Nova tecnologia transforma "fumaça" do carro em eletricidade

Dispositivo poderá ser usado para reaproveitar resíduos de calor de casas e fábricas

R7,

Os carros do futuro poderão "comer" sua própria exaustão, convertendo o calor de suas emissões em eletricidade. A nova tecnologia pode ajudar na economia de combustível, reduzindo a carga de trabalho do motor do veículo.

 

Além de alimentar os carros, a tecnologia termoelétrica também pode ser usada no aproveitamento de resíduos de calor de residências e de fábricas e na alimentação de novas gerações de células solares.

 

Pesquisadores da Universidade Purdue, nos Estados Unidos, estão desenvolvendo, junto com engenheiros do fabricante de automóveis General Motors (GM), geradores termoelétricos que produzem uma corrente elétrica quando existe uma diferença de temperatura.

 

A partir de janeiro, a equipe vai instalar um protótipo atrás do catalisador do veículo, de onde recolherá o calor dos gases liberados na exaustão, que podem chegar a mais de 700 oC. O protótipo contém pequenos chips de metal de alguns centímetros quadrados.

 

O processo exige metais especiais capazes de suportar uma grande variação de temperatura – o lado voltado para os gases fica quente e o outro lado precisa ficar frio. A diferença deve ser mantida para que a corrente seja gerada, explicou Xianfan Xu, professor de engenharia mecânica da universidade que chefia a pesquisa.

 

Um dos maiores desafios da equipe de pesquisadores é encontrar um metal que conduz mal o calor para que esse não seja transferido de um lado do chip para o outro. Pesquisadores da GM atualmente testam algo chamado skutterudite, um mineral feito de cobalto, arsenieto, níquel ou ferro.

 

Segundo os pesquisadores, metais raros podem reduzir ainda mais a condutividade térmica do skutterudite. Mas, como esse tipo de material costuma causar muitos problemas, os cientistas querem substituí-los por ligas mischmetal.

 

O mischmetal é uma mistura de elementos de transição interna, normalmente composta por Ce (Cério), associado a La (Lantânio), Nd (Neodímio), Pr (Praseodímio) e outros, nas proporções em que ocorrem naturalmente nos minérios 



Tags: eletricidade fumaça tecnologia

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração