Artigo / Contabilidade e Controle Gerencial

Análise crítica do custeio por absorção, custeio direto ou variável e custeio ABC para as organizações

O presente artigo trata dos principais critérios de custeio utilizados nas organizações atuais, fazendo uma análise sobre as vantagens e desvantagens da sua utilização, buscando o custeio que melhor se adapte, de maneira geral, a todos os grupos de empresa. Para tanto,desenvolveu-se o estudo em base bibliográfica com os respectivos autores: Martins(2002), Crepaldi(2009), Leone(2009), compreendida entre obras consagradas dacontabilidade de custos com o objetivo de apresentar conceitos sobre custos de forma a esclarecer qual a finalidade de um bom método de custeio para as empresas.Os resultados evidenciaram que o custeio baseado em atividades,conhecidocomo ABC (Activity-BasedCosting) poderia se sobressair, já que sua utilização pode oferecer subsídios para que se atinjam as exigências legais com o mínimo de arbitrariedade no tratamento dos custos indiretos por diminuir as distorções causadas pelo rateio, mas que de forma geral não existe um sistema de custeio que se ajuste de maneira uniforme e padronizada a todas.

Lívio da Paz,

1 INTRODUÇÃO

Com a globalização a sociedade atual se caracteriza pelo aparecimento de uma série de fatos queaumentam dia a dia a dificuldade administrativa das organizaçõese, em um mundo globalizado a Contabilidade de Custos éde fundamental importância para os gestores poderem tomardecisões para enfrentarem o mundo competitivo.

As mudanças de natureza econômica, política, tecnológica e sociallevaram os líderes empresariais a se preocupar, tendo em vista que osconsumidores estão cada vez mais sensíveis a preço equalidade osempresários ao tentar agradar e atrair clientesacabam, muitas vezes, deixando de observar seus custos.

De acordo com Crepaldi (2010, p. 2) Contabilidade de Custos é uma técnica utilizada para identificar, mensurar e informar os custos dos produtos e/ou serviços. Ela tem função de gerar informações precisas e rápidas para a administração, para a tomada de decisões. É voltada para a análise de gastos da entidade no decorrer de suas operações.

Nesse conceito percebe-se que uma organização necessita ter uma contabilidade de custos bem estruturada para acompanhar e atingir seus objetivos em um mercado dinâmico e globalizado.

Já para Leone (2009, p. 5):

A contabilidade de custos é o ramo da contabilidade que se destina a produzir informações para diversos níveis gerenciais de uma entidade, com o auxílio às funções de determinação e desempenho, de planejamento e controle das operações e de tomada de decisões.

O presente artigo tem como finalidade analisar os sistemas de custeio e enfoca os sistemas de custeio ABC, custeio direto ou variável e custeio por absorção, esclarecendo os conceitos, enfatizando suas vantagens e suas principais diferenças para se possível, determinar o custeio mais vantajoso para as organizações, auxiliando na tomada de decisão.

2 O SURGIMENTO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS

De acordo com Crepaldi (2010, p.3), “A Contabilidade de Custos desenvolveu-se com a Revolução Industrial, e teve que se adaptar à nova realidade econômica, com o surgimento das máquinas e a consequente produção em grande escala”.

  No século XX com a crescente complexidade do mundo empresarial, a contabilidade de custos está tornando-se cada vez mais importante na área gerencial da empresa, passando a ser utilizado no planejamento, controle de custos, na tomada de decisões e no atendimento a exigências fiscais e legais.

A Contabilidade de Custos surgiu da necessidade de se conhecerem os custos dos produtos para avaliar estoquese, também, pela necessidade detomar decisões quanto ao que, como e quando produzir, apurar resultados das indústrias, tornando-se esse o objetivo principal da contabilidade de custos.

A Contabilidade de Custos auxilia na determinação dos custos dos fatores de produção, dos custosde determinado setor da empresa; no controle e observação dos desperdícios, horas ociosas detrabalho, equipamentos mal utilizados; na quantificação exata da matéria-prima utilizada, entreoutros. A Contabilidade de Custos tem como principal fonte a contabilidade financeira. O sistema de apuração de custos consistia em determinar os estoques no inicio do período, adicionando as compras do mesmo período e deduzindo que ainda restaria no estoque.

3 CONCEITOS FUNDAMENTAIS

  Existem conceitos de extrema importância para o entendimento das metodologias de custeio, dentre eles pode-se destacar os gastos, custos e despesas que são frequentemente confundidos entre si, por serem relativamente parecidos.

  Segundo Martins (2009, p. 24), “gasto – compra de um produto ou serviço qualquer, que gera sacrifício financeiro para a entidade (desembolso), sacrifício esse representado por entrega ou promessa de entrega de ativos (normalmente dinheiro)”.

Diante dessa afirmação, pode-se perceber que o gasto se aplica a todos os bens e serviços adquiridos, já que é um termoque diz respeito a um custo ou despesa e só existe através de um reconhecimento contábil ou da redução do ativo dado em pagamento.

  O conceito de custos segundo Crepaldi (2010, p. 7), “são gastos relativos a bens ou serviços utilizados na produção de outros bens ou serviços”. Esses gastos só podem ser reconhecidos como custo no momento da execução de um serviço ou da fabricação de um produto. Os custos se subdividem em diretos eindiretos, e um dos conceitos relativos ao custo direto Crepaldi (1998, p.59) afirma,

“[...]são os que podem ser diretamente (sem rateio) apropriados aos produtos bastando existir uma medida de consumo (quilos, hora de mão-de-obra ou de máquina). Em geral, identificam-se com os produtos e variam proporcionalmente á quantidade produzida”.

Os custos indiretos são aqueles implicados dentro do processo produtivo, porém necessitam ser rateados aos produtos, por não serem facilmente identificados com os objetos de custeio.

O rateio consiste na utilização de um critério de alocação dos custos indiretos aos produtos em fabricação.

Conforme Ribeiro (2002, p. 28), “custos indiretos compreendem os gastos com materiais, mão de obra, gastos gerais de fabricação aplicados indiretamente no produto”.

Esses gastos são assim considerados por sua impossibilidade de uma segura identificação de seus valores e quantidades em relacionadas ao produto.

Para o conceito de despesa Martins (2009, p. 25) afirma que “despesa – bem o serviço consumido direto ou indiretamente para obtenção de receitas”. A despesa é o gasto não relacionado ao processo produtivo. São todos os demais fatores identificáveis na administração, financeiras e relativas às vendas, que reduzem a receita. A despesa afetará diretamente o resultado do exercício.

4 METODOLOGIA

Tratou-se de um estudo bibliográfico, onde foram feitas diversas analogias com os principais autores da área e desenvolver a partir de estudos aprofundados em livros propostos por diversos assuntos, buscando com diligencia sites e busca que complementarão na realização do mesmo, com o objetivo de analisar o melhor custeio a ser utilizado pelas empresas em geral, considerando como os principais sistemas de custeio: por absorção, custeio variável (direto) e custeio ABC.

5 ANÁLISE DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO

Para Crepaldi (2010, p. 228) “custear significa acumular, determinar custos. Custeio ou custeamento são métodos de apuração de custos, maneiras segundo as quais procederemos à acumulação e apuração dos custos”.

Custeio por absorção segue os Princípios Fundamentais de contabilidade, por isso é o sistema aceito pela legislação comercial e pela legislação fiscal no Brasil. Este custeio trabalha com sistema de rateios na apropriação dos custos de dois ou mais produtos. O procedimento é feito com cada produto ou serviço absorvendo parte dos custos diretos e indiretos da fabricação.

Meglioni (2001) escreve que a dificuldade que encontramos para alocar custos indiretos reside na definição da base de rateios a ser utilizada, pois é uma tarefa que envolve aspectos subjetivos e arbitrários.

Neste métodoos custos variáveis são alocados diretamente aos produtos e os custos fixossão apropriados aos produtos por meio de taxa de rateio,cabe ressaltar que os critérios de rateios dos custos indiretos diferem pela base de rateio empregada para o cálculo da taxa de absorção,ou seja, o critério adotado por uma empresa pode não ser conveniente a outra.Cabendo a cada organização fazer umaanálise dos seus componentes fixos e variáveis e verificar quais os critérios quemelhor relaciona esses custos com os produtos.

Martins (2009) explica a metodologia de aplicação do custeamento por absorção pormeio de três passos básicos:

· 1º passo - Separação entre custo e despesas, uma vez que despesas não podem ser alocadas aos produtos, pois pertencem ao período em que incorrem.

· 2º passo - Apropriação dos custos diretos, por meio da identificação dos custos que estão diretamente relacionados com os produtos.

· 3° passo - Apropriação dos custos indiretos, por meio de bases de rateio, já que estes custos não são identificáveis diretamente aos produtos.

5.1 Vantagens e desvantagens do custeio de absorção

Apenas a título de colaboração, a seguir apresentam-se algumas vantagens e desvantagens do custeio por absorção:

Vantagens

Desvantagens

- Facilidade de implantação, pois basta conhecer o valor dos custos e fazer com que os produtos os absorvam;

-Apresenta maior relação custo benefício, ou seja, é poucocustoso em relação aos demais;

- É aceito pela contabilidade fiscal e tributária.

- A base de critérios de rateio, quase sempre existe   grande grau de arbitrariedade;

- O custo fixo por unidade depende ainda do volume de produção; pior de tudo isso, o custo de um produto pode variar em função da alteração de volume de outro produto;

- Os custos fixos existem independentes da fabricação ou não desta ou daquela unidade, e acabam presentes no mesmo montante, mesmo que ocorram oscilações (dentro de certos limites).

Quadro 1 – Vantagens e Desvantagens do custeio de absorção

Fonte: Crepaldi (2010)

6 ANÁLISE DO CUSTEIO DIRETO OU VARIÁVEL

O método de custeio variável (direto) não é aceito legalmente, e esse critério requer que as despesas e os custos sejam definidos como fixos e variáveis. Martins (2006, p. 52) fundamenta que,“custos fixos são os que num período têm seu montantefixado não em função de oscilações na atividade”.Com isso percebemos que os custos fixos não possuem no seu montante definido, conforme o volume de produção.

  Crepaldi (2010, p. 232) afirma que, “a expressão gastos variáveis designa os custos que, em valor absoluto, são proporcionais ao volume de produção, isto é, oscilam na razão direta dos aumentos ou reduções das quantidades produzidas”. Portanto,quanto maior for o consumo dos materiais diretos no processo de fabricação maior será sua contribuição para o aumento dos custos variáveis.

Custeio variável é um método que considera como custo de produção de um período apenas os custos variáveis incorridos, desprezando os custos fixos. Alicerça-se na separação dos gastos em gastos variáveis e em gastos que variam de forma proporcional ao volume de produção ou venda e gastos que se conservam estáveis perante volumes de produção ou venda que mudam dentro de certos limites.

  Esse método é aplicado na identificação da quantidade de unidades a serem vendidas, para que um projeto seja viabilizado, no fornecimento de informações gerenciais, por haver relação entre o lucro e o volume de produção. Uma vez que os custos variáveis são inevitavelmente necessários, sua dedução da receita identifica a Margem de Contribuição, sem nenhuma interferência de manipulação devido aos critérios de rateio dos custos fixos.

6.1 Vantagens e desvantagens do custeio direto ou variável

Vantagens

Desvantagens

- Destaca o custo fixo (que independe do processo fabril);

- Não ocorre a prática do rateio, por vezes arbitrário;

- Evita manipulações;

- Fornece o ponto de equilíbrio.

- Não é aceito na elaboração dos relatórios contábeis, pois fere os Princípios Fundamentais de Contabilidade;

- O valor dos estoques não mantém relação com o custo total.

Quadro 2 – Vantagens e desvantagens do custeio direto ou variável

Fonte: Crepaldi (2010)

7 ANÁLISE DO CUSTEIO ABC

  O custeio baseado em atividades, conhecido como ABC (Activity-BasedCosting), surgiu por volta de década de 80 quando Kaplan e Cooper desenvolveram uma importante ferramenta para as decisões gerenciais e estratégicas, através da qual as companhias cortavam desperdício, melhoravam os serviços, avaliava a iniciativa de qualidade e impulsionam para o melhoramento contínuo, o surgimento do custo ABC está ligada à administração científica que usou para os seu desenvolvimento o estudo dos tempos e movimentos que eram observados diretamente das atividades desempenhadas pelos operários da época. Esse método analisa as atividades significativas da empresa, e que recursos são consumidos nessas atividades e não pelos produtos que ela fabrica, pois, ele é, acima de tudo, uma poderosa ferramenta a ser utilizada na gestão de custos.

  Para Leone(2009, p.241apudCATELLI e GUERREIRO, 1994):

“O sistema ABC corresponde ao custeio baseado em atividades. Esse sistema parte da premissa de que as diversas atividades desenvolvidas pela empresa geram custos, e os diversos produtos consomem/utilizam essas atividades. Na operacionalização do sistema, procura-se estabelecer a relação entre atividades e produtos, utilizando-se o conceito de cost drives, ou direcionadores de custos. Apuram-se os custos das diversas atividades, sendo esses custos alocados aos produtos via direcionadores”.

Este sistema fundamenta-se na procura do princípio da causa e ação quebusca esclarecer, por meio de rastreamento, o agente causador do custo, para lhe atribuir o valor. Primeiramente faz-se o rastreamento dos custos que cada atividade causou, atribuindo-lhes estes custos, e posteriormente verificam-se como os portadores finais de custos consumiram serviços das atividades, atribuindo-lhes os custos definidos.

  Conforme Crepaldi (2010, p. 322),

“O sistema ABC não é apenas uma nova maneira de se apropriar os custos para o produto que o gerou, mas é, também, uma nova maneira de se administrar, tendo como dados suporte dos custos pelo ABC e suas características. As empresas estão usando o ABC para apoiar as decisões principais em linha de produtos e segmentos de mercado, assim como relacionamento com clientes, e para assimilar o impacto da parte financeira e gerencial do ABC como sistema de medida”.

  O custeio por atividades é empregado quando o montante das despesas e dos custos indiretos passa a ser substancial concomitantemente à perda de relevância do montante dos custos de mão de obra direta, diante do custo total de produção. Outra forma é quando a fábrica produz grandes volumes de produtos diferentes que atendem as múltiplas necessidades de uma grande quantidade de consumidores diferentes.  

7.1 Vantagens e desvantagens do custeio ABC

Para melhor compreensão,segue abaixo as vantagens e desvantagens da aplicação do método de custeio ABC.

Vantagens

Desvantagens

- Proporciona melhor visualização dos fluxos de processos;

- Identifica os produtos e clientes mais lucrativos;

- Eliminam/reduzem atividades que não agregam aos produtos um valor percebido pelo cliente;

- Melhoram significativamente sua base de informações para tomada de decisões;

- Geram informações gerenciais relativamente mais fidedignas por meio de redução do rateio;

- Identifica o custo de cada atividade em relação aos custos totais da entidade;

- Pode ser empregado em diversos tipos de empresas (industriais, comerciais, de serviços, com ou sem fins lucrativos).

- Gastos elevados para implantação;

- Alto nível de controles internos a serem implantados e avaliados;

- Leva em consideração muitos dados com informações de difícil extração;

- Dificuldade de envolvimento e comprometimento dos empregados da empresa;

- Não é aceita pelo fisco, gerando a necessidade de possuir dois sistemas de custeio;

- Alto nível de controles internos a serem implantados e avaliados;

- Necessidade de revisão constante;

- Necessidade de reorganização da empresa antes de sua implantação;

- Necessidade de formulação de procedimentos padrões.

Quadro 3 – Vantagens e Desvantagens do custeio ABC

Fonte: Crepaldi (2010)

8 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Com os estudos bibliográficos efetuados relativos aos três métodos de custeio, verificou-se que não existe o melhor método de custeio, já que a aplicação desses sistemas deverá ser coerente com os tipos de empresas, com as características de suas atividades, com as necessidades gerenciais e, evidentemente, do “custo-benefício” resultante do sistema adotado. No entanto, as informações geradas pelos três métodos seriam complementares para satisfação dessas necessidades.

Pelo custeio por absorção, é o único aceito pela legislação tributária, com utilização de critérios de rateio, elaborados de formasubjetiva, oferece informações distorcidas aos gestores, podendo provocar tomada de decisõesnão condizentes com a realidade da organização causando consequente prejuízos estruturais, contudo, pode ser utilizado naelaboração dos demonstrativos contábeis externos.

Já o custeiodireto (variável), por considerar apenas os custos variáveis o valor dos estoques não mantém relação com o custo total. Todavia, a empresa teria informações importantes para tomadasde decisão, já que evita manipulações e ainda favorece a utilização da margem de contribuição eelaboração de relatórios gerenciais internos.

Dentre os custeios analisados nesse artigo, o ABC poderia se sobressair, já que sua utilização pode oferecer subsídios para que se atendam as exigências legais com o mínimo de arbitrariedade no tratamento dos custos indiretos por diminuir as distorções causadas pelo rateio. Contudo, a necessidade imposta pelo mercado, os custos de implantação e acompanhamento, o recurso humano necessário, os produtos envolvidos, as necessidades dos gestores etc. devem ser analisados para que se dimensionem as vantagens e desvantagens para cada instituição.

Com isso, percebe-se que os custeios estão ligados diretamente com cada tipo de empresa e com suas finalidades, não existindo um sistema que se adapte de forma uniforme e padronizada a todas. 

9 REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CREPALDI, Silvio Aparecido. Contabilidade Gerencial Teoria e Prática. 2.º ed. São Paulo: Atlas, 2002.

MEGLIONI, Evandir. Custos. São Paulo: Makron Books, 2001.

MARTINS, Eliseu. Contabilidade de custos. 9ª ed.São Paulo: Atlas, 2009.

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade de custos fácil. 6ª ed. rev. e atual - São Paulo: Saraiva, 2002.

CREPALDI, Silvio Aparecido.Curso Básico de Contabilidade de Custos. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2010.

LEONE, George S. G. Curso de Contabilidade de Custos. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 2009.

SEVERINO,Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 23ª Ed., rev. e atualizada, São Paulo: Cortez, 2007.

Disponível em http://pt.scribd.com/doc/49901558/21/Metodo-de-Custeio-por-Absorcao Acesso em: 22nov. 2011 às 23h05min.


Faça o download agora

Tags: Diennisson Lopes da Costa¹ Ivamara Ripardo Aragão² Lívio da Paz Rocha Junior³

Vagas de trabalho