Este museu só tem fracassos e você vai aprender com eles

O Museum of Failure, na Suécia, reúne itens que foram fracassos em seus lançamentos ou marcaram o declínio de suas empresas

Redação, Administradores.com,
Divulgação
O criador do museu, Samuel West, com o Apple Newton: o "tablet" da marca nunca funcionou perfeitamente

O que uma Coca-Cola com sabor, uma linha de perfume da Harley Davidson e uma versão feminina da caneta Bic têm em comum? Todas foram consideradas "inovações fracassadas" e estarão dispostas para exibição no "Museum of Failure", o museu do fracasso, que será inaugurado em junho na Suécia.

Segundo o criador do museu, o pesquisador em inovação Samuel West, a ideia do projeto veio da vontade de encarar o fracasso de uma nova maneira, de aprender com ele. "Eu percebi que o sucesso sempre é colocado em um pedestal, e o fracasso é varrido para debaixo do tapete e não falamos sobre ele. Mas eu sei, e todo mundo sabe, que 90% das inovações fracassam. Quero transformar isso em uma situação de aprendizado", disse West à CNN.

Até agora, West, que é o curador do museu, já coleciona 51 itens para a exposição. Fracassos como a Coca-Cola BlaK, uma versão da bebida com sabor café que foi lançada em 2006 e logo foi esquecida; uma linha de perfume da Harley Davidson que, segundo West, foi um fracasso total e "não foi bem aceita pelo público 'macho'"; e itens tecnológicos como o Apple Newton, uma espécie de tablet que nunca funcionou direito. "Na extremidade ridícula do espectro eu tenho a caneta Bic para as mulheres, que é algo apenas idiota", diz West sobre a "Bic for her", uma "versão feminina" da caneta Bic que recebeu muitas críticas em seu lançamento e até virou alvo de piada da apresentadora americana Ellen DeGeneres em seu programa.

Entre os itens, os níveis de fracasso variam. "Alguns produtos falham desde o começo - eles não deveriam nem existir - e outros falham no processo de design", explica o curador do museu. Alguns até foram sucesso em seu lançamento, como a primeira câmera digital da Kodak, mas marcaram o começo do declínio de suas empresas.

No caso da câmera, para West, "o fracasso está no fato de que a Kodak não inovou, não mudou seu modelo de negócios. Eles estavam determinados a lucrar com a impressão de fotos no papel, o papel deles". Como resultado, a Kodak não conseguiu acompanhar a revolução digital e declarou falência no mesmo ano que o Instagram foi vendido por bilhões de dólares.

O criador do museu espera que visitantes possam se divertir, rindo de produtos ultrapassados e "ridículos", mas também possam aprender. "O fracasso é necessário para inovação. Precisamos aceitar o fracasso como uma parte importante do desenvolvimento de algo novo ou inovador. Não tem problema em falhar em pequena escala, quando ninguém morre e não custa bilhões de dólares. Se você consegue aceitar esses pequenos fracassos, então pode tentar evitar as catástrofes de verdade", declara Samuel West.




Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração