Artigo / Gestão de Operações e Logística

Análise de Processos Logísticos

Este artigo vem apresentar a Logística e seus processos que a cada dia vem sendo analisada e discutida, num certo modo e visão estratégica para redução de custos, mas temos vendo como operação e Serviços, onde atrelando os Processos com Qualidade e orientada num trabalho em conjunto, pode-se gerenciar os processos e equilibrar a eficiência e a eficácia dos procedimentos realizados para que tenhamos êxito em nossos resultados. Trabalhando com sinergia e integrando toda esta cadeia revendo e explorando a interligação entre Qualidade em Serviços apresentada bem como os processos da Tecnologia da Informação, mão-de-obra qualificada, Processos se intercalam na Logística que é vista como procedimento de organização, planejamento e controle nos fluxos de materiais e informações correlacionadas, sendo integrada desde a produção da matéria-prima, transformação e distribuição até o consumidor ou cliente final.

Peri da Silva,

Análise dos Processos Logísticos

Este artigo vem apresentar a Logística e seus processos que a cada dia vem sendo analisada e discutida, num certo modo e visão estratégica para redução de custos, mas temos vendo como operação e Serviços, onde atrelando os Processos com Qualidade e orientada num trabalho em conjunto, pode-se gerenciar os processos e equilibrar a eficiência e a eficácia dos procedimentos realizados para que tenhamos êxito em nossos resultados. Trabalhando com sinergia e integrando toda esta cadeia revendo e explorando a interligação entre Qualidade em Serviços apresentada bem como os processos da Tecnologia da Informação, mão-de-obra qualificada, Processos se intercalam na Logística que é vista como procedimento de organização, planejamento e controle nos fluxos de materiais e informações correlacionadas, sendo integrada desde a produção da matéria-prima, transformação e distribuição até o consumidor ou cliente final.

Palavras-Chave: Logística, Serviços e Tecnologia da Informação.

1. INTRODUÇÃO

Em momento no qual as mudanças socioeconômicas são constantes, sendo necessária a utilização de metodologias de gestão que propiciem a sobrevivência e melhor desempenho das organizações. Em todos os segmentos organizacionais onde se busque sobreviver, é premente a consciência da importância de se adotar novas estratégias de gestão para fazer frente aos novos tempos. O cenário atual de competitividade que as organizações empresariais e entidades do Estado se encontram faz com que o seu foco principal seja atender às necessidades dos clientes (pessoas ou outras instituições).

A Logística representa nas organizações, elemento a ser bem explorado e administrado, como também é um grande desafio para a competitividade das empresas no mercado atual com estratégias bem delineadas para que possamos ter e desenvolver resultados com qualidade, bons serviços em uma estrutura operacional em adequada e uma boa coordenação das funções, onde devemos coordenar a cadeia de suprimentos e logística dentro de um processo harmonioso com procedimentos bem definidos, boa e qualificada mão-de-obra bem como as etapas de processos integrados de transportes, armazenagem, produção e distribuição, aonde a tecnologia vem a ser um ponto de apoio importantíssimo dentro deste conjunto. Na evolução dos procedimentos logísticos temos a integração interna e externa, foco no cliente e a busca da vantagem competitiva passando pelos serviços prestados e atendidos, processos com qualidade e a TI.

A busca de incrementar o desempenho operacional, frente a um mercado cada vez mais competitivo, as organizações empresariais procuraram adotar estruturas organizacionais mais flexíveis, utilizando tecnologias integradoras e redesenhando as suas cadeias de valor, com maior capacidade de adaptação e rapidez de resposta. Este estudo busca apresentar relação entre logística e os processos de gestão necessários a manutenção da integridade competitiva entre as empresas. O artigo foi elaborado através de análise bibliográfica, através da utilização de livros e artigos, bem como na coleta de dados através da rede mundial de computadores.

2. Serviços na Cadeia de Suprimentos

Num olhar e caráter de planejamento, vê-se que estratégia consiste basicamente em fatores e regras que determinam a orientação para o comportamento de uma organização, padrão e normas em que as empresas precisam avaliar e reavaliar seus objetivos, alocando os recursos necessários, dentro da capacidade, propósito e ambiente na interligação e formulação da estratégia e as suas funções de operação, e entendendo isso vemos que a Logística, Serviços e a Estratégia se fundem, pois a Administração Estratégica nada mais é que um processo sistêmico que deve ser gerenciado, planejado, executado e lapidado ou acompanhado na alta cúpula ou alta administração, envolvendo todos num processo sinérgico e comprometido entre todos os atores envolvidos no contexto.

Um serviço é qualquer atividade ou benefício que uma parte possa oferecer a outra, que seja essencialmente intangível, e que não resulte em propriedade de coisa alguma. Sua produção pode ou não estar ligada a um produto físico.

Porter (1990) destaca que já na última década do século passado fatores básicos como recursos naturais e mão-de-obra não especializada tornam-se cada vez menos influentes na obtenção de vantagens competitivas verdadeiras e sustentáveis, uma vez que fatores como conhecimento, tecnologia e capital assumem este papel. No entanto, a velocidade de comunicação aliada à rápida difusão do conhecimento faz do uso de novas tecnologias uma condição necessária, porém não suficiente para o sucesso de uma organização.

As principais atividades em Logística devem ser avaliadas de forma abrangente e sistêmica, pois temos que bases em indicadores e chegarmos a bons resultados, e temos que saber que: o que não é medido, não é gerenciado e, tão-pouco melhorado. As empresas cada vez mais investem em Logística para melhorar a qualidade, eficiência, custos, responsabilidade, prazos, aprimorando os serviços, atendimentos com informações relevantes e o apoio da tecnologia onde a os processos logísticos hoje devem ser tratados estrategicamente dentro de um foco ou conceito de gestão de conhecimento que deve ser lembrado e considerado, segundo Sveiby (1998, p.3), a Gestão do Conhecimento não é mais uma moda de eficiência operacional, faz parte da estratégia empresarial, onde devemos alinhar a cadeia de suprimentos, os processos logísticos de maneira que resulte em bons resultados entre todas as partes relacionadas/interessadas, no caso os stakeholders, não esquecendo que a Logística engloba o início do fluxo físico e tem como elementos a integração de transporte, armazenagem, distribuição em sua estrutura e fases da operação na interligação dos procedimentos para a satisfação e um bom atendimento aos clientes e também resultando na melhoria dos processos e serviços bem administrados e gerenciados geram ótimos resultados, como Albrecht (1992, p.4 e 5) cita nos processos administrativos o impacto do serviço sobre o lucro deve ser levado a sério e os administradores não conseguem ou não controlam a qualidade do produto quando o produto é um serviço. Um dos focos em alicerce de procedimentos logísticos são os procedimentos claros e bem delineados.

Analisando no cenário atual econômico as empresas devem preocupar-se com o ramo de serviços visando, integração de setores e departamentos, nos procedimentos efetuando um desempenho com atividades para outras partes, gerando valor e beneficiando todo o processo em sinergia. Levando isso em consideração, chegaremos a ter uma vantagem comparativa ou competitiva em relação aos nossos concorrentes, pois junto com a importância dos Serviços na economia, a Logística ganha cada vez mais um destaque onde uma das missões da logística é medir e diminuir os custos e aumentar os lucros. Derivado em conceitos que são voltados ao planejamento e a estratégia, alinhada com foco no cliente com linhas bem definidas na estrutura, processos e funções onde os administradores e gerentes deve saber lidar com as operações de sua empresa para obtermos resultados positivos e produtivos, sabendo utilizar as pessoas, tecnologia gerando resultados. Então temos que analisar e projetar o conceito de serviços com processos e operações bem gerenciadas, para chegarmos onde pretendemos, dentro dos objetivos propostos.

Como se verifica, as atividades devem ser bem delineadas, combinando os procedimentos de administração e serviços, analisar e avaliar os esforços realizados para projetar o conceito de serviços com processos e operações bem gerenciadas e voltadas para estratégia e composição logística contudo, integram-se globalmente os setores e processo tornando o contexto eficiente e eficaz dentro da finalidade logística. Com um nível de serviço bem distribuído, equilibrado e competitivo, pois como disse Napoleão Bonaparte "Na estratégia, decisiva é a aplicação".

Segundo Ballou (1994, p. 23), a administração eficaz da logística complementa o esforço de marketing da empresa, proporcionando um direcionamento eficaz do produto ao cliente e colocando o produto no lugar certo e no momento certo. Assim, a logística representa um ponto de apoio na satisfação dos clientes da empresa e no lucro da empresa levando a uma vantagem no mercado.

Analisando o papel da logística, Ballou (1993) apresenta que a base da logística de englobar as atividades relacionadas ao fluxo de produtos e serviços para geri-las de forma relacionada é uma evolução da gestão administrativa. Atualmente as empresas buscam as atividades logísticas como uma etapa de seus negócios, provendo seus clientes com os bens e serviços que estes buscam. Desta forma, a logística tem atualmente um papel de frente na busca e manutenção da competitividade organizacional.

Quando fala-se em serviços logísticos, fala-se sincronia beirando a perfeição, ter contingência, para que a logística e seus processos, com a preocupação no sucesso dos departamentos envolvidos na utilização e disposição do recurso e no pronto atendimento nos processos internos e externos, pois as empresas na preocupação de redução de gastos e/ou custos logísticos devem ter uma visão sistêmica com direcionamento dos esforços em serviços, qualidade e tecnologia e na mão-de-obra visando a criação e o desenvolvimento, onde tenham que chegar em seu objetivo e ser eficiente e comprovar a sua existência, ela deve de disponibilizar recursos, bens no tempo, medida, quantidade e custo justo.

Deve-se avaliar e conhecer as principais atividades da logística e deixá-los num alinhamento estratégico e operacional onde todos os envolvidos saibam o que estão fazendo, não só se preocupando com sua tarefa, mas sim com a tarefa anterior, seguinte ou seja, pensando na organização como um todo e relacionando os setores de suprimentos, produção, embalagem, armazenamento e estoque, distribuição, transportes, serviço ao cliente, recursos humanos e o planejamento integrado e controlado sob o foco da tecnologia da informação que sem dúvida alguma é uma ferramenta de apoio importantíssima no processo. Esse serviço tem que ser estruturado por pessoas que conheçam e dominam seus processos, que esse alinhamento equilibrar a eficiência e a eficácia, deve criar valor e também tornar o projeto sustentável com o envolvimento de todos os stakeholders, e em serviços devemos analisar as necessidades, informações e depois avaliar esses processos para uma tomada de decisão realizando procedimentos melhor que nossos concorrentes resultando em qualidade, custos baixos, tempo e flexibilidade na entrega de resultados dos processos realizados e/ou produtos dentro de prazos estipulados que acarretam na confiança nas atividades de suporte e apoio, dentro de uma integração dos canais de distribuição, relacionamento, políticas tudo isso chegado a ter uma vantagem comparativa e competitiva nos serviços realizados, pois um bom trabalho e os serviços tem uma importância nas operações para a transformação de processos em resultados pré-estabelecidos nas estratégias logísticas que tem que ser bem alinhadas.

Segundo Castro (2004) o custo logístico é a somatória do custo do transporte, do custo de armazenagem e do custo de manutenção de estoque. Para Rodrigues (2002) a Cadeia de Suprimento (Supply Chain) como conceito segue utilizada pelas empresas de ponta na área de logística, observadas as características entre empresa, fornecedores e clientes, tanto com relação a fluxos de produtos, de informações e financeiros.

Logística, Cadeia de Suprimentos ou Supply-Chain são setores complexos e variam de conforme cada organização, e o setor de serviços de distribuição, especificamente dentro deste contexto deve ser bem moldado e planejado para seu sucesso para que a sua finalidade alcance dentro dos procedimentos logísticos e administrativos juntamente com a competência de seus colaboradores seja "quase impecável" e orientada para o cliente seja interno e ou externo, então vemos que torna-se necessário o acompanhamento, estudos e abordagens com um entendimento das operações e a sincronia dos processos e serviços logísticos para que seus elementos tornem o processo sine-qua-non.

O acompanhamento direto de todo o processo logístico na empresa representa a ligação estreita com os interesses do cliente, e este é um dos objetivos da estratégia logística citados por Ballou (1993). O autor afirma que uma estratégia logística é criada visando a três objetivos: (1) redução de custos, (2) redução de capital, (3) melhorias no serviço.

Além dos três objetivos citados por Ballou (1993), a busca pela gestão de qualidade nas empresas esta tendo participação decisiva da logística. Nota-se isso pelas atividades ligadas ao fluxo do pedido que, quando reorganizadas, garantiram um gerenciamento logístico integrado. Tendo em vista a abrangência dessas atividades, a definição de estratégias logísticas, para melhorar o gerenciamento do processo proporcionou melhorias em grande parte dos processos internos, indo ao encontro das estratégias da empresa.

Uma vez definida a estratégia da supply chain e os elementos que serão acentuados, é necessário elaborar o planejamento estratégico para atingir estes objetivos. Muitas empresas brasileiras ainda negligenciam a importância de um plano estratégico corporativo, ainda mais quando este diz respeito às áreas de logística e supply chain.

3. QUALIDADE

Na atualidade e num mundo globalizado, as perspectivas gerenciais e nos negócios temos que enfrentar a competitividade com conhecimentos e habilidades tanto nas atividades internas quanto externas devemos ter resultados satisfatórios, e os processos logísticos além de além de resultados devem ter qualidade, trabalhar com excelência, adequarmos ao propósito, eliminarmos ou diminuir os erros ou seja obter e fazer com que a qualidade e o nível de serviço serem efetivos com requisitos e atendimentos focados em resultados positivos bem estruturados ao mesmo tempo tendo simplicidade para planejá-lo, organizar, dirigir e controlar ou seja a administração excedendo as expectativas num objetivo estratégico bem estabelecido para agradarmos aos stakeholders envolvidos. Implementar o Ciclo PDCA (Plan, Do, Check, Action), para a melhoria do sistema e do método de trabalho a ser estabelecido, onde a qualidade pode ser definida como conformidade as exigências, realizar e fazer o certo, adequação ao uso.

No que aponta as tendências atuais, a Logística deve ser encarada e investida para as expectativas dos clientes, redução de custos, organização interna da empresa, saber trabalhar com produção, operação, processos, demanda, vendas, suprimentos e a tecnologia bem aplicada e direcionada em todos esses setores ou processos ligados com serviços com qualidade e objetividade, tentamos fazer que os procedimentos realmente se preocupem com os clientes, tanto interno/externo envolvidos no processo é um grande desafio adequar os 4 P´s dos serviços perfil relacionado com o espaço físico, processo, pessoas, procedimentos onde na era da qualidade total devemos analisar os processos produtivos, verificar os interesses do consumidor e aplicar a qualidade garantida desde o fornecedor ao cliente, fazendo bons processos e produtos ou seja o melhor, planejamento, regularidade e com o mínimo ou nenhum erro, por isso devemos cair de escafandro nos procedimentos de operações para o cliente, em serviços e processos, e conforme Deming (1990, p.124-125), ele aponta semelhanças e diferenças entre prestação de Serviços e fabricação/produção de bens, que podemos e temos que equalizar a prestação de ser serviços numa certa visão como se fosse um bem tangível e o colaborador da linha de produção tem idéia da Qualidade do produto final. Conforme Carvalho e Paladini (2005, p.214), analisando os processos vemos que a melhoria contínua pode ser considerada a principal atividade apresentada nos processos, e podemos assegurar que estes processos estejam em constante atualização.

Em logística analisamos os procedimentos que devem ter qualidade em seus serviços deve atender as expectativas e envolve departamentos e setores com uma análise de ações tanto interna como externa, e este planejamento permite a empresa atingir seus objetivos, atendendo as exigências e solicitações que são características da qualidade, onde o cliente é o foco, devemos nos guiar e orientarmos em processos e não em tarefas, gerar valor, adotar e apostar na tecnologia da informação, trabalhar sinergicamente, ter uma visão geral da cadeia onde antes temos que ver se nós seríamos nosso próprio cliente ou seja se nossos produtos e/ou serviços tem qualidade com uma equipe motivada, treinada para melhor proceder e desenvolver um alinhamento na cadeia como também chegamos num melhor desempenho operacional, concentrando-se no atendimento as exigências de todos os stakeholders envolvidos, adequando os processos pré-determinados pelos serviços para poder apontar nos princípios da qualidade.

Então fazendo uma análise das atividades logística onde as mesmas são interdependentes, devemos trabalhar em equipe, com ações bem alinhadas e estruturadas para a redução de custos, descontinuidade de processos para que possamos adotar uma gestão integrada com diversas soluções e normas contingenciais. Precisamos alinhar e integrar os fornecedores, clientes e processos de transformação da matéria-prima, produção, armazenamento e distribuição. Nos tempos atuais temos que agregar valor ao produto ou ao serviço realizado com qualidade para atendermos e chegarmos a atender as necessidades dos clientes.

4. TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Nos dias atuais pra gerenciarmos e na melhoria da tomada de decisões, devemos ter domínio dos processos e ter em mãos informações pertinentes e essenciais para um melhor andamento das operações logísticas, e além de ter profissionais qualificadas e competentes na equipe e atuando nos processos também temos que nos manter atualizados em termos da Tecnologia da Informação TI, adequando e adotando estratégias e sistemas de monitoramento dos 3 componentes da TI que são as pessoas, hardware e software.

Analisando a figura acima, temos que alinhar as informações na tomada de decisão onde a missão da logística de entregar o produto certo, na quantidade certa, para o cliente certo, no tempo justo e com o custo mínimo, a TI é essencial para organizarmos as atividades dos sistemas para que a aplicação destes nos processos logísticos obtenham resultados significativos para todos os stakeholders envolvidos. Para nós atendermos os requisitos da logística, devemos ter alinhamento resultando em velocidade e qualidade do fluxo de informações disponíveis e relacionadas, onde chegaremos a ter a capacitação e a utilização da TI com bons resultados ou os resultados esperados dos processos e de todo o sistema.

Para que a TI tenha estes resultados esperados devemos ter uma visão integral, ou seja, global dos processos investindo nas pessoas e na estrutura sendo ela integrativa, participativa e interativa, trabalhando em sincronia as atividades primárias e de apoio na geração de valor, também tendo o envolvimento e uma "visão única" dos departamentos de operações e vendas num entendimento de todos os processos e conseqüentemente dos participantes para que a alimentação de informações e dados aplicados nos sistemas de informação e nos software nos dê um bom direcionamento para as tomadas decisões, atrelado ao Planejamento de Vendas e Operações, ou seja, no S&OP (Sales and Operations Planning), para melhor gerenciarmos, pois tudo que é medido é gerenciado e a TI tem um papel fundamental para que nós possamos atrelar os objetivos organizacionais com os objetivos departamentais numa visão holística e com os resultados e objetivos voltados conceitualmente na Cadeia de Valor, para o bem estar e como o foco da organização que é de ter perenidade em seu segmento juntamente com sua finalidade de sobreviver num mercado competitivo, globalizado e ter em seu segmento perspectivas de crescimento.

Para termos um bom alinhamento de informações nos procedimentos logísticos, a TI vem facilitar as operações dentro da cadeia de valor, otimizando o fluxo no sistema estrutural adotando melhores práticas dentro do negócio e também desenvolvendo uma melhoria em suas funções, vemos o a evolução do MRP (Material Requirement Planning) que faz o planejamento das necessidades de materiais, chegando ao ERP (Enterprise Resource Planning) que é um software facilitando o fluxo de informações nas atividades da empresa dentro de uma base ou banco de dados em uma plataforma que inclui uma série de processos integrados de manufatura, financeiro e recursos humanos com isso podemos ter uma sinergia entre os departamentos e alinhamos juntamente com a TI a estratégia e objetivos da organização, resultando num intercâmbio entre todos os stakeholders, facilitando a vida das organizações, transferência de dados onde podemos reduzir os custos logísticos, melhorando o relacionamento com o cliente, ou seja, fazendo um CRM (Customer Relationship Management), melhoria no controle operacional e a partir de um melhor entendimento destes processos pode-se visualizar e identificar melhores oportunidades de negócio trazendo benefícios e resultados para a organização, dentro da sincronia dos departamentos financeiros, vendas, compras, assistência técnica/manutenção, estoque, produção com a utilização da TI como vemos a seguir:

Como vê-se todos os departamentos devem operar em sincronia e com responsabilidade, onde também o EDI (Eletronic Data Interchange) que é a troca eletrônica de dados sendo um dos elementos centrais no fluxo de dados e informações e análise da demanda, envolvendo suprimentos, estoque, produção. Atrelado também o WMS (Warehouse Management System) que é a administração e gerenciamento de armazém, e no sistema de planejamento de recursos compartilhados e na consulta das informações das áreas envolvidas na empresa o ERP aprimorando o lead time. Isto afeta os custos logísticos agregando valor com a redução no prazo de entrega, disponibilizando produtos e serviços corretamente, cumprindo datas e prazos, facilitando a distribuição de pedidos e por final melhorando os processos de entregas com horários previstos e ou determinados. Tornando o conceito eficaz chegamos a uma resposta eficiente ao consumidos ou no caso o ECR (Efficient Consumer Response), visando uma melhoria na cadeia logística dentro da padronização e interligação dos processos em conjunto informatizado de ferramentas para melhor operarmos tanto internamente e externamente o funcionamento sistêmico de atividades inerentes ao sistema, tendo uma acuracidade maior dos departamentos de logística e suprimentos, sendo isso possível com o apoio da TI, num entendimento adequado na utilização da comunicação, ferramentas de informática e automação e técnicas bem alinhadas com a estratégia de negócio atendendo a todas suas necessidades.

CONCLUSÃO

A gestão baseada em técnicas logísticas avançadas poderá colaborar decisivamente para que o crescimento competitivo, de um modo geral, obtenha o sucesso desejado e possa crescer de maneira equilibrada apresentando-se sempre competitiva, face aos novos desafios do mercado. A logística atrai pela demonstração de utilização e contribuição que pode oferecer para futuro e a perspectiva de modernidade para levanta.

Com as mudanças na economia e também com a globalização, as empresas devem tratar a Logística e o Supply-Chain numa correta gestão e administração para que seus esforços sejam recompensados com resultados expressivos onde a competitividade das empresas aponta que as empresas que despontarem e visualizarem as oportunidades em logística com o aprimoramento, boa visão focada em bons relacionamentos com os stakeholders envolvidos e com procedimentos bem estruturados, resultam em simples e eficazes no gerenciamento de todas essas atividades da cadeia com processos com qualidade, serviços eficientes e com a integração de todo o sistema com o apoio da TI, tornando-se vantagem competitiva e com uma logística integrada e voltada em redução de custos, buscamos condições ideais para melhoria dos processos, desenvolvimento, adaptação e aprimoramento onde vamos lapidando os processos para chegar a atingir a excelência em logística. A tecnologia atualmente está à disposição da solução da logística e gestão empresarial sendo capaz de gerar soluções que satisfaçam qualquer necessidade de mercado.

A utilização da tecnologia da informação aplicada à logística de forma inteligente tem sido, e por tendência será, a solução encontrada das organizações para redução de custos, otimização de recursos, refletindo em eficiência em resposta as necessidades dos clientes, de forma a agregar valor. A Tecnologia da informação tem que ser enxergada como um ferramental integrador e viabilizando os negócios, dentre outras ferramentas já mencionadas.

Desta forma, o forte apelo por competitividade requer ainda mais o aprimoramento e inovação tecnológica, através do desenvolvimento de habilidades e na gestão de conhecimento sobre os fluxos sistêmicos. A tendência é que a partir de ferramentas tecnológicas, os sistemas produtivos e logísticos ganharão foco cada vez mais estratégico passando por uma maior interação aos negócios organizacionais e integração entre empresas, sendo possível o principio da de colaboração, em um contexto mais abrangente de "cadeias competitivas", mudando radicalmente as relações empresariais, com escopo diferenciador no mercado de forma conseqüente na busca pela competitividade.

ARTIGO ELABORADO POR:
Prof. Peri da Silva Santana – UNINOVE-SP e Centro Paula Souza.

Tags: Logística Qualidade e Tecnologia da Informação - TI. Serviços

Shopping