

Curta o Administradores.com no Facebook
Acompanhe o Administradores no Twitter
Receba Grátis a Newsletter do Administradores

Tags: burocracia colaborador empresa RH

Shopping