Administradores.com - Artigos http://www.administradores.com.br/ Últimos artigos do Administradores.com pt-br Copyright 2018 Tue, 23 Oct 2018 23:10:18 -0300 A importancia da comunicação empresarial http://www.administradores.com.br/artigos/academico/a-importancia-da-comunicacao-empresarial/112792/ http://www.administradores.com.br/artigos/academico/a-importancia-da-comunicacao-empresarial/112792/ Tue, 23 Oct 2018 23:10:18 -0300 Maria Lenita Matos Sousa A importancia da comunicação empresarial

Esta artigo ressalta sobre a importancia da comunicação empresarial, conceitua, demostra ferramentas que auxilam a comunicação nas empresas, e apresenta os tipos de comunicação.

Sabemos comunicação empresarial tem significado uma das mais
importantes estratégias das empresas. Este artigo discorre sobre uma breve
descrição do se trata comunicação empresarial os meios de como iniciar as
atividade e sua importância. A boa gestão desse  elemento favorece a identificação da imagem
corporativa, dos sistemas de comunicação, profissionais, atividades e ações de
comunicação, planejamento e gestão da comunicação institucional, lei, ética e
responsabilidades em comunicação, casos e tendências.

Então é
importante que  os gestores estejam
atentos ao modo de interação como os públicos que constituem a organização.
Principalmente os seguintes: financeiros, mídia, órgãos governamentais, grupos
de interesse, sociedade local, publico geral e interno. 

 

Sobre a
conceituação da  Comunicação
empresarial é conceituada temos de acordo com:

 

(NASSAR,
1995)   É a somatória de todas as atividades de comunicação da empresa.
Elaborada de forma multidisciplinar – a partir de métodos e técnicas de
relações públicas, jornalismo, lobby, propaganda, promoções, pesquisa e
marketing – e direcionada à sociedade, aos formadores de opinião, aos
consumidores e colaboradores.

E portanto, para que haja uma relação de comunicação
é importante a existência de emissor, mensagem e receptor. Os  meios de se comunicar que
conhecemos são os seguintes:

1.     
Visuais/Escritos: Circulares,
instruções e ordens escritas; Manuais, quadros de avisos, boletins, panfletos,
jornais, revistas, relatórios, formulários, fax, emails.

2.     
Visuais/Pictográficos: Cartazes, filmes
mudos com legendas, gráficos, diplomas, certificados.

3.     
Visuais/Simbólicos: Luzes, bandeiras.

4.     
Auditivos/Diretos: Conversas,
entrevistas, reuniões e conferências.

5.     
Auditivos/Indiretos: Rádio, telefone,
auto-falantes, etc.

6.     
Auditivos/Simbólicos: Sirenes, apitos,
buzinas e sinos

7.     
Audiovisuais: Filmes, demonstrações,
vídeo, videoconferência.

 

Apresentado o conceito da comunicação empresarial e explanado um breve
entendimento das formas de se comunicar, no que diz respeito as praticas
empresariais podemos salientar ferramentas de grande apoio  para que as empresas empreendam suas
atividades de comunicação, que podem ser definidas por:

* Fax;

* E-mail;

* correio de voz

*conferencias pela web:

* videoconferências;

* sites externos;

*blogs;

* sites institucionais

*redes sociais

 

A partir das ferramentas citadas cabe a articulação
do gestor da organização, para  que as
mesmas funcionem  em caráter de
eficiência que resultara ganhos, sejam em relação a venda de produtos, quando
dos referimos ao marketing, seja no melhoramento da cultura organizacional e no
alinhamento das equipes e sobretudo na imagem da empresa.

 

   Os tipos de comunicação
atribuíveis as empresas podem descritos como: escrita diz respeito a documentos
que a empresa emite, verbal entre que ocorre entre os colaboradores e gestores,
Vertical que distingue a posição hierárquica, horizontal que funciona de
maneira integrativa independente de hierarquias e diagonal que se da entre
inter hierarquias.

 

 

Diante das informações impostas podemos concluir que inicialmente que o
gestor dever estar atento a tudo que infere a processos de comunicação da
empresas, a comunicação se bem trabalhada ou planejada implicara sem duvida dos
resultado de produtividade.

 

O modo como empresa se comunica podemos atribuir a um processo de dentro
para fora, ou seja precisa estar bem definido para se possa obter bons
resultado.

Uma boa comunicação externa resulta no fortalecimento da imagem da
empresa na fidelização de clientes se encontram cada vez mais antenados no modo
como são tratados em uma organização e o redor dos mesmo existem centenas de
outras organizações que podem satisfazer suas necessidades.

 

 

REFERÊNCIAS  

 

CARDOSO,
Ana Tázia Patricio de Melo. Comunicação
empresarial / Ana Tázia. – Natal: EdUnP, 2010. 104p. : il. ; 20 X 28 cm

 

NASSAR,
Paulo. Tudo é comunicação. São Paulo: Lazuli, 2006

 

]]>
Manutenção Autônoma - Motivação e aprendizado através da responsabilidade. http://www.administradores.com.br/artigos/tecnologia/manutencao-autonoma-motivacao-e-aprendizado-atraves-da-responsabilidade/112793/ http://www.administradores.com.br/artigos/tecnologia/manutencao-autonoma-motivacao-e-aprendizado-atraves-da-responsabilidade/112793/ Tue, 23 Oct 2018 19:30:50 -0300 Rodrigo Moreira Manutenção Autônoma - Motivação e aprendizado através da responsabilidade.

Em minha jornada pela excelência operacional, pude ser facilitador do Pilar Manutenção Autônoma e com ela adquiri alguns conhecimentos incríveis sobre alguns equipamentos, seus componentes e como treinar o pessoal do Gemba para estarem habilitados a fazer a manutenção autônoma das máquinas de cada um deles. No artigo abordei os passos que devemos seguir na implantação da Manutenção Autônoma, sempre seguindo o conceito de manufatura enxuta explicando cada passo de forma mais simples possível.

Em minha jornada pela excelência operacional, pude ser facilitador do Pilar Manutenção Autônoma e como ele adquiri alguns conhecimentos incríveis sobre alguns equipamentos, seus componentes e como treinar o pessoal do Gemba para estarem habilitados a fazer a manutenção autônoma das máquinas de cada um deles. 

Como não tinha total domínio da ferramenta busquei conhecimento em alguns livros, materiais na internet e uma das fontes mais importantes que foi meu gestor na época. Com os materiais em mãos novamente decidi reunir algumas informações sobre os passos que devem ser percorridos e que independente do setor ou tipo de equipamento a aplicabilidade não será diferente, apenas se distinguindo sobre os tipos de manutenções que são feitas em cada equipamento.

Sendo ela o primeiro pilar do Total Productive Maintenance a Manutenção Autônoma é realizada pelos operadores e não pelos manutentores. E sua importância se dá ao fato de que os próprios operadores tenham autonomia para executar tarefas de manutenção preventiva que estejam dentro dos padrões de segurança e que sejam de execução simples.

Em termos grosseiros alguns programas de manutenção convencionais definem que os equipamentos podem funcionar até a data planejada para as manutenções preventivas ou na pior das hipóteses até que eles quebrem ficando parados até que a equipe de manutentores seja acionada para conserta-los. Em contrapartida, a manutenção autônoma permite que os próprios operadores realizem manutenções simples como lubrificação, troca de componentes simples, reaperto/inspeção de parafusos e peças de fixação evitando assim paradas e garantindo a tomada de decisão quando determinadas falhas são detectadas.

Como nos outros pilares do TPM o pilar manutenção autônoma dá aos operadores muito mais responsabilidades, é necessário um treinamento dedicado, e se necessário algumas adequações nas máquinas para facilitar os processos de limpeza e manutenção. Com o desenvolvimento das habilidades o conhecimento dos operadores sobre o equipamento irá aumentar e ajudar a entender melhor como funcionam e até mesmo dar ideias de como melhorar os equipamentos.

Mas então, quais serão ações esperadas para que um operador execute as tarefas da manutenção autônoma? Como disse anteriormente mesmo na grande diferença de equipamentos existentes na industrias a Manutenção Autônoma requer algumas habilidades como:

• Detectar anormalidades e propor melhorias.
• Compreender as funções e os componentes das máquinas.
• Reconhecer possíveis problemas de qualidade e saber identificar as causas.

O operador da máquina deve ser capaz de fornecer diagnósticos iniciais e soluções para problemas simples onde não seja necessário a intervenção dos manutentores, porém quando isso não for possível o acompanhamento do operador da máquina para auxilia-los é essencial para encontrar e solucionar as causas que levaram a parada e também para troca de conhecimentos. A melhor maneira de transmitir esse conhecimento e a autonomia dos operadores é através de treinamentos e a padronização para realizar os reparos, evoluindo sempre com acompanhamento e melhorias nas habilidades de todos.

O Programa 5S é de grande importância para a Manutenção Autônoma, pois, quando os cinco “S” são seguidos os métodos de trabalho são melhorados e cada um deles tem um papel importante:

SEIRI:
Eliminação de qualquer peça, ferramenta ou componente que não for necessário para o bom funcionamento do equipamento;

SEITON:
Organizar tudo que é necessário e deve ficar próximo ao equipamento identificando e definindo os locais que os mesmos devem estar;

SEISO:
O propósito de evitar que suje e sempre limpar deve ser mantido já a limpeza e lubrificação por exemplo garantem maior vida útil a peças que tem contato direto com produtos/materiais e podem sofrer deterioração;

SEIKETSU:
A padronização é de extrema importância já que alguns componentes têm certas peculiaridades para trocas, limpezas e manuseio, além de garantir que todos façam da mesma maneira diminuindo eventuais erros.

SHITSUKE:
Manter a disciplina, educação moral, respeito pelos outros e segurança é fundamental para a aplicação dos S’s anteriores.

O 5S é considerado como a estabilidade para a implantação da Manutenção Autônoma, para que então sejam implementados os 7 passos:


1. Limpeza e Inspeção Inicial
A limpeza inicial das máquinas é essencial para que possam ser feitas manutenções de qualidade. E deve ser realizada por todos os membros da produção, manutenção e engenharia e inclui a limpeza completa do equipamento e do local onde ele está instalado. O objetivo é garantir que o desempenho do equipamento seja totalmente restaurado, identificando e eliminando todos os sinais de deterioração como:

• Inspeção de componentes de aperto;

• Lubrificação de peças;

• Detecção de fissuras ou vazamentos não aparentes e taxa de contaminação diminuição de óleo ou outros fluidos;

• Correção de componentes defeituosos ou com vida útil curta;

• Remoção de poeira e sujeiras provindas de matéria-prima;

• Problemas elétricos devido a depósitos de óleo ou poeira nos pontos de contato (neste caso o treinamento e orientação sobre quais componentes estão liberados é de extrema importância.);

• Prevenção de incêndio nos resíduos e poeira acumulada em locais inacessíveis;

• Melhor precisão nos ajustes, especialmente ao mudar os níveis de produção.

2. Eliminação fontes de sujeira e áreas inacessíveis
Após a limpeza inicial ter sido realizada e o equipamento ter sido restaurado novamente, é muito importante garantir que ele não se deteriore novamente. E é eliminando todas as possíveis fontes de contaminação e melhorando a acessibilidade para limpeza e manutenção que conseguimos manter esta etapa.
Nesse ponto, os operadores da máquina podem ter a liberdade de controlar as causas da contaminação diretamente na fonte, especialmente tendo em vista que já conhecem melhor a máquina e foram eles que realizaram a limpeza inicial.
O propósito do Seiso ou Senso de Limpeza está aqui e mantendo os padrões de limpeza e podendo então alcançar a limpeza duradoura, evitando a sujeira.

3. Desenvolver Padrões para Limpeza, Lubrificação e Inspeção
A padronização para operações de limpeza, inspeção e lubrificação começa com a documentação definida pelas equipes de manutentores, operadores e engenharia.
Nesta fase, desenvolve-se padrões próprios que indicam os itens a serem limpos e/ou lubrificados, os métodos a serem utilizados e as responsabilidades a serem atribuídas, o ideal é criar um trabalho padronizado para ser seguido reduzindo também o tempo para os reparos.

4. Inspeção geral da máquina
A partir do momento que as padronizações forem definidas as inspeções também devem e os próprios operadores da máquina podem executar com sucesso as seguintes tarefas simples como:

• Verificar os níveis de lubrificação, filtros e similares;

• Localizar vazamentos;

• Apertar componentes de aperto soltos;

• Identificar possíveis problemas mecânicos como rachaduras, desgaste, etc...

• Realizando ajustes em sensores, etc.…

5. Inspeção geral dos processos
O objetivo desta etapa é definir as atribuições que mantenham a estabilidade, a segurança da manutenção e da operação sendo elaborados check-lists para que o operador monitore o equipamento utilizando o conhecimento adquirido através do aprimoramento das habilidades, porém não basta apenas a conferencia de uma lista, mas sim a capacidade de identificar anomalias e corrigi-las. E por isso se usa o termo conhecido “Da minha máquina cuido eu. ”

6. Organização e ordem
A sistematização irá acontecer de forma natural com a implantação dos passos anteriores e assim os operadores estarão com maturidade técnica para garantir a qualidade, segurança e desempenho e nesta fase deve-se melhorar os processos já padronizados estabelecendo procedimentos claros e que facilitem o fluxo na área de operação como um todo (equipamento, layout, ferramentas, bancadas, etc.) e da manutenção tornando então o Seiton, Seiketsu mais evidentes

7. Gestão Autonoma
Assim como no Shitsuke a etapa final da Manutenção Autônoma é manter e aprimorar as qualificações que já foram atribuídas para os operadores e mensurar ganhos através de indicadores como o OEE onde podemos gerar e analisar as informações necessárias para melhorar as questões de confiabilidade, manutenibilidade, segurança, qualidade e operabilidade do equipamento, da área ocupada e do fluxo produtivo.

]]>
Como a indústria pode vender direto sem conflitar com seus demais canais de venda? http://www.administradores.com.br/artigos/empreendedorismo/como-a-industria-pode-vender-direto-sem-conflitar-com-seus-demais-canais-de-venda/112809/ http://www.administradores.com.br/artigos/empreendedorismo/como-a-industria-pode-vender-direto-sem-conflitar-com-seus-demais-canais-de-venda/112809/ Tue, 23 Oct 2018 19:16:53 -0300 Caio Camargo Como a indústria pode vender direto sem conflitar com seus demais canais de venda?

Um dos pontos mais importantes que a revolução trouxe para o mercado de varejo e consumo é a redefinição dos papéis de seus agentes. Sem dúvida nenhuma, nesse contexto, a indústria foi um dos mercados que mais se transformou ao longo dos últimos anos, buscando se reinventar para conquistar um melhor posicionamento de seus produtos em seus segmentos, e ao mesmo tempo, flertando cada vez mais com uma presença mais autêntica no varejo, passando também a atuar como varejista.

Se isso até o momento deixa de cabelo em pé e suando frio o mercado de varejo, que começa a encarar seu fornecedor também como um possível concorrente, gerando conflito de canais, até hoje surgiram poucas opções para que a indústria de fato, encontrasse novos caminhos para dialogar e atender diretamente o consumidor, sem causar nenhum transtorno ou desconforto aos seus demais canais de atuação.
A participação em marketplaces surgiu como uma alternativa a ser considerada e até mesmo adotada por algumas empresas, onde em sites de terceiros, porém consolidados no mercado, inclusive de redes varejistas, realiza-se a parceria para a venda direta ao consumidor, favorecendo a indústria que conquistava seu objetivo, e o varejista, que ainda ganhava produtividade por vezes sem a necessidade de gerir estoques ou enviar produtos, ou pelo menos, otimizando esse processo. Um ganha-ganha que funcionou para as grandes marcas, mas não para os pequenos varejistas, que hoje na grande maioria dos negócios, representa a maior parte do faturamento.
O processo de ganha-ganha com o marketplace das grandes redes, somado à tática de canais próprios de venda, como o e-commerce ou mesmo as lojas físicas como em alguns casos, começa a apresentar críticas e problemas cada vez maiores com o varejo de pequeno porte e pulverizado.
Uma das formas de voltar a fortalecer esse canal, sem abrir mão das demais estratégias, é o marketplace próprio, linkado o estoque de lojistas clientes da marca.
Se um consumidor hoje busca um produto na Internet, como por exemplo uma nova marca de cerveja, ou um medicamento, tradicionalmente o Google referencia em primeiro lugar o próprio site da indústria. Entretanto, na maioria dos casos, ao se acessar o site da indústria, o consumidor tem dado de cara com um site institucional, que informa sobre o produto, até mesmo contando com material de qualidade como vídeo ou depoimentos, mas no máximo, tem entregue uma lista de lugares onde o produto está disponível hoje. Algo tão prático hoje quanto uma lista telefônica, pois até mesmo é o que o consumidor por vezes tem que fazer, tendo que anotar um telefone ou e-mail e buscar entrar em contato com o estabelecimento, sob risco de não ser atendido, ou até mesmo, mal atendido.
Tem se aí um ponto de ruptura na jornada, onde até então não havia solução.
O Munddi (www.munddi.com), uma das empresas aceleradas comercialmente pela GS&UP, potencializadora de negócios do Grupo GS& Gouvêa de Souza, vem trabalhando com marcas como Novartis, Technos, Santa Helena, Mormaii, Midea Carrier, entre outros, como um “marketplace as a service”, adicionando ao site da própria indústria, um mapa onde é possível encontrar e até mesmo comprar online o produto desejado, a partir do ponto-de-venda mais próximo ou mais conveniente para o consumidor.
Os estoques uma vez mapeados, apresentam ao consumidor somente as lojas onde há estoque disponível, e assim, se o consumidor desejar, pode realizar a compra online e decidir pela entrega ou a retirada do produto diretamente no ponto-de-venda. Tudo isso sem a necessidade de a marca operar uma plataforma de e-commerce sozinha.
É uma oportunidade para se abrir um novo diálogo e fortalecer as parcerias com seus pontos de venda, já que o momento pede que indústria e varejo trabalhem juntos para aumentar as vendas de toda a cadeia.
Segundo Thiago Malpetti, CEO e cofundador do Munddi, é um novo momento para a indústria e faz-se necessário se posicionar: “No ritmo atual do varejo e por conta da revolução pela qual esse passou nos últimos anos, onde o consumidor tem diversas maneiras e caminhos para optar entre sua marca e de seu concorrente, qualquer ruptura na jornada de consumo é um risco. O consumidor pode escolher comprar com você, ligar para a loja e até mesmo na abordagem do vendedor, ser oferecido um produto de outra marca, um concorrente. Não dá mais para ter somente o site institucional. O momento do mercado é outro e o consumidor busca mais do que apenas informações. Se decidiu comprar, quer comprar e receber o mais rápido possível, dentro do que julga conveniente. Nossa preocupação essencial é com o fluxo dessa jornada, operando com nossos clientes de ponta a ponta se necessário”.

]]>
Atendimento ao cliente em óticas http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/atendimento-ao-cliente-em-oticas/112808/ http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/atendimento-ao-cliente-em-oticas/112808/ Tue, 23 Oct 2018 17:11:00 -0300 Franciani Galvão Atendimento ao cliente em óticas

Atender adequadamente ao cliente e fidelizá-lo é assunto de gestor e de vendedor. Este artigo busca esclarecer e sugerir estratégias adequadas ao negócio de ótica, com dicas específicas para alavancar seu mercado, pelo investimento no treinamento dos funcionários e eles trarão o lucro almejado para o seu varejo.

O atendimento ao cliente é particularmente importante para qualquer empresa, pois, a apartir dele que os negócios são fechados, levando à satisfação do consumo por parte do comprador e satisfação da venda pela empresa. Contudo, para chegar ao final na fidelização do cliente, o colaborador da linha de frente da empresa necessita compreender algumas estratégias imprescindíveis ao atendimento.

Primeiro é necessário entender quem é o comprador e quem é o cliente. O comprador ou shopper, é o indivúduo que compra o produto ou serviço, mas ele pode ou não consumí-lo, por exemplo, quando os pais compram o óculos para o filho. Já o consumidor é aquele indivíduo que consome o produto, aquela pessoa que usa o óculos.

Compreendendo isso, o vendedor precisa identificar que estratégia de fidelização poderá usar durante e após o atendimento. Quanto ao público alvo da ótica, este não têm idade determinada, pois, qualquer pessoa em qualquer idade pode estar sugeita a usar óculos, seja com grau ou solar. Por isso, a segmentação (divisão) de público alvo ou de mercado pode ocorrer de acordo com a característica sócio-econômica e sexo, pois as demais características não se dissociam deste perfil. Para Weinstein (1995, p.18), "o processo de dividir mercados em grupos de consumidores potenciais com necessidades ou características similares, que, provavelmente exibirão comportamento de compra similar".

Contudo, como o objetivo da segmentação é dividir o público alvo para atendê-los melhor, a empresa poderá especializar seus funcionários para atender idosos, crianças, adultos diferentemente. A partir da disponibilização de um local que privilegie o acesso de todos eles, a criança com um espaço lúdico, o idoso com um local com acessibilidade fácil e adulto com atenção direcionada a necessidade intrínseca. Desta forma, o cliente se sentirá feliz e atendido de forma adequada. É importante que a empresa faça uma pesquisa geral de mercado como: número de habitantes, número de médicos oftalmológicos, números de cirurgias oftalmológicas, número de concorrentes (benchmark), dados socio-econômicos da população, etc.

Mediante das informações coletadas, a apresa poderá fazer uma pesquisa de mercado em locais com fluxo intenso de pessoas como avenidas principais, hospitais, clínicas, escolas, universidades, etc; com questões simples como: Se usa óculos; se usa óculos de grau ou solar; de quanto em quanto tempo troca a lente ou o modelo; quanto gasta na compra de um óculos; quais as características da armação mais chama a atenção (formato, cor, material); perfil tradicional ou moderno, ou seja, se prefere o uso de armação tradicional ou moderna, etc.

"E com esta informação em mãos, o empresário poderá treinar seus funcionários para atendimento mais adequado às necessidades locais."

Passos do atendimento ao cliente de ótica
Primeiro passo: Identificar a necessidade do shopper;
Segundo passo: designá-lo para conhecer os produtos;
Terceiro passo: perguntar o perfil do cliente (Gosta de armação moderna ou tradicional, qual cor prefere de armação, qual tipo de lente, qual material da armação prefere, etc);
Quarto passo: oferecer para o cliente o produto que mais se enquadrará ao perfil da receita de óculos;
Quinto passo: Fazer o desejo do cliente, mas ofertando produtos com qualidade superior primeiro; caso o cliente solicite produtos com valor mais baixo acatar esta solicitação sem argumentar;
Sexto passo: Apresentar e deliberar os valores e formas de pagamento;
Sétimo passo: Efetuar o pedido para feitiu da lente e óculos;
Oitavo passo: Descrever o serviço que a empresa oferece no pós compra (trocas, garantias, limpeza, manutenção, pesquisa de satisfação, em suma o pós atendimento);
Novo passo: dirigir o cliente ao caixa para pagamento;
Décimo passo: agradecer ao cliente pela compra e se colocar a disposição para sanar dúvidas que surgirem.

Características do bom atendimento

  • Os gestores e demais colaboradores devem compreender que sua empresa existe porque existem pessoas que buscam pelos seus produtos ou serviços, portanto, os clientes devem ser atendidos da maneira mais cordial possível.
  • O vendedor deve mostrar conhecimento e domínio sobre a área da optica, lentes e armações. Segurança na venda é um dos patamares que levam a venda.
  • A calma no atendimento é também um dos aspectos da segurança.
  • A boa aparência, com padronização de vestimenta, maquiagem e cabelo passam sentido de organização da empresa para o cliente.
  • A simpatia, empatia e paciencia são traços de personalidade que conquistam os clientes, principalmente os mais idosos que apresentam maior dificuldade de visão eentendimento.
  • Auto determinação é característica imprescindível para o vendedor, pois vai motivá-lo a vender com atenção e ser mais assertivo na abordagem do cliente. E o desempenho de venda vai ocorrer de acordo com este traço de eprsonalidade.
  • Deter conhecimentos sobre visagismo no uso de óculos.
  • Tratar os clientes com mimos como bebidas; ambiente em temperatura agradável; iluminação clara e branca, uma vez que é um varejo de óculos; cadeiras confortáveis; vitrines claras e chamativas; móveis sem desgaste, etc.
  • O vendedor deve compreender que está trabalhando no sentido de servir às pessoas.
  • Nunca mentir para o cliente.

Estas são algumas dicas específicas para alavancar seu mercado, invista nos seus funcionários e eles trará o lucro almejado para o seu varejo.

]]>
Qual a Diferença entre B2B e B2C http://www.administradores.com.br/artigos/tecnologia/qual-a-diferenca-entre-b2b-e-b2c/112807/ http://www.administradores.com.br/artigos/tecnologia/qual-a-diferenca-entre-b2b-e-b2c/112807/ Tue, 23 Oct 2018 17:01:00 -0300 Ricardo Loveira Qual a Diferença entre B2B e B2C

Saiba qual a diferença entre B2B e B2C, de uma maneira bem resumida!!!

Os termos são antigos e segundo as definições simples, os significados são distintos mas no E-commerce, os significados tem se transformado e misturado ao longo do tempo.

B2B (Business to Business) é a sigla utilizada no comércio eletrônico para definir transações comerciais entre empresas. Em outras palavras, é um ambiente (Plataforma de E-Commerce) onde uma empresa (indústria, distribuidor, importador ou revenda) comercializa seus produtos para outras empresas. A natureza dessa operação pode ser revenda, transformação ou consumo.

B2C (Business to Commerce) é a sigla que define a transação comercial entre empresa (indústria, distribuidor ou revenda) e consumidor final através de uma plataforma de E-Commerce. A Natureza dessa operação tende a ser apenas de consumo.
O que caracteriza o tipo de comércio que uma empresa pratica não é o produto, mas a ATIVIDADE FIM, ou seja, qual o fim a que é destinado a mercadoria. Isso define o modelo de negócio e as figurantes atuantes nesse modelo.


Atividade Fim x Figura x Modelo de Negócio:
– Transformação: Indústria vende seus produtos para outras indústrias. (B2B)
– Revenda: Indústria vende para distribuidor ou revenda (B2B)
– Revenda: Distribuidor vende para Revenda (B2B)

– Revenda: Indústria, Distribuidor ou Atacado vende para Profissional Liberal (B2C)

– Consumo: Distribuidor ou Atacado vende para Consumidor Final (B2C)
– Consumo: Indústria vende para Consumidor Final (B2C)
– Consumo: Indústria vende para Consumidor Final através de Distribuidor ou Atacado (B2B2C)


Acompanhe no exemplo que muitas empresas acabam por praticar mais de uma modalidade ao mesmo tempo ou formatos mistos de negócio. O ambiente de compra e de auto atendimento na loja virtual permanece o mesmo. O que muda são as políticas comerciais de preço, quantidade, forma e condição de pagamento que são configuradas para cada público. Essas configurações são determinadas pela criação de perfis e tipo de usuário

Espero ter ajudado.

 

]]>
O PIB E A GERAÇÃO DE EMPREGOS http://www.administradores.com.br/artigos/cotidiano/o-pib-e-a-geracao-de-empregos/112806/ http://www.administradores.com.br/artigos/cotidiano/o-pib-e-a-geracao-de-empregos/112806/ Tue, 23 Oct 2018 16:19:01 -0300 Renato Ladeia O PIB E A GERAÇÃO DE EMPREGOS

Discussão sobre a geração de empregos no Brasil com a taxa de crescimento do PIB muito baixa.


A promessa dos candidatos na geração de empregos tem muito de demagogia e pouco de projeções macro econômicas. Considerando a indústria da construção civil, que gera mais de doze milhões de empregos diretos, isso contando toda a sua cadeia produtiva que envolve indústria de materiais plásticos, elétricos, ferragens, cerâmica, cimento etc. e que representa 6,2% do PIB, podemos concluir, de modo simplório, que cada ponto percentual do PIB corresponde a algo em torno de dois milhões de empregos.
Assim, para absorver os treze milhões de desempregados precisaríamos crescer no próximo ano pelo menos 6,5% do PIB, que seria inatingível considerando a atual situação econômica do país, em recessão desde 2014. Se considerarmos que em 2017 crescemos 1% e neste ano a expectativa é também de 1%, só por milagre chegaríamos a 6,5%, que hoje é o crescimento previsto pela China.
O problema é que mesmo para crescer 3% as empresas precisariam se capitalizar para contratar empregados, comprar insumos e outras despesas. É bem verdade que as empresas atualmente estão com capacidade ociosa em razão da recessão que vem ocorrendo desde 2014. Isso significa que não haveria necessidade delas investirem em meios de produção (máquinas e equipamentos), mas seria necessário disporem de capital de giro para a folha de pagamento, ajuste da capacidade produtiva e compra de insumos, pois se descapitalizaram durante essa longa recessão.
Capital pode ser obtido com financiamento nos bancos ou capital próprio, mas para que isso ocorra, precisaremos de um ambiente propício para investimentos internos e externos e isso só vai ocorrer se o novo governo conseguir equilibrar as contas públicas ou sinalizar que tem condições de fazê-lo. Outro fator importante é a confiança do investidor e para tanto é fundamental que o governo consiga costurar negociações com os demais poderes, evitando crises que ajudariam complicar o atual cenário.
Para começar, sem um clima favorável, o dinheiro não sai de aplicações seguras para investimentos arriscados. As taxas de juros continuam altas para os tomadores, mesmo com a taxa SELIC alcançando o seu menor valor histórico. Enquanto os juros forem maiores do que a lucratividade, ninguém vai arriscar os seu quinhão e preferirá mantê-lo bem conservado em títulos do governo.
Crescendo a 2% ao ano, em três anos, se tudo ajudar, poderemos recuperar parte do terreno perdido nos últimos anos, pois será preciso considerar que novos contingentes estão entrando no mercado de trabalho todo ano. Mas outros problemas surgirão para complicar a vida dos brasileiros. As demandas por energia elétrica e investimentos em infraestrutura na área de logística poderão atrapalhar a recuperação, pois o cobertor é curto e muitos pés ficarão de fora.
Assim, é bom evitar o entusiasmo exagerado com as projeções dos economistas que assessoram os candidatos, pois nem eles têm certeza do que pode acontecer. A Economia não é uma ciência exata, mesmo com os seus cálculos econométricos sofisticados. Ela depende de variáveis não controláveis como: confiança, credibilidade, tranquilidade, segurança etc.

]]>
4 cuidados do estagiário para ter uma boa reputação profissional nas redes sociais http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/4-cuidados-do-estagiario-para-ter-uma-boa-reputacao-profissional-nas-redes-sociais/112805/ http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/4-cuidados-do-estagiario-para-ter-uma-boa-reputacao-profissional-nas-redes-sociais/112805/ Tue, 23 Oct 2018 16:10:00 -0300 Raul Tadeu de Andrade 4 cuidados do estagiário para ter uma boa reputação profissional nas redes sociais

Nos dias atuais, com o advento das redes sociais, nossa vida está cada vez mais exposta e as informações sobre a nossa vida acessível de maneira fácil e rápida. Sabe como trabalhar sua reputação nas redes sociais?

Você sabe como anda sua reputação profissional nas redes sociais? Muitas pessoas não se dão conta, mas esse pode ser um fator significativo em um processo seletivo.

Antigamente, a avaliação de um candidato era feita a partir da análise de currículo e entrevista. No entanto, no decorrer dos anos esse processo foi ampliado e alguns recrutadores passaram a utilizar redes como o LinkedIn e o Facebook para avaliar o perfil e o comportamento dos candidatos.

Diante disso, é importante que você tenha cuidado com o conteúdo que publica na internet, para que isso não se torne prejudicial durante sua busca por uma vaga de estágio. Quer algumas dicas de como preservar sua reputação profissional nas redes sociais? Então, continue a leitura!

1. Não fale mal da empresa

Não fale mal de empresas em que estagiou ou de seus colegas de trabalho nas redes sociais, e evite fazer reclamações sobre suas tarefas e vida profissional. Essas atitudes podem contar pontos negativos em um processo seletivo, pois demonstram falta de ética e insatisfação com o trabalho.

Há determinados momentos em que a vida estudantil e profissional se torna estressante. Mas, é preciso se controlar para não desabafar sobre isso na internet.

2. Evite fotos e vídeos comprometedores

A rede social foi feita para compartilharmos um pouco de nossas vidas com amigos e familiares, o que inclui viagens, festas, passeios e outros programas. Contudo, para não comprometer sua reputação profissional, preste atenção às fotos e vídeos postados por lá — inclusive, em publicações de amigos que envolvam sua imagem.

Nesse caso, uma dica é habilitar a função de aprovação em marcação de fotos. Assim, as imagens não aparecerão automaticamente em sua linha do tempo, e você conseguirá filtrar aquilo que deseja ou não divulgar na rede.

3. Tenha cuidado com comentários ofensivos

As redes sociais, e principalmente o Facebook, se tornaram um grande espaço para debate de assuntos variados. Porém, é fundamental saber se comunicar em momentos assim.

Algumas pessoas usam esses canais para fomentar o ódio, o preconceito, e para divulgar informações falsas — as famosas fake news. Tal prática é negativa não só para a vida profissional, como para a sociedade.

Nesse contexto, procure manter uma postura correta no ambiente virtual e tratar as pessoas com respeito, mesmo que elas tenham opiniões diferentes das suas. Além disso, tome cuidado com o conteúdo que você compartilha e sempre verifique se a fonte dele é confiável, para não espalhar fake news pela rede.

4. Evite o plágio

O LinkedIn é uma rede social interessante para estagiários e profissionais. Afinal de contas, além de estimular o networking, permite a divulgação de seu perfil de diferentes formas.

A ferramenta para produção de textos, por exemplo, é positiva para você divulgar seu conhecimento sobre a área e suas competências e alcançar um número maior de pessoas dentro da rede — sobretudo, possíveis recrutadores. Entretanto, lembre-se: é essencial que os artigos sejam produzidos por você. Quando não forem, deixe claros os nomes dos autores.

Esses são os principais cuidados que você precisa ter para manter uma boa reputação profissional nas redes sociais. Portanto, antes de fazer um comentário ou publicação, não se esqueça de nossos conselhos!

Conhece alguém que precisa dessas dicas? Então, compartilhe o texto em suas redes sociais para ajudar seus amigos!

 fonte: blog.estagiarios.com

 

]]>
Décimo terceiro: a melhor oportunidade do ano! http://www.administradores.com.br/artigos/economia-e-financas/decimo-terceiro-a-melhor-oportunidade-do-ano/112804/ http://www.administradores.com.br/artigos/economia-e-financas/decimo-terceiro-a-melhor-oportunidade-do-ano/112804/ Tue, 23 Oct 2018 15:33:34 -0300 Ricardo Natali Décimo terceiro: a melhor oportunidade do ano!

Você gostaria de receber seu salário do mês sem ter que trabalhar? Imagine ficar um mês inteiro sem trabalhar e mesmo assim abrir sua conta bancária e ver seu salário intacto… Pode parecer mágica, mas é simplesmente seu décimo terceiro salário!

 

Você gostaria de receber seu salário do mês sem ter que trabalhar? Imagine ficar um mês inteiro sem trabalhar e mesmo assim abrir sua conta bancária e ver seu salário intacto… Pode parecer mágica, mas é simplesmente seu décimo terceiro salário!

O ano só possui 12 meses, mas todo empregado no regime CLT recebe 13º salário. É como se durante um mês inteiro você recebesse seu dinheiro, mas não precisasse trabalhar. O décimo terceiro salário é a maior oportunidade de enriquecimento que você vai receber no ano!

Encare-o como uma renda extra, pois não está no seu custo mensal. Sendo assim, uma renda extra deve ser totalmente destinada para a realização de sonhos ou objetivos de vida, pois é isso que nos motiva e é o combustível das finanças pessoais.

Uma pessoa só deve poupar e investir para realizar sonhos. Esse hábito permite que bons planos sejam traçados, que realizações aconteçam e que a qualidade de vida esteja em primeiro lugar.

O dinheiro investido vale muito mais. O tempo é favorável ao investidor. Se investir algum dinheiro hoje, facilmente ele dobrará de valor em menos de 10 anos, ou valerá dez vezes mais daqui 30 anos. Estou falando de investimentos conservadores com baixíssimo risco.

Utilize o dinheiro do décimo terceira como o pontapé inicial do seu plano de enriquecimento. É possível, não é arriscado e não precisa ser complexo. Comece por investimentos conservadores e adquira mais conhecimento para diversificar suas aplicações. Certamente seu rendimento vai aumentar conforme a prática e estudo.

Crie o hábito de poupar e investir mensalmente. Essa prática criará uma ponte para seu futuro, com realizações financeiras, qualidade de vida e imunidade a imprevistos.

Caso esteja endividado neste momento, trace um plano de guerra, use o dinheiro do décimo terceiro e mude sua situação financeira. Após isso, estará pronto para adequar seu padrão de vida ao seu salário, ganhar mais do que gasta, poupar e investir em você!

Lembre-se: não faça novas dívidas, renegocie as que você já possui e determine um valor máximo para gastar com presentes de natal ou sonhos de curto prazo, ok?

O uso consciente do seu dinheiro é o maior aliado para sua liberdade financeira!

Ricardo Natali é educador financeiro, autor do livro Lucro FC. ricardo@lucrofc.com.br

]]>
Prospectar serviços é mais difícil do que produtos? http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/prospectar-servicos-e-mais-dificil-do-que-produtos/112803/ http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/prospectar-servicos-e-mais-dificil-do-que-produtos/112803/ Tue, 23 Oct 2018 14:25:11 -0300 Myrian Mourão Prospectar serviços é mais difícil do que produtos?

E se o que vou prospectar é, por exemplo, seguros, consórcios ou planos de saúde? Eu não gosto muito da palavra difícil, acho que a palavra é desafiador.

E se o que vou prospectar é, por exemplo, seguros, consórcios ou planos de saúde?

Eu não gosto muito da palavra difícil, acho que a palavra é desafiador.

Para vender um equipamento o método mais adequado na prospecção não é falar sobre produto, mas o que ele resolve, soluciona, agiliza. O que esse produto gera lucros ou reduz de problemas. 

No caso de serviços também vale esse conceito.

Vamos vender segurança, sonhos, expectativas, vamos vender a proteção para sua família.Vamos vender tranquilidade neste mundo violento ou condições melhores para cuidar da saúde.

Certa vez na Operação de Retenção de Seguros de um grande Banco um cliente falou que era desnecessário ter um seguro de acidentes pessoais e que achava caro pagar um valor mínimo mensalmente por esse serviço no seu cartão de crédito.

Depois que descrevi para esse cliente o futuro sombrio de quem sofre um acidente no Brasil, muitas vezes tem que depender dos familiares para sobreviver, ele se conscientizou que o seguro que era debitado no seu cartão era uma segurança. 

Confesso que a abordagem foi cruel, mas o que fiz foi levar o cliente a se imaginar naquela situação.

Fica a dica e sucesso!

]]>
Recuperação Judicial um recurso de alto custo com pouca eficiência!!! http://www.administradores.com.br/artigos/economia-e-financas/recuperacao-judicial-um-recurso-de-alto-custo-com-pouca-eficiencia/112802/ http://www.administradores.com.br/artigos/economia-e-financas/recuperacao-judicial-um-recurso-de-alto-custo-com-pouca-eficiencia/112802/ Tue, 23 Oct 2018 13:29:40 -0300 WALBER ALMEIDA XAVIER DE SOUSA Recuperação Judicial um recurso de alto custo com pouca eficiência!!!

RJ ou Recuperação Judicial, esse deve ser a melhor alternativa?

Recuperação Judicial um recurso de alto custo com pouca eficiência!!!
184-10-2018
Crises fazem parte do cotidiano do empresariado brasileiro.
É muito comum vivermos: planos econômicos, crises de gestão sejam em função da economia interna ou cambial, mudanças na legislação, entre outras.
A lição de casa fica para o empresário realizar e manter-se vivo a cada ação nociva como as citadas acima.
Um recurso disponibilizado por meio legal é a possibilidade da “RJ” ou Recuperação Judicial, lei essa que veio para substituir a lei das falências.
Esse mecanismo deve ser utilizado, porém, em razão de sua complexidade e do alto custo financeiro, estrategicamente deve ser deixado como ultima alternativa.
A OAB-RJ informa em um de seus artigos que apenas 1% das empresas que iniciam esse processo de recuperação judicial, conseguem se restabelecer após o processo. Muito pouco.
Com o diagnóstico empresarial em mãos os gestores da empresa, preferencialmente acompanhados de profissional (Consultor em Gestão Empresarial) devem definir o plano de ação detalhado, devem estar munidos de relatórios consistentes para que as decisões sejam tomadas com base concretas e o mais importante é que as decisões tomadas, sejam monitoradas e seus efeitos acompanhados e relatados, para que continuem ou não.
A reestruturação empresarial deve ser acionada imediatamente quando o assunto de Recuperação Judicial é levado em pauta para discussão na mesa com os gestores da empresa.
Esse caminho (Reestruturação Empresarial) é muitas vezes árduo, contraria os objetivos iniciais da empresa, porém, deve ser digerido com um passo para trás para que num futuro próximo dois passos possam ser dados a diante.
A reestruturação é conduzida de forma profissional, quando realizada por profissionais com experiência de mercado e principalmente sem “vícios” que possam gerar tendências na condução dos trabalhos.
Vale pensar!!!!
Walber Almeida Xavier de Sousa - Diretor da AXS Consultoria Empresarial (www.axsconsultoria.com.br), atua na Gestão Empresarial de empresas de pequeno e médio porte, nas áreas de Administração, Finanças e Controladoria. Graduado em Ciências Contábeis, Pós-Graduado em Contabilidade Gerencial e Controladoria e com MBA em Gestão Empresarial.
Exclusivamente no mercado de Consultoria e Assessoria há 06 anos.
• Consultoria e Assessoria – Gestão Empresarial
• Renegociação de Dívidas Bancárias – Empresarial
• Inventário e Avaliação Patrimonial
• Valuation
www.axsconsultoria.com.br
(55 15) 991051487 – (55 15) 988151487


São Paulo, Guarulhos, Campinas, São Bernardo do Campo, Santo André, São José dos Campos, Osasco, Ribeirão Preto, Sorocaba, Mauá, São José do Rio Preto, Santos, Mogi das Cruzes, Diadema, Jundiaí, Piracicaba, Carapicuíba, Bauru, Itaquaquecetuba, São Vicente, Franca, Guarujá, Praia Grande, Taubaté, Limeira, Suzano, Taboão da Serra, Sumaré, Barueri, Embu das Artes, São Carlos, Indaiatuba, Cotia, Marília, Americana, Araraquara, Jacareí, Itapevi, Presidente Prudente, Hortolândia, Rio Claro, Araçatuba, Santa Bárbara d'Oeste, Ferraz de Vasconcelos, Francisco Morato, Itapecerica da Serra, Itu, Bragança Paulista, Pindamonhangaba, Itapetininga, São Caetano do Sul, Franco da Rocha, Mogi Guaçu, Jaú, Botucatu, Atibaia, Santana de Parnaíba, Araras, Cubatão, Valinhos, Sertãozinho, Ribeirão Pires, Jandira, Birigui, Catanduva, Barretos, Guaratinguetá, Votorantim, Tatuí, Várzea Paulista, Caraguatatuba, Itatiba, Salto, Poá, Ourinhos, Assis, Paulínia, Leme, Itanhaém, Caieiras, Mairiporã, Itapeva, Votuporanga, Caçapava, Mogi Mirim, São João da Boa Vista, Avaré, São Roque, Ubatuba, Lorena, Arujá, São Sebastião, Campo Limpo Paulista, Matão, Cruzeiro, Bebedouro, Ibiúna, Lins, Jaboticabal, Pirassununga, Vinhedo, Cajamar, Itapira, Amparo, Cosmópolis, Mococa, Fernandópolis, Embu-Guaçu, Lençóis Paulista, Peruíbe, Tupã, Penápolis, Batatais, Bertioga, Mirassol, Ibitinga, Nova Odessa, Boituva, Andradina, Monte Mor, Itupeva, Taquaritinga, Registro, Santa Isabel, Porto Ferreira, Piedade, São José do Rio Pardo, Capivari, Mongaguá, Jaguariúna, Olímpia, Porto Feliz, Artur Nogueira, Campos do Jordão, São Joaquim da Barra, Itararé, Vargem Grande Paulista, Monte Alto, Rio Grande da Serra, Jales, Cabreúva, Pontal, Capão Bonito, Santa Cruz do Rio Pardo, Cerquilho, Pedreira, Mairinque, Dracena, Louveira, Tremembé, Pederneiras, Paraguaçu Paulista, Garça, Salto de Pirapora, Espírito Santo do Pinhal, Presidente Epitácio, Serrana, Orlândia, Jardinópolis, Itápolis, Vargem Grande do Sul, Ituverava, Tietê, São Manuel, Guaíra, Novo Horizonte, Socorro, Presidente Venceslau, Promissão, Guariba, Américo Brasiliense, Pitangueiras, Agudos, Barra Bonita, Aparecida, José Bonifácio, Aguaí, Adamantina, Iperó, São Pedro, Cravinhos, Bariri, Ibaté, Rio das Pedras, Santa Cruz das Palmeiras, Ilhabela, Descalvado, São Miguel Arcanjo, Cachoeira Paulista, Osvaldo Cruz, Guararapes, Araçoiaba da Serra, Morro Agudo, Barrinha, Santa Fé do Sul, Biritiba-Mirim, Cândido Mota, Juquitiba, Iguape, Casa Branca, Igarapava, Rancharia, Piraju, Mirandópolis, Guararema, Cajati, Serra Negra, Pilar do Sul, Jarinu, Laranjal Paulista, Santa Rita do Passa Quatro, Conchal, Pirapozinho, Piracaia, Dois Córregos, Ilha Solteira, Itaí, Martinópolis, Santa Rosa de Viterbo, Pereira Barreto, Tanabi, Cajuru, Santa Gertrudes, Valparaíso, Pirajuí, Apiaí, Álvares Machado, Angatuba, Igaraçu do Tietê, Monte Aprazível, Brodowski, Bom Jesus dos Perdões, Brotas, Cordeirópolis, Potim, Tambaú, Iracemápolis, Taquarituba, Teodoro Sampaio, Santo Antônio de Posse, Palmital, Miguelópolis, Cunha, Pompeia, Lucélia, Guará, Bastos, Nova Granada, Araçariguama, Santo Anastácio, Guapiaçu, Pradópolis, Castilho, Junqueirópolis, Miracatu, Itatinga, Capela do Alto

 

]]>
Garantia? Pra quem? http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/garantia-pra-quem/112752/ http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/garantia-pra-quem/112752/ Tue, 23 Oct 2018 13:00:00 -0300 Ricardo Custodio Garantia? Pra quem?

Garantia, não existe.

Você vai na loja e te oferecem (por uma quantia em dinheiro) uma garantia de defeito pelo produto que te ofereceram por 2 anos, sendo que se o produto der problema de fábrica, logo vai aparecer em 90 dias, então...

Não existe garantia de que ele ou ela será fiel no relacionamento...

Não existe garantia de que você vai ganhar 7 dígitos em 7 dias com aquela 'fórmula' que você viu na internet...

Não existe garantia de que você vai conseguir aquele emprego só porque você foi bem na entrevista...

Não existe garantia de que seu filho não vá fazer tal coisa só porque você já falou 3 vezes pra ele não fazer...

Não existe garantia de que você vai viver tanto quanto àquela pessoa que fumou a vida inteita e tá com 100 anos com a saúde incrível...

Não existe garantia de que você vai emagrecer 10 kg em 1 mês se você fizer tal dieta e tais exercícios...

Não existe garantia de que vão ler esse post e gostarem...

A garantia, 99,9%% das vezes, se move por meio de imprevistos e funciona melhor por meios pagos.

Mesmo que você garanta e cumpra o que diz, lembre-se sempre que 'o homem que tenta ser bom o tempo todo está fadado à ruína entre os inúmeros outros que não são bons. [...]' Nicolau Maquiavel.

Bem, a única garantia certa que eu conheço é a da morte, para isso acontecer, como diz minha mãe, basta estar vivo.

]]>
Ninfoplastia http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/ninfoplastia/112798/ http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/ninfoplastia/112798/ Tue, 23 Oct 2018 13:00:00 -0300 Sarah Abrão Ninfoplastia

Conheça um pouco mais sobre a cirurgia íntima que reduz os grandes lábios, devolvendo a autoestima da mulher

Originalmente publicado em: CirurgiaEstética.com.br

A cirurgia para a redução dos pequenos lábios vaginais, conhecida como ninfoplastia ou labioplastia, é indicada para as pacientes que apresentam hipertrofia dos pequenos lábios vaginais, ou seja, aumento do tamanho destes. Ao contrário do que muitas mulheres pensam, é muito comum pacientes que apresentam os pequenos lábios vaginais aumentados de tamanho, levando a um constrangimento com seus parceiros sexuais.

A cirurgia visa à redução dos pequenos lábios, tornando-os de tamanho normal, porém sem reduzi-los de forma exagerada. Os pequenos lábios vaginais têm a importante função de proteger a entrada da vagina, dificultando o surgimento de infecções bacterianas, além de também ajudar na lubrificação local. A redução exagerada desta estrutura poderá acarretar ressecamento, principalmente depois da menopausa, época em que a lubrificação vaginal fica menos eficaz.

A ninfoplastia (labioplastia) pode ser realizada a laser. O uso do laser reduz o sangramento, o inchaço e a roxidão, proporcionando geralmente uma recuperação mais confortável e rápida.


Indicação
Aumento dos pequenos lábios vaginais, acarretando desconforto ou constrangimento pela genitália feminina.

Tipo de Anestesia
A ninfoplastia é realizada com anestesia local e sedação. A cirurgia demora cerca de 40 minutos.

Tempo de Internação
A alta é no mesmo dia, depois de 6 horas do término da cirurgia.

Pós Operatório
O pós-operatório da redução dos pequenos lábios vaginais não costuma ser doloroso exceto nos casos de grande inchaço, sendo prescritos apenas analgésicos comuns. Há um edema (inchaço) moderado da região, que costuma regredir em torno de 14 dias.

Pode ocorrer equimose (roxidão) local, a qual regride também em torno de 14 dias. A cirurgia realizada a laser costuma apresentar edema e roxidão menores, com recuperação mais rápida. A volta ao trabalho de escritório costuma ser depois de 3 dias da cirurgia, evitando-se esforços físicos.

As relações sexuais deverão ser evitadas por no mínimo 21 dias. Não há necessidade de retirar pontos, visto que a sutura é realizada com pontos absorvíveis.

A sensibilidade dos pequenos lábios vaginais pode ser alterada transitoriamente, mas a sensibilidade do clitóris não é afetada, pois não há manipulação desta estrutura.

Complicações
Apesar de muito raras, podem ocorrer: hematoma, infecção, deiscência (abertura de pontos), irregularidades.

Resultados Definitivos
Como qualquer cirurgia plástica, o resultado definitivo ocorre depois de 6 meses, tempo para o amadurecimento da cicatriz. Porém 80% do resultado já é alcançado depois de 2 meses da ninfoplastia.

]]>
Agora é a hora de mudar seu corpo e contaremos o porquê! http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/agora-e-a-hora-de-mudar-seu-corpo-e-contaremos-o-porque/112797/ http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/agora-e-a-hora-de-mudar-seu-corpo-e-contaremos-o-porque/112797/ Tue, 23 Oct 2018 13:00:00 -0300 Sarah Abrão Agora é a hora de mudar seu corpo e contaremos o porquê!

A primavera chegou e, com ela, os cuidados com o seu corpo não podem parar!

Originalmente publicado em: InstitutoLerner.com.br

A estação mais colorida do ano chegou, ela inspirou pintores como Botticelli e músicas como de Tim Maia. O período em que a natureza desperta do inverno para se preparar para o calor do verão, considerado o momento ideal para reativar as energias e mudar hábitos antigos, e que veio para te ajudar a mudar seu corpo.

O que a chegada da primavera tem a ver comigo?

Tudo! Afinal, chegou o momento de você tirar aquele sonho de emagrecer e ter o corpo que você merece, do papel!

O cantar dos pássaros, as flores florescendo, o ar mais quente, os dias gradualmente se alongando graças à luz e o pôr do sol que ficam até mais tarde e aquela sensação gostosa de felicidade.

É por tudo isso que a primavera é sempre muito bem-vinda, além de ser considerada a estação da transformação. Isso porque a maioria das pessoas tende a passar o inverno alternando entre casa e trabalho, deixando de praticar exercícios físicos e comendo mais do que deveriam.

Afinal, você está infeliz com a sua aparência e sentindo que precisa fazer logo algo a respeito? Acha que passou o ano todo desperdiçando boas oportunidades para conquistar o corpo que sempre quis?

Se a resposta for sim, respectivamente, e você sentir que está mentalmente e psicologicamente mais inclinado a mudar coisas que não te agradam na sua vida, é porque a chegada da primavera trouxe o que você precisava para renovar sua mente e corpo!

Chegou a hora de entrar em forma!

Essa época é marcada pelo nascimento e florescimento da vegetação, o que nos leva a crer que é mesmo um tempo de despertar, de renovação e de recomeço.

Então vamos lá, primeiramente a sua motivação (de perder uns quilinhos – ou muitos deles – e caber em determinada roupa, por exemplo) te dará o empurrão inicial, mas o que te manterá no caminho será o planejamento e a disciplina.

Dentro do planejamento, toda a sua rotina deve ser programada, de forma a você saber antecipadamente quais serão os horários e os alimentos de suas refeições. Além de ter em mente os horários para treinos ou qualquer outro tipo de atividade física.

Ou seja, você terá que ter seus dias planejados e prontos para a ação. E a dica aqui é: não os trate como escolha e sim como compromisso.

E depois de todo planejamento você necessitará de disciplina para manter seu projeto de emagrecimento, e é ela que sustentará as mudanças por muito mais tempo.

Como começar?

Para que você consiga dar início ao seu plano de “secar” encontre o seu propósito inabalável, aquilo que te dará forças para iniciar grandes mudanças.

Então, se olhar no espelho e se sentir bem e confiante é um grande sonho seu, faça disso sua motivação!

Quer saber em qual outro ponto a Primavera pode te ajudar?

A conexão com a natureza, principalmente quando unida a uma atividade física, libera alguns neurotransmissores conhecidos como o quarteto da felicidade.

Eles irão aumentar a sensação de prazer com a vida, te fazendo diminuir a procura da sensação de conforto nos alimentos doces ou gordurosos.

Os quatro são: a Dopamina que é liberada toda vez que você faz algo que gosta, a Serotonina que pode aumentar com a exposição solar pelo aumento da vitamina D, diminuindo o estresse e a sensação de solidão e a Ocitocina e as Endorfinas que são liberadas pela prática de atividades físicas e que ajudam a aliviar a dor, a ansiedade e o estresse. Maravilha, não?

E vem cá, tem coisa mais agradável do que dar uma corrida em um parque florido e com aquela presença gostosa do sol?

Aproveite os belos dias que a Primavera traz para passear com seu cachorro, correr pelo parque e fazer exercícios aeróbicos ao ar livre.

Você não está sozinho!

Vamos lá que você consegue! E a boa notícia é que você não precisará fazer isso sozinho.

De acordo com a nossa nutricionista, um problema comum ao se fazer dieta por conta própria, é melhorar a alimentação do ponto de vista nutricional, mas não diminuir a ingestão calórica.

Funciona como uma equação matemática: o número total de calorias ingeridas num determinado período de tempo precisa ser menor que o número total de calorias gastas (metabolizadas) para haver emagrecimento.

Com a ajuda de um profissional habilitado, isso será possível e com segurança.

Como é feita a reeducação alimentar com a nutricionista

Será analisado todo o seu histórico e hábitos para colher informações, tais quais: o seu tipo de alimentação, restrições alimentares, o que está comendo certo e o que está errado, e o objetivo que se quer atingir.

Dessa forma, um plano alimentar saudável será feito de forma que seja prazeroso e que sua meta seja alcançada da melhor forma.

Mas calma, o que mais distancia as pessoas de seu objetivo de emagrecer é achar que nunca mais comerão coisas gostosas, mas não é bem assim.

Um exemplo é esse picolé de baixa caloria, perfeito para dias de sol, viu? É possível comer coisas gostosas e saudáveis, e o melhor, práticas de fazer.

Os cuidados com o seu corpo não param por aí

Além da reeducação alimentar e dos exercícios físicos, que tal receber uma ajudinha de uma massagem que promete modelar o corpo?

Estamos falando da Massagem Modeladora! Ela é feita com movimentos vigorosos que atingem as camadas mais profundas da pele, o que resulta em:

  • Eliminação de toxinas pelos gânglios linfáticos;
  • Melhora na circulação sanguínea;
  • Melhora da oxigenação dos tecidos, do tônus muscular e da flacidez da pele;
  • Redução de gordura e medidas.

E você pode realizá-la aqui no Instituto Lerner, além de poder passar com um de nossos nutricionistas! Assim ficará fácil você conquistar aquele corpo que sempre sonhou e que você merece.

Aproveite a Primavera e floresça!

]]>
Recolocação através de Empresas especializadas - "Só que Não" http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/recolocacao-atraves-de-empresas-especializadas-so-que-nao/112801/ http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/recolocacao-atraves-de-empresas-especializadas-so-que-nao/112801/ Tue, 23 Oct 2018 12:52:11 -0300 Vitor Marques Recolocação através de Empresas especializadas - "Só que Não"

A prática de mercado nos últimos 20 anos onde algumas empresas especializadas ofertam serviços de recolocação profissional para candidatos que desejam essa assessoria, quer ainda trabalhando, quer em situação de desemprego tem mantido uma fórmula congelada no espaço e tempo.

A prática de mercado nos últimos 20 anos onde algumas empresas especializadas ofertam serviços de recolocação profissional para candidatos que desejam essa assessoria, quer ainda trabalhando, quer em situação de desemprego tem mantido uma fórmula congelada no espaço e tempo.

As técnicas utilizadas no início de suas atividades se mantem na sua maioria de forma inabalável, não acompanhando a evolução de mercado especialmente no que tange a amplitude de ferramentas de exposição pessoal profissional e de ofertas de oportunidades na rede. Afirmo tal situação por manter contato com inúmeros profissionais que tendo contratado esse tipo de serviço, e saibam que não é barato, estão a mercê de uma expectativa de recolocação que acaba não ocorrendo, e pior:

- Não recebem feedback do que é feito, como é feito e porque é feito.

Essas empresas fazem um social com os candidatos, os chamam para uma entrevista e reformatam currículos, depois disso informam que farão um trabalho de “divulgação” e blá...blá...blá..., a partir daí, deixam os seus Clientes sem informação, sem acompanhamento e sem retorno.

Não assumem riscos, porque na maioria das vezes recebem todo honorário no início do trabalho e a partir dai porque teriam que fazer mais alguma coisa?

Não há excelência nas suas atividades, não há respeito com o seu Cliente que coloca muitas vezes toda sua esperança nesse contrato firmado.

A comunicação evoluiu, o serviço de recolocação de profissionais deveria ter acompanhado isso e não ficar atuando em processos da década passada. Essas empresas não produzem ambiente simulado, não desenvolvem novas competências em seus Clientes, se limitam ao fazer a mesmice.

Um testemunho recebido hoje por mim relata uma frustração imensa de um desses clientes, pasmem que é uma reclamação de uma das mais antigas empresas desse segmento. Claro que no passado funcionou algumas estratégias dessas empresas, mas é nítido que hoje o mercado quer evolução e especialmente interação entre Empresa – Cliente (Candidato) e o Contratante. O depoimento que recebi diz:

“ Contratei a empresa XX para um processo de recolocação de meu filho, paguei todo o pacote e nada aconteceu, apenas uma entrevista, a reformatação de currículo e nada mais. Não sei se ofertaram o currículo de meu filho, claro que não sei onde e como estão trabalhando para efetivar a recolocação. Parece que sou mais um “pato” na malha deles – Estou decepcionado e desafeto”

Caros leitores e especialmente aqueles que buscam esse tipo de empresa, Cuidado! Tenha certeza do que é vendido e o que se entrega, não pague tudo por nada especialmente se isso for antecipado a entrega. Não desejo que a frustração chegue a você e especialmente num momento tão vulnerável, momento este muitas vezes aproveitado por essas empresas com “promessas” que nunca serão cumpridas.

Abraços a todos

Vitor Marques

Executivo de RH, Coach e Palestrante

]]>
A transformação do Aprendizado http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/a-transformacao-do-aprendizado/112800/ http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/a-transformacao-do-aprendizado/112800/ Tue, 23 Oct 2018 12:47:15 -0300 Vitor Marques A transformação do Aprendizado

O Ser Humano é diferenciado do restante dos animais pelo “poder” do Livre Arbítrio, ou seja, a capacidade de decidir o que quer e como quer, um dos exemplos é de que o homem é o único animal que faz greve de fome, nenhum outro animal faz isso, a razão para essa decisão é a capacidade do Livre Arbítrio. Nesse contexto cada dia mais o Ser Humano busca a felicidade e ao mesmo tempo se distancia dela

O Ser Humano é diferenciado do restante dos animais pelo “poder” do Livre Arbítrio, ou seja, a capacidade de decidir o que quer e como quer, um dos exemplos é de que o homem é o único animal que faz greve de fome, nenhum outro animal faz isso, a razão para essa decisão é a capacidade do Livre Arbítrio. Nesse contexto cada dia mais o Ser Humano busca a felicidade e ao mesmo tempo se distancia dela.


Vejamos: Atualmente a velocidade da informação, a necessidade da sobrevivência em um mundo cada vez mais caótico e que perde a cada segundo os recursos básicos para uma vida mais saudável, impacta o tempo, sim o tempo. Cada vez mais as pessoas são consumidas por tarefas fúteis, como por exemplo ficar boa parte do tempo em um celular visitando redes sociais e assim consumir o tempo bom, aquele que deveria ser dedicado as relações pessoais, a troca do calor humano, a identificação dos pequenos momentos felizes que todos nós podemos ter.

Saiba que em Harvard (USA), uma das mais prestigiadas universidades do mundo, o curso mais popular e bem-sucedido ensina as pessoas a aprender ser mais feliz. A aula de Psicologia Positiva ministrada por Sharar atrai mais de 1.400 alunos por semestre e mais 20% dos graduados em Harvard aceitam esse curso eletivo. De acordo com Sharar, a classe, que se concentra na felicidade, na autoestima e na motivação, dá aos alunos as ferramentas para ter sucesso e enfrentar a vida com mais alegria. Esse professor de 36 anos, considerado por alguns como “guru da felicidade”, destaca em sua aula dicas simples e especiais para melhorar a qualidade de nosso status pessoal e contribuir para uma vida positiva e consequentemente mais feliz.

Vou destacar aqui algumas dessas dicas e ao mesmo tempo convidá-lo a se auto avaliar como cada uma delas está sendo tratada em sua vida, vejamos:

Ø Acredite e agradeça sempre a Deus (seja qual nome você dê a Ele), agradeça por tudo que você tem, que conquistou e que é alavanca para continuar sua trajetória humana;
Ø Se alimente sempre muito bem, especialmente um café da manhã saudável e carregado de vitaminas. Se alimente bem e você terá um excelente humor;
Ø Gaste seu dinheiro em aprender, mas aprenda o que escolhe e não o que lhe é imposto. Viaje sempre que possível para lugares novos, faça cursos diferentes e exploratórios;
Ø Enfrente seus desafios, não fuja deles;
Ø Coloque em todos os lugares de seu convívio boas memórias, fotos, frases motivadoras e fotos de entes queridos. Inspire-se.
Ø Nunca deixe de cumprimentar as pessoas, mesmo aquelas que não conhece bem, seja bom com as pessoas, ajude-as sempre que possível;
Ø Ouça boa música, leia bons livros, assista bons filmes;
Ø Use sapatos confortáveis;
Ø Cuide de sua aparência, sinta-se belo, atraente;

Essas são algumas dicas ministradas e exploradas nesse curso da busca pela Felicidade e que todos nós de alguma forma e a nossa maneira podemos praticar. A vida em sí é chata: Acordar, comer, trabalhar, comer, dormir e blá, blá, blá), você é que deve colocar na sua rotina prazeres para ser mais feliz.

Você imagina que sua vida é controlada por um controle remoto e que as vezes o perdemos, não sabemos onde o deixamos, e o pior às vezes estamos sentados em cima dele, por isso esse artigo pode ser a luz para que o reencontre e faça diferente, seja feliz.

Se você faz as mesmas coisas todos os dias terá os mesmos resultados na mesma medida, é necessário sair da zona de conforto, procurar o que lhe dá mais vida, mais energia, mais vitalidade e por consequência o que o torna mais feliz. TRANSFORME TODOS OS DIAS EM DIAS NOVOS – SEJA FELIZ.

Vitor Marques - Executivo de RH, Coach e Palestrante

contato vitormarquesy@yahoo.com.br 

]]>
Working Hard versus Working Smart http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/working-hard-versus-working-smart/112795/ http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/working-hard-versus-working-smart/112795/ Tue, 23 Oct 2018 12:00:00 -0300 Paulo H Donassolo Working Hard versus Working Smart

Muitas pessoas sentem-se injustiçadas por trabalharem muito e não ser reconhecidas. Mas o ponto é que, cada vez mais, somos avaliados não pelo quanto trabalhamos mas sim pelo como trabalhamos para atingir os resultados.

Muitas pessoas acreditam que trabalham muito, muitas horas, muito tempo.


Mas o pior é que acreditam que por isso estão trabalhando bem.


A primeira questão que coloco é: o que é trabalhar bem?

Já ouvi muito, de muitas pessoas, que trabalha bem aquele profissional se dedica, trabalha, sai de casa cedo, volta tarde, fica muitas horas do seu dia, da sua vida dedicando-se ao trabalho, dá o sangue, veste a camisa… Este é o profissional que trabalha bem! Este é o bom profissional!


Será que isso é trabalhar bem? Será que o trabalhar duro é trabalhar bem?


Parte da responsabilidade por essa crença está na estrutura das empresas – e na legislação – que induz ao cumprimento de um horário de trabalho pré-definido. Muitas vezes aquele funcionário que chega no horário e sai depois do horário é bem avaliado porque é “responsável”, “dedicado” e “veste a camisa da empresa”.

Usando a área comercial, minha área, como exemplo, cansei de ouvir “saio cedo de casa, cumpro minha agenda de atendimento do dia, passo o dia inteiro na rua, faça calor ou frio, fico longe da família, enfrento essas estradas ruins, trabalho final de semana, chego no hotel à noite e ainda tem um monte de coisas para fazer,…”. E isso é usado como uma tentativa de justificar o empenho na realização do trabalho.


Pois bem, isso é Working Hard. É trabalho duro. 

É usar o tempo nas ATIVIDADES relacionadas à função.

MAS, de forma alguma isso é garantia de um BOM TRABALHO, de um BOM DESEMPENHO.

Trabalhar duro faz parte do processo, mas geralmente quem SÓ trabalha duro consegue resultados medianos, na média.

O que faz a diferença é o WORKING SMART.

Não é o quanto você trabalha que faz a diferença.

É de que forma você trabalha, o QUÃO INTELIGENTE é a sua forma de trabalhar.

NÃO É QUANTO TEMPO VOCÊ DEDICA AO TRABALHO MAS SIM DE QUE FORMA VOCÊ TRABALHA NESTE TEMPO!


Algumas pesquisas indicam que, em um dia de trabalho típico, somos produtivos em apenas DUAS HORAS E TRINTA MINUTOS. Ou seja, você fica 8 ou 9 horas no trabalho, mas só trabalha mesmo 1/3 deste tempo!


Usando como exemplo um dia típico de um vendedor: sai de casa de manhã e vai atender, não visitar, mas atender o primeiro cliente do dia. Fica meia hora na sala de espera, mais 10 minutos de conversa sobre assuntos genéricos, o famoso quebra-gelo, e então partem para a negociação: as reclamações do comprador sobre o giro do seu produto, do seu preço que está mais alto que a concorrência, sobre o mercado que está ruim, as ameaças de tirar seu produto de linha, etc. Assim você se vê forçado a oferecer alguma vantagem (geralmente desconto, bonificação, prazo) para que consiga sair com um pedido. Isso leva mais aproximadamente 20 minutos até você sair com o pedido de reposição em mãos. O tempo total de atendimento a este cliente: uma hora. Tempo total de trabalho efetivo: 20 minutos, sem contar deslocamentos.


Dessa forma você conseguiu vender, a média, um pedido de reposição, mas teve que conceder algo porque “o cliente nem iria comprar se eu não fizesse isso”. E essa forma de atendimento se repete em outros 5 ou 6 clientes ao longo do dia.


Ao final do dia você está exausto, “estressado” e de “saco cheio” de tanto ouvir as mesmas reclamações de seus clientes e de receber as mesmas pressões de seu chefe. Sim, você conseguiu vender, trabalhou duro, cansou, e só. Só isso!


No futebol costuma-se chamar de jogador inteligente aquele que antevê a jogada, encurta os caminhos, chega antes na bola, faz os companheiros chegar antes também, faz o passe no espaço vazio ao alcance do companheiro que está chegando… e isso é resultado da soma da capacidade do jogador e dos treinamentos realizados antecipadamente (será que dá para chamar esses treinamentos de planejamento?)


WORKING SMART – Trabalhar de uma forma inteligente – é, antes de você chegar ao cliente, já ter em mãos as informações que necessita para apresentar suas propostas de vendas: Seu estoque, giro de produtos, preços de concorrentes, preços e promoções que praticou na última negociação e, principalmente, as suas propostas estruturadas e planejadas.

Sim, SUAS PROPOSTAS, no plural, em negrito e maiúsculo. De posse de todas as informações você precisa traçar seus planos para aquela negociação.

O que você irá oferecer, em quais produtos, o que pedirá em contrapartida, quais ações de trade-marketing irá realizar,… MAIS DE UMA PROPOSTA porque se o comprador negar a primeira, você terá a segunda, a terceira….

Assim você já terá calculado e planejado seu espaço de manobra, suas ofertas, suas exigências, já terá negociado com sua empresa as possibilidades… Poderá levar ao seu cliente SOLUÇÕES e não apenas a sua presença.

WORKING SMART é ter uma ROTINA de trabalho definida e implementada.

É ter uma ROTINA DE EXECUÇÃO do seu dia, da sua semana.

Working Hard também é importante.

Mas o fundamental é o WORKING SMART, e para isso a palavra chave é PLANEJAMENTO e sua irmâ siamesa: EXECUÇÃO.

BOM TRABALHO!

 

]]>
Sociedade do conhecimento: análise, síntese e controle de feedback http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/sociedade-do-conhecimento-analise-sintese-e-controle-de-feedback/112799/ http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/sociedade-do-conhecimento-analise-sintese-e-controle-de-feedback/112799/ Tue, 23 Oct 2018 11:10:00 -0300 Cláudio Márcio Araújo da Gama Sociedade do conhecimento: análise, síntese e controle de feedback

O trabalho do conhecimento precisa de projetos muito melhores, exatamente porque não pode ser projetado para o trabalhador. Só pode ser projetado pelo trabalhador

A coisa mais importante que se sabe é que trabalho e execução do trabalho são fenômenos fundamentalmente diferentes. O trabalhador efetivamente trabalha, ou seja, faz o trabalho; e o trabalho é sempre feito por um trabalhador que o está executando. Mas o necessário para tornar o trabalho produtivo é muito diferente do necessário para tornar o trabalhador realizador. Portanto, o trabalhador deve ser gerenciado de acordo com a lógica do trabalho produtivo é muito diferente do necessário para tornar o trabalhador realizador. Portanto, o trabalhador deve ser gerenciado de acordo com a lógica do trabalho e conforme a dinâmica da execução do trabalho. A satisfação pessoal do trabalhador sem o trabalho produtivo é fracasso; mas também é fracasso o trabalho produtivo que destroi a capacidade de realização do trabalhador. Nenhuma das duas, efetivamente, é sustentável por muito tempo.

 

O trabalho é impessoal e objetivo. O trabalho é uma tarefa. É algo. Trabalhar, portanto, atoda a regra que se aplica a abjetos. O trabalho tem lógica. Exige análise, síntese e controle.

 

Como ocorre com todo fenômeno do universo objetivo, o primeiro passo para a compreensão do trabalho é analisá-lo. Isso, como Taylor constatou há mais de um século, significa identificar as operações básicas, analisar cada uma delas e arranjá-las em sequência lógica, equilibrada e racional.

 

Taylor trabalhou, evidentemente, com operações manuais. Mas as análises de Taylor também se aplicam ao trabalho mental e até ao trabalho totalmente intangível. O esboço ou resumo que se sugere ao escritor novato antes de iniciar seu livro é, com efeito, administração científica. E o exemplo mais avançado e mais perfeito de administração científica não foi desenvolvido pelos engenheiros industriais nos últimos cem anos. é o alfabeto, com o qual se pode escrever todas as palavras de uma língua com uma pequena quantidade de símbolos repetitivos e simples.

 

Mas, então, e Taylor não se deu conta disso, o trabalho tem de ser sintetizado novamente. É preciso integrá-lo em um processo. A afirmação se aplica não só ao trabalho individual, mas também, acima de tudo, ao trabalho de um grupo, ou seja, a um processo de trabalho. Há a necessidade de princípios de produção que possibilitem ao administrador saber como integrar operações individuais em trabalhos individuais em produção.

 

Alguns dos pioneiros contemporâneos de Taylor, especialmente Gantt, se deram conta dessa realidade com clareza. O Gráfico de Gantt, em que os passos necessários para a realização de um trabalho final são desenvolvidos de frente para trás, passo a passo, do resultado final para as ações, com as especificações de tempos e sequências, embora criado durante a Primeira Guerra Mundial, ainda é a ferramenta de que se dispõe para identificar o processo necessário à realização de uma tarefa, seja a produção de um par de sapatos, seja a descida de uma tripulação na Lua ou a composição de uma ópera. inovações recentes, como o gráfico PERT, a análise do caminho crítico e a análise de redes, são elaborações e extensões do trabalho de Gantt.

 

Mas o Gráfico de Gantt diz muito pouco sobre a lógica adequada a determinados tipos de processos. Ele é, por assim dizer, a tabuada de multiplicação do projeto do trabalho, que não diz nem mesmo quando multiplicar, que dirá do propósito dos cálculos.

 

Finalmente, o trabalho, exatamente por ser um processo, não uma operação individual, necessita de controles implícitos. Também precisa de mecanismos de feedback, que não só detecte desvios inesperados, mas também, com base neles, mude o processo, de maneira a mantê-lo no rumo e nos níveis necessários para obter os resultados almejados.

 

Esses três elementos - análise, síntese em um processo de produção e controle de feedback - são sobremodo importantes no trabalho do conhecimento, pois este, por definição, não resulta em produto, mas, sim em contribuição de conhecimento para outra pessoa. O output do trabalhador do conhecimento sempre se converte em input para outra pessoa. Portanto, não é evidente em si mesmo, no trabalho do conhecimento, ao contrário de quando se faz um par de sapatos, se ele realmente gera resultados. Chega-se a essa conclusão apenas pela visão retrospectiva, a partir dos efeitos finais alcançados. Ao mesmo tempo, o trabalho do conhecimento, por ser intangível, não é controlado pelo próprio progresso. Não se sabe a sequência do trabalho do conhecimento da maneira como se sabe - ao mesmo desde Taylor e Gantt - a sequência das operações manuais. Portanto, o trabalho do conhecimento precisa de projetos muito melhores, exatamente porque não pode ser projetado para o trabalhador. Ele só pode ser projetado pelo trabalhador Outras informações podem ser obtidas no livro Fator humano e desempenho, de autoria de Peter F. Drucker.

]]>
Como eu consigo mais do que $500,000 equivalente a tráfego grátis todo mês no meu site http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/como-eu-consigo-mais-do-que-500000-equivalente-a-trafego-gratis-todo-mes-no-meu-site/112738/ http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/como-eu-consigo-mais-do-que-500000-equivalente-a-trafego-gratis-todo-mes-no-meu-site/112738/ Tue, 23 Oct 2018 09:00:00 -0300 Neil Patel Como eu consigo mais do que $500,000 equivalente a tráfego grátis todo mês no meu site

Você sabe que eu recebo muito tráfego, mas você sabe o quanto eu REALMENTE recebo?

 

"A primeira coisa que você precisa saber é que é um processo."

 

Você sabe que eu recebo muito tráfego, mas você sabe o quanto eu recebo?

O tráfego que eu recebo é tanto que vale mais do que $500,000 por mês.

Não acredita em mim?

Vá para o semrush.com e coloque neilpatel.com.

Você vai ver aí mesmo que eu estou recebendo mais do que $500,000 dólares equivalentes a tráfego todos os meses de graça.

Olá pessoal, eu sou Neil Patel e hoje eu vou compartilhar com vocês como conseguir mais do que $500,000 dólares equivalentes a tráfego para o seu site todos os meses de graça.

A primeira coisa que você precisa saber é que é um processo.

Você não vai receber esse tráfego de um canal.

É por isso que eu faço e-mail marketing, SEO, marketing de conteúdo, marketing de mídias sociais.

É uma combinação de todos os canais por aí.

Se você não está aproveitando todos os canais existentes, então você não vai receber muito tráfego consistentemente.

Sabe, você vai ter dias onde o LinkedIn te envia muito tráfego e você vai ter dias onde você está se dando muito bem no Google, mas tudo muda constantemente.

Quando você fizer uma combinação de tudo, você vai descobrir que tem muito mais estabilidade e você continuamente vai receber mais e mais tráfego consistentemente.

Então, a primeira coisa, como eu mencionei, é aproveitar todos os canais principais existentes.

A segunda coisa que você precisa saber é:

Você deve produzir conteúdo incrível.

Sim, você pode ter suas próprias ideias do que é incrível e outras pessoas têm as ideias delas.

Quem está certo e quem está errado?

Bom, eu sinto muito informar mas o que você acha incrível na verdade não importa.

Tudo o que importa é o que os seus visitantes acham incrível.

Então você vai para o Buzzsumo.

Você coloca as URLs dos seus concorrentes e vê o que está direcionando tráfego e o que não está.

Faça mais das coisas que estão gerando tráfego para eles, certo?

Porque se algo está funcionando para os seus concorrentes, as chances são de que vai funcionar para você também.

Por que recriar a roda quando você pode simplesmente pegar o que está funcionando no seu espaço e refazer?

Então, se os seus concorrentes escreveram um artigo sobre dez maneiras de conseguir mais tráfego com SEO, escreva um artigo sobre 101 maneiras de conseguir mais tráfego com SEO.

Eu não estou dizendo para copiar eles.

Eu estou dizendo para ultrapassar eles.

Faça algo muito melhor.

Tanto que eles ficariam tipo: "Wow, se eles escreveram 15 maneiras de conseguir mais tráfego, nós poderíamos escrever 20",

Mas você sabe de algo?

Eles vão ficar tipo: "Bom, nós escrevemos 10 maneiras de conseguir mais tráfego.

O Neil escreveu 101 maneiras. Nah. Eu não quero criar 200 maneiras. Isso é simplesmente muito trabalho."

Ao ser super completo e ao superar as expectativas, ninguém vai te copiar e você vai se dar bem.

O próximo passo que eu tenho para você é: vá dar uma olhada no seu Google Analytics.

O seu Google Analytics te mostra suas páginas mais populares.

Vá criar mais das páginas que já são populares no seu site.

Então, se você notar que todos os seus artigos sobre SEO são populares, vá escrever mais artigos de SEO.

Se você notar que todas as páginas sobre marketing de mídias sociais são populares, então faça isso.

É assim que você cria mais tráfego.

É fazendo as coisas que estão funcionando.

O próximo passo é criar uma comunidade.

Desde a sua página do Facebook até a sua lista de e-mail, esteja presente.

Quando os membros da sua comunidade precisarem de ajuda,

é melhor que você esteja os ajudando.

Quando eles não precisam de ajuda, é claro que você ainda deve estar lá se comunicando com eles e ainda tentando ajudá-los.

Ao criar essa comunidade, enviar e-mail continuamente, ajudar elas, nutrindo sua lista de e-mail, você vai construir uma comunidade próspera que sempre vai estar lá promovendo o seu conteúdo.

E por último, mas não menos importante, se envolva na web social.

Eu não estou falando simplesmente sobre estar no Facebook ou estar no Twitter.

Você já sabe disso.

Mas sabe de algo?

Eu aposto que não está funcionando bem para você.

Se estivesse você já estaria recebendo muito tráfego.

Mas você não está participando.

Quando alguém deixa um comentário na sua página do Facebook, por que você não está respondendo?

Se você não responder, ninguém vai se importar contigo.

As pessoas não terão nenhum motivo para continuarem retornando.

Mas, se você mostrar que se importa e que está disposto a ajudar as pessoas, então elas vão voltar e vão investir tempo e esforço para ler suas coisas,

para ganhar conhecimento de você, para contar aos outros como você é incrível.

Mas, se você não está as ajudando, elas não têm nenhum motivo para se manterem por perto.

Então, vá para os seus perfis sociais.

Participe.

Não fale somente sobre o seu negócio.

Fale sobre outras coisas que engajam elas, que as ajudam.

O que importa é construir uma comunidade.

Faça todas essas coisas e você vai gerar mais do que meio milhão de dólares equivalentes a tráfego grátis todo mês, assim como eu.

 

 

]]>
Organização do trabalho: conhecimento acadêmico versus experiência profissional http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/organizacao-do-trabalho-conhecimento-academico-versus-experiencia-profissional/112796/ http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/organizacao-do-trabalho-conhecimento-academico-versus-experiencia-profissional/112796/ Tue, 23 Oct 2018 09:00:00 -0300 Cláudio Márcio Araújo da Gama Organização do trabalho: conhecimento acadêmico versus experiência profissional

O gestor precisa gerenciar a realidade do presente e por em ação o pouco que se sabe. Deve garantir a produtividade do trabalho e a capacidade de realização do trabalhador.

O trabalho é atividade fundamental para a consciência humana desde temos imemoriais. O ser humano não é definido coo fabricante de ferramentas, mas a produção de ferramentas e a adoção de métodos de trabalho sistemáticos, deliberados e organizados são características específicas e singulares da atividade humana. O trabalho, portanto, há milênios é objeto de interesse profundo.

 

E o que sempre foi objeto de interesse profundo se tornou ainda mais central com a Revolução Industrial. As teorias econômicas e sociais dos últimos duzentos e cinquenta anos giram em torno do trabalho.

 

No entanto, por mais fundamental que tenha sido o trabalho durante todo esse tempo, o estudo organizado só começou nas últimas décadas do século dezenove. Frederick W. Taylor foi a primeira pessoa na história escrita a considerar o trabalho merecedor de observação e de estudo sistemático. Deve-se, acima de tudo, à administração científica de Taylor o tremendo surto de afluência dos últimos cem anos, que ergueu as massas trabalhadoras ao mundo desenvolvido bem acima de qualquer nível registrado antes, mesmo para os bem de vida. No entanto, Taylor, mesmo tendo sido o Isaac Newton ( ou, talvez o Arquimedes ) da ciência do trabalho construiu apenas os primeiros alicerces. e pouco se erigiu sobre eles desde então.

 

O trabalhador tem recebido ainda menos atenção - e o trabalhador do conhecimento, até agora, quase nada. Retórica há muita, mas os estudos se restringem a apenas alguns aspectos do trabalho.

 

Há a psicologia industrial, tratando das relações de coisas como iluminação, ferramentas e velocidade das máquinas, projeto do local de trabalho, e assim por diante, com o ser humano na condição de trabalhador. Nessa área, os trabalhos fundamentais foram realizados durante os primeiros aos do século vinte, nos estudos sobre fadiga e visão de Hugo Muenstemberg, alemão nato, psicólogo de Harvard. Cyril Burt, inglês, poderia ser chamado o pai da psicologia industrial. Durante a Primeira Guerra Mundial, ele estudou as aptidões, ou seja, as relações entre as demandas de um trabalho manual específico e as habilidades físicas, a coordenação motora e as reações dos trabalhadores individuais. Finalmente, no começo do século vinte, o australiano nato Elton Mayo, trabalhando basicamente em Harvard, desenvolveu as relações humanas, ou seja, o estudo das interações das pessoas que trabalham juntas - embora o trabalho de relações humanas em si, em contexto mais amplo, ou seja, a tarefa a ser feita, quase não tenha recebido atenção.

 

A totalidade trabalhador e execução do trabalho, a totalidade tarefa e emprego, a percepção e a personalidade, a comunidade do trabalho, as recompensas e as relações de poder praticamente não receberam atenção. É possível que tudo isso seja complexo demais para chegar a ser efetivamente compreendido.

 

Mas o gestor não pode esperar que os cientistas e os acadêmicos façam a sua parte. Tampouco o trabalhador. O gestor precisa gerenciar a realidade do presente e por em ação o pouco que se sabe. O gestor deve garantir a produtividade do trabalho e a capacidade de realização do trabalhador. Portanto, convém definir o que é sabido sobre o trabalho e sobre a execução do trabalho. Outras informações podem ser obtidas no livro Fator humano e desempenho, de autoria de Peter F. Drucker.

]]>
Segurança Digital - The Final Frontier http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/seguranca-digital-the-final-frontier/112794/ http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/seguranca-digital-the-final-frontier/112794/ Tue, 23 Oct 2018 07:43:19 -0300 José Carlos Castello Branco Segurança Digital - The Final Frontier

Hoje, sobretudo o setor financeiro sofre prejuízos na casa dos bilhões de dólares com fraudes. Mas isso vai acabar.

O setor financeiro passa por mudanças profundas, que muitas vezes parecem coisa de ficção cientifica.


Algumas perguntas deverão ser respondidas:
• Como essa massiva troca de informações e o progresso tecnológico poderão ser confiáveis e seguros?
• Qual será a solução para abraçar tantas transformações e mudanças?
• Como fornecer segurança para tanta gente em serviços vitais?
• Como harmonizar espaços físicos e digitais de forma segura?


Ainda que pareçam perguntas sem respostas, há uma possível saída para isso.
A rápida digitalização está acelerando a mudança no setor financeiro, permitindo que bancos e instituições financeiras em todo o mundo adotem métodos seguros e flexíveis para que os clientes acessem seus serviços, ao mesmo tempo em que a segurança vai além dos simples protocolos de nome de usuário e senha. Garantir a segurança e disponibilidade dos serviços é essencial para que as instituições financeiras melhorem sua eficiência, bem como a efetividade de seus negócios, e ofereçam serviços precisos e consistentes a seus clientes.


Conforme os serviços financeiros se aproximam de ter uma abordagem digital prioritária, é necessário que instituições bancárias e financeiras protejam usuários finais de atividades fraudulentas e estabeleçam confiança e sobretudo segurança no espaço virtual. Proteger os dados bancários dos clientes e oferecer uma experiência móvel segura são elementos críticos para a adoção de sistemas de segurança digital aliadas a IA-Inteligência Artificial no setor financeiro. Para resolver problemas como práticas bancárias maliciosas e ainda oferecer uma experiência superior ao cliente, as instituições financeiras deverão sair do trivial login com usuário e senha (numérica e/ou silábica) e ousar um pouco mais no campo da biometria.


Imagine conseguir pagar suas compras e fazer transferências financeiras com segurança, sem ter de se lembrar de senhas.
Cada corpo humano tem características únicas, e a biometria torna-se uma opção mais e mais presente para garantir comodidade às pessoas e integridade às transações.

A sociedade se transforma a cada a dia: a população cresce de maneira exponencial, e torna-se mais urbana, podendo chegar a 10 bilhões de pessoas em 2050. E a bancarização deste contingente vem a reboque de tudo isto. Pode-se dizer que segurança e tecnologia de ponta são a chave para o sucesso da troca de informações rápida e descentralizada.
O mercado financeiro já vivencia essa transformação, em que processos são simplificados, o acesso é massivo e a conectividade é a palavra de ordem

AUMENTO NAS FRAUDES E PAGAMENTOS

As instituições financeiras têm buscado formas de abordar os crescentes riscos de transações fraudulentas, à medida que canais bancários se tornam o maior alvo de fraudadores. A Frost & Sullivan estima que os casos globais de fraude em pagamentos ultrapassem os US$ 8 bilhões em 2021, registrando uma taxa de crescimento anual composto de 10,2% de 2017 a 2021. O aumento das fraudes financeiras e o roubo de identidade bancária exigem métodos mais rigorosos e eficazes na identificação dos clientes.


BENEFÍCIOS DA BIOMETRIA


Ao pensar na biometria para o mercado financeiro, podem-se encontrar méritos positivos tanto para a empresa quanto para os clientes.
Utilizando a possibilidade de reconhecimento facial, de íris e de digitais de maneira integrada em todos os seus sistemas, as empresas enfrentam a ameaça iminente no mundo virtual, mas também garantem altos níveis de experiência do cliente.
O amplo uso da biometria permite que bancos e instituições financeiras garantam maior segurança, além de oferecer conveniência e facilidade de serviços bancários para os clientes.
Em uma só agência bancária, por exemplo, a análise de vídeo pode ajudar a instituição a detectar pessoas suspeitas previamente cadastradas no sistema; reconhecer objetos abandonados ou esquecidos, gerenciar grandes multidões ou, ainda, coordenar as filas e o atendimento em caixas eletrônicos.
Aliado a essa tecnologia, o reconhecimento facial amplia ainda mais os benefícios para empresas e clientes. Ele pode facilitar, dentre outras coisas, o acesso ao caixa eletrônico, integrar com funções em aplicativos e promover uma customização em toda a experiência da pessoa na agência. Apesar de parecer futurista já há bancos, como por exemplo o OCBC Bank de Cingapura valendo-se desta tecnologia.

 

DESAFIOS A SEREM SUPERADOS


É preciso que as instituições deixem de ter apenas usuário e senha como únicas barreiras entre o cliente e todas as suas informações. Isso é determinante para que se minimize ou extingue de fato eventos de fraude. Não podemos arcar com custos altíssimos de indenização a clientes.
Os bancos precisam de ferramentas que unam várias demandas numa só, com a unificação dos mundos físico e digital por meio de soluções que tragam segurança, eficiência e comodidade, tendo em mente as necessidades da sociedade.
Caixas eletrônicos, por exemplo, podem apostar no reconhecimento facial. O mesmo vale para aplicativos de bancos, que devem contar com reforços de segurança.
Agências físicas podem usar, de maneira mais coesa e integrada, os sistemas de reconhecimento de público para realizar a integração entre o ambiente digital e o físico, criando uma identidade virtual que impeça fraudes em qualquer processo que os serviços financeiros permitem.

]]>