E-commerce para pequenas e microempresas

Para muitos, o termo e-commerce ainda é uma nebulosa, mas note a simplicidade em torno deste modelo que representa ainda o mesmo processo surgido no século VII a.C. em que um homem teve a necessidade de comprar algo e, outro, de vender algo

Eduardo Nistal, www.administradores.com.br,
O modelo de negócio de e-commerce já é fato e cresce em escala exponencial. A expectativa para 2010 é de que o varejo virtual ultrapasse a marca de 10 bilhões de reais em faturamento. O resultado deste crescimento se deve às milhares de pessoas que ingressam diariamente na internet com o propósito de se relacionar, de pesquisar, de trabalhar e, consequentemente, consumir. O ticket médio de consumo é de 350 reais em datas comemorativas como Natal, Dias dos Namorados, entre outras.

 

Para muitos, o termo e-commerce ainda é uma nebulosa, mas note a simplicidade em torno deste modelo que representa ainda o mesmo processo surgido no século VII a.C. em que um homem teve a necessidade de comprar algo e, outro, de vender algo. A letra "e" de e-commerce significa electronic, um modismo que surgiu na década de 1980 nos EUA, resumindo tudo como comércio eletrônico, onde o meio de fluxo das informações é a internet.

 

As duas perguntas-chave aqui são: como aquele pequeno empreendedor que atua no varejo, na indústria ou na área da educação pode se beneficiar de uma ferramenta de e-commerce e, em segundo plano, como esse mesmo empreendedor pode se destacar com o seu e-commerce perante os gigantes do mercado?

 

A grande chave do sucesso do modelo e-commerce é a democratização do mercado. Agora o pequeno empreendedor disputa de igual para igual o mercado chamado internet em que o que vale é a especialização, o preço e o atendiment, e não o tamanho do empreendimento. Da mesma forma que um gigante do mercado expõe uma mercadoria em sua loja virtual, esta mesma mercadoria pode ser exposta em uma loja de um pequeno empreendedor.

 

O benefício para o pequeno empreendedor é a possibilidade de ingressar para o modelo e-commerce de venda por um custo totalmente acessível em termos de plataforma de loja virtual. A tecnologia aplicada hoje virou commodity e o grande diferencial será a criatividade em marketing digital e o conhecimento do produto ou serviço a ser ofertado para atrair o consumidor. Reforçando meus dizeres: quando se tem a mesma plataforma tecnológica, as mesmas formas de pagamento e os mesmos meios de segurança, o que diferencia é o atendimento, a personalização, o conhecimento específico do produto ou serviço.

 

A grande dica para os pequenos empreendedores é planejar o seu ingresso no e-commerce, elaborando um excelente site com conteúdo relevante e em que, além da compra, o consumidor possa obter informações específicas sobre o produto que está sendo ofertado. O site deve ainda proporcionar a interatividade com outros consumidores do mesmo produto através de blogs e redes sociais. Tudo isso é simples e está acessível na web.

 

Por Eduardo Nistal, diretor de Operações da TI Educacional 

Tags: comércio eletrônico e-commerce marketing

Administradores Premium

Últimos Workshops


Revista Administradores

Revista Administradores

Como você usa seu tempo?

Saiba como render mais no trabalho, ter momentos de lazer e até como explorar melhor o ócio.


Seja um Administrador Premium e
Tenha acesso a todos esses benfícios.

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração