Brasileiro pode ter nova nota do real no bolso a partir de 20 de maio

Troca ocorre em ambiente econômico estável e visa mais segurança e comodidade

Vinicius Albuquerque, R7,
Pela programação do Banco Central, divulgada no início de fevereiro, as novas notas de R$ 100 e R$ 50 deveriam ser distribuídas no primeiro semestre; as de R$ R$ 20 e R$ 10, no segundo semestre deste ano; e as de R$ 5 e de R$ 2 só em 2012. O Brasil já passou por outras trocas, mas em contextos diferentes. As novas cédulas de real são diferentes das anteriores - mas ainda são cédulas de real.

 Entre meados da década de 80 até 1994, quando foi introduzido o real, o brasileiro teve que se acostumar com notas que perdiam zeros, mudavam de nome e surgiam em períodos em que o país passava por planos de estabilização que não funcionavam. Desta vez, o dinheiro continua o mesmo, sendo apenas uma troca "de moeda", e não "da moeda".

É mais de uma mudança rotineira e em busca de mais segurança e conforto no manuseio do dinheiro, segundo o professor de finanças da FEA (Faculdade de Economia e Administração) da USP (Universidade de São Paulo) Keyler Carvalho Rocha. - Trata-se de uma troca do papel moeda, que é o documento que representa o valor monetário. Nos Estados Unidos circulam notas velhas e novas.

A moeda americana, o dólar, que foi renovado recentemente, não era segura, era mais fácil de falsificar. Conheça as novas notas de realNova família do real terá mais elementos de segurançaSegundo ele, as novas notas de real também vão ser mais seguras: como terão tamanhos, cores e figuras diferentes, será mais difícil falsificá-las, além de facilitar também o manuseio do dinheiro para cegos e analfabetos.

O Brasil chegou a fazer troca da moeda em períodos de alta inflação. Em 1990, por exemplo, quando o índice de preços rondava os 2.000% ao ano, substituiu o cruzado novo pelo cruzeiro. - No passado a inflação era muito alta, fazia a moeda perder muito valor - que então era dividido por cem, ou mil, e fazia-se uma nova nota. O novo dinheiro é mais seguro e mais confortável para se identificar; os cortes de zeros eram a forma de evitar que o dinheiro se tornasse pouco prático.

Circulação

 

O dinheiro no Brasil é distribuído e recolhido pelo Banco do Brasil, que é o custodiante do meio circulante - ou seja, é a instituição responsável pela distribuição de cédulas e moedas para o público e os bancos, como instrumento para fazer pagamentos. O Banco do Brasil é, assim, o fiel depositário dos recursos que ficam à disposição do Banco Central - controla a produção de dinheiro no país -, e a distribuição desses recursos é feita através de uma rede de 2.577 agências custodiantes, que atendem à rede de bancos comerciais do país. As cédulas e moedas que os brasileiros têm no bolso são fabricadas pela Casa da Moeda, uma empresa pública, que atende o Banco Central.

A fábrica de cédulas da Casa da Moeda tem capacidade para produzir cerca de 2 bilhões de unidades por ano, operando em 2 turnos de trabalho. As matérias-primas, por sua vez, como tintas, papéis e outras, são fornecidas por empresas nacionais.


Tags: bolso brasileiro real

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração