Executivo diz que Apple não aumentou preços dos e-books

Eddy Cue disse que não ficou surpreso quando os editores aumentaram os preços para títulos novos e best-sellers depois que a Apple entrou no mercado de e-books em 2010, mas ele contesta que a Apple tenha provocado uma alta nos preços de toda a indústria

Nate Raymond, Reuters,

NOVA YORK, 13 Jun (Reuters) - Um executivo da Apple no centro de um processo antitruste por parte do governo dos EUA disse na quinta-feira que a empresa "não se importava" com os preços estipulados pelos editores para e-books.

Eddy Cue disse que não ficou surpreso quando os editores aumentaram os preços para títulos novos e best-sellers depois que a Apple entrou no mercado de e-books em 2010, mas ele contesta que a Apple tenha provocado uma alta nos preços de toda a indústria.

"Eu não aumentei os preços", ele testemunhou em tribunal federal.

A Apple é o único réu remanescente em uma ação judicial em que é acusada de trabalhar com cinco grandes editoras norte-americanas para fixar preços dos e-books e desfazer o controle do mercado da Amazon.com. Todas as editoras fizeram acordos com o governo dos EUA.

Cue, um veterano de 24 anos de Apple, foi o principal negociador com os principais editores EUA em dezembro de 2009 e janeiro de 2010, antes de a Apple lançar sua iBookstore e, de acordo com um advogado do Departamento de Justiça, teria sido o "líder-chefe" da suposta conspiração.

Durante o processo de quinta-feira, Cue, 48, disse que sentiu a pressão "tremenda" para chegar a um acordo com as editoras rapidamente após o ex-CEO Steve Jobs ter dado aprovação no final de 2009 para desenvolver uma iBookstore para o iPad, então sob sigilo.

Cue testemunhou que inicialmente a Apple pretendia adotar um modelo de atacado, como a Amazon, comprando títulos dos editores e, em seguida, formando os preços.

Mas depois de falar com as editoras, a Apple foi para o chamado modelo de agência, em que os editores definem o preço e a Apple recebe uma comissão de 30 por cento sobre as vendas.

As editoras posteriormente pressionaram a Amazon a também adotar o modelo de agência. O governo acredita que a Apple tenha incentivado esta mudança por meio de uma cláusula de contrato que lhe permitiria reduzir preços em sua livraria se outros varejistas vendessem e-books mais baratos.

O movimento fez os preços para livros novos e best-sellers subirem, defende o governo. A mudança da Amazon para o modelo de agência também contribuiu para a queda da sua participação no mercado de e-books para 45 por cento em 2012, disse o Morgan Stanley em um relatório de fevereiro.

Mas Cue disse que a Apple não estava tentando tirar seu rival da sua abordagem por atacado, e que a cláusula de paridade de preços foi destinada apenas a garantir que sua empresa pudesse competir com outros varejistas. A Apple era indiferente se outros varejistas vendiam livros em um modelo de atacado ou agência, disse ele.


Administradores Premium

Últimos Workshops


Revista Administradores

Revista Administradores

Como você usa seu tempo?

Saiba como render mais no trabalho, ter momentos de lazer e até como explorar melhor o ócio.


Seja um Administrador Premium e
Tenha acesso a todos esses benfícios.

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração