Artigo / Gestão de Operações e Logística

OBJETIVO DO SISTEMA JIT JUST IN TIME

DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO / AUTOR: CARLOS CESAR ANCHIETA ROMÃO

Carlos Cesar,
TCD - ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO

OBJETIVO: Como resultado dessa evolução tipo colcha de retalhos, muitas empresas têm a oportunidade de melhorar significativamente o seu desempenho como um todo, adotando sob um ponto de vista sistêmico global a integração e otimização de processos e procedimentos com o propósito de evitar desperdício e ineficiência. O resultado positivo desse esforço será uma redução no custo total de fabricação e melhoria dos lucros da empresa através de redução ou eliminação de tipos específicos de despesas gerais. As áreas improdutivas, que serão mais afetadas ao se seguir uma abordagem de integração total de sistemas (ITS), envolvem funções e processos que foram desenvolvidos para atender a problemas relacionados com sistemas de manufatura. Muitos desses processos e funções não acrescentam valor ao produto; eles existem somente para compensar incapacidades em algumas partes do sistema da manufatura. A eliminação dos setores improdutivos, identificando-se e removendo as incapacidades do sistema que necessitam dele irá melhorar a lucratividade em um curto prazo com baixos investimentos.

JUSTIFICATIVA: Um termo que recentemente se tornou popular para descrever o tipo de sistema que resulta da adoção de uma abordagem ITS é Just-In-Time (JIT). O termo pretende transmitir a idéia de que os três principais elementos de manufatura - recursos financeiros, equipamento e mão-de-obra - são colocados somente na quantidade necessária e no tempo requerido para o trabalho.

INTRODUÇÃO: À medida que uma empresa se expande, contrai ou faz qualquer outro ajuste para atender novas necessidades ou exigências, os antigos requisitos são alterados e novos procedimentos e funções são incluídos. Raramente as modificações são planejadas tendo em mente o sistema global da empresa; em vez disso, o processo de "evolução" segue em frente, e o que normalmente se desenvolve é uma colcha de retalhos de procedimentos operacionais que são departamentais por natureza. Tipicamente, resultam lacunas e sobreposições nas responsabilidades entre departamentos, tanto no relacionamento com o outro como na relação com fornecedores e clientes.

DESENVOLVIMENTO: O Just in Time (JIT) surgiu no Japão, nos meados da década de 70, sendo sua idéia básica e seu desenvolvimento creditados à Toyota Motor Company, a qual buscava um sistema de administração que pudesse coordenar a produção com a demanda específica de diferentes modelos e cores de veículos com o mínimo atraso. O sistema de puxar a produção a partir da demanda, produzindo em cada somente os itens necessários, nas quantidades necessárias e no momento necessário, ficou conhecido no Ocidente como sistema Kanban. Este nome é dado aos cartões utilizados para autorizar a produção e a movimentação de itens, ao longo do processo produtivo. Contudo, o JIT é muito mais do que uma técnica ou um conjunto de técnicas de administração da produção, sendo considerado como uma completa "filosofia, a qual inclui aspectos de administração de materiais, gestão da qualidade, arranjo físico, projeto do produto, organização do trabalho e gestão de recursos humanos". Embora haja quem diga que o sucesso do sistema de administração JIT esteja calcado nas características culturais do povo japonês, mais e mais gerentes e acadêmicos têm-se convencido de que esta filosofia é composta de práticas gerências que podem ser aplicadas em qualquer parte do mundo. Algumas expressões são geralmente usadas para traduzir aspectos da filosofia Just in Time: Produção em estoque • Eliminação de desperdícios Manufatura de fluxo contínuo. Esforço contínuo na resolução de problemas Melhoria contínua dos processos. O sistema JIT tem como objetivo fundamental à melhoria contínua do processo produtivo. A perseguição destes objetivos dá-se, através de um mecanismo de redução dos estoques, os quais tendem a camuflar problemas. Os estoques têm sido utilizados para evitar descontinuidades do processo produtivo, diante de problemas de produção que podem ser classificados principalmente em três grandes grupos: Problemas de qualidade => quando alguns estágios do processo de produção apresentam problemas de qualidade, gerando refugo de forma incerta, o estoque, colocado entre estágios e os posteriores, permite que estes últimos possam trabalhar continuamente, sem sofrer com as interrupções que ocorrem em estágios anteriores. Dessa forma, o estoque gera independência entre os estágios do processo produtivo. Problemas de quebra de máquina => quando uma máquina pára por problemas de manutenção, os estágios posteriores do processo que são "alimentados" por esta máquina teriam que parar, caso não houvesse estoque suficiente para que o fluxo de produção continuasse, até que a máquina fosse reparada e entrasse em produção normal novamente. Nesta situação o estoque também gera independência entre os estágios do processo produtivo. Problemas de preparação de máquina => quando uma máquina processa operações em mais de um componente ou item, é necessário preparar a máquina a cada mudança de componente a ser processado. Esta preparação representa custos referentes ao período inoperante do equipamento, à mão de obra requerida na operação, entre outros. Quanto maiores estes custos, maior tenderá a ser o lote executado, para que estes custos sejam rateados por uma quantidade maior de peças, reduzindo por conseqüência, o custo por unidade produzida. Lotes grandes de produção geram estoques, pois a produção é executada antecipadamente à demanda, sendo consumida por esta em períodos subseqüentes. Alguns pontos-chave a serem lembrados: 1. JUST IN TIME – não é um termo de jargão para um novo conceito. Ele representa uma meta. Esta meta é a total eliminação dos estoques, a manutenção de mínimo material em processo; ele é monitorado por uma constante redução do assim chamado capital de giro. 2. Não é somente um acréscimo ao estilo de administração existente. O JIT só pode ser atingido através de uma mudança fundamental no pensamento gerencial e nos valores da cultura industrial. 3. Empresas que estão na dianteira do uso do JIT atingiram tantas vantagens que todas as normas tradicionais sobre estoque, material em processo, qualidade e confiabilidade têm que ser postas de lado antes que se possa fazer qualquer movimento para vencer a lacuna para a implementação do JIT. 4. O JIT é apenas um elemento ou uma meta resultante de um conceito que pode conjugar os esforços de todos na empresa para trabalhar no sentido de tomar sua empresa e melhor em seu ramo. O conceito por trás desta meta é conhecido por Company-wide Quality Improverment (Melhoria de Qualidade da Empresa como um todo) (CQI). 5. O CQI é um conceito fundamentalmente diferente dos anteriores conceitos ocidentais de administração e não pode ser confundido com garantia de qualidade ou com controle de qualidade. Ambos são parte do CQI, bem como muitos outros conceitos. 6. Mesmo que progressos consideráveis sejam feitos no sentido de se chegar ao JIT, ele é uma meta de longo prazo. Tanto quanto o "defeito zero", o objetivo final é desejável, mas é uma meta a ser seguida sem a perspectiva de ser alcançada; o fundamental é o conceito de que todas as regras anteriores serão postas de lado e o melhoramento, ainda que pequeno, será sempre possível. O sistema JIT pode ser definido como um sistema de manufatura cujo objetivo é otimizar os processos e procedimentos através da redução contínua de desperdícios. Os desperdícios atacados podem ser de várias formas: desperdício de transporte desperdício de superprodução desperdício de material esperando no processo desperdício de processamento desperdício de movimento nas operações desperdício de produzir produtos defeituosos desperdício de estoques As metas colocadas pelo JIT em relação aos vários problemas de produção são: zero defeitos; tempo zero de preparação(SETUP); estoque zero; movimentação zero;quebra zero;• LEAD TIME zero;Lote unitário (uma peça). Os sistemas Just in Time desenvolvem redução de custo em todas as áreas da manufatura. Para esta discussão, o sistema de manufatura será aberto em três seções: Redução do custo de materiais: As reduções diretas de custo em um sistema de materiais JIT são significativas em termos de redução de aquisição, recepção, inspeção e custos de armazenagem. As reduções oriundas somente dessas áreas podem ficar numa faixa de 30 a 50 por cento dos custos operacionais agregados. Os custos com materiais são reduzidos em um sistema JIT, de diversas maneiras: 1.Reduzindo o número de fornecedores com os quais a empresa opera. 2.Desenvolvendo contratos de longo prazo. 3. Eliminando a expedição. 4. Reduzindo planejamento de pedidos. 5. Obtendo melhores preços por unidade. 6. Eliminando a necessidade de contagem individual das peças. 7. Simplificando os sistemas de recebimento. 8. Eliminando inspeção de recebimento. 9. Eliminando a maior parte da reembalagem. 10. Eliminando os desarranjos causados por grandes lotes. 11. Eliminando a armazenagem dos estoques. 12. Eliminando o excesso de materiais refugados. Qualidade: O projeto do sistema evita que os defeitos fluam ao longo do fluxo de produção; o único nível aceitável de defeitos é zero. A pena pela produção de itens defeituosos é alta. Isto motiva a busca das causas dos problemas e das soluções que eliminem as causas fundamentais destes problemas. Os trabalhadores são treinados em todas as tarefas de suas respectivas áreas, incluindo a verificação da qualidade. Sabem, portanto, o que é uma peça com qualidade e como produzi-la. Se um lote inteiro for gerado de peças defeituosas, o tamanho reduzido dos lotes minimizará o número de peças afetadas. O aprimoramento de qualidade faz parte da responsabilidade dos trabalhadores da produção, estando incluída na descrição de seus cargos. Flexibilidade: O sistema Just in Time aumenta a flexibilidade de resposta do sistema pela redução dos tempos envolvidos no processo. Embora o sistema não seja flexível com relação à faixa de produtos oferecidos ao mercado, a flexibilidade dos trabalhadores contribui para que o sistema produtivo seja mais flexível em relação às variações do mix de produtos. Através da manutenção de estoques baixos, um modelo de produto pode ser mudado sem que haja muitos componentes obsolescidos. Como o projeto de componentes comprados é geralmente feito pelos próprios fornecedores a partir de especificações funcionais, ao invés de especificações detalhadas e rígidas de projeto, estes podem ser desenvolvidos de maneira consistente com o processo produtivo do fornecedor. Velocidade: A flexibilidade, o baixo nível de estoques e a redução dos tempos permitem que o ciclo de produção seja curto e o fluxo veloz. A prática de diferenciar os produtos na montagem final, a partir de componentes padronizados, de acordo com as técnicas de projeto adequado de manufatura e projeto adequado à montagem, permite entregar os produtos em vários prazos mais curtos. Confiabilidade: A confiabilidade das entregas também é aumentada através da ênfase na manutenção preventiva e da flexibilidade dos trabalhadores, o que torna o processo mais robusto. As regras do KANBAN e o princípio da visibilidade permitem identificar rapidamente os problemas que poderiam comprometer a confiabilidade, permitindo sua imediata resolução. As principais limitações do JIT estão ligadas à flexibilidade de faixa do sistema produtivo, no que se refere à variedade de produtos oferecidos ao mercado e a variação de demanda de curto prazo. O sistema JIT requer que a demanda seja estável para que se consiga um balanceamento adequado dos recursos, possibilitando um fluxo de materiais suave e contínuo. Caso a demanda seja muito instável, há a necessidade de manutenção de estoques de produtos acabados em um nível tal, que permita que a demanda efetivamente sentida pelo sistema produtivo tenha certa estabilidade. Como o sistema KANBAN prevê a manutenção de certo estoque de componentes entre os centros de produção, conforme foi descrito, se houver uma variedade muito grande de produtos e componente, o fluxo de cada um não será contínuo e sim intermitente, gerando altos estoques em processo para cada item, principalmente considerando-se a demanda de cada um. Isto contrariaria uma série de princípios da filosofia JIT, comprometendo sua aplicação. Outro problema resultante de grande variedade de produtos seria a conseqüente complexidade dos roteiros de produção. O princípio geral de transformação de processo produtivo numa linha contínua de fabricação e montagem de produtos fica prejudicado se um conjunto de roteiros preferenciais não pode ser estabelecido. A redução do estoque do sistema pode aumentar o risco de interrupção da produção em função de problemas de administração da mão de obra, como greves, por exemplo, tanto na própria fábrica como na de fornecedores. Da mesma forma, o risco de paralisação por quebras de máquinas também é aumentado. Isto pode também ser critico para o atingimento de metas relacionadas aos aspectos de trabalho de equipe do JIT. Algumas empresas têm ficado desapontadas com o nível de entusiasmo gerado nos primeiros anos ou nos primeiros dois. Em muitos desses casos, não tem havido qualquer espécie de publicidade, seja relacionada ao programa como um todo, seja aos atingimento individuais ou coletivos. A explicação para essa abordagem de baixa exposição era que a empresa esperava que o programa fosse levado avante pelo entusiasmo daqueles envolvidos. A experiência sugere que isto não é suficiente, exceto em casos excepcionais. Em resumo, deveria ser dada cuidadosa consideração, durante a fase de planejamento, a: - a quantidade de publicidade prévia; - a forma da publicidade prévia; - quem, como e quando deveria ser informado; - as oportunidades de discussão das propostas feitas aos sindicatos e outros interesses chave. os conceitos e técnicas foram explorados neste trabalho. Nenhum deles é simples e nenhum deles mantém-se por si só. A força verdadeira está em sua interpretação integrada. Feito isso, não haverá nada que possa impedir qualquer organização de se tomar uma das mais poderosas empresas da Terra. Se todas as empresas aplicarem os conceitos, a probabilidade é de que aquela sociedade, em geral, será mudada e toda a ética de trabalho alterada. No início dos anos 80, o Ocidente acordou para o fato de que sua indústria manufatureira estava em profunda crise. Diferentemente das recessões anteriores, não se tratava de um acontecimento temporário, mas de uma mudança irreversível em todo o padrão do comércio mundial. Parte das razões da crise tem sido o fenomenal crescimento econômico do Japão nas duas últimas décadas. A única forma de sobrevivência da indústria ocidental é enfrentar esse desafio com mudanças drásticas nas empresas, sejam estas públicas ou privadas. O Just in Time não se relaciona apenas com a redução, e eventual eliminação, de estoque, mas esconde um valor muito maior. Os conceitos e técnicas envolvidos podem ser aplicados em empresas prestadoras de serviços ou indústrias manufatureiras, pois representam uma nova e desafiadora maneira de administrar.

CONSIDERAÇÕES FINAIS: O trabalho não é algo com o qual nós temos que nos açoitar. O trabalho deveria ser um dois aspectos mais compensadores de nossas vidas. É através de nosso trabalho que ganhamos auto-respeito dos outros. Cada um de nós temos o dever, não apenas de desenvolver nossas próprias vidas, mas também de ajudar o desenvolvimento das de outros. Promoção não deveria ser vista como uma oportunidade de tornar a vida de nossos subordinados mais interessante, mais compensadora e mais agradável. O time vencedor é aquele no qual todos conhecem seu lugar e há um lugar para cada um. Não há nada como o sucesso, e a perseguição das metas do JIT é valorosa para qualquer organização. Todos os conceitos contidos neste trabalho são relevantes, seja o JIT a meta ou não, porque estamos falando Principalmente, sobre a melhor maneira de conduzir um negócio. 

REFERÊNCIAS: - Lubben, Richard T. – JUST IN TIME, Uma Estratégia Avançada de Produção, McGraw-Hill,2ªEdição. - JUST IN TIME, MRPII E OPT, Um enfoque estratégico. Henrique L.Corrêa, Irineu G. / N. Gianesi.São Paulo.Editora Atlas - 1994 - 2ª edição. - JUST IN TIME, David Hutchins. Editora Atlas – 1993, São Paulo.

Vagas de trabalho