ࡱ> %`zbjbjNN,,p{((((xxx$ \\\P\b]d|2 ^",^<^<^<^```{{{{{{{$}h` |xbw`"`bb |((<^<^;|}g}g}gb6(8<^x<^{}gb{}g}gx`x7z<^] d\cbWy{T4|0d|my^fB^,7z^x7zX`Z`@}g3a4ga``` | |[g"```d|bbbbd(BEDBET (((((( UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO PS-GRADUAO EM DOCNCIA EM ENSINO SUPERIOR SANDRA HELENA DA SILVA A DINMICA DE GRUPO UTILIZADA COMO ESTRATGIA DE ENSINO EM CURSO SUPERIOR NA REA DA SADE SO PAULO 2007 SANDRA HELENA DA SILVA A DINMICA DE GRUPO UTILIZADA COMO ESTRATGIA DE ENSINO EM CURSO SUPERIOR NA REA DA SADE Monografia apresentada ao Curso de Ps - Graduao da Faculdades Metropolitanas Unidas, para obteno do Certificado de concluso em Docncia de Ensino superior ORIENTADOR: DOUTORA PROF. MARLY PATRO SO PAULO 2007  SHAPE \* MERGEFORMAT  Dedico este trabalho a todos aqueles que acreditam em mim, como ser humano e como profissional. AGRADECIMENTOS Ao Doutora Prof. Marly Patro, minha orientadora, pela confiana demonstrada desde o incio e em todos os momentos, pelo apoio e conforto nos momentos difceis e pelo direcionamento esclarecedor durante toda a execuo deste trabalho. Ao PROF. ....................................., pela confiana depositada no meu profissionalismo, pela valiosa contribuio, atravs de conselhos e conhecimentos que foram de extrema importncia para este trabalho, incluindo as indicaes bibliogrficas e tambm por ter acreditado na minha capacidade mais uma vez. PROF. .........................................., que nem mesmo nos momentos de informalidade compartilhados, deixou de ouvir-me, aconselhar-me e interessar-se pelo desenvolvimento deste trabalho. A minha colaboradora, Prof . ................................................ , pela imensa ajuda com o material bibliogrfico, que foi definitivo para a metodologia deste trabalho e pela pacincia e amizade, cedendo-me com afeto momentos do seu escasso tempo livre. A todos os meus professores do Curso de Especializao em Docncia de Ensino Superior, pela sua dedicao e contribuio ao meu estgio atual de conhecimento. Ao meu marido, pela compreenso, pelo apoio, por conseguir proporcionar-me maiores alternativas e uma viso mais ampla do trabalho, pela correo gramatical e por ter feito isso tudo com amor e dedicao. O conhecimento da prpria personalidade mais importante que as especulaes a respeito do universo. Scrates Resumo O presente trabalho objetivou apresentar a utilizao da dinmica de grupo como forma de auferir conhecimento em alunos do ensino superior. A capacidade de inovar e desenvolver tem se tornado um componente chave para a sobrevivncia e atualizao. Hoje cada vez mais importante a flexibilidade, as habilidades para se posicionar em situaes ambguas, encontrar solues eficazes e criativas passar a ser uma das preocupaes centrais de professores, educandos e alunos em todo o mundo. As modificaes tecnolgicas e as acrescentes mudanas precisam de profissionais, professores e alunos que se ajustem com a sucesso de modismos e alteraes de ambientes, a utilizao de estratgias para minimizar os conflitos torna-se cada dia mais comum. O fato que o mundo hoje caracterizado por inovaes, mudanas e turbulncia, e tambm por um crescente grau de interdependncia e complexidade que exigem mudanas de comportamento e adaptaes. Dentro desse contexto, as estratgias, mtodos e tcnicas que auxiliam o aprendizados e a troca de experincia, cada vez mais freqente. A dinmica a atividade que leva o grupo a uma movimentao, a um trabalho em que se perceba como cada pessoa se comporta em grupo, como a comunicao, o nvel de iniciativa, a liderana, o processo de pensamento, o nvel de frustrao, se aceita bem o fato de no ter sua idia levada em conta. Palavras-chaves: Inovao. Estratgia. Dinmica. Comunicao. SUMRIO 1. Introduo..................................................................................................................................8 DESENVOLVIMENTO ...............................................................................................................9 2.Estratgia de ensino ......................................................................................................................9 3. Mtodos e tcnicas......................................................................................................................11 4.Dinmica de Grupo......................................................................................................................13 5.Fundamentos para utilizao da dinmica de grupo....................................................................16 6. Objetivo da Pesquisa..................................................................................................................18 7.Metodologia ...............................................................................................................................18 Referncia Bibliogrfica................................................................................................................19 1.  SEQ CHAPTER \h \r 1 Introduo O mercado atual provoca uma valorizao de profissionais diferenciados, a aplicao de certas tcnicas de gesto moderna exige competncias especficas, e estas devem ser estimuladas no ambiente formal de aprendizagem (sala de aula). A capacidade de aprender a aprender para estar em permanente sintonia com a velocidade das constantes transformaes tecnolgicas tornou-se um bem maior. Essas transformaes fazem da educao um fator estratgico para o pleno exerccio da cidadania e para a preparao de recursos humanos capazes de responder s demandas sociais e econmicas de um mundo globalizado. Para enfrentar esse desafio, quase todos os profissionais da educao esto revendo suas estratgia de ensino a fim de assegurar que estes possam satisfazer as expectativas e demandas educacionais da sociedade do conhecimento, tanto aquelas relativas s prticas cidads como as que decorrem das formas de organizao do trabalho e das relaes sociais. As estratgias de ensino vem sendo discutida fervorosamente nos ltimos anos como forma de manifestao explcita dos equvocos cometidos no passado, as estratgias so uma preocupao constante do docente, em funo das mudanas nos mtodos de aprendizagem nas diversas reas de ensino. A estratgia de ensino, onde professores e alunos lidam com situaes adversas e juntos contribuam para a construo do conhecimento. Onde as relaes interpessoais so destacadas como processo que contribui para o resgate do aluno, ou seja, que minimiza o impacto do fracasso escolar traduzido em reprovaes e dependncias freqentes nas instituies de ensino superior. O contedo deste material visa investigar a relao entre a transmisso do conhecimento atravs da dinmica de grupo utilizada como estratgia de ensino em cursos da rea da sade. Este trabalho justifica-se pelas necessidades atuais do mercado, trazendo consigo as mudanas necessrias para atender os padres de exigncia, auferindo a qualidade aos processos educacionais. 2. Estratgia de ensino O ensino superior tem caractersticas muito prprias porque objetiva a formao do cidado, do profissional, do sujeito enquanto pessoa, enfim de uma formao que o habilite ao trabalho e vida. neste contexto o que vem se desenvolvendo no Brasil em nvel de formao de profissionais no nvel superior. O processo de planejamento educacional est inserido em vrios setores da vida social: urbano, econmico, familiar, entre outros. O planejamento um ato poltico-pedaggico porque revela intenes e a intencionalidade, expe o que se deseja realizar e o que se pretende atingir. No Brasil, nos ltimos anos, existe uma grande expanso de cursos superiores, sem que haja um aprofundamento no estudo das demandas do mercado para que ocorram essas implantaes de novos cursos sem prejuzo da qualidade do ensino. O professor, em geral um profissional bem sucedido em sua profisso, dispe de informaes diversificadas sobre as prticas pedaggicas no processo de ensino aprendizagem. Estes profissionais tiveram a oportunidade de se prepararem adequadamente, muitos investem no aprimoramento. Para ensinar, fundamental que se aplique uma metodologia e para que isto seja possvel, temos que planejar, pensar e desenvolver uma estratgia em que seja possvel repassar conhecimentos com a convico de que os objetivos especficos contidos no seu planejamento de ensino sejam atingidos. O professor precisa da capacidade de aprender a aprender para estar em permanente sintonia com a velocidade das constantes transformaes tecnolgicas. O professor deve possuir requisitos de equilbrio e de penetrao psicolgica para estimular o desenvolvimento das possibilidades de todos os membros e fazer com que eles mesmos conduzam o grupo. Para enfrentar esse desafio, o professor usa mtodos e estratgias de ensino a fim de assegurar que estas possam satisfazer as expectativas e demandas educacionais da sociedade do conhecimento, tanto aquelas relativas s prticas cidads como as que decorrem das formas de organizao do trabalho e das relaes sociais. Trata-se de um grande desafio utilizar recursos visuais, comunicativos e interacionais, como de forma a conduzir alunos, na tarefa de iniciar, manter e finalizar o curso. A estratgia de ensino a disciplina que permite a compreenso e a anlise das caractersticas dos mtodos, estando ligada Epistemologia, o estudo do conhecimento. Trata-se do modo como se deve sistematizar a pesquisa atravs da operacionalizao de mtodos, tcnicas, instrumentos etc. As estratgias de ensino fornecem embasamento metodolgico e tcnico para elaborao do planejamento e instrumentos aplicados aos processos de ensino e aprendizagem no ensino superior. Contribuindo com a formao de uma competncia didtica para prticas de ensino. O processo de ensino refere-se ao ensino e a aprendizagem, e o espao tempo em que se d esse processo a sala de aula, o laboratrio, o campo de estgio entre outros. Para Masetto (2003, p. 88), tradicionalmente a sala de aula tem se constitudo como um espao fsico e um tempo determinado durante o qual o professor transmite seus conhecimentos e experincias aos alunos. Em contraposio o professor sugere que a sala de aula precisa ser compreendida como espao tempo de aprendizagem por parte do aluno. Com essa compreenso ela passa a ser um espao e tempo durante o qual os sujeitos de um processo de aprendizagem (professor e alunos) encontram-se para, juntos, realizarem uma srie de aes como estudar, ler discutir e debater, ouvir o professor, consultar e trabalhar na biblioteca, redigir trabalho entre outras (MASETTO, Idem, 89). Partindo do princpio de que a estratgia a maneira como se desenvolve, na teoria e na prtica, uma investigao cientfica, devemos considerar que consiste, ainda, no modo de se fazer cincia com os instrumentos adequados realidade. 3. MTODOS E TCNICAS O ensino tem como objetivo a aprendizagem demonstrando que o homem s passou a ensinar quando descobriu que era capaz de aprender. Foi desenvolvendo a capacidade de aprender que ele se descobriu capaz de ensinar. Esse processo que se pode denomin-lo de ensinagem (ANASTASIOU, 2003) envolve sujeitos em constante construo, seres potencialmente em mudanas, relacionando-se uns com os outros em contextos histricos especficos, no caso em anlise, o espao tempo da sala de aula, a prtica pedaggica. Nessa perspectiva o processo ensino-aprendizagem vai ocorrer atravs da inter-relao - relao entre sujeitos, mediados por um objeto de conhecimento - significativo - e por sistemas de comunicao. Esses sujeitos histrico-culturais esto em permanente situao de trocas intelectivas e afetivas, em permanente socializao de experincias e saberes. O professor deve construir a sua estratgia de ensino visando o alcance dos objetivos bsicos que oportunizem ao aluno assimilar, exercitar, aplicar e recriar os conhecimentos e informaes que melhorem sua viso de mundo, das coisas e do prprio individuo, num processo interativo. A estratgia de ensino busca a redefinio dos objetivos da aula e de seus espaos, o uso de tcnicas participativas e variadas e a implementao de um processo de avaliao como feedback motivador da aprendizagem. Entende-se, assim, que o processo de ensinagem universitria a aquisio e domnio de um conjunto de conhecimento, mtodos e tcnicas cientficas de forma crtica. Que procura incentivar a buscar informaes, a pesquisa e o conhecimento de vrias teorias e autores sobre determinado assunto e compar-las, discutir sua aplicao em situaes reais com as possveis conseqncias para a populao, do ponto de vista ambiental, ecolgico, social poltico e econmico; um processo ensino-aprendizagem onde se exera, de fato, a interdisciplinaridade. A estratgia do ensino consta de mtodos e tcnicas de ensino. A diferenciao entre mtodos de ensino no muito clara, porque circunstncias h que ambos se confundem. O mtodo o caminho ordenado e sistemtico para se chegar a um fim, podendo ser estudado como processo intelectual e como processo operacional. Como processo intelectual a abordagem de qualquer problema mediante anlise prvia e sistemtica de todas as vias possveis de acesso soluo. Como processo operacional a maneira de estabelecer as diversas atividades para chegar ao fim almejado, ou seja, a prpria ordenao da ao da pesquisa. A metodologia do ensino, de modo geral, deve conduzir o educando auto - educao, autonomia, emancipao do professor, isto , deve lev-lo a andar por conta prpria. Deve conduzir o estudo dirigido, passando pelo estudo supervisionado, at alcanar o estudo livre. O mtodo, portanto, o conjunto das atividades sistemticas e racionais que, com maior segurana e economia, permite alcanar o objetivo, isto , os conhecimentos vlidos e verdadeiros, traando o caminho a ser seguido, detectando erros e auxiliando as decises do pesquisador. Tcnicas de Ensino o procedimento tambm lgica e psicologicamente estruturado, destinado a dirigir a aprendizagem do educando, porm, num setor limitado, particular, no estudo de um assunto, ou num setor particular de um mtodo de ensino. A tcnica de ensino o recurso didtico de que se lana mo para efetivar momento ou parte de mtodo de ensino, na direo da aprendizagem. A tcnica de ensino representa a maneira de efetivar um propsito bem definido e particular do ensino. Assim, pode-se observar que mtodo de ensino mais amplo que tcnica de ensino. A tcnica de ensino mais adstrita orientao da aprendizagem em seus aspectos particulares e especficos, ao passo que mtodo de ensino indica aspectos mais gerais de ao didtica. Todo mtodo deve ter uma estruturao lgica, para que seus passos tenham seqncia, e deve ter uma estruturao psicolgica, para que se adapte s formas de estrutura mental do educando, em funo da sua idade e maturidade, isto , para melhor se adaptar s peculiaridades evolutivas e s possibilidades do educando. Poder-se-ia dizer, tambm, que mtodo de ensino o planejamento geral das aes didticas, segundo determinado critrio, tendo em vista determinadas metas. importante salientar que, nas atividades dirias o mtodo tem sido utilizado com o propsito de organizar as diversas atividades cotidianas, tais como: definir o melhor caminho a seguir, planejar o aprendizado de determinadas tarefas etc. Quando se realiza um estudo cientfico o mtodo ajuda a definir racionalmente o caminho adequado para a obteno dos resultados de uma pesquisa atravs de um projeto previamente elaborado. Assim, existe uma grande variedade de metodologias a serem empregadas, que podem ser utilizadas para transmitir conhecimento e experincia. Nesta pesquisa focamos as dinmicas de grupo utilizadas como transmissoras de conhecimento, fator de integrao do grupo e incentivo a motivao de aprendizagem nos cursos da rea da sade. 4. DINMICA DE GRUPO Tudo comeou no perodo paleoltico, com as ingnuas brincadeiras das crianas. Conta-se que nesta fase j existem registros de desenhos nas cavernas, provavelmente retratando as guerras entre as tribos ou lutas com os animais (para subsistncia). As crianas, posteriormente, imitavam os pais utilizando as armas na simulao de brincadeiras de guerra. Neste perodo j h impresses arqueolgicas de que eles tinham conscincia do jogo, usando uma bexiga de animal como bola, por exemplo. Na Idade Mdia, surge a idia da simulao de situaes. Os pagens simulavam uma "guerra" com as crianas, fazendo uso de arco-e-flexa e de jogos como "cabo de guerra". Nesta poca j h inclusive a idia de ganho e perda que um jogo pode causar. Mais tarde, j na poca industrial, em 1933, foi realizada uma pesquisa para verificar se o estresse e as condies estruturais das fbricas influam no trabalho dos operrios. A investigao provou que as condies de trabalho, extremamente precrias, prejudicavam e causavam fadiga nos funcionrios. Com algumas melhorias, como uma iluminao adequada, os trabalhadores tiveram uma significativa melhora na performance.Desde ento foi provado que os fatores externos prejudicam na dinmica dos grupos. As dinmicas de grupo costumam fazer parte dos processos de seleo de candidatos e observaes das Instituies ou terapeutas. As dinmicas servem para que se conheam caractersticas do individuo e o seu comportamento em equipe. Funcionamento e desenvolvimento de grupo. A utilizao dos Jogos e Dinmicas. O processo de aprendizagem. Trabalhando o grupo e o processo vivenciar. Diversas dinmicas com diferentes objetivos: Integrao, tomada de deciso, comunicao, planejamento, elaborao de metas, aprendizagem, etc... - A Dinmica de Grupo enquanto processo e conjunto metodolgico de tcnicas. Fases do desenvolvimento do grupo Fenmenos de grupos e sua influncia na dinmica das relaes; Funcionamento e desenvolvimento do grupo; Limites de confluncia da Dinmica de Grupo; O papel do facilitador; Dinmica de Grupo Sensibilizao e produo do grupo; A influncia do grupo na percepo, atitudes e valores dos indivduos. H diversas concepes para a dinmica grupal, cada uma delas reflete uma posio particular do que seja, e para que serve essa especialidade do conhecimento que trata das relaes humanas quando em grupos sociais. O interesse cientfico pela Dinmica Grupal recente trata-se de uma cincia do sculo XX. No entanto, j no sculo XVIII que, por ter sido caracterizado por enormes avanos no conhecimento humano e pelas grandes revolues polticas da Inglaterra, da Frana e da Independncia Americana, foi chamado de Sculo das Luzes, viveu Giambattista Vico (1688-1744), um pensador italiano que hoje reconhecido por sua aura de precursor das cincias humanas. Estabeleceu a diferena entre Cincias Naturais e Cincias Humanas, e props como base de estudo dessa ltima, um princpio epistemolgico considerado fundamental para o desenvolvimento dos diversos campos do conhecimento humanista quais sejam Antropologia, Sociologia, Psicologia e a Dinmica Grupal, um ramo da psicologia social. Quando um conjunto de pessoas movidas por necessidades semelhantes se rene em torno de uma tarefa especifica, ou seja, um grupo com um objetivo mtuo, porem cada participante diferente, tem sua identidade. Segundo Zimmerman(1997), o individuo desde o nascimento participa de diferentes grupos numa constante dialtica entre a busca de sua identidade individual e a necessidade de uma identidade grupal e social. Todo individuo passa a maior parte do tempo de sua vida em grupos convivendo e interagindo.Todo educador ensina seu grupo, mas s sabe o que vai ensinar quando conhece o seu grupo. Dinmica de grupo expresso foi criada por Kurt Lewin identifica boa parte de seus estudos realizados nos EUA com vista realizao de pesquisas em psicologia social, com destaque para o estudo de grupos. Basicamente, so as seguintes as caractersticas da dinmica de grupo: nfase em pesquisa emprica com significado terico; interesse na dinmica e independncia dos fenmenos ligados ao grupo de indivduos; relevncia interdisciplinar, envolvendo psiclogos, socilogos, antroplogos sociais e economistas; aplicabilidade potencial de tais conhecimentos pratica social. As experincias em dinmica de grupo inauguradas por Lewin e colaboradores tiveram enormes repercusses em vrias reas de atividades, tais como trabalhos de socializao grupal, educao e administrao. A dinmica de grupo se ocupa do estudo da conduta dos grupos com um todo, e das variaes da conduta individual de seus membros, das relaes entre grupos, de formular leis e princpios que regem essas variaes, bem como se preocupa em elaborar tcnicas que aumentem a eficincia dos grupos. So grupos primrios os em que os membros realizam um processo de interao direta, sob efeitos de liames afetivos, ntimos e pessoais, como o caso das relaes entre membros de uma famlia, um grupo de amigos, os alunos de uma sala etc. So grupos secundrios os que, pelo contrrio, mantm relaes impessoais, formais, no afetivas. A comunicao entre os membros, de modo geral, indireta. Pode-se dizer que um grupo de estudo , na sua essncia, um grupo primrio, uma vez que seus membros se encontram em uma situao de interao direta. A dinmica a atividade que leva o grupo a uma movimentao, a um trabalho em que se perceba como cada pessoa se comporta em grupo, como a comunicao, o nvel de iniciativa, a liderana, o processo de pensamento, o nvel de frustrao, se aceita bem o fato de no ter sua idia levada em conta. As dinmicas de grupo costumam fazer parte dos processos de seleo de candidatos e observaes das Instituies ou terapeutas. As dinmicas servem para que se conheam caractersticas do individuo e o seu comportamento em equipe. A Dinmica de grupo estuda as interaes (influncias mtuas) entre as pessoas que esto juntas para divertir- se ou para trabalhar. Pode ser chamada Tambm que esto de MICROSSOCIOLOGIA. Descobriu-se, em psicologia, que muito mais profunda do que se pensava a influncia que as pessoas exercem sobre as outras quando esto juntas (face a face). Da o interesse dos responsveis por reparties, empresas, igrejas, escolas, grupos de trabalho etc. por dinmica (interao) de grupo, com o objetivo de: a) aumentar a produtividade(sem incentivos materiais); b) aumentar o bom relacionamento entre os membros da equipe. A Sociedade est cada vez mais exigindo a qualidade dos servios a ela prestados, esta exigncia torna fundamental a busca constante de normas e mecanismos de avaliao e controle da qualidade. 5. FUNDAMENTOS PARA UTILIZAO DA DINMICA DE GRUPO Para compreender um pouco esta metodologia construtivista necessrio saber que a palavra. Construtivismo uma metfora utilizada em psicologia e pedagogia, que nos remete a uma teoria psicolgica. Segundo essa teoria, o verdadeiro conhecimento fruto de uma elaborao (construo) pessoal, resultado de um processo interno de pensamento durante o qual o sujeito coordena diferentes noes entre si, atribuindo-lhes um significado, organizando-as e relacionando-as com outras anteriores. Uma caracterstica desse processo o fato de ningum pode realiz-lo por outra pessoa, tornando-o inalienvel e intransfervel. Alm de proporcionar novos conhecimentos, uma aprendizagem desse tipo mobiliza o funcionamento intelectual do indivduo, facilitando-lhe o acesso a novas aprendizagens, pois, alm do conhecimento em si, ele aprendeu determinadas estratgias intelectuais para ter acesso a ele, que lhe sero muito teis no s em aprendizagens futuras, mas tambm na compreenso de situaes novas e na proposta e inveno de solues para problemas que possa ter na vida, graas sua capacidade de generalizao. Nesta teoria piagetiana, a autonomia do indivduo fundamental. Para Piaget, a autonomia est relacionada participao do indivduo na elaborao de novas formas de pensar e na criao de novos conhecimentos, auxiliando na reflexo crtica da realidade, para question-la e se possvel, transform-la. Os conflitos e as contradies devem atuar como elementos motivadores favorecendo uma nova reestruturao - processos de assimilao e acomodao. Desta forma o aluno ao construir conhecimentos, aprende os seus mecanismos de produo tornando-se mais independente. Faz parte do processo de aprendizagem a explorao da atividade, o incentivo criatividade e observao. Piaget apresenta, portanto, uma viso interacionista partindo do indivduo para o contexto. A educao e a formao tcnica com suporte do professor, proposta pela metodologia de trabalho do ensino superior uma estratgia baseada na aplicao de novas tecnologias e mtodos auxiliando aprendizagem, sem limitao de tempo. Esta ao sistemtica e conjunta entre as novas tecnologias e estratgias utilizadas no processo de construo do conhecimento que incluem a comunicao, integrao e a motivao e incentivo como partes da estratgias de ensino-aprendizagem que propiciam uma aprendizagem autnoma. Um aspecto fundamental est relacionado importncia que o meio tem em ambientes para o suporte e ensino. O meio freqentemente impe a metodologia, criando por isso restries para a instruo. A incorporao de metodologias e estratgias pedaggicas no ambiente de ensino on-line, permite reduzir tais restries. 6. Objetivo O principal objetivo deste estudo demonstrar a dinmica de grupo como estratgia de ensino para propiciar a aquisio de conhecimento, bem como o desenvolvimento de habilidades correlatas, capacitando o individuo a atuar em grupo. Alm disso, pretende-se destacar a importncia da utilizao da dinmica de grupo orientada para rea da sade, ou seja, como tcnica para motivao, desenvolvimento e integrao. 7. Metodologia Para esta pesquisa definiu-se como estratgia de trabalho, um estudo descritivo e avaliativo. Num primeiro momento so descritas as variveis, bem como a maneira pela qual sero avaliada no estudo. O acompanhamento das aulas ministradas, a fim de fundamentar as principais prticas e elementos que auxiliam o desenvolvimento do trabalho. O material coletado atravs de pesquisa e visitas tcnicas foi usados como base de informao, correspondendo ao universo de pesquisa foram avaliados e investigados durante o perodo proporcionando as informaes necessrias. Os dados levantados evidenciaram como resultado as variveis quantitativas que foram adaptadas para o registro e pesquisa em ficha modelo, feita pelo autor deste trabalho como instrumento de pesquisa, tendo como base de dados e coleta de informao na planilha. 7. Concluso 8. Referncia Bibliogrfica PIGNATARI, Dcio. Informao. Linguagem. Comunicao. So Paulo: Perspectiva, 1977. CARVALHO, Antonio V. & Serafin, Ozila C. Recursos Humanos. So Paulo: Pioneira, 1995. NRICI, Imdeo G, Didtica Geral Dinmica, 9 edio, So Paulo: Atlas, 1983 PARRA FILHO, Domingos & SANTOS, Joo Almeida. Apresentao de trabalhos cientficos: monografia, TCC, teses e dissertaes. So Paulo: Futura, 2000. LAKATOS, Eva Maria & MARCONI, Marina de Andrade. Tcnicas de pesquisas. So Paulo: Atlas,1986. DAVID E ZIMERMAN, Luiz Carlos-Ossorio e colaboradores. Como trabalhamos com grupos, Porto Alegre-RS: Artes Mdicas , 1997. PICHON-RIVEIRE, Enrique. O processo Grupal. So Paulo : Martins Fontes , 1982 FERNANDES, Maria Nilza de Oliveira. Lder-educador: Novas formas de gerenciamento, 2a. edio, Petrpolis-RJ: Ed. Vozes, 2002. AUBRY, Jean-Marie. Dinmica de Grupo, So Paulo: Ed. Loyola, 1978. YOZO, Ronaldo Yudi K. ,100 JOGOS PARA GRUPOS: Uma abordagem psicodramtica para empresas, escolas e clnicas, ed. Agora, 6 edio. 1996. GILLIG, Jean-Marie. O Conto na Psicopedagogia, Porto Alegre: Artes Mdicas Sula, 1999. FRIEDMANN, Adriana. Brincar: crescer e aprender: O resgate do jogo infantil. So Paulo: Ed. Moderna, 1996. CREMA, Roberto et al. Liderana em tempo de transformao. Braslia: Letrativa, 2001. TELES, Maria Luiza Silveira. Psicodinmica do desenvolvimento humano, Petrpolis, RJ: Vozes, 2001. LEWIN, Kurt. Problemas de Dinmica de grupo. Cultrix. SP.1999 MAILHIOT, Grald B. Dinmica e Gnese dos grupos. Livraria duas cidades, SP, 1991 MINICUCCI, Agostinho. Dinmica de Grupo. Atlas, SP, 1997. MATTA, Joo Eurico. Dinmica de grupo e desenvolvimento de organizaes. SP, 1975. LUFT, Moraes. Introduo a dinmica de grupos. Lisboa, 1970.     PAGE  Schweter, ngela Rita P. A dinmica de grupo utilizada como estratgia de ensino em curso superior na rea da sade . So Paulo, 2007. 35 p. Monografia |Universidade Nove de Julho Curso de Especializao em Docncia de Ensino Superior. 1. Inovao. 2. Estratgia . 3.Dinmica. 4. Comunicao. (,HKabeox* 3 < M N O R T _ ` p t u v ɽɽըꨓսwwowhmh95hmh |5hmhX<5hQsh3[c5CJ aJ hmhK 5CJ$aJ$hK 5CJ$aJ$hX<5CJ$aJ$hmh} 5CJ aJ hmh3[c5CJ aJ hmhX<5CJ aJ hmhX<5CJ$aJ$hK 5CJ aJ hQshX<5CJ aJ h5CJ aJ +HIJKbcde $n`na$gdK ndh`ngdOo$ndh`na$gdOo$ndh`na$gdOo$ndh`na$gdK $ndh`na$gdQsxVyzN O P Q u  L M N v w ndh`ngdOo$ndh`na$gdOon`ngdK $ndh^`na$gdOo$ndh`na$gdOov w x y } ~     N Y a g u y úúîjhmhX<5UhQsh3[c5CJ aJ hK 5CJ aJ hQshX<5CJ aJ hK 5CJaJhmhX<5CJaJhmh.35hmh3[c5hmhOf5hmh95hmhX<5hmh |56w x y ndh^`ngdOo$ndh`na$gdOo ndh`ngdOo  $ * @ A B T W _ ` r u y K p f/9:DEѺѧѧѧѧѣѺrhmhX<5B*phhmhX<5B*\phhmh.3B*phhmhX<B*phh hmh hmh 5CJ$aJ$hmhX<5CJ$aJ$h9: hmhOf hmhX<hmhX<5jhmhX<5U#jhmhX<5UmHnHu( dh^`gd9:ndh^`ngdOo @ A B C R S T A HT$ndh`na$gdOo$ndh`na$gdOo ndh`ngdOo$dh^`a$gd9:CDEFGHIJKLSTU$ndh`na$gdOo$ndh^`na$gdOo$dh^a$gd9:$ndh`na$gdOoEKLU|~>@#45  !"̾ӷӷӛӅӰӰӰӰӅtehmhX<OJQJmHsH hmhX<CJOJQJmHsHhmhX<5hmh G0J5\aJhmhRu0J5\aJ hmh G hmhRu hmh hmh9 hmh9 hmh  hmhX<hmhX<5CJaJhmhX<5B*phhmh.35B*ph&U@ &$ ,L \ l0!p#ndh`na$gdOo$ndh[$\$`na$gdOo$ndh`na$gdOo !"7TYSSSS7$ C p@ P $ L \ l0!d1$[$^`a$gdI$$ ,L \ l0!p#d1$[$a$gdI($ ,L \ l0!p#nd1$[$`na$gdOo'$ ,L \ l0!p#ndh1$`na$gdOo"$'(-5679CbQSTghֺ֡庙~s~~~~kcsh>mHsHh5,mHsHhhX<mHsHhmhX<mHsHhImHsHhmHsHhOomHsHhOJQJmHsHh5OJQJmHsHhmhX<5OJQJmHsHhIOJQJmHsHhmhX<OJQJmHsHhOoOJQJmHsHhmhpOJQJmHsH&VXYz5tu)ϵ|smfbhX[ hhX[ h^Jhh^JhQM5CJaJhmhX5CJaJ jhmhX<5CJUaJhmhX<5CJaJ hmhX<hmhX<OJQJmHsHhmh>mHsHh>hX<mHsHh5,hX<mHsHhmhX<mHsHh>mHsHh5,mHsH$Yu(qbSE ndh<`ngdOo$ndh`na$gdOo$nd[$`na$gdOo($ ,L \ l0!p#nd1$[$`na$gdOo2$ 9 p@ P $ |@ P`d1$[$^`a$gd>2$ 9 p@ P $ |@ P`d1$[$^`a$gdI() !~""##$G%b&K')#****,,-/$ndhdd[$\$`na$gdOo$ndh<`na$gdOo$ndh`na$gdG4$ndh`na$gdOo ndh<`ngdOo  } !!>!?! ""}"~"""5########$$$b&c&d&úxhmh"}B*phhmhN4B*phhmhAB*phhmhX<5CJaJhOo5CJaJhmh>5CJaJhM]15CJaJhQM5CJaJhQM hhQM hG4^JhG4hG4^J hG4hG4hG4 hG4hX[hX[hH/d&l&&J'K'(())))"*#***+++-+O+Q+++),*,,,T-a--.2.<.N.]...//P2Q2R2S2r2|23ұĪҢy hmh7Yh7Yh)Ahi hmhXhmh)A\ hmh)AhmhX\ hmhphG4 hmh%#h%#hN4 hmhN4 hmhA hmhohmhXB*phhN4B*phhv~B*phhmhN4B*ph-/{0Q2S2B3C3Y3/467::w;8=H>_?Q@EA$ndh`na$gd[$ndh7$8$H$`na$gda6$ndh7$8$H$`na$gdUw$ndh,[$`na$gdUw$ndh`na$gdOo$ndh,[$`na$gd7Y333B3C3D3X3Y3=4U4W4X47#8$888x9999:::: ; ;w;y;;.=6=8={======G>H>¾yrkrkrkrgh> hmhe3 hmh>hmh$2\ h[h[h[ hmh[h[B*phh&sB*phha6B*phh.t"ha6B*phha6h&shUwhmh>5CJaJhmhm5CJaJhM]15CJaJhmh>5 hmh)A hmhX hmh$2(H>_?EAaABB,DEYFfFG#G&G'G(G0J5\hmhj0J5\hmhj0J5\aJhmhjB*ph hmhjhmhXaJhmhjaJ hmhm5B*CJaJphhM]15B*CJaJphhmhmB*phhDB*phhmhXB*phhmh,B*phhmhrB*ph hmhmhD hmh> hmh)AEAQBC,DEfF&G'G*#BOzOOOPPSTVVWTWW XNX~~$ndh^`na$gdOondh^`ngdOon`ngdOo$ndh[$\$`na$gd:8]$ndh[$\$`na$gdOo$ndh`na$gdOo & F ndh[$\$`ngdOoNXOXYBZ2[[f\]x^r````aaNd@f$ndhdd[$\$`na$gdOo$ndh<`na$gdOo$ndh[$\$`na$gd^i$ndh`na$gd^i$ndh[$\$`na$gdOo$ndh`na$gdOoV0Y9Yf\\\J]T]w^x^``aaaaaaaaMdNd?f@fBiCilll佹vmfmfmfmf[hmhX<B*ph hDhmhDhm^JhmhmCJaJhD5CJ\^JaJhmhm5CJ\^JaJhM]15CJ\^JaJhmh^i0J5\aJh^ihX<0J5\aJhmh)A0J5\aJhmh&s0J5\aJhmhX<0J5\aJ hmh&s hmhX<@fCilll~m3n4nCnDnoqqqq)$ 2j:  z JZ*!#*$$ndh`na$gdOo ndh`ngdOo$ndh<1$^`na$gdOo$ndh`na$gdOo$ndhdd[$\$`na$gdOollllll_mmmsmtmumvm}m~m2n3n5nDnnn oo1oỏ̵̵{j_WL_A_hmh1B*phhmh"}B*phhOoB*phhmhX<B*ph hmhX<5B*CJaJphhOo5B*CJaJph(hmhT<5B*CJaJmHphsHhmhX<aJmHsHh4SaJmHsHhmh1aJmHsHhv~aJmHsHhmhT<aJmHsH(hmhX<5B*CJaJmHphsH"hOo5B*CJaJmHphsHooZp]pqqqqqqqqqqqqqqrr r r>rPr|rrrrrss3ssssssü۫ÔÍÉÁÁ}yryryryic hIaJhmhIaJ hQM56hQMhMhmhX<5hp hmhMhmhX<5\hmhX<5B*ph hIhX<5B*CJaJph hmh"} hmhX< hmhX<5B*CJaJphhI5B*CJaJphhmhX<B*phhmhMB*ph$qqqqqqqqqqrkr$ndh7$8$H$`na$gdOondh7$8$H$`ngdOo$ndh`na$gdOo$$ ) hL \ l0!!ndh`na$gdOo$   l0!!ndh`na$gdOo krrNss*txtt;uuvvvAwww x_xx$ndh[$\$`na$gdOo$ndh`na$gdOoG$ k#  (#q#0*-814@8;H?BPFIXMP`TWh[^pbexilptwndh1$`na$gdOosstttt"t#t*t8t9t:tAtBtCtStUt`tatitktqtrtxtttttttttttt uu)u*u-u;u?uQuRuuuuuuv'v1vȾhh ]5aJhmhIaJhmh ]aJmH sH hmh ]H*aJhph ]5aJ hp5aJhphp5aJhphpaJ hpaJhmhpaJ hIaJ hI5aJhIh ]5aJhmh ]aJ31vivvvv"w@wNwmwwwwwxRxTx^x_xmxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxSyTyUyVycyjylysyyy|y˾˪y h3[caJ hK aJ hX<aJ h4h^Dh^D h^D0Jjh^D0JUhA3jhA3UhmhX<5CJaJhmhX<5B*ph hmhX<hmh ]mH sH hQMh ]5 hmh ]hmh ]aJhQMh ]5aJ/xxxxxxxxxxxxxxxxxxTyUyVy\y]ygdX<#^#gd^Dh]hgd^D &`#$gd^D ndh`ngdOo$ndh`na$gdOo]y^yyyzzQzzzzzzz ndh`ngdOogd^DgdX< |yyyyyyyyzz#z$z&z'z(zCzLzMzPzYzlzzzzzzzzzzzzzzzzzݿݿݿݿݶ hmhX<h^DhX<hShX<aJ h9:aJ h} aJ haJ h9aJ hK aJ hX<aJ h3[c6aJ hK 6aJ hX<6aJ hOf6aJ$@ 00&P1hP:pQs/ =!"n#$n% @ 00&P1hP:p.3/ =!"n#$n% Dd  D  3 @@"?@@@ X<NormalCJ_HaJmHsHtH>A@> Fonte parg. padroTiT  Tabela normal4 l4a ,k, Sem listazOz X<_levnl22D ,p@ P !$1$^` aJmH sH LOL X< Corpo de te11$OJQJaJmH sH vv X<Tabela com grade7:V0XO"X X< Recuo de cor$dh1$`a$ aJmH sH :@2: X< Cabealho  8!8)@A8 X<Nmero de pginarR@Rr X<Recuo de corpo de texto 2$dh`a$CJOJQJ^J(W@a( X<Forte5\B^@rB X< Normal (Web)dd[$\$VC@V  ]Recuo de corpo de textox^6U@6 ] Hyperlink >*B*phzrz}r B z z z z z z z z z z z z z z z z z z z z zBL "S*2,<D/M U^]~ejprq   tWHIJKbcdeNOPQuLMNvwxy@ABCRSTAHTC D E F G H I J K L S T U @   !"7TYu() ~GbK!#"""*$$%'{(Q*S*B+C+Y+/,./22w385H6_7Q8E9Q:;,<=f>&?'?$>$>$Y$>$>$>$$>$>$>$>$>$>$Y$Y$>$>$>$Y$>$>$>$>$$>$$$$$$$$$$$$$$$Y$Y$$$$$$$$$$$$$$$$$j7$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$>$>$$$$${ $O ${ ${ $${ $$>$>$>$>$>$>$>$>$>$>$>$>$>$>$>$>$>$O $$$$$$$$$$$$$$$$O $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$B$B$"$ڀ!$$$$$B$B$O $_x$$R$${ $$O $$O $O $ά$$${ $$$'$"$O $q$$$$"$O $O ${ ${ ${ $O $$"$${ $$$q$$${ $"$$$$$$$$${ $$ ${ $"${ $$$$$$${ $O ${ $$$O ${ $$$$$O $*4$R$~$&$*$$B$O $O $$$$O $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$(((((((((((HIJKbcdeNOPQuLMNvwxy@ABCRSTAHTC D E F G H I J K L S T U @   !"7TYu() ~GbK!#"""*$$%'{(Q*S*B+C+Y+/,./22w385H6_7Q8E9Q:;,<=f>&?'?qNVlos1v|yz>BDHKLOPRSUXZ[^_bw U Y(/EABONX@fqkrx]yz?ACEFGIJMNQTVWY\]`az@r_  !8@(  X  %&6 3  s"*?`  c $X99? %&6T  #  *%5 B S  ?r$t'2#W2'e%)5++r>G<?r>*urn:schemas-microsoft-com:office:smarttags PersonName ! EM CURSO SUPERIOREM CURSO SUPERIOR NAEM DOCNCIA EM ENSINOEM ENSINO SUPERIOR ProductID^bs$$''AAF!FIILL9N>NPP aa+j2j4j:jsjyjkk-m3m5m9mImMmmmnnnnnouoepkppVqbqjq>rCrrvx3; T^DIf ( 0 U c 79QTVp 00CC9H>HMMO%OTO]OOO PPbbbccdldbekeffh#hkkl#lZlalllQmUmnnnnwozoTp]ppVqqqrPrrrrrr:Ke3NyQ*S*'?rCrr6/"w%@)*~ bx:t).BJtP][dgb1mv......  ....  .....  ...... .......) hh^h`OJQJo( ^`hH. ^`hH. pLp^p`LhH. @ @ ^@ `hH. ^`hH. L^`LhH. ^`hH. ^`hH. PLP^P`LhH.^`o() ^`hH. pLp^p`LhH. @ @ ^@ `hH. ^`hH. L^`LhH. ^`hH. ^`hH. PLP^P`LhH.^`o(.^`o( pLp^p`LhH. @ @ ^@ `hH. ^`hH. L^`LhH. ^`hH. ^`hH. PLP^P`LhH.^`o(^`o(.0^`0o(..88^8`o(... 88^8`o( .... `^``o( ..... `^``o( ...... ^`o(....... pp^p`o(........h ^`hH.h ^`hH.h pLp^p`LhH.h @ @ ^@ `hH.h ^`hH.h L^`LhH.h ^`hH.h ^`hH.h PLP^P`LhH.^`OJPJQJ^Jo(- ^`OJQJo(o pp^p`OJQJo( @ @ ^@ `OJQJo( ^`OJQJo(o ^`OJQJo( ^`OJQJo( ^`OJQJo(o PP^P`OJQJo()*).BP][1m6/"bx:w%qaxPOOfm[RuK } i! 9 G4QMpQs.v%#o.#5,x-20M]1.3A3e31;4N4a6X<``<">)AD GX[ ]:8]3[cfi^ij6n&s!ZuUw#$I7YOoo ||p>rXMA4SC"T<H 1Cd9"},^D9:>v~$2xVrXpppppprIw0@! r@UnknownGz Times New Roman5Symbol3& z Arial;Wingdings?5 z Courier New"q;ոf2_9_9!24dgpgp 3QHX)?X<2 UNIVERSIDADE shsantisSANDRA,        Oh+'0x  4 @ LX`hpUNIVERSIDADE  shsantisNormalSANDRA50Microsoft Office Word@1C@:==@fY_՜.+,0 hp  CASA9gp' UNIVERSIDADE Ttulo  !"#$%&'()*+,-./0123456789:;<=>?@ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ[\]^_`abcefghijkmnopqrstuvwxyz{|}~Root Entry FeData d1TablelWordDocumentSummaryInformation(DocumentSummaryInformation8CompObju  F#Documento do Microsoft Office Word MSWordDocWord.Document.89q