Em 10 anos, Brasil despenca em ranking de liberdade econômica

País está atrás de nações como Burundi, Nicarágua e Honduras

Redação, www.administradores.com,
Reprodução

Da criação do Plano Real até 2008, o Brasil viveu um intenso processo de liberalização econômica, com crescimento do PIB e redução da inflação, mesmo com oscilações em curtos períodos. Mas desde o estouro da crise financeira global naquele ano, o país vem em queda livre no ranking “Index of Economic Freedom”, que aufere e compara o nível de liberdade econômica dos países. Saiu a edição 2017 e ocupamos a 140º posição, atrás de países como Burundi, Nicarágua e Honduras. Em 2008, estávamos na 98º.

No relatório, a Heritage Foundation, responsável pelo ranking, aponta a “paralisia política” como um dos fatores para o mal desempenho deste ano, mas reforça que o histórico do país não é muito favorável: ambiente hostil a novos negócios, alta burocracia, leis trabalhistas muito rígidas, dívida pública elevada e judiciário muito suscetível à corrupção.

O relatório critica o que chamou de populismo dos governos petistas e ressalta que o atual presidente, Michel Temer, não contribui para a melhoria do cenário, devido à continuidade dos escândalos de corrupção envolvendo seus aliados.

Ranking

O primeiro lugar do ranking é ocupado por Hong Kong, cidade estado que é um território autônomo da China. Em seguida vêm Singapura, Nova Zelândia, Suíça e Austrália.

O ranking divide os países em cinco grandes grupos: Livres, Mais livres, Moderadamente Livres, Menos Livres e Reprimidos. O Brasil integra a penúltima faixa.

Veja todos os números do Brasil no ranking (em inglês).

Veja o ranking completo (também em inglês).




Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração