Análise - Pouco conhecimento de gestão ainda emperra crescimento dos novos empreendedores

Conhecer sobre gestão administrativa e financeira, ter um bom assessoramento fiscal e tributário, investir tempo em conhecer além do básico são competências que fazem toda diferença na vida de um empreendedor

Mari Gradilone, Reuters,

Um sonho, uma vontade, uma oportunidade. Assim começa a história de praticamente todos os empreeendedores de sucesso e das grandes corporações. Traços comuns entre eles também costumam ser a ousadia de apostar em um projeto e a dedicação absoluta para que o sonho se torne real. Mas, a partir desse ponto de partida, alguns fatores passam a definir quem conseguirá crescer, quem vai expandir-se mais rápido, quem vai sobreviver ou não.

Conhecer sobre gestão administrativa e financeira, ter um bom assessoramento fiscal e tributário, investir tempo em conhecer além do básico são competências que fazem toda diferença na vida de um empreendedor. Um levantamento realizado recentemente pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), conjuntamente, apontou que mais de 80% dos empresários informais não adotam qualquer tipo de gestão financeira, seja para controlar, analisar ou planejar o dinheiro gerado pelo negócio. Segundo as entidades, cerca de 70% dos empresários informais já trabalharam com carteira assinada em algum momento de suas vidas e decidiram, por razões diversas ou força das circunstâncias, migraram para uma iniciativa própria. O problema é que a informalidade não permite a evolução do negócio, não deixa que ele conquiste outro patamar.

Mesmo no caso dos formais, que abrem uma empresa, sabemos que o caminho é árduo. Ter uma empresa no Brasil exige muito empenho, flexibilidade e coragem para lidar com os entraves e burocracia que rondam a vida do empresário. O último relatório do Global Entrepreneurship Monitor, divulgado em 2012, traz o Brasil como o terceiro maior mercado do mundo em empreendedorismo. Somos mais de 27 milhões de empresários ou pessoas que se dizem envolvidas com a criação de um negócio próprio, ou seja, um em cada quatro brasileiros.

Se empreender é uma tendência e as dificuldades são tantas, como tornar o caminho mais fácil? No mercado de escritórios virtuais há 20 anos, a convivência diária com quem vem batalhando sua própria estrada me mostrou que ter um suporte de qualidade é fundamental. Além de estrutura operacional, como um serviço impecável de  secretárias bilíngües, correspondências, rede tecnológica e ambiente adequado, o empresário iniciante precisa de uma boa localização, precisa ter um endereço fiscal que não ameace mudar de lugar a cada semestre e estar seguro de seus procedimentos contábeis.

Sensível a isso e ao fato de o pequeno e micro empresário ou o profissional liberal não conhecer de gestão financeira, criar essa base de assessoria contábil e fiscal foi um forte diferencial em nosso negócio. 

Como empresária, meu negócio é ferramentar espaços físicos com inteligência de serviços e soluções para que outros negócios se estabeleçam com sucesso. E é isso que tenho observado atentamente, por aqui e pelo mundo. Se o cliente que busca uma estrutura em meus escritórios virtuais não tem um atendimento satisfatório na sua área contábil, eu tenho e posso aliviar esse estresse de sua rotina.

A iniciativa tem nos trazido  bons frutos. Dos nossos clientes atuais, cerca de 40% contam com o assessoramento  contábil do Virtual Office para orientá-los nesse setor. Eles ficam seguros, consolidam suas operações e nós avançamos juntos. Cada um com tempo para dedicar-se em seu core business e ser melhor, a cada dia, no que se propôs a fazer.

Mari Gradilone - sócia diretora da Virtual Office

Curta o Administradores.com no Facebook
Acompanhe o Administradores no Twitter
Receba Grátis a Newsletter do Administradores