Os medos e mitos na gestão de micro e pequenas empresas

A palavra-chave para o sucesso do pequeno empreendedor é organização

Daniel Queiroz, CFA,
Divulgação CFA

O marketing para pequenas empresas é um assunto em alta nos últimos tempos. A internet permitiu que os pequenos empreendimentos concorressem com os grandes em pé de igualdade. Afinal, o marketing online é muito mais espontâneo e democrático.

Você, administrador, certamente já ouviu alguém falar em “pequenas empresas, grandes negócios”. Administrar um pequeno negócio é uma tarefa nada fácil, não é mesmo? A palavra-chave para o sucesso do pequeno empreendedor é organização. As contas a pagar e receber, bem como dados de vendas, pagamento de fornecedores e funcionários não podem ficar em cadernetas ou folhas de caderno espalhadas por aí.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), eles representam cerca de 27% do PIB do país e são responsáveis por cerca de 52% dos empregos com carteira assinada. Tal número mostra que o empreendedorismo no país vem aumentado e, com ele, a sua participação efetiva no mercado doméstico. Apesar de se comemorar o crescimento do espírito empreendedor, o encerramento mortandade de pequenas e médias empresas ainda encontra-se em patamares surreais e gera um grande alerta. Cerca de 23,4% dos pequenos negócios têm o seu fim decretado ao completar 2 anos de existência. Entre os fatores responsáveis por este número, está a falta de: planejamento e organização; um plano de negócios concreto; conhecimento dos custos operacionais e administrativos; e, principalmente, a devida atenção aos principais indicadores de gestão.

Para o especialista em marketing e conselheiro federal pelo estado de Sergipe, Diego da Costa, o mercado está mudando. Segundo ele, os administradores tem que estar preparados: “O mercado está em constante mudança. Dá até medo, tudo muda toda hora. O empresário precisa entender que o mercado vai mudar, não é porque ele sempre fez assim que sempre será assim. Cuidado, pois vai mudar e corre risco de até quebrar quem não aderir à mudança, seja ela qual for”.

Segundo o administrador, traçar um bom plano de negócios é fundamental para a perpetuação da atividade econômica. Assim como um piloto prepara um plano de voo desenhando a rota, a quantidade de combustível, a carga e o que fazer em caso de imprevistos, o plano de negócios tem o mesmo objetivo: planejamento. “É por meio dele que o empreendedor terá um norte de como atuar e se destacar no mercado, traçando suas estratégias empresariais e confirmando a viabilidade do empreendimento”, completa.

O consultor empresarial Alessando Basile, que há mais de 15 anos acompanha e faz consultoria para micro e pequenas empresas, também comentou sobre os desafios do marketing empresarial do momento e apresenta algumas sugestões para os pequenos negócios. Em 2004, ele criou a AGMKT – Estratégia Empresarial. A empresa ajuda as micros e pequenas empresas a abandonar velhas práticas que não funcionam mais, desenvolver outras que buscam resultados melhores e encontrar meios de fazer acontecer em um mercado cada vez mais competitivo. Para Basile, a principal pedida é a de recolocação no mercado de trabalho. “Nossa missão é ajudar as empresas a se estruturarem. Estruturar a empresa no mercado, posicionar o público-alvo para ter sucesso. A gente começa no marketing e, naturalmente, influencia em outros aspectos também.”

A seguir, Alessando Basile e Diego da Costa dão dicas de como se dá bem no mercado hoje em dia.

Seja visto e atenda as necessidades do cliente

É impossível falarmos de marketing empresarial no século 21 e não incluirmos as plataformas digitais como ferramenta principal. De acordo com a última pesquisa realizada pelo Ibope em 2018, 95% dos brasileiros já são adeptos às duas telas; ou seja, enquanto assistem TV, estão conectados à internet e acompanham informações online.

A propaganda na TV é um investimento milionário, porém graças à acessibilidade das tecnologias digitais é possível apresentar a sua marca investindo valores muito mais acessíveis, principalmente para os pequenos negócios.

De acordo com Alessandro, apresentar-se na internet – seja por meio de blogs ou redes sociais – é uma necessidade para empresas que desejam se manter no mercado e interagir com o público. “A produção de conteúdos são considerados serviços extras ao consumidor. Afinal, o cliente interage por meio da informação de qualidade que lhe é proporcionada pela marca”, acrescenta.

Portanto, vale a pena investir no marketing de conteúdo e fazer o uso estratégico das plataformas digitais como uma das principais ferramentas de divulgação dos últimos anos.

Qual a melhor divulgação para sua marca?

É muito importante definir qual a rede ou plataforma seus clientes mais acessam: blog, redes sociais, newsletters e outros exemplos. “É preciso conhecer o público e fazer uma pesquisa sobre suas principais ferramentas [usadas] para buscar informação e interagir na internet”, explica Alessandro.

Se o seu negócio tem como alvo as imagens, por exemplo, como em lojas de artigos de decoração, lanchonetes, moda e beleza, o Instagram e o Pinterest são ótimas ferramentas para exibição de fotos.

Seja autêntico

Já reparou que, a cada dia, tudo está mais parecido em termos de produtos e serviços? O foco da competitividade no marketing empresarial que faz sucesso nos últimos anos não é parecer com os seus competidores, mas apresentar-se ou oferecer aquilo que eles ainda não tentaram.

O consumidor adora novidades e tende a seguir e admirar negócios autênticos, independentemente de serem grandes ou pequenas empresas. Para Diego, com o mercado mudando todo dia, ser autêntico é uma das principais armas: “Com tudo mudando toda hora, a administração tá aí pra isso, tem que estudar. Hoje em dia, temos tudo na internet; a última coisa que um telefone celular faz é ligar [para outro celular]. Todo mundo pode vender, basta se esforçar e estudar para ter uma qualidade mínima”, completou.

Defina valores

Na ânsia de colocar em vigor o negócio e dar origem às vendas, os valores sociais costumam ficar em escanteio no planejamento, mas merecem toda a atenção pela sua importância, que inclui a posição da empresa frente aos aspectos sociais, além de agregar na campanha de marketing e conscientização.

Vivemos na era da sustentabilidade, interconectividade e inclusão. Pensar nessas premissas é essencial para reforçar os valores sociais pregados pela sua empresa. Basile pontua: “Todo empreendedor deve preocupar-se com esses aspectos e tê-los como aliados na sua campanha de marketing, no entanto é preciso manter a transparência e seguir os valores pregados [na parede] ou a reputação pode desmoronar”.

Tomar as rédeas do negócio

Dominar os custos do empreendimento pode ser uma declaração de vida ou morte. Um empresário que não os conhece está fadado ao fracasso em um mercado cada vez mais competitivo e implacável. A concorrência acirrada e a alta exigência dos consumidores fazem com que os empresários busquem disponibilizar produtos e serviços de extrema qualidade com o menor custo possível. Uma operação ineficiente e onerosa já é a rasteira que precede o nocaute do negócio. Buscar novos fornecedores e aprimorar os processos pode resultar na diminuição dos custos e, consequentemente, no aumento do lucro.

Já para ajudar a conhecer de fato a saúde do negócio, existem alguns indicadores-chave que auxiliam o gestor na tomada de decisões. Para Diego, “O financeiro também é importante: fluxo de caixa, não misturar as contas. Além disso, a parte de pessoal, RH, é importante, ter colaboradores motivados e entender que os clientes são pessoas; tratar bem os clientes”. Com base neles, pode-se decidir entre a produção ou terceirização, ampliação ou não do negócio, pagar à vista ou a prazo e outras tantas situações. Um indicador crucial, embora sozinho não diga muita coisa, é o de faturamento. Todo empresário tem o dever de ter na ponta da língua o seu. Para isso, o CEO da AGMKT dá a dica: “Muitos empresários estão pensando em vender, empreender, para só tentar pagar as contas, isso é um grande erro”. Ainda segundo ele, é preciso pensar no futuro e investir. “Aplicar um bom plano estratégico tende a organiza a empresa num todo”, completa.

Por último, os dois especialistas são unânimes em dizer que é importante “se educar, ter uma mentalidade empresarial”; procurar cursos online e presenciais para ajudar a administrar melhor o seu negócio. Segundo eles, o Sebrae fornece cursos e palestras gratuitas para o microempreendedor, os quais abordam temas como planejamento, fluxo de caixa, administração pessoal, dentre outros.