Equipe presencial ou remota: qual é a mais integrada?

Precisamos desmistificar o conceito de 100% integrado

Karine Silveira, Administradores.com,
iStock

Uma coisa é certa. Considerar que times presenciais são naturalmente mais integrados é uma ilusão, um mito bastante comum tanto entre profissionais que nunca tiveram experiência com o trabalho remoto, ou até tiveram experiências não muito legais com alguns gestores ou empresas, por exemplo.

Precisamos desmistificar o conceito de 100% integrado. Remoto ou presencial, nenhum time é 100% integrado. Para tornar uma equipe cada vez mais conectada, não existe uma única prática ou uma coisa que seja a mais importante a ser feita. São necessários pequenos valores, uma cultura forte, políticas bem definidas que se complementam e se reforçam, permitindo que um time presencial ou remoto evolua e gere resultados. 

Se observarmos as relações de trabalho atualmente, já estamos atuando de forma remota e nem percebemos. Vamos pensar em uma empresa com mais de 5 mil profissionais. Esses colaboradores não estão todos em um mesmo prédio, quiçá em uma mesma sala. Então, podemos dizer que todos trabalham de forma presencial? Podemos sim, mas trabalham de forma remota também, uma vez que precisam interagir e colaborar com colegas que estão em outra sala ou outro prédio.

Engajar e envolver os colaboradores nas tomadas de decisão é imprescindível para a integração das equipes e, consequentemente, auxilia na entrega de projetos cada vez melhores. Para aumentar a produtividade, melhorar os resultados gerados ou acelerar a tomada de decisões estratégicas, pode-se realizar um dia ou uma manhã dinâmicas de ideação e co-design, por exemplo, que envolvam muito papel, canetinhas coloridas, todos os envolvidos imersos em um ambiente de colaboração e criatividade. 

Adotar ferramentas de comunicação como o Slack, Basecamp e Hangouts também é um ótimo caminho para que as pessoas estejam mais próximas entre si, independente do estilo de trabalho de cada empresa. A utilização de soluções que auxiliam na gestão de tarefas e processos, como Trello e Pipefy, em sua maioria colaborativas, integram pessoas e processos, e podem ser utilizadas assincronamente. 

Por fim, é importante entender as variáveis de cada contexto, inclusive reconhecer que tudo está em constante mudança. Identificar e validar pequenas práticas, definir processos, construir uma cultura forte, envolvendo todos na construção de uma política que vá além do papel é a chave para a integração. Isso permite que um time evolua e gere cada vez mais resultados, independente do sistema da empresa ser remoto ou não. 

Karine Silveira — Head of Community da Impulso, serviço de inteligência em montagem de times para desenvolvimento de software sob demanda, com uma rede de mais de 500 profissionais.