Mais comentada

Como utilizar a tecnologia de Big Data para barrar fraudes no e-commerce?

Muitas das principais empresas do planeta, especialmente no setor de comércio eletrônico, estão adotando o Big Data com o objetivo de agrupar informações dos consumidores e aproveitar estes dados de uma maneira eficiente

Tom Canabarro, Administradores.com,
iStock

Vivemos em uma era em que a tecnologia está cada vez mais presente no cotidiano das empresas. A cada dia é gerado um volume significativo de dados que podem ser captados, analisados e transformados em insights estratégicos por áreas de marketing, publicidade, mídias sociais, vendas, dentre outras. Trata-se do Big Data, um dos termos mais “quentes” do momento.

Muitas das principais empresas do planeta, especialmente no setor de comércio eletrônico, estão adotando o Big Data com o objetivo de agrupar informações dos consumidores e aproveitar estes dados de uma maneira eficiente. O objetivo geralmente é o mesmo: gerar mais vendas e fidelizar os clientes, com ações estratégicas direcionadas ao público-alvo.

No entanto, o Big Data pode ajudar empreendedores e lojistas em uma função ainda pouco debatida, especialmente no Brasil: detectar compras fraudulentas. Atualmente, estima-se que 3,8% das transações feitas on-line no País sejam de origem criminosa (1 a cada 26 pedidos), feitas por estelionatários utilizando cartões de crédito clonados. Estas vendas, se não barradas a tempo, poderão gerar um enorme prejuízo ao estabelecimento.

Durante muito tempo a análise de fraude na internet foi feita a partir da validação de informações cadastrais do cliente que realizava a compra. Se nome, CPF e endereço de entrega estavam corretos, inferia-se que a pessoa que fez o pedido era de fato a portadora daquele cartão de crédito. Mas muitos anos se passaram desde então: a internet evoluiu, o consumidor evoluiu e a fraude evoluiu ainda mais. E este método, por si só, se tornou obsoleto.

Nos dias de hoje, há milhares de dados que podem auxiliar na análise de risco na internet, como, por exemplo, o tempo de navegação do comprador até o fechamento da compra, a frequência de compra do cliente, a última vez em que aquele cartão de crédito foi usado no e-commerce, o tipo de produto adquirido, o endereço de entrega, os dispositivos usados por aquela pessoa – dentre muitos outros.

Essas são algumas das variáveis que podem ser avaliadas por meio do Big Data. Os algoritmos do sistema são capazes de receber, processar e analisar milhões de dados em uma fração de segundo, ao mesmo tempo em que aprende com estas informações e gera cada vez mais insights.

As respostas das análises de risco são dadas em tempo real, com um nível bastante elevado de precisão – o que reduz o número de compras derivadas para um agente de revisão manual e alivia a operação de toda a loja. São menos transações fraudulentas sendo aprovadas e menos tempo para o bom cliente ficar esperando pela entrega da mercadoria ou serviço que adquiriu.

O Big Data é um dos termos mais debatidos na atualidade e pode ser um aliado fundamental para os estabelecimentos on-line no aumento das vendas e na fidelização do cliente. No entanto, é comprovado como esta tecnologia pode ser de bastante utilidade também no combate à fraude, garantindo mais eficiência operacional e mais lucratividade ao negócio.

Tom Canabarro - Co-fundador da Konduto, sistema antifraude inovador e inteligente para barrar fraudes na internet sem prejudicar a performance das lojas virtuais.




Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração