Mais comentada

Os 2 principais sinais de que alguém é um ótimo líder

Em um artigo na Inc, o especialista em liderança Marcel Schwantes, afirma que todo mundo tem uma história de um "ótimo líder".

Redação, Administradores.com,
istock

Em sua carreira, quantos bons líderes você encontrou? Você sabe afirmar o que fazia com que esses profissionais fossem excelentes em suas posições de liderança?

Em um artigo da Inc, o especialista em liderança Marcel Schwantes, afirma que todo mundo tem uma história de um "ótimo líder". Compartilhando a sua própria experiência com um chefe que teve há 13 anos, Schwantes ressalta dois princípios de seu superior que fez com que ele se sentisse "mais satisfeito e engajado naquele trabalho do que em toda sua carreira" e que acredita ser os dois principais sinais de uma grande liderança. Confira:

1. O bom líder dá um propósito comum à equipe

De acordo com Schwantes, ter um propósito, e uma ideia clara de como o trabalho pode atender à sociedade, dá ao profissional o foco necessário para atingir o objetivo final.

"A palavra chave é 'facilitar'". Meu chefe, Bruce, projetava uma imagem do futuro que nos atraía - que dialogava com o que nós observámos e sentíamos. Ele dava à equipe um destino: nós sabíamos aonde estávamos indo. Ele nos dava um propósito e uma resposta ao questionamento 'Por que fazemos esse trabalho?'", conta Schwantes.

Além disso, explica o autor, o seu chefe se preocupava em garantir que todos da equipe concordassem com os mesmos valores, os princípios compartilhados que guiavam todas as decisões. Com isso bem definido, o resultado era uma equipe que trabalhava com energia, paixão e produtividade. "Nós tínhamos um alto grau de comprometimento porque conseguíamos ver uma relação entre a nossas crenças e preocupações particulares e a direção em que a empresa caminhava."

2. O bom líder compartilha o seu poder

Em vez de usar sua posição de poder para ganho pessoal ou autopromoção, um grande líder coloca seus funcionários em posições de liderança para que aprendam novos papéis, responsabilidades e possam crescer profissionalmente.

Schwantes explica que, por ter uma relação com a equipe baseada na confiança, seu chefe Bruce era capaz de dar liberdade aos funcionários para que tomassem suas próprias decisões e iniciativas. "Ao compartilhar seu poder e abrir mão do controle, meu chefe, na verdade, ganhou um poder real: ele criou um ambiente sem medo e sem obstáculos no caminho. Ele nos apoiava e nós, em contribuição, fazíamos um trabalho incrível, com esforços imensuráveis", afirma.

E você, concorda com essa avaliação? Deixe sua opinião nos comentários!

Confira também Leadership: A Master Class, o Curso Internacional Definitivo sobre Liderança, comandando por Daniel Goleman, autor de Inteligência Emocional.