|
|
|

6 filmes e séries que mostram como a criatividade pode mudar o mundo

Separamos produções que abordam a criatividade e o seu impacto na vida, na sociedade e nos negócios

3M Inovação,

A arte dialoga com a realidade. Mesmo quando a necessidade de um toque dramático compromete a fidedignidade, livros, quadros, peças, filmes e séries de TV buscam cativar e sensibilizar seus públicos acerca de um fato ou realidade verossímil. Embora a criatividade seja o método fundamental para o desenvolvimento de obras memoráveis, às vezes ela própria passa a ser a estrela sob as luzes da ribalta.

Separamos seis filmes e séries que abordam a criatividade e o seu impacto na vida, na sociedade e nos negócios.

1. A Invenção de Hugo Cabret

Ambientado na Paris do início do século 20, o filme mostra a jornada de Hugo Cabret, um garoto órfão que tenta colocar em funcionamento um autômato construído pelo seu falecido pai. Cabret passa a conhecer cada vez mais a própria história, além de se deparar com o personagem semi-fictício Georges Meliés. A criação do cinema costuma ser creditada aos irmãos Lumiére, mas foi o mágico Meliés quem deu conteúdo à tecnologia. Ele percebeu que o filme poderia fazer bem mais do que reproduzir cenas reais projetadas em uma parede; com seus truques de mágica, criou as primeiras técnicas de filmagem e efeitos especiais. Mas sua maior contribuição foi mostrar que a narrativa cabe no cinema, um prelúdio da era do Entretenimento. No filme, Hugo e Meliés desenvolvem um relacionamento paternal no centro de uma trama que demonstra a importância das histórias e como elas podem ir além de palavras e ideias.

2. Steve Jobs

A vida do gênio dos negócios que foi um dos precursores da computação pessoal é narrada neste drama biográfico estrelado por Michael Fassbender. Longe de ser a primeira vez que o comportamento explosivo e perfeccionista de Steve Jobs é retratado na tela do cinema – basta lembrar do clássico Piratas do Vale do Silício –, o drama se concentra em três momentos cruciais na vida do empresário: o lançamento do computador Macintosh, em 1984; a criação da empresa NeXT na década de 1990, enquanto esteve afastado da Apple; e o lançamento do iPod, em 2001, dispositivo que revolucionou a indústria da música. Quem assina o roteiro, baseado na biografia cujo autor é Walter Isaacson, é Aaron Sorkin, que também escreveu A Rede Social.

3. A Rede Social

Seis anos antes de se tornar um dos bilionários mais jovens do planeta, Mark Zuckerberg era um promissor estudante da prestigiada Universidade de Harvard. Ao criar os primeiros algoritmos do que viria a ser o Facebook, ele já sabia que tinha algo grande à sua frente. O filme mostra a trajetória de inimizades, bebidas e hackathons que estabeleceram as bases do Facebook e da cultura de trabalho no Vale do Silício.

4. Argo

Como resgatar seis funcionários da ebaixada norte-americana no Irã que ficaram ilhados durante meses na residência do embaixador do Canadá – sem provocar uma guerra nem pôr em risco outros reféns? No meio de uma catástrofe diplomática, a única solução viável para a crise era uma resposta militar ou operação secreta – que poderia estourar um barril de pólvora no coração do Oriente Médio. A não ser que alguém tivesse uma ideia melhor. Argo retrata – talvez de maneira liberal demais, fortemente criticada – o episódio em que agentes da CIA simularam a produção de um blockbuster para resgatar os funcionários disfarçando-os de fotógrafos e produtores de cinema. A execução do plano foitão convincente que gerou expectativas sobre o filme do século que nunca foi lançado.

5. Abstract

Essa série exclusiva da Netflix é uma verdadeira ode à criatividade. Ao longo de 12 episódios (a série tem apenas uma temporada disponível), a produção passeia por várias áreas criativas, entrevistando artistas de diferentes segmentos, buscando entender seus processos, seus anseios e as transformações geradas por seus trabalhos.

6. Estrelas além do tempo

Esse drama conta a história de três mulheres norte-americanas e sua luta por espaço num ambiente dominado por homens, a NASA. Durante a Guerra Fria, um grupo de mulheres negras trabalhava em atividades operacionais da agência. Segregadas, exerciam a função de computadoras (sim, antes de existirem dispositivos como esse em que você está lendo este texto, seres humanos faziam os cálculos). De dentro desse grupo, as protagonistas do filme se sobressaíram e transformaram para sempre a história, ajudando a dar às mulheres um espaço que sempre lhes foi negado.

Sim, mas onde entra a criatividade nessa história? O enredo começa a se transformar justamente quando uma das três amigas começa a usar seus conhecimentos em Física e Matemática de forma criativa e consegue resolver problemas que nenhum dos cientistas homens estavam conseguindo.

E você: conhece algum outro filme sobre o tema? Compartilhe conosco nos comentários.