Como as empresas podem elevar a segurança contra novas ameaças e ransomware?

Apesar dos avanços, ainda se vê necessário aumentar o nível de inteligência, detecção e automação, com tecnologias como sensores de redes que reconhecem ataques avançados e sistemas de Sandbox

Fernando Cardoso, Administradores.com,
iStock

O cibercrime vem crescendo e se profissionalizando, afetando milhares de pessoas e empresas pelo mundo inteiro. O que torna o cenário mais crítico, como mostrado na figura abaixo, são os diferentes tipos de ataque orquestrados pelos crackers¹, muitos deles utilizando táticas de engenharia social.

Desse modo, é exigido que as empresas repensem rapidamente suas soluções e arquiteturas de segurança para que consigam antecipar ameaças e ataques. Diversas empresas já investiram milhares de reais em soluções de segurança para a proteção de suas informações, consideradas seu bem de maior valor. No entanto, ainda se vê necessário aumentar o nível de inteligência, detecção e automação, com tecnologias como sensores de redes que reconhecem ataques avançados e sistemas de Sandbox. Assim, que tipo de arquitetura ou soluções poderia ajudar a conter os perigos iminentes?

Neste artigo, analisamos três arquiteturas que, apesar de não serem uma resolução definitiva, elevam consideravelmente a segurança de informação de muitas empresas.

1. Profunda análise dos arquivos que trafegam na rede interna

Sistemas de Sandbox podem ajudar muito na descoberta de malware e ransomware, pois possuem capacidade de realizar uma análise detalhada sobre os arquivos que são testados.

Por meio de Sandbox, podem ser coletadas as seguintes informações:

- URL
- Domain
- IP
- File Hash

Essas informações são capturadas dos arquivos tidos como suspeitos, por terem comportamentos maliciosos. Se integradas com os sistemas de segurança das empresas, podem ser criadas uma assinatura customizada e uma resposta automatizada a incidentes de segurança. Abaixo, um exemplo do funcionamento desse tipo de solução:

2. Proteção contra Spear Phishing e ataques direcionados por e-mail

Uma pesquisa realizada pela Trend Micro mostra que 74% das tentativas de ataques direcionados usaram o e-mail como um vetor de ataque².

Sistemas de Sandbox podem também validar informações de um e-mail, como arquivos anexados, links no corpo do e-mail ou dentro de arquivo, além de tentarem abrir arquivos com senha que estejam anexados. Essas funcionalidades podem elevar o nível de proteção consideravelmente sobre os e-mails corporativos, como exemplificado na imagem abaixo: 

3. Ampla visibilidade sobre o tráfego de rede e sistemas de Sandbox integrados

Sensores na rede permitem criar uma ampla visibilidade de protocolos, como HTTP, TCP, FTP, DNS e diversos outros que trafegam em nossas redes diariamente, além de obter uma análise ainda mais profunda dos arquivos que estão trafegando em nossas redes corporativas.

De maneira resumida, imagine que o sensor captura um novo arquivo suspeito e o envia ao sistema de Sandbox, que avalia se o documento é malicioso ou não, gerando um relatório informando o nível de risco do arquivo para o ambiente corporativo. Com base nessas informações, esses dados podem ser compartilhados com os antimalware instalados nos notebooks e desktops, e automaticamente é criada uma assinatura customizada para bloquear ou quarentenar os arquivos em seu ambiente a fim de não permitir futuras infecções e identificar as máquinas afetadas pelo novo malware. Além da integração com o antimalware, é possível criar integrações com gateways de e-mail e web, firewalls e IPS de rede.

Funcionaria, teoricamente, da seguinte forma:

As empresas que se mantêm atualizadas e se apropriam das novidades no mercado de segurança estão um passo à frente na proteção contra ameaças iminentes.

As três dicas citadas acima e a inserção dos valores de consciência nos colaboradores das empresas podem auxiliar muito no crescimento do nível de segurança do meio corporativo. Com diversos malwares sendo criados todos os dias, a consciência e o treinamento das empresas e dos colaboradores são cruciais para um ambiente digital seguro.

Fernando Cardoso — Engenheiro de Vendas na Trend Micro.