Artigo: 6 dicas para criar um Planejamento Corporativo Estratégico

Faça o planejamento e siga-o, tenha disciplina, dedicação, equipe capacitada, energia para superar os obstáculos e garra para trabalhar muito

Alcides Rocha, Administradores.com,

De acordo com o Indicador Serasa Experian de Falências e Recuperações, no mês de novembro deste ano, houve 128 pedidos de falência em todo o país. Do total, aproximadamente 73% foram requeridos por PMEs.

Além disso, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou no dia 18 de novembro que o Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) ficou em 44,8 pontos, um ponto abaixo dos 45,8 registrados em outubro. O valor é o mais baixo de toda a série histórica da pesquisa, que começou em 1999.

Números como estes assustam os pequenos e médios empresários de todo o país que buscam diariamente ficar fora destas estatísticas. Mas como evitar a regressão do próprio negócio?

Um novo ano está se aproximando e com isto é indispensável rever as ações do ano que se encerra, ou seja, debater os pontos fortes e fracos, avaliar o orçado e o realizado, os erros e acertos, mercado de atuação e perspectivas para estabelecer metas para o próximo ano sem sustos e sobressaltos e por fim o cenário econômico que o país está inserido.

Veja 6 dicas de como fazer o planejamento do seu negócio para 2015:

Premissas básicas: é essencial entender a colocação e importância da sua empresa no seu mercado de atuação. Algumas perguntas básicas podem auxiliar neste momento de autoidentificação. Por exemplo: quem somos? Quais são as nossas habilidades e diferenciais? Quais são os nossos maiores desafios e dificuldades? Quais são os nossos recursos? Como estão sendo aplicados? Como podemos melhorá-los? Quais serão as prioridades a serem resolvidas? Respondendo aos questionamentos será possível criar um plano de ação adequado às necessidades da empresa e de acordo com os recursos disponíveis.

Análise interna: avaliar minuciosamente as soluções que a empresa dispõe, como: recursos financeiros, humanos e tecnológicos. Com base nessa análise, se necessário, desenvolver ações de redução de custos, capacitação profissional e estruturação interna.

Análise externa: o principal objetivo da análise externa é identificar quais são as oportunidades e ameaças que o mercado oferece à empresa. Por exemplo, um concorrente direto pode oferecer ameaças à empresa se não for bem estudado e monitorado, por outro lado, uma área pouco explorada do segmento pode apresentar uma oportunidade de crescimento em relação aos fatores de ameaça.

Projeções: as missões, visões e valores da empresa são base para o planejamento estratégico para o próximo ano. Neste momento é possível traçar metas reais para empresa e planos de ação para alcançar os objetivos no próximo ano. Este planejamento em longo prazo é um direcionamento de atuação para a corporação, ou seja, ele mostra quais são os pontos que merecem mais atenção e as questões já bem desenvolvidas.

Prática: o maior desafio é tirar o planejamento do papel e colocá-lo em prática com a estratégia pré-estabelecida no plano de ações. Neste momento a disciplina e insistência são fundamentais para fazer com que as ações da empresa estejam de acordo com a determinação do Plano. De imediato pode-se sentir uma resistência pela mudança, mas lembre-se que algumas são indispensáveis.

Avaliação: a visão analítica do empreendedor é um diferencial para controlar e avaliar o processo de desempenho a fim de aperfeiçoá-lo sempre que necessário. O Planejamento deve sempre ser revisto e alterado se houver necessidade para que a performance da empresa seja positiva.

O planejamento estratégico não é uma fórmula mágica que resolverá todos os problemas da empresa, este ajuda na gestão, estruturação e diminuição de erros. Faça o planejamento e siga-o, tenha disciplina, dedicação, equipe capacitada, energia para superar os obstáculos e garra para trabalhar muito.

Alcides Rocha é presidente da Finance365, primeira plataforma brasileira de Governança Corporativa focada em PMEs.