ࡱ> qsp%` Qbjbj8v̟̟I8\4#4TTdddddd3333333$4hA73qddqq3dd3qXdd3q3. B2dH E`0330#4 187)`70B2B2X72dvT.Drddd33Xddd#4qqqq O PIONEIRO ESQUECIDO: TAYLOR E A GESTO DA QUALIDADE NAS EMPRESAS Carlos Brando Jnior (FSM) catbbj@yahoo.com.br RESUMO Hoje se ver que a qualidade nas empresas virou um requisito para a sobrevivncia das empresas, mas, foi um grande diferencial competitivo que colocou as empresas japonesas no benchmarking mundial nos anos 80 e comeo dos anos 90. Esse sistema foi implementado por Edward Deming e equipe no final da segunda guerra mundial e veio para eliminar o desperdcio e aumentar a produtividade no processo produtivo nas empresas. Deming e Juran revolucionaram a qualidade nas empresas e tornaram o Japo um top of mind na rea de qualidade. Esses tericos que at hoje ainda so exemplos para todos os gestores, porm, falta um grande colaborador. Deming conhecido como o pioneiro da qualidade nas empresas, porm, atravs deste artigo explanou-se que o pioneiro da qualidade nas empresas foi Taylor com sua administrao cientfica. Ele sim foi o verdadeiro precursor da qualidade nas empresas, Taylor o pioneiro esquecido. Palavras Chave: Taylor. Qualidade nas empresas. Deming. Gesto da qualidade total (GQT). 1. INTRODUO A qualidade deixou de ser um diferencial competitivo e agora um requisito para todas as empresas que desejam se manter vivas no mercado globalizado de hoje. A qualidade nas empresas tornou-se um conceito no fim da segunda guerra mundial, onde vrios pases arrasados e necessitados de mudanas no seu parque industrial que foram destrudos pela guerra. O principal responsvel pela mudana do Japo foi Edward Deming, que implantou o controle de qualidade atravs da estatstica como diferencial competitivo em relao s indstrias ocidentais. Depois do modelo de Deming, veio um modelo conhecido como TQM (Total Quality Management), ou seja, Gesto da Qualidade Total. Foi desenvolvida por um terico renomeado chamado J. Juran. Essa teoria se diferencia do controle da qualidade atravs da estatstica porque Juran acreditava que o controle da qualidade no deve ficar s no processo produtivo e sim, em todos os nveis organizacionais. Atravs de este artigo, ser explanado que houve um precursor da qualidade nas empresas antes de Deming, e esse precursor foi Frederick Winslow Taylor, com a sua Administrao Cientfica. Ele implementou o que chamamos de qualidade interna (qualidade nos processos organizacionais). Vai ser explanado quem foi Taylor e o que Administrao Cientfica, afinal o que qualidade nas empresas, a relao entre a Administrao Cientfica e o Controle da Qualidade atravs da Estatstica de Deming. Essa relao vai mostrar que Taylor j adotava os princpios da qualidade interna antes de Deming, isso torna Taylor o pioneiro da qualidade nas empresas. TAYLOR E A ADMINISTRAO CIENTFICA Taylor foi um americano da cidade de Filadlfia, que aps desistir de seus estudos foi ser mecnico na oficina Sharpe, da, deu-se incio a sua trajetria de mecnico at chefe de tornos j na Midvale Steel Company. Ele terminou o curso de engenharia mecnica em 1885 e percebeu que podia se exigir mais dos trabalhadores, ou seja, eles podiam ser mais produtivos. Ele comeou estudando os tempos e movimentos dos funcionrios com cronmetros e raciocnios matemticos. Fez o estudo da fadiga para saber at onde vai a capacidade de produo de um trabalhador com sade padro. Seus trabalhos cientficos foram expostos no sindicato de engenheiros mecnicos dos Estados Unidos. At que em 1911, ele escreveu o livro que lhe deu reconhecimento mundial. O livro foi o Princpio de Administrao Cientfica. TAYLOR em sua obra Princpio de Administrao Cientfica disse que O principal objetivo da administrao deve ser o de assegurar o mximo de prosperidade ao patro e, ao, mesmo tempo, o mximo de prosperidade ao empregado (TAYLOR, 1979, p. ). Na poca no qual ele trabalhava, o modelo adotado pelas empresas era o do iniciativa e incentivo. Esse modelo funcionava quando patro dava um incentivo aos seus trabalhadores (incentivo financeiro) para obter iniciativa do trabalho deles (produo). Ele observou que esse modelo era falho por vrias razes como: No existia um mtodo cientfico na hora da execuo dos trabalhos, todas as atividades eram baseadas por mtodos empricos. Cada trabalhador usava o mtodo que mais o agradasse. Ausncia de acompanhamento da gerncia, sendo assim, um trabalho sem meta e sem objetivo. Toda responsabilidade do trabalho ficava a critrio dos operrios. Ou seja, ausncia da superviso dos nveis de deciso. No se tinha um controle sobre o processo produtivo real e no se sabia a capacidade mxima de produo. A organizao no tinha parmetros ou planejamento. Esse modelo mostra que todo o trabalho fica sobre critrio e responsabilidade dos trabalhadores, eles ditavam o ritmo de trabalho e eles que na verdade traavam o futuro da empresa. Nesse modelo, no h prosperidade para o patro e nem para o empregado, existe apenas desequilbrio na relao. Segundo Chiavenato: A administrao cientfica uma combinao de: Cincia em lugar de empirismo. Harmonia em vez de discrdia. Cooperao e no individualismo. Rendimento mximo em lugar de produo reduzida. Desenvolvimento de cada homem a fim de alcanar maior eficincia e prosperidade (CHIAVENATO, 2000, p.). Podemos ver que a administrao cientfica veio para melhorar produo e organizar todo o processo produtivo da empresa. A essncia da administrao por tarefa (ou cientfica) se divide em quatro elementos bsicos: O desenvolvimento da cincia do trabalho a ser executado, com o estudo de cada movimento do trabalho, padronizao de todas as ferramentas e condies do ambiente de trabalho. A seleo cuidadosa dos trabalhadores para executar o novo mtodo de trabalho. Supervisionar a adaptao do trabalhador ao novo mtodo, e incentivando-o com gratificaes pelo servio executado com primor e de acordo com o treinamento dado. Diviso eqitativa do trabalho e responsabilidade entre os operrios e a gerncia. Nesse ltimo elemento, Taylor mostra que a direo e os operrios tm que trabalhar em conjunto para alcanar o objetivo da organizao (Unio de todos os nveis para alcanar o objetivo da empresa). A direo cuida da superviso do trabalho, guiando o caminho a ser traado, encorajando-lhes a fazer mais e os operrios tem que executar o seu servio de forma correta estabelecida pelo mtodo cientfico. A base da administrao por tarefas a organizao racional do trabalho. Com o estudo cientfico de todas as tarefas do trabalho, isso diminuiu o desperdcio de materiais e o desperdcio de fora humana com tarefas e esforos errneos. Taylor observou que os trabalhadores aprendiam atravs da execuo do trabalho passado por outros operrios, ou seja, aprendia de forma emprica. Com a organizao racional do trabalho, o trabalhador aprendia atravs do mtodo cientfico invs da forma emprica adotada antes. Sendo assim, a prosperidade para o patro com o alto rendimento de sua produo e a prosperidade com os trabalhadores com altos salrios e a harmonia entre ambas as partes. A administrao por tarefas revolucionou o processo produtivo aumentando a qualidade interna da organizao e marcou para sempre a histria industrial americana e do mundo. QUALIDADE NAS EMPRESAS HISTRICO DA QUALIDADE NAS EMPRESAS O histrico da qualidade remonta a 200 anos, quando se iniciava a revoluo industrial, momento esse ao qual o percentual de trabalhadores na industrial era muito baixo. Ps-revoluo industrial houve uma transferncia muito grande, o processo, antes artesanal, transferindo-se para as fbricas, crescendo maciamente o percentual de trabalhadores nas fbricas atingindo nveis elevados. Hoje, os nveis esto em declnio devido a crescente automao da indstria. Originada na Europa, a revoluo industrial foi mola mestra para o sistema de fbricas, que subdividiu o negcio em tarefas mltiplas e especializadas, tornando ultrapassado os arteses e pequenos comrcios. O moderno sistema industrial comeou a emergir no final do sculo XIX, nos E.U.A. Frederick Taylor foi o pioneiro em gerenciamento cientfico. A EVOLUO DA QUALIDADE NAS EMPRESAS Depois da primeira grande guerra, houve uma mudana significativa na indstria, com o crescimento das empresas, que deixaram de ser unidade isoladas para trabalhar integradas, fazendo com que o trabalhador no tivesse mais o controle total sobre o produto final, tornando-o especialista responsvel apenas por uma parte do processo. Isso inevitavelmente influenciou negativamente a qualidade do produto. A segunda grande guerra acelerou o passo da tecnologia da qualidade e, nesse ambiente, os conceitos bsicos de controle da qualidade se expandiram rapidamente. Em 1950, Deming, um estatstico que trabalhou na Bell System, foi ao Japo a convite da J.U.S. E (Japanese Union of Scientists and Engineers), o sindicato japons de cientistas e engenheiros. Ele foi proferir palestras para lderes, tendo em vista a preocupao dos japoneses em reconstruir o Japo para que ele conquistar novos mercados e retomar a reputao dos produtos japoneses. Deming falava, os japoneses ouviam atentamente. Ele dizia: elimine defeitos, analise os erros at encontra a fonte dos erros, fazer correes e registrar os acontecimentos posteriores correo Chiavenato (1999, p.) etc. O resultado foi um longo relacionamento e sua contribuio to expressiva para o processo de qualidade japonesa, que o nome do prmio criado em 1951, o prmio Deming de qualidade lhe consagrou de vez no Japo. Graas a esses ensinamentos, a qualidade passou a ser uma preocupao prioritria na base das organizaes japonesas. Foi a fase de conscientizao e conceituao da qualidade, e que provocou o surgimento da melhoria contnua da qualidade. Logo, outro americano, Joseph Juran, levou aos japoneses as primeiras tcnicas para fazer a qualidade ocorrer em todo processo nas organizaes. Foi a fase de instrumentalizao da qualidade. Ele liderou a passagem na qual as atividades relativas qualidade baseavam-se nos aspectos tecnolgicos das fbricas para uma nova, na qual a preocupao com a qualidade passou a ser global e holstica. Abrangendo todos os aspectos do gerenciamento e toda a organizao. Foi o surgimento da gesto da qualidade total ou a GQT. AFINAL, O QUE QUALIDE? Segundo CHIAVENATO (1999), ele conceitua qualidade como.A palavra qualidade tem vrios significados, dependendo de como utilizada. Para um engenheiro, a qualidade significa aderncia perfeita e conformidade s especificaes e padres de referncia do projeto do produto. Zero defeito o nome atribudo quando essas especificaes e padres so atendidos. Para um estatstico, qualidade significa o menor desvio-padro possvel em relao mdia aritmtica, mediana ou qualquer medida estatstica de posio. Varincia zero o nome dado quando isso ocorre. Para uma dona de casa, a qualidade tem outro significado completamente diferente. Como cliente ou consumidora, a dona de casa no est preocupada com os conceitos do engenheiro ou do estatstico, ela quer um produto ou servio que satisfaa as suas necessidades pessoais, algo que resolva seus problemas. Sendo assim, existem dois tipos de qualidades: a qualidade interna e a qualidade externa. A qualidade interna a maneira pela qual uma organizao administra seus processos, produtos e servios. Qualidade externa a percepo que o cliente tem a respeito do produto ou servio que compra ou utiliza. No resta dvida de que, sem qualidade interna, no se pode construir e manter a imagem da qualidade externa. QUALIDADE NOS DIAS DE HOJE nenhuma novidade hoje em dia mencionar a importncia da qualidade nas organizaes, tendo em vista o papel decisivo por ela assumido em face do processo de globalizao desleal e da abertura de novos mercados. Tudo isso aumenta a competio entre as organizaes na busca pela competitividade. Hoje, qualidade um termo que passou a fazer parte do jargo das organizaes (CHIAVENATO, 1999). Antigamente, havia um departamento de controle de qualidade que centralizava e monopolizava todos os assuntos de qualidade. Os inspetores de qualidade trabalhavam em diversos locais da organizao a fim de encontrar possveis desvios ou anormalidades e acionar medidas corretivas para apaziguar a situao. Hoje a responsabilidade da qualidade foi descentralizada e delegada ao nvel da execuo. Cada funcionrio ou operrio responsvel pela qualidade do trabalho e pela satisfao do seu cliente interno. A principal diferena entre a abordagem do incio do sculo XX e a atual que a qualidade agora est relacionada s necessidades dos clientes. Seja qual for o porte da empresa, observam-se programas de qualidade e de melhoria de processos na maioria dos setores econmicos. No importa fazer o melhor produto com os melhores processos, se o que se faz no vai ao encontro do consumidor, o lder de todos os processos organizacionais. A similaridade funcional e at mesmo de desempenho dos produtos e bens de consumo cada vez maior, por isso, preciso estar bastante sintonizado com os colaboradores, pois a qualidade hoje est muito mais associada a excelncia nos servios e quando se fala em servios est-se falando basicamente de pessoas. O elemento humano e sua qualidade representam o grande diferencial competitivo. Assim, prover treinamento adequado pode significar o xito do empreendimento. Com a globalizao da economia e a facilidade de comunicao proporcionada pela internet, o concorrente de uma empresa deixa de estar necessariamente em seu raio de viso, podendo situar-se a quilmetros de distncia e sendo acessvel apenas a um clique do computador. A RELAO ENTRE TAYLOR E A QUALIDADE NAS EMPRESAS Aps analisar a administrao cientfica e a qualidade nas empresas, encontraremos vrias similaridades. Segundo Barros Neto (2001), a Administrao Cientfica tem o objetivo de eliminar desperdcios e adaptar o homem s tarefas. Sua aplicao trouxe enormes vantagens execuo do trabalho, entre as quais, podem-se citar: eliminao de movimentos inteis racionalizou o recrutamento e a seleo do trabalhador, melhorou a eficincia do trabalhador, aumentou a produtividade, evitar a ociosidade e picos de sobrecarga na execuo do trabalho, melhorou a remunerao do trabalhador, facilitou o estabelecimento dos custos e definio de um preo de venda mais consistente. Ora, o controle da qualidade estatstico de Deming enfoca praticamente a mesma coisa, a nica grande diferena que ele usa a estatstica para melhorar o processo e busca encontrar a raiz do problema com a melhoria contnua do processo. Juran em sua gesto de qualidade total dizia que a qualidade devia atingir todos os nveis da organizao. Taylor no quarto elemento bsico da administrao cientfica diz que a direo e os operrios tm que dividir as responsabilidades, ou seja, preciso a sinergia entre os dois para que se alcance o objetivo desejado. Todos os nveis da empresa tm que fazer parte do controle da qualidade. Taylor buscou atravs da ergonomia criar um ambiente propcio para o trabalho, atravs do aumento no salrio ele buscou recompensar os operrios pelos seus xitos, coisa que os tericos da qualidade tambm fizerem, eles recompensavam colaboradores por sugestes ou solues que pudessem ajudar a empresa. Na verdade, vemos que existe muita coisa que so bastante similares e certas coisas eu diria que so iguais. A qualidade nas empresas de Deming e Juran apenas uma evoluo da administrao cientfica de Taylor. bvio que existe um acrscimo terico e uma grande evoluo humanista, porm, a essncia a mesma. Continua sendo a melhoria do processo produtivo organizacional. Sendo assim, Taylor foi realmente o pioneiro da qualidade nas empresas quarenta anos antes de Deming e Juran. CONSIDERAES FINAIS Sabe-se que para muitos no vai ser fcil aceitar esse artigo, porm, no podemos negar o que est escrito nos livros de administrao. Taylor realmente foi o precursor da qualidade nas empresas, se ele no tivesse contribudo com sua administrao cientfica, talvez tivssemos prolongado essa descoberta da qualidade no processo produtivo. De nenhuma forma esse artigo vem desmerecer os gurus Deming e Juran pela sua revolucionria contribuio pela qualidade, mas, no parece justo deixar Taylor sem nenhum crdito tambm. Talvez ele no tenha recebido crdito por j ter uma enorme contribuio na cincia da administrao, talvez devido a sua forma de querer mecanizar os trabalhadores e sua teoria de homo economicus tenham se transformado em barreiras para sua pessoa. Existe enumeras razo para tentar explanar porque Taylor no visto como um dos pioneiros da qualidade nas empresas cabe o futuro decidir se ele merece esse crdito. THE FORGOTTEN PIONEER: TAYLOR AND QUALITY MANAGEMENT IN COMPANIES ABSTRACT Now in days, quality in companies has become a must for the survival of todays companies, but it was once a competitive difference that put the Japanese companies as the worlds benchmarking in the 80s and beginning of the 90s. This system was implemented by Edward Deming and team, after World War II and came to eliminate squander and maximize productivity in the production process in the companies. Deming with Juran revolutionized quality management and made Japan the top of mind when it comes to quality processes in companies. Even now in days they are examples for all managers, but there is a collaborator missing that is very important. Deming in known as the pioneer of quality management however, this article will show that Taylor is the pioneer of quality management with his principles of scientific management. He is the true forerunner of quality management, Taylor is the forgotten pioneer. Key words: Taylor. Quality management. Deming, Total quality management (TQM) REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS BARROS NETO, Joo Paulo. Teorias de Administrao: curso compacto: manual prtico para estudantes & gerentes profissionais. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2001. CHIAVENATO, Idalberto. Administrao dos Novos Tempos. Rio de Janeiro: Campus, 1999. ______. Introduo Teoria Geral da Administrao. Rio de Janeiro: Campus, 2000. CRAINER, Stuart. Os Revolucionrios da Administrao: um guia indispensvel dos pensadores e suas idias que criaram e revolucionaram a administrao e o mundo dos negcios. So Paulo: Negcios editores, 1999. HINDLE, Tim. Tudo Sobre a Administrao. So Paulo: Nobel, 2002 MARSHALL JNIOR, Isnard. (Org.) Gesto da Qualidade, Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003. TAYLOR, Frederick Winslow. Princpios de Administrao Cientfica. So Paulo: Atlas, 1979.     PAGE  !+ABC^_`stuv } ! C Ƿti^S^H^@^@^HhmmHsHh8$hhmHsHh8$hbmHsHh8$h6ImHsHh8$hnmHsHh8$hZmHsHhmCJaJmHsHh8$h/MCJaJmHsHh8$5CJaJmHsHh8$h/M5CJaJmHsHh8$h/M5CJaJmHsHhFh/25mHsHhm5mHsHhFhF5mHsHhFhF56mHsHhF5mHsHBCtuv}~  t u v EF $ & F a$gdm $h^ha$gdm$a$gdmgdm$a$gdm$a$gdmQQC ` e * + 1 2 4 I J K Q R S T u v )[c<Uou &оП}}}}}}}}}}h8$h6I6mHsHh8$hsmHsHh8$hnmHsHh8$h6I5mHsHh8$mHsHh8$h8$mHsHh8$ h8$hn h8$h8$ h8$h6IhUmHsHh8$hhmHsHh8$h!mHsHh8$h6ImHsH1&FL2PZ`.ĸ~s~h~s~s~s~s~s]h\$hgmHsHh8$hbmHsHh8$hP>mHsHh8$hOmHsHh8$hkImHsHh8$hkI6mHsHh8$hn5mHsHh8$hg5mHsHh8$hCM5mHsHh8$hAv5mHsHh8$hAv56mHsHh8$hgmHsHh8$h6I6mHsHh8$h6ImHsH# &DEF45NXiTXdhԹԦԞɞɓԋ|mhUhM]CJaJmHsHhUhgCJaJmHsHhUmHsHh8$hUmHsHhmHsHhTmHsHh8$hC?mHsHhgmHsHhSmHsHh8$hM]mHsHh8$hgmHsHh\$hgmHsHh\$h?mHsHh\$hUmHsH*FSjk]N$$$$$ & Fgdmgdm & Fgdm $ & Fa$gdm$]^a$gdm$a$gdm $ & Fa$gdm6@t) h !!!"("ĵumbZZhFVmHsHh8$hu/mHsHh6mHsHh8$h8$mHsHhgmHsHh8$hM]mHsHh8$hgmHsHhUmHsHhUhUCJaJmHsHhUhgCJaJmHsHh\$hgCJaJmHsHh\$h?CJaJmHsHh\$hUCJaJmHsHh\$hM]CJaJmHsH("."$$$$''(3(t*z******++,,,,,,,,,m-s-..R/k///0000444ѹѮѣwooѣѣhFVmHsHh\$hTs+mHsHh\$h?mHsHh\$hmHsHh8$hUmHsHh8$hMmHsHh8$hmHsHh8$hM6mHsHh8$h/26mHsHh8$h/2mHsHh8$h/25mHsHh8$hgmHsHh8$hg6mHsH*$$ ((3(4(0000445555>>4>5>@@tFuFFF & Fgdm & Fgdm $ & Fa$gdm$a$gdmgdm44455P7c7;3;;;%=D=E=L===>>4>>>>>>>>?????@@@@@@@Ʋ➒|q||i|||||ahmHsHhmmHsHh8$hUmHsHh8$hMmHsHh8$hmHsHh8$h5mHsHh8$mHsHhFVh/26mHsHhFVhFV6mHsHhTs+mHsHhFVmHsHhE:mHsHh8$h/25mHsHh8$h/2mHsHh8$hFmHsHh/2mHsH&@@A AAAAA3B9BVC\CEEEEcFjFmFrFtFuFFFFGGHH!H&HyHHQI`I JJ>J?J@JFJGJqJȼȱȥȥȥȥȥȝq hC?hC?5B*nHphtHhC?hgmHsHhgmHsHhC?mHsHh7mHsHh8$hT6mHsHh8$h8#mHsHh8$hT5mHsHh8$hTmHsHh8$hMmHsHh8$h6mHsHh8$hmHsHh8$h8$mHsH*F>J?J@JAJBJCJDJEJFJGJ_JJJJJJJJ/N0N~NNN;OA@> Fonte parg. padroTiT  Tabela normal4 l4a ,k, Sem lista:@:  Cabealho  !8)@8 Nmero de pgina4 @4 nfRodap  !6U@!6 F Hyperlink >*B*phI vBCtuv}~tuv EFSjk]N  3 4 ((((,,----66465688t>u>>>>B?B@BABBBCBDBEBFBGB_BBBBBBBB/F0F~FFF;G>FBGBBB0FCF~FFFFG^`>o(.0>^`>o(.p0p^p`0o(..  ^ `o(... xx^x`o( .... `^``o( ..... `^``o( ...... ^`o(....... ^`o(........^`o(. ^`hH. pLp^p`LhH. @ @ ^@ `hH. ^`hH. L^`LhH. ^`hH. ^`hH. PLP^P`LhH.^`o(. ^`hH. pLp^p`LhH. @ @ ^@ `hH. ^`hH. L^`LhH. ^`hH. ^`hH. PLP^P`LhH. ^`6hH.hhhhhhhh 1.vPf mpP t3M)d W  ^sYUUn!EfH st0VR(((M0؞@6T)#0؟@S9T)#0؟0M0؞03M0؞          t "@sf6lx̀NPL6JvđB                 B                          hl&,58^O&H X u /U fI_G\'RfI_h{mVy|<;P>Avm)+U8#Ts+k-u//2C?K/MFVtpWM]1`nf2VkH|MTCMFf8$h+xXnb+OFS!?7E:gn?\$TgkIT6InLzsZ6@FBFBwFBFBI@UnknownGz Times New Roman5Symbol3& z Arial"1hF Zal >% >%!x4II2QHX ?6I2RESUMOCarlos Brandao JuniorCarlos Brandao Jr0         Oh+'0 , L X d p|RESUMOCarlos Brandao JuniorNormalCarlos Brandao Jr27Microsoft Office Word@a@F_P@y@E >՜.+,0 hp  0Carlos Alberto Tinoco Bezerra Brandao Junior%I' RESUMO Ttulo  !"#$%&'()*+,-./0123456789:;=>?@ABCEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ[\]^_abcdefgijklmnorRoot Entry FEtData <1TableD7WordDocument8vSummaryInformation(`DocumentSummaryInformation8hCompObju  F#Documento do Microsoft Office Word MSWordDocWord.Document.89q