Mais comentada

Frete grátis: vantagem ou desvantagem para o e-commerce?

É importante lembrar que, na maioria dos casos, oferecer entregas gratuitas implica em abrir mão de uma parte da margem de lucro da empresa

Douglas Carvalho, Administradores.com,
iStock

Oferecer frete grátis na compra de um produto online pode parecer uma boa estratégia com o objetivo de atrair novos consumidores e efetivar vendas. No entanto, poucos se dão conta de que, para isso, é fundamental fazer um planejamento financeiro minucioso para evitar prejuízos, já que o intuito de qualquer empresa é alavancar os negócios e não ficar no vermelho.

Primeiro, é importante lembrar que, na maioria dos casos, oferecer entregas gratuitas implica em abrir mão de uma parte da margem de lucro da empresa. Dessa forma, o varejista precisa saber se o negócio consegue sobreviver sem esse percentual. De toda forma, o cálculo da precificação do frete é o que vai definir se a isenção da taxa é vantajosa ou não.

A pesquisa Webshoppers 2016, divulgada pela Ebit/Buscapé, mostrou que desde 2014 houve uma diminuição na oferta de frete grátis. O estudo também apontou que em 2015, 40% das vendas pela internet foram feitas sem a cobrança da taxa. Outra pesquisa, realizada em 2015 pela ComScore e patrocinada pela UPS com e-consumidores de todo mundo, revelou que, em 58% dos casos, os internautas abandonam o carrinho após notar que o frete tornou o custo total da compra maior do que se esperava pagar. Algo muito comum de ouvirmos falar, não é mesmo?

Para definir a melhor política de frete e evitar perdas em sua loja virtual, é importante avaliar quais são os momentos indicados para aplicar campanhas de isenção da taxa e definir quando – e se – elas realmente são fundamentais para a decisão de compra do consumidor. A análise do volume de vendas, o ticket médio da loja, os juros negociados e os valores acordados com as soluções de logística podem ser decisivos para que uma campanha de frete grátis funcione.

Para calcular as taxas do frete, o e-commerce precisa fazer uma divisão por tipo de serviço: Expreso ou Normal, separar faixas de peso, região e acrescentar o adicional por peso excedido. Além disso, verificar os grupos de tarifa: se a transportadora atende diretamente ou por redespacho, checar as taxas de seguro, de gerenciamento de riscos (GRIS), o limite para valor declarado, as regras e taxas de reentrega, as taxas para devolução e de coleta, o fator de cubagem e os impostos. É trabalhoso, pois são vários os detalhes para uma precificação adequada, mas o resultado final vale a pena.

Outra estratégia que pode auxiliar o varejista a reduzir os custos com as taxas de fretes é fazendo a terceirização do serviço com logísticas especializadas no fulfillment e distribuição, que podem auxiliar no planejamento e gestão do seu e-commerce. Iniciativas como essas podem ajudar o seu e-commerce a transformar uma dor de cabeça em potencial de negócios e fidelização dos clientes.

Douglas Carvalho - Diretor de operações da Mandaê, empresa especializada em logística para pequenos e médios varejos.




Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração