Administradores.com - Notícias http://www.administradores.com.br/ Últimas notícias do Administradores.com pt-br Copyright 2017 Sat, 24 Jun 2017 10:08:11 -0300 Startups: como fazer o negócio dar certo //www.administradores.com.br/noticias/empreendedorismo/startups-como-fazer-o-negocio-dar-certo/119760/ //www.administradores.com.br/noticias/empreendedorismo/startups-como-fazer-o-negocio-dar-certo/119760/ Sat, 24 Jun 2017 10:08:11 -0300 Redação Startups: como fazer o negócio dar certo

Porcentual de sobrevivência ainda é baixo no Brasil

As startups continuam sendo as apostas do mundo dos negócios e vêm ganhando cada vez mais espaço e incentivo no Brasil: neste mês de junho, a Financiadora de Pesquisas e Estudos (Finep), do Ministério da Ciência e da Tecnologia, anunciou um plano para investir em pelo menos 50 startups no país que faturem até 3,6 milhões anuais (cada uma receberá até R$ 1 milhão). Fomentar o mercado é essencial, porém, é preciso estratégia além do capital para sobreviver — pesquisa do Sebrae mostra que 50% das startups no Brasil morrem em menos de cinco anos.

São vários fatores que levam a esse alto porcentual, mas há quatro principais, diz o professor de estratégia e inovação do ISAE — Escola de Negócios, Sérgio Itamar: produtos pouco criativos, capital insuficiente/ausência de viabilidade do negócio, sócios sem sintonia e equipe despreparada. “Ainda há uma falta de preparo do empreendedor para o mundo dos negócios. Uma preparação adequada economiza muito tempo e dinheiro. O empreendedor não pode negligenciar o estudo e a sua preparação como executivo, inclusive buscando experiências anteriores”, salienta.

Como a startup já nasce com vocação para grandes proporções e alcance, os erros podem causar impactos significativos, salienta Itamar. “Os erros de gestão e estratégia, na administração e no controle e prioridade de gastos e fluxo financeiro e no acordo com acionistas devem ser tratados com o devido cuidado”, comenta o professor.

O que fazer

Sérgio Itamar frisa que o empresário que começou uma startup deve buscar em primeiro lugar uma organização de apoio a empreendedores — o ISAE, por exemplo, conta com o programa Aceleradora ISAE Business, que apoia projetos e empresas de alunos com ações que incluem networking, capacitação e mentoria, realizada por profissionais, consultores e professores da instituição (todos os anos é aberta também uma vaga para a comunidade). “Consulte empreendedores com experiência e aprenda o máximo que puder. Um empreendedor de sucesso jamais deixa de aprender e buscar fontes de aperfeiçoamento. Seja humilde em admitir e buscar o conteúdo que lhe falta”, frisa o professor.

Itamar lembra: o empreendedorismo é, acima de tudo, uma postura. “Então, apesar da importância indelével do preparo pessoal e das competências administrativas, é preciso realizar, fazer acontecer. Não esquecer de seu papel na liderança e protagonismo nessa aventura pelo mundo dos negócios”, completa o especialista.

]]>
iStock
Qual a sua produtividade por segundo rodado? //www.administradores.com.br/noticias/carreira/qual-a-sua-produtividade-por-segundo-rodado/119759/ //www.administradores.com.br/noticias/carreira/qual-a-sua-produtividade-por-segundo-rodado/119759/ Sat, 24 Jun 2017 08:12:22 -0300 Raul Cesar Qual a sua produtividade por segundo rodado?

Estamos caminhando cada vez mais para uma sociedade que não se preocupa mais em “quem sou”, mas “o que posso fazer melhor”

Sempre procurei ser um colaborador eficiente, no entanto, até pouco tempo, eu centralizava todas as atividades em mim, sem delegar. De fato, eu conseguia entregar o que era requisitado, às vezes de maneira rápida ou com o prazo estourado, mas sem o acabamento adequado. Essa publicação começa em formato de confissão, afinal foi um dos meus grandes desafios nos últimos anos, delegar! Passar pela disruptura de abrir mão do “Ei, mas só eu sei fazer isso assim”. Assim consegui produzir mais e melhor.

Envolto em um ambiente de tecnologia e inovação, hoje eu vejo que acabei acertando em corrigir isso o quanto antes. Cada dia mais eu vejo o discurso da colaboração social, team work online, empresas planas (sem hierarquia) que apostam na inovação e no erro controlado para conquistar coisas novas. Isso só é possível quando os CEOs abrem mão de ter direito e razão e decidem permitir-se que as ideias venham de outras formas.

David Velez, CEO da Nubank, comentou recentemente em uma entrevista que nas empresas financeiras tradicionais seus concorrentes tomam decisões porque alguém diz: “Eu tenho 40 anos de experiência nisso, por isso digo que o caminho que devemos seguir deve ser esse”. Já na Nubank, empresa que ele lidera, ninguém poderia tomar decisões assim porque poucos tem sequer 40 anos de vida, em compensação seus colaboradores de 25 nacionalidades diferentes estão envoltos em uma gestão que delega as ideias... Então eu me pergunto: e a capacidade de tomada de decisão, e o resultado? Bom, o Nubank tem uma fila de espera de 70 mil pessoas querendo ser clientes de seu cartão de crédito.

O ganho de produtividade é imenso. Em vez de você ser o único responsável por fazer a máquina rodar, o todo trabalha em conjunto por você. Empresas de tecnologia criam células de conflito de propósito, a diversidade de opiniões gera conflito automaticamente, mas o saldo final é inovação. Passo por esta experiência todo dia. No meu ambiente corporativo temos colaboradores de vários níveis de graduação, idades, com pouca e muita experiência. Como trabalhamos todos juntos sem divisória ou salas, já nos deparamos com problemas da engenharia que foram sanados pelo marketing, ou ainda, com o comercial que foi atendido diretamente pelos CEOs que compartilham do mesmo espaço.

Estamos caminhando cada vez mais para uma sociedade que não se preocupa mais em “quem sou”, mas “o que posso fazer melhor”. Recentemente, também em uma entrevista, Wilson Ferreira JR, presidente da Eletrobrás, conta que assumiu há seis meses uma estatal com uma dívida 9 vezes maior que seu ebitda (geração operacional de caixa da companhia), por quê?! “Primeiro foi a honra do convite. Eu sou do tempo em que se você fosse chamado para a seleção brasileira, ficaria orgulhoso, receber o convite para a Eletrobrás me fez sentir da mesma forma”, comentou Wilson na matéria, e qual a primeira frase que ele menciona na reportagem como sendo seu plano de ação para mudar a empresa?! “Nós precisamos implementar uma mudança cultural... Mobilizar as pessoas para encontrar uma solução. A solução está lá dentro”.

Se os CEOs não forem os grandes agentes da mudança, começando por delegar a inovação e tomada de decisão e passando a gerenciar erros controlados, de fato, não haverá relógio que dê conta de tudo o que precisará ser feito para atingir resultados satisfatórios. Todo grande líder compreende que precisa de um grande time e um grande time precisa de autonomia aliada à confiança de seus gestores para executar tarefas com responsabilidade. Conseguir formar um time de alta performance, com certeza vai fazer você ser mais produtivo do que sozinho embebido em suas certezas e afirmações. Talvez o primeiro passo seja como disse o próprio David Velez: "Contrate pessoas que tem a cabeça muito aberta e cheias de perguntas, do que pessoas que tem muita experiência e a cabeça cheia de respostas”.

*Raul Cesar é Sales Specialist da startup curitibana Winov 

]]>
iStock
Quais são os principais erros que afastam os clientes? //www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/quais-sao-os-principais-erros-que-afastam-os-clientes/119803/ //www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/quais-sao-os-principais-erros-que-afastam-os-clientes/119803/ Fri, 23 Jun 2017 17:30:01 -0300 Carlos Cruz Quais são os principais erros que afastam os clientes?

Trabalhar com pessoas exige delicadeza, algumas medidas e cuidados são essenciais para obter sucesso na área

Uma das principais missões de um profissional de vendas é atrair a atenção de um consumidor. No entanto, uma questão muito comum nessa área é: como fazer para que os clientes não saiam correndo do seu negócio?

Trabalhar com pessoas exige delicadeza, algumas medidas e cuidados são essenciais para obter sucesso na área. Para isso, é necessário, primeiramente, saber que para vender é preciso ir muito além de uma conversa superficial. Abaixo, listo cinco erros fatais, que podem fazer o comprador ir buscar a solução que procura na loja ao lado:

Falta de empatia - Crie identificação com o comprador e transmita boa impressão. Cuide da aparência e aja de acordo com o perfil de cada cliente para inspirar as compras. As pessoas têm tendência em confiar e se relacionar com quem possui algo em comum com elas;

Não seja muito invasivo - Pergunte, mas também saiba ouvir. Fuja do monólogo, busque sempre o diálogo e nunca se esqueça de que cautela é essencial. Entenda o que o cliente quer e trabalhe para resolver os seus problemas. Lembre-se que o vendedor é um solucionador e ajuda quem o procura a suprir necessidades e realizar sonhos.

Os clichês - Ao contrário do sucesso, jargões, exageros, mentiras e falar demais podem atrapalhar a negociação. A sinceridade é muito mais bem vista e aceita pelos clientes que uma simpatia exagerada, que soa como falsidade. Portanto, saiba usá-la moderadamente.

Despreparo e insegurança - Estude sempre e busque profissionalização. Mantenha-se informado sobre os produtos que vende e os mercados nos quais estão inseridos, participe de palestras e cursos preparatórios, leia obras importantes na área e fique antenado às tendências e acontecimentos.

Carlos Cruz - Diretor do Instituto Brasileiro de Vendas (IBVendas) - www.ibvendas.com.br

]]>
Pesquisa aponta que empresas brasileiras dedicam 40% das ações de treinamentos para a sua liderança //www.administradores.com.br/noticias/carreira/pesquisa-aponta-que-empresas-brasileiras-dedicam-40-das-acoes-de-treinamentos-para-a-sua-lideranca/119800/ //www.administradores.com.br/noticias/carreira/pesquisa-aponta-que-empresas-brasileiras-dedicam-40-das-acoes-de-treinamentos-para-a-sua-lideranca/119800/ Fri, 23 Jun 2017 17:13:11 -0300 Redação Pesquisa aponta que empresas brasileiras dedicam 40% das ações de treinamentos para a sua liderança

Peça chave nas empresas, o líder é responsável por retenção de talentos e turnover de colaboradores

Todos os dias, os colaboradores de uma empresa têm a oportunidade de criar valor para os clientes, mas eles não podem tomar todas as decisões sozinhos. Precisam de condução de um líder.

Certos de que esse é o melhor caminho para alcançar o resultado esperado, cada vez mais empresas estão apostando no treinamento de seus líderes. De acordo com a última pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD), cerca de 40% das ações de treinamento são destinadas para líderes.

Para Alexandre Slivnik, especialista em gestão de pessoas e em excelência e atendimento pela universidade de Harvard e diretor executivo da ABTD, o resultado da pesquisa aponta a conscientização estratégica sobre a real importância do papel do líder. “Ele é o primeiro que deve estar certo com relação ao futuro. Se criar um ambiente incerto, o que geralmente ocorre em tempos de crise como o que já vem ocorrendo, toda sua equipe ficará insegura. Mesmo com medo, um líder necessita transmitir segurança em relação ao que está fazendo e de que o caminho escolhido, está certo”, destaca.

Quando uma liderança não desempenha o seu papel corretamente, pode resultar em incertezas diante da equipe ocasionando perda de foco, queda na produtividade e falta de engajamento. “Nas organizações, quando há muito turnover de colaboradores, com baixa retenção de talentos, muitas vezes isso é consequência direta da atuação do líder. O colaborador em geral não pede demissão da empresa e sim do seu chefe. Está formando então um cenário que pode proporcionar uma desmotivação em massa, além de uma provável desestruturação”, pontua o diretor da ABTD.

O especialista separou cinco lições de como liderar, para que as empresas possam superar desafios e conquistar clientes em momentos de adversidades:

Faça a sua equipe acreditar em você

Acredite na história da sua organização e a use para influenciar a todos. Se a pessoa que trabalha com você não acredita nisso, é porque acabou. Por isso, é preciso saber qual a visão, missão e valores que sustentam a empresa. A Disney, por exemplo, que é a empresa mais amada do mundo, tem um propósito de criar felicidade, e todos entraram nela.

Antecipe-se aos problemas

Todas as organizações e pessoas enfrentam problemas, diariamente. Para que você possa trabalhar com excelência, é preciso não somente resolvê-los da melhor forma possível, mas antecipar-se a eles. Dessa forma, vai sempre surpreender e ir além. Tudo deve ser problema de todos, sempre. Por isso, ouça seus clientes internos e externos, tenha diversos pontos de escuta. Receba críticas e saiba oferecer soluções.

Exceda as expectativas

Crie a magia no ambiente de trabalho, oferecendo sempre um pouco mais do que os clientes querem, ou seja, criando experiências inesperadas para eles. É importante entender o que, de fato, sua organização fornece. Em outras palavras, qual o impacto emocional que o seu produto ou serviço proporciona, como faz isso, para quem e quais meios usa. Sempre tenha em mente que todos são únicos e importantes.

Cuide obsessivamente dos detalhes

Estar atento aos detalhes é algo que traz resultados palpáveis. Se você tiver esse cuidado, a sua empresa vai ganhar sempre. Toda a vez que um cliente entrar em contato com a sua organização, você tem a oportunidade de criar valor.

Celebre cada sucesso

Comemore cada resultado sempre. A energia positiva que vem de uma celebração se espalha e contagia todos que estão a sua volta. A energia de cada vitória ajuda a enfrentar a próxima batalha. Não perca a chance de celebrar suas conquistas, vitórias e superações. Isso alimenta a organização, a equipe e os clientes, pois acima de tudo, e uma diversão poder está sempre em festa. Renove-se todos os dias.

]]>
Como um meio de pagamento eficiente pode aumentar suas vendas na loja virtual //www.administradores.com.br/noticias/negocios/como-um-meio-de-pagamento-eficiente-pode-aumentar-suas-vendas-na-loja-virtual/119799/ //www.administradores.com.br/noticias/negocios/como-um-meio-de-pagamento-eficiente-pode-aumentar-suas-vendas-na-loja-virtual/119799/ Fri, 23 Jun 2017 16:50:11 -0300 Marcia Mello Como um meio de pagamento eficiente pode aumentar suas vendas na loja virtual

Quanto mais meios de pagamento você oferecer, mais consumidores poderão comprar na sua loja

Imagine um consumidor que está em busca de um celular para comprar pela internet. Ele pesquisa os diversos modelos, estuda as características que precisa, consulta opiniões de outros consumidores, analisa os preços nas mais diversas lojas, avalia o valor do frete. Depois de todo esse processo, ele finalmente escolheu o produto e a loja. Pronto, agora é só pagar! Mas aí surge um imprevisto, no carrinho de compras, o site informa que existe um problema com o pagamento. Não há nada mais irritante para um consumidor do que passar por toda a sua jornada de compra e não conseguir concluir o pagamento. E, para o lojista, também não há nada mais frustrante do que estar prestes a concretizar uma venda e perder o cliente por um detalhe.

De acordo com a consultoria Ebit, foi registrado um total de 106 milhões de pedidos online em 2016. E pode ter certeza de que esse número poderia ser ainda maior, já que muitos não concretizam a transação, mesmo já com os itens previamente selecionados. Um estudo do blog SaleCycle, realizado com cerca de 500 marcas globais no segundo trimestre de 2016, constatou que a taxa de abandono de carrinho no e-commerce, na América Latina (incluindo Brasil), foi de 75,3%. Não dá para simplesmente ignorar esse número, concorda?

Entre as principais causas estão o custo inesperado do envio, exigência em se criar uma conta, realização de pesquisa, preocupação com a segurança de pagamento e checkout confuso, nesta ordem. Com a variedade de bandeiras de cartão, opções de parcelamento, débito online, boleto bancário, intermediadores, são muitas as possibilidades de pagamento na Internet e com segurança. Se o consumidor não encontra a sua forma preferida, pode deixar de comprar na loja.

Quanto mais formas de pagamentos você aceitar mais chances terá de realizar vendas via web. É esse conceito que seguimos na Global Payments, oferecendo diversas opções, como crédito, débito e parcelado, débito online, pagamento com um clique, DCC (conversor de moedas), consulta de transações, etc. Focamos em oferecer alternativas de pagamentos, com atenção especial em segurança e integração com checkout transparente como um ponto fundamental.

A previsão da Ebit é que o movimento de migração das vendas para o meio digital deva continuar e, desta forma, estima um crescimento nominal de 12% no faturamento do comércio eletrônico, atingindo um total de R$ 49,7 bilhões em 2017. Por isso definir a forma de pagamento é um dos pontos mais estratégico da sua loja virtual. O lojista deve olhar não só para o seu negócio, mas principalmente para as necessidades do seu público.

Uma coisa é certa, quanto mais meios de pagamento você oferecer, mais consumidores poderão comprar na sua loja, afinal, um e-commerce deve dispor de diversas opções e principalmente segurança, facilitando a vida do potencial cliente, contribuindo assim para a conclusão da compra e aumento da taxa de conversão do site.

Pense nisso e boas vendas!

Marcia Mello é presidente da Global Payments Brasil

]]>
Sua startup está pronta para receber investimentos de uma Micro Venture Capital? //www.administradores.com.br/noticias/empreendedorismo/sua-startup-esta-pronta-para-receber-investimentos-de-uma-micro-venture-capital/119792/ //www.administradores.com.br/noticias/empreendedorismo/sua-startup-esta-pronta-para-receber-investimentos-de-uma-micro-venture-capital/119792/ Fri, 23 Jun 2017 16:31:44 -0300 João Kepler e Pierre Schurmann Sua startup está pronta para receber investimentos de uma Micro Venture Capital?

Saiba como preparar sua startup para receber investimentos

Podemos celebrar o primeiro trimestre de 2017 como um período de transição positiva para o ecossistema de Venture Capital. Há claros sinais de que a desaceleração na atividade de investimento, registrada principalmente no quarto trimestre de 2016, inverteu seu rumo nesses primeiros meses do ano.

Segundo relatório da Crunchbase, o número global de rodadas aumentou neste período 11,9% em relação ao último trimestre do ano passado. Os investimentos nas series A em diante saltaram 15%, mas cabe chamar a atenção dos leitores que os resultados foram impulsionados também por um aumento de 13,5% nos investimentos semente e anjo e de 7,5% nos estágios iniciais.

E é exatamente nesta etapa que vem ganhando fôlego o Micro Venture Capital, um fenômeno relativamente recente no ecossistema de investimentos brasileiro e para o qual é bom os empreendedores abrirem os olhos. O que realmente o diferencia das demais modalidades de investimento é justamente o estágio do negócio, entre a primeira camada acima do anjo e anterior a uma rodada de um Venture Capital.

Para exemplificar de forma mais clara sua importância no ciclo de vida de uma startup, o papel dos Micro VCs é basicamente identificar oportunidades na fase semente e usar várias estratégias para ajudar as startups a escapar do temido “Vale da Morte”.

Em outras palavras, o MVC, que investe um ticket médio entre R$ 300 mil e R$ 800 mil, é destinado a empresas que ainda precisam ganhar tração para conseguir atrair os VCs. Os Estados Unidos continuam a ser o principal foco geográfico para a maioria dos fundos de Micro Venture Capital (58%), seguidos pela Ásia (19%) e Europa (11%).

Uma das mais famosas Micros Venture Capital do mundo é a SV Angel, com mais de 700 investimentos realizados em 619 startups e 225 exits, entre elas DropBox, UBER e AirBnb.

No Brasil, nossa Bossa Nova Investimentos é um exemplo de Micro VC que tem se posicionado como referência justamente em função da sua atuação e seleção de startups com alto potencial e que precisam do aporte financeiro e mentoria para alavancar o negócio em vendas e marketing.

Para ajudar os empreendedores, separamos algumas dicas de como preparar a startup para receber investimento e também as principais características das Micro VCs. Confira:

Como preparar sua startup para receber investimentos

- Organize. Seu investidor vai querer saber se seu negócio é lucrativo, qual a perspectiva de crescimento e como se comportou nos últimos anos. Você precisa ter todos esses dados organizados e sistematizados. O mínimo que precisa reunir é o conjunto completo de dados financeiros por ano desde o início do negócio, o que inclui o DRE, o Balanço e o Fluxo de Caixa. Certifique-se de mostrar sua margem bruta e separe as despesas por função.

- Faça o valuation. É essencial calcular o valor real da sua empresa. Esse dado é muito importante na hora de negociar com investidores, pois possibilita que explore os aspectos que mais valorizam a startup. Além disso, entender o valor de uma empresa historicamente permite que tenha uma ideia do seu comportamento ao longo do tempo, o que é fundamental para a construção das estratégias futuras.

- Prepare o pitch. É indispensável também montar uma boa apresentação da sua empresa para convencer o investidor do potencial de escala. Se você não tem um bom discurso pronto na ponta da língua, pode dizer adeus ao capital. Não espere esse momento chegar. Prepare-se com antecedência, treine seu pitch, grave e se escute, faça novamente, até ficar 100% intuitivo para você.

- Contrate um advogado. Para que essa parceria caminhe bem, é fundamental que ambas as partes entendam exatamente quais são os próximos passos. O advogado vai te ajudar a preparar o que é necessário em uma due dilligence. Isso pode incluir seu plano de opções atual, acordos de confidencialidade dos empregados, marcas, patentes e outros documentos de propriedade intelectual, documentos societários, as resoluções do conselho, contratos de clientes, acordos de licenciamento de software etc.

Entenda as cinco principais características das Micro VCs

1. A grande maioria dos fundos é pré-série A (semente). Eles podem investir em nome de parceiros limitados e terceiros.
2. Geralmente são fundos que investem no máximo R$ 800 mil por startup.
3. Comumente são liderados por empresários bem-sucedidos que realizam ou já realizaram gestão de outras empresas.
4. Os fundos de Micro VC esperam uma rentabilidade de um mínimo de três vezes sobre o valor investido, uma meta cada vez mais difícil de atingir com um pool de investidores diluindo rapidamente o capital.
5. Um recente estudo observou que o ciclo médio de angariação de fundos para Micro VC é de 13 meses (com muitos chegando a 18 meses).

João Kepler e Pierre Schurmann - Sócios da Bossa Nova Investimentos, empresa de Micro Venture Capital com mais de 150 investimentos realizados em startups no Brasil e no mercado internacional

]]>
iStock
Exportadores de carne querem reiniciar a curto prazo vendas para os EUA //www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/exportadores-de-carne-querem-reiniciar-a-curto-prazo-vendas-para-os-eua/119802/ //www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/exportadores-de-carne-querem-reiniciar-a-curto-prazo-vendas-para-os-eua/119802/ Fri, 23 Jun 2017 16:20:01 -0300 Yara Aquino Exportadores de carne querem reiniciar a curto prazo vendas para os EUA

Em nota, a associação lamentou a suspensão e disse esperar que as exportações da carne sejam retomadas a curto prazo, tão logo as providências adotadas pelo Brasil sejam apresentadas ao governo norte-americano

Com a suspensão pelos Estados Unidos da importação de carne bovina fresca do Brasil, anunciada ontem (22), a Associação Brasileira da Indústria Exportadora de Carne (Abiec) informou hoje (23) que as medidas necessárias para adequar os processos produtivos estão sendo tomadas.

Em nota, a associação lamentou a suspensão e disse esperar que as exportações da carne sejam retomadas a curto prazo, tão logo as providências adotadas pelo Brasil sejam apresentadas ao governo norte-americano.

“As ações corretivas para adequação dos processos produtivos já estão sendo tomadas. Elas serão apresentadas em missão coordenada pelo Ministério da Agricultura, prevista para as próximas semanas. Baseado no próprio comunicado norte-americano, a entidade acredita que, confirmados o encontro e a apresentação das medidas para correção das irregularidades encontradas, as exportações podem ser retomadas a curto prazo”, informa a nota.

Hoje, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse que deve ir aos Estados Unidos com uma equipe para prestar esclarecimentos e tentar reverter a suspensão à importação de carne bovina fresca do Brasil.

Preocupações recorrentes

No comunicado que informa a suspensão, o secretário de Agricultura dos Estados Unidos, Sonny Perdue, disse que a medida foi tomada devido a preocupações recorrentes sobre a segurança dos produtos destinados ao mercado americano.

A Abiec, que representa as empresas exportadoras de carne bovina, registrou na nota que tem entre suas principais preocupações a segurança alimentar dos consumidores e que a indústria de carne bovina brasileira segue altos padrões de vigilância sanitária em toda a sua cadeia produtiva.

Na última quarta-feira (21), o governo brasileiro já havia suspendido preventivamente as exportações da carne de cinco plantas frigoríficas brasileiras aos Estados Unidos depois de autoridades sanitárias americanas identificarem irregularidades provocadas pela reação a componentes da vacina contra a febre aftosa.

Blairo Maggi explicou que a reação provoca um caroço na carne no local onde o animal é vacinado que, no entanto, não oferece risco à saúde pública. A suspensão imposta pelo governo americano atinge as 13 plantas frigoríficas brasileiras que estavam habilitadas a exportar para os norte-americanos.

Em julho do ano passado, após 17 anos de negociações, o Ministério da Agricultura concluiu acordo com os Estados Unidos para exportação de carne bovina fresca para o mercado norte-americano. Até então, os brasileiros vendiam apenas carne bovina industrializada para os Estados Unidos em função das rigorosas exigências sanitárias impostas pelo país.

]]>
Quatro orientações para administrar as finanças de uma loja //www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/quatro-orientacoes-para-administrar-as-financas-de-uma-loja/119798/ //www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/quatro-orientacoes-para-administrar-as-financas-de-uma-loja/119798/ Fri, 23 Jun 2017 16:10:01 -0300 Paulo Roberto O. da Costa Quatro orientações para administrar as finanças de uma loja

Para quem não conhece, esse é o entendimento das movimentações financeiras existentes na empresa, possibilitando um maior controle, análise, avaliação da segurança financeira do negócio e de poupança de recursos

Uma preocupação que é primordial em um negócio é o dinheiro. Toda loja do varejo depende do lucro para sobreviver, por isso, é fundamental saber administrar as finanças e o fluxo de caixa da loja.

Para quem não conhece, esse é o entendimento das movimentações financeiras existentes na empresa, possibilitando um maior controle, análise, avaliação da segurança financeira do negócio e de poupança de recursos. Com isso, se obterá uma estimativa das necessidades futuras de recursos e/ou como e quando será aplicado o excedente de caixa.

A inexistência de uma gestão financeira eficaz de uma empresa leva à insustentabilidade do negócio, gerando problemas como a necessidade de buscar crédito no mercado ou “rolar” pagamentos de fornecedores e prolongar dívidas, que geram um círculo vicioso e podem levar à falência.

Portanto, veja recomendações importantes:

Tenha seus números – dados são primordiais para o sucesso, então, é primordial fazer um detalhamento de todos os gastos e ganhos de sua empresa;

Busque rentabilidade – a busca de um melhor retorno em sua empresa pode se dar de várias formas, com redução de preço de compra de medicamentos e outros produtos ou aumento da venda;

Saia de ciladas - em caso de endividamento, é fundamental um plano de ação para sobreviver a esse percalço e, se a situação for grave, os cortes também terão que ser drásticos. Ocasionalmente, é bom recuar para se fortalecer;

Use a inteligência – a busca de redução pode estar nos mais variados locais, aí a relevância do olhar clínico do empreendedor. Muitas vezes, os problemas financeiros nascem da falta de percepção de gastos errados e desnecessários, lembrando que os desperdícios são custos e as despesas aquelas utilizadas de forma descuidada, em atividades que não agregam valor.

Paulo Roberto O. da Costa - Diretor geral da Farmarcas, associação criada para administrar agrupamentos farmacêuticos e redes associativistas com mais de 600 farmácias associadas

 

]]>
Trabalhadores já sacaram mais de R$ 37 bilhões de contas inativas do FGTS //www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/trabalhadores-ja-sacaram-mais-de-r-37-bilhoes-de-contas-inativas-do-fgts/119801/ //www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/trabalhadores-ja-sacaram-mais-de-r-37-bilhoes-de-contas-inativas-do-fgts/119801/ Fri, 23 Jun 2017 16:00:01 -0300 Wellton Máximo Trabalhadores já sacaram mais de R$ 37 bilhões de contas inativas do FGTS

Até a última quarta-feira (21), 22,1 milhões de trabalhadores haviam retirado os recursos

Os saques das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) já somaram R$ 37 bilhões, divulgou hoje (23) a Caixa Econômica Federal. O montante corresponde a 84,8% dos R$ 43,2 bilhões autorizados para serem retirados por meio da Medida Provisória 763.

Até a última quarta-feira (21), 22,1 milhões de trabalhadores haviam retirado os recursos. O total equivale a 72% dos 30,2 milhões de trabalhadores beneficiados pela medida provisória. Se for levado em conta apenas os trabalhadores nascidos de janeiro a novembro, para quem os recursos foram disponibilizados até agora, 79,7% efetuaram o saque.

O saque dos beneficiários nascidos em dezembro começa em 14 de julho. Esse será o quinto e último lote de retiradas. Independentemente das próximas datas, quem fez aniversário nos meses anteriores ainda podem sacar os valores ou transferi-los para suas contas-correntes, mas a data limite para todos os trabalhadores vai até 31 de julho.

Quem pode sacar

Pode fazer o saque quem teve contratos de trabalho encerrados sem justa causa até 31 de dezembro de 2015. Valores até R$ 1,5 mil podem ser sacados nos terminais de autoatendimento com a Senha do Cidadão. Para valores de até R$ 3 mil, o saque pode ser feito com o Cartão do Cidadão e a senha no autoatendimento, em lotéricas e correspondentes Caixa. Acima de R$ 3 mil, os saques devem ser feitos nas agências do banco. A transferência de recursos de contas inativas do FGTS da Caixa para outros bancos poderá ser feita sem a cobrança de taxas, a pedido do trabalhador.

]]>
7 características para um líder desenvolver //www.administradores.com.br/noticias/carreira/7-caracteristicas-para-um-lider-desenvolver/119797/ //www.administradores.com.br/noticias/carreira/7-caracteristicas-para-um-lider-desenvolver/119797/ Fri, 23 Jun 2017 15:45:01 -0300 Celso Bazzola 7 características para um líder desenvolver

Desenvolver essas competências torna-se fundamental para o sucesso de um líder, resultado da empresa e aumento de sua capacidade de empregabilidade

O líder dentro de uma organização torna-se o ponto de equilíbrio e peça-chave para fazer a diferença e buscar resultados, ele deve mais que todos acreditar no potencial da empresa e de sua equipe, infelizmente, podemos notar nas empresas muito bons profissionais que são alçados ao papel de líderes, mas por inabilidade ou despreparo não conseguem desenvolver esse papel adequadamente, o que causa muitos problemas para empresa em relação à clima e resultados.

Assim, só poderá ser agente motivador quem estiver motivado e partido desse princípio, existem características de lideranças que devem ser identificadas e potencializadas. Desenvolver essas competências torna-se fundamental para o sucesso de um líder, resultado da empresa e aumento de sua capacidade de empregabilidade. Podemos destacar alguns pontos fundamentais para atingir este objetivo:

O primeiro diferencial é que o líder deve ser um apaixonado pelo que faz, se isso não ocorre não haverá inspiração e entusiasmo, assim se quer se tornar um líder, tenha em mente que fazer o que ama e amar o que faz;

Um líder deve ser um profissional em que as pessoas confiem, por isso deve ser sincero e ter engajamento. Também é importante que demonstre maturidade com base em experiências passadas e teóricas, pois tem que estar em busca pela melhoria contínua a reciclagem;

O conhecimento do que faz e a curiosidade de estar buscando coisas novas é fundamental, assim, o líder deve ser a base de informações e alternativas, ele deve estar sempre se aprimorando, senão pode virar a liderança que não é muito respeitas;

Saber arriscar é imprescindível, por isso é fundamental que se tenha audácia quando necessário e posicionar sua opinião, também é necessário que se assuma as responsabilidade e culpas;

Autoconhecimento e autocontrole são fundamentais, pois só olhando para dentro de si, que o líder saberá como agir com os parceiros e os seus limites.

Ter resiliência é fundamental, pois é necessário estar pronto para mudar de rota sem perder a serenidade e foco, conduzindo sua equipe nas mudanças que o mercado impõe.

Comunicar bem é fundamental, hoje um dos grandes erros de uma líder é não saber deixar claro para equipe os caminhos tomados e os motivos, é preciso saber falar, fazer reuniões e convencer.

Enfim, muito se confunde o líder com o “chefe”, mas ser líder não é apenas coordenam os trabalhos, é preciso aprofundamento sobre o tema, onde o líder é inspirador, motivador de equipes, demonstrando o caminho a ser seguido. Com isto, tendem à serem mais respeitados, atingindo a eficiência e resultados necessários para a produtividade e lucratividade da empresa.

Celso Bazzola - Consultor em recursos humanos e diretor executivo da BAZZ Estratégia e Operação de RH.

]]>
Retenção preventiva: entenda como fazer //www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/retencao-preventiva-entenda-como-fazer/119796/ //www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/retencao-preventiva-entenda-como-fazer/119796/ Fri, 23 Jun 2017 15:40:01 -0300 Gabriel Teixeira Retenção preventiva: entenda como fazer

O conceito de Persona, utilizado no marketing, é uma representação fictícia do cliente ideal, sendo baseado em dados reais sobre o comportamento e as características dos consumidores

Ao longo dos anos, as empresas acreditavam que tanto o produto quanto o serviço eram suficientes para atingir o sucesso. O principal objetivo dessas companhias sempre foi vender e lucrar, sem considerar muito a opinião das pessoas e os processos que ajudariam a consolidar o negócio. Atualmente, esse conceito não é mais válido, pois a maioria das corporações acredita que o consumidor quer mais do que o produto ou serviço quando busca por uma empresa.

Hoje em dia os clientes procuram algo que satisfaça suas ambições pessoais. O conceito de Persona, utilizado no marketing, é uma representação fictícia do cliente ideal, sendo baseado em dados reais sobre o comportamento e as características dos consumidores. Uma das formas mais eficientes de manter uma carteira de clientes é por meio da retenção preventiva.

De acordo com Philip Kotler, considerado um dos principais nomes do marketing, atrair novos clientes custa de cinco a sete vezes mais do que manter os atuais. Sendo assim, trabalhar com uma estratégia de retenção significa gastar menos e vender mais. Porém, a tática precisa ser elaborada em detalhes com a finalidade de garantir o sucesso. A melhor forma de atingir esse objetivo é utilizar uma base de dados atualizada, que vai lhe ajudar a fidelizar os consumidores, incentivando-os a comprar seu produto ou serviço mais de uma vez.

Dessa forma, confira três dicas para aplicar a retenção preventiva de maneira eficiente e assertiva.

1. O atendimento

É o cartão de visitas do negócio. Uma assistência ruim pode resultar em uma rescisão contratual. Ter os melhores produtos, com bons preços e com qualidade, pode não ser o bastante. Se o comprador perceber que há alguma dificuldade em relação ao suporte ou que a comunicação com a empresa sofre ruídos, poderá optar por comprar no concorrente. Por isso, preparar a equipe, por meio de treinamentos contínuos e ter pessoas que atuam de acordo com os valores da empresa, são boas formas de ter uma retenção efetiva.

2. Acompanhamento personalizado

No quesito retenção, a grande sacada é acompanhar o cliente de forma personalizada focando em informações de consumo, média de tempo que a compra é efetuada, necessidade versus aquisição. Em vez de adotar a mesma assistência para todos os clientes, é importante entender as necessidades e as características de cada um, para ajudá-los da melhor forma possível.

3. O banco de dados

Possuir uma base de dados sobre seus clientes é fundamental para realizar técnicas de retenção preventiva. Saber quem é o público, quais são seus costumes e preferências pode fazer toda a diferença entre uma marca de sucesso e uma desconhecida. Ao buscar no mercado por serviços de consultas de informações, é possível oferecer aos clientes exatamente aquilo que procuram, tanto como produto quanto no atendimento, visibilidade, etc. Os consumidores modernos gostam de se sentir parte do processo, por isso é importante falar do jeito certo e com a pessoa correta no momento de atendê-los. Além da consulta de dados, é possível higienizar as bases, cruzando as informações que sua empresa já possui sobre o cliente, com outras mais assertivas. Sendo assim, é fundamental possuir elementos sempre atualizados dos seus consumidores para realizar um bom trabalho de retenção preventiva.

Gabriel Teixeira - Sócio-fundador da Unitfour, empresa brasileira referência em fornecimento de dados para as áreas de cobrança, call centers, risco, crédito, antifraude, CRM e marketing – www.unitfour.com.br

]]>
4 soluções sustentáveis para reduzir custos nas empresas //www.administradores.com.br/noticias/negocios/4-solucoes-sustentaveis-para-reduzir-custos-nas-empresas/119795/ //www.administradores.com.br/noticias/negocios/4-solucoes-sustentaveis-para-reduzir-custos-nas-empresas/119795/ Fri, 23 Jun 2017 15:16:39 -0300 Eber Freitas 4 soluções sustentáveis para reduzir custos nas empresas

Uma visão sustentável, para além da elaboração conceitual, requer ações práticas que ajudem a reduzir o impacto da atividade humana sobre o planeta

Sustentabilidade é um termo que adquiriu um amplo espectro semântico. Seu conceito, em geral, é associado a decisões políticas internacionais que envolvem o futuro do planeta -- ou como forma de estimular as pessoas a desenvolverem ações, comportamentos e atitudes à favor da sustentabilidade.

Ser sustentável, no entanto, envolve não apenas ser amigo da natureza. Uma visão sustentável, para além da elaboração conceitual, requer ações práticas que ajudem a reduzir o impacto da atividade humana sobre o planeta -- seja em nível individual, empresarial ou nacional.

Em nível empresarial, as soluções sustentáveis podem ser vistas por uma direção conservadora como anódinas ou custosas. Mas essa mentalidade já não é predominante. A mais recente edição da pesquisa Valor Estratégico da Sustentabilidade, realizada pela consultoria McKinsey & Company Global, a maior razão pela qual os executivos entrevistados adotam ações sustentáveis é o alinhamento do conceito com metas, missões e valores empresariais (42%). Reputação corporativa (36%) e corte de custos (26%) vêm em seguida.

O executivo Ray Anderson observa, em uma apresentação no TED, que o impacto ambiental de um negócio é o produto do impacto gerado por pessoas, o que elas consomem e como é feita a produção. O modelo que ainda impera mantém o foco na extração de recursos e geração de resíduos. A tecnologia, no entanto, pode ser o elemento divisor -- ou seja, atuar na redução do impacto.

A tecnologia tem uma profunda relação com a inovação e com a criatividade. Portanto, ideias criativas podem ser implementadas para reduzir desperdícios, gerar economia, aumentar o faturamento e criar novos modelos de negócios.

Reuso de água

Na primeira década do século, 2,5 bilhões de pessoas viviam em áreas com insuficiência de água. Em 2025, esse número deve chegar a 3,5 bilhões. É um recurso limitado, embora essencial para a vida humana. Grandes empresas geralmente mantêm contratos junto a concessionárias para um consumo mensal de milhares de metros cúbicos. A conta não é só ambiental, mas também financeira.

Projetos de reutilização da água nas organizações podem envolver desde o aproveitamento da água das torneiras para descarga até o tratamento dos efluentes, que podem ser reaproveitados ou devolvidos com segurança à natureza.

Construído em uma Área de Preservação Permanente (APP), o Catarina Fashion Shopping, localizado no município de São Roque (SP) encomendou a construção de uma Estação de Tratamento de Esgotos (ETE) própria. O local não é atendido por rede pública e o descarte do esgoto não-tratado pode render multas por crime ambiental.

De acordo com a AcquaBrasilis, empresa responsável pelo projeto, o custo da solução varia entre 1% e 2% do custo total da obra e pode ser revertido em lucro para a empresa: o esgoto tratado pode ser utilizado para regar jardins ou aproveitado para uso interno, como descargas.

Aquecimento de água com energia solar

O consumo de energia elétrica é uma das principais dores de cabeça de empresários do segmento hoteleiro -- em alguns casos, o custo supera a folha de pagamento e o consumo de água. Para prover conforto para os clientes, um dos principais itens indispensáveis é o chuveiro elétrico. Se em uma residência familiar ele já é o vilão da fatura, em um hotel com centenas de leitos o custo dispara.

De acordo com o Departamento Nacional de Aquecimento Solar (Dasol) da Associação Brasileira de Refrigeração, Ventilação e Aquecimento (Abrava), o gasto em um hotel de 300 quartos apenas com energia elétrica chega a US$ 1,2 milhão por ano. Dados do órgão apontam que 6,24% da energia produzida no Brasil é utilizada no aquecimento de água para banho.

A solução -- ao menos para estabelecimentos localizados em regiões onde há sol na maior parte do ano -- é a implementação de um Sistema de Aquecimento Solar Térmico (SAS). O sistema consiste em placas que captam a energia solar e a transfere para a água localizada em um reservatório. Lá, a água permanece aquecida para uso mesmo durante a noite ou em dias chuvosos. O mesmo método pode ser utilizado em residências.

Educação financeira dos funcionários

O Brasil tem um péssimo histórico quando o assunto envolve finanças. Governos, empresas e cidadãos gastam além da conta, deixam de pagar, parcelam faturas e pagam juros altíssimos como consequência. A ampliação do acesso a linhas de crédito para adquirir imóveis e bens de consumo levou a uma mudança de comportamento dos consumidores.

Esse aumento do poder de compra não veio acompanhado da educação para o consumo, o que levou ao comprometimento da renda familiar com despesas de longo prazo e ao endividamento. Dinheiro representa tudo o que é produzido numa nação; ou seja, desperdiçar dinheiro é uma atitude que tem reflexos ambientais. Se as pessoas não sabem gerir recursos privados e limitados, não há razão para acreditar que elas teriam uma atitude distinta quanto aos recursos públicos.

Empresas devem atrair para si a tarefa de transmitir essa mentalidade aos seus funcionários. Trabalhadores endividados produzem menos, perdem mais tempo no trabalho cuidando das finanças pessoais e podem prejudicar outros funcionários. O industrial Salvador Arena ficou conhecido por oferecer linhas de crédito para seus empregados na Termomecânica São Paulo para protegê-los das taxas do mercado.

Os fundamentos de uma sociedade que pensa em desenvolvimento sustentável passam pela educação financeira.

Certificação de fornecedores

A responsabilidade não pode ser terceirizada junto com a produção. Casos de utilização de mão de obra precária e escrava já resvalaram em grandes marcas de vestuário. É cada vez mais comum a preocupação de saber a origem da matéria-prima dos produtos consumidos, especialmente quando se trata de alimentos.

Embora sejam empresas diferentes, o revendedor tem poder de barganha no mercado em relação ao seu fornecedor, especialmente quando se trata de uma grande rede ou marca. Além disso, associações setoriais têm autonomia para trabalhar com certificações independentes, aumentando a competitividade de negócios ecológica e socialmente corretos.

]]>
iStockphoto
Meirelles confirma que governo estuda usar FGTS no lugar do seguro-desemprego //www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/meirelles-confirma-que-governo-estuda-usar-fgts-no-lugar-do-seguro-desemprego/119794/ //www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/meirelles-confirma-que-governo-estuda-usar-fgts-no-lugar-do-seguro-desemprego/119794/ Fri, 23 Jun 2017 15:01:01 -0300 Fernanda Cruz Meirelles confirma que governo estuda usar FGTS no lugar do seguro-desemprego

Segundo a reportagem, o governo pretende usar o saldo do FGTS e a multa de 40%, paga nos casos de demissão sem justa causa, para repassar três parcelas ao trabalhador, substituindo o seguro-desemprego

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, confirmou hoje (23) que o governo estuda utilizar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para substituir o pagamento do seguro-desemprego. A medida foi divulgada pelo jornal O Globo e, segundo Meirelles, está em “fase embrionária”.

Segundo a reportagem, o governo pretende usar o saldo do FGTS e a multa de 40%, paga nos casos de demissão sem justa causa, para repassar três parcelas ao trabalhador, substituindo o seguro-desemprego. O valor mensal seria equivalente ao último salário recebido pelo empregado. Após esse período, se permanecer sem colocação, o trabalhador poderia dar entrada no seguro-desemprego e receber o restante do saldo do FGTS.

“Existem discussões na área econômica do governo, seja no Ministério da Fazenda, seja no Ministério do Planejamento, seja em outras áreas em diversos níveis, sobre diversas coisas que possam induzir o país a voltar a crescer” disse Meirelles ao ser perguntado sobre o assunto após participar de um evento promovido pela Câmara Americana de Comércio (Amcham) em São Paulo.

O ministro também comentou a suspensão das importações de carne bovina fresca brasileira pelos Estados Unidos, anunciada ontem (22), e disse que o Brasil prestará os esclarecimentos necessários para reverter a decisão norte-americana.

“Compete à Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos [Apex] fazer o trabalho no sentido de assegurar que as dúvidas e preocupações dos outros países sejam resolvidas, e o país volte a exportar normalmente”, declarou.

Reforma Trabalhista

Durante o evento, o ministro recebeu um manifesto da Amcham em apoio às reformas trabalhista, previdenciária e tributária. Apesar da rejeição da proposta de reforma trabalhista do governo na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado, Meirelles mostrou otimismo com a votação do texto no plenário.

“Um senador que perdeu o voo, outro que teve uma questão de partido, outro com uma questão familiar. Então, tiveram diversas questões que fizeram com que isso, ocasionalmente, ocorresse. Agora, nós acreditamos que a reforma deve ser aprovada e deve ser implantada.”

]]>
Por que investir em uma Pós Graduação? //www.administradores.com.br/noticias/carreira/por-que-investir-em-uma-pos-graduacao/119793/ //www.administradores.com.br/noticias/carreira/por-que-investir-em-uma-pos-graduacao/119793/ Fri, 23 Jun 2017 14:50:38 -0300 Redação Administradores Por que investir em uma Pós Graduação?

Ao investir em uma pós graduação, você ganha a chance de trabalhar em novos aspectos da sua carreira e se transformar em um profissional habilidoso

Em um cenário de mercado de trabalho cada vez mais desafiador, é essencial encontrar maneiras de inovar e de estimular o desenvolvimento pessoal. Quanto mais qualificado, mais atrativo você se torna, como profissional, para negócios e organizações valiosas. Por isso, oportunidades para aperfeiçoar o conhecimento prático e teórico são fundamentais.

Investir em educação é e uma escolha que sempre oferece garantia de retorno. E quando isso se trata de uma boa pós graduação, em instituições que disponibilizam uma formação robusta, o investimento é ainda mais seguro.

Ao investir em uma pós graduação, você ganha a chance de trabalhar em novos aspectos da sua carreira e se transformar em um profissional habilidoso. Seu currículo ganha mais peso diante de possíveis concorrentes, aumentando suas chances de empregabilidade.

Além disso, ao ingressar em uma instituição conceituada, que oferece cursos de professores e especialistas renomados, você têm a oportunidade de criar uma rede de contatos valiosa em uma época em que um bom networking pode ser extremamente útil para sua posição no mercado.

Por isso, se você deseja se dedicar a uma nova fase da vida, cheia de possibilidades para crescimento, invista em uma pós graduação e encare os estudos com determinação e esforço. Dessa forma, o investimento com certeza transformará a sua carreira. E não deixe de conhecer o PÓS ADM DA FGV.

]]>
iStock
Experiência do cliente: serviços que facilitam o pagamento são aliados do varejo no engajamento do consumidor //www.administradores.com.br/noticias/negocios/experiencia-do-cliente-servicos-que-facilitam-o-pagamento-sao-aliados-do-varejo-no-engajamento-do-consumidor/119791/ //www.administradores.com.br/noticias/negocios/experiencia-do-cliente-servicos-que-facilitam-o-pagamento-sao-aliados-do-varejo-no-engajamento-do-consumidor/119791/ Fri, 23 Jun 2017 14:41:20 -0300 João Barcellos Experiência do cliente: serviços que facilitam o pagamento são aliados do varejo no engajamento do consumidor

É importante que os comerciantes estejam de olho nas inovações que facilitam a vida do consumidor

A tecnologia está cada vez mais presente no cotidiano. As pessoas, mais do que nunca, utilizam seus smartphones e gadgets para realizar compras, e os meios de pagamento também estão seguindo esta tendência, revolucionando a forma de comprar e exercendo grande impacto no setor do varejo. Há uma grande oportunidade para empresas se diferenciarem pela experiência oferecida em pagamentos nos próximos anos, e os serviços que prezarem pela conveniência serão fundamentais para descomplicar a vida do consumidor.

É importante que os comerciantes estejam de olho nas inovações que facilitam a vida do consumidor. Aplicações que otimizam as transações integrando os sistemas de uma loja física com o pagamento online são uma alternativa para os varejistas oferecerem maior conforto aos compradores. A Amazon é um bom exemplo de inovação na experiência de compra no mundo físico, utilizando dispositivos mobile. Seu mais recente serviço, o Amazon Go, é uma loja física sem filas, sem checkout, com compra totalmente assistida e pagamento realizado de forma simples: o cliente entra em uma loja de conveniência, faz login no aplicativo e só tem o trabalho de coletar os produtos que precisa, sem precisar passar pelo caixa. O pagamento é uma das etapas mais sensíveis do processo de compra e reflete diretamente na percepção que o consumidor tem da sua marca.

Carteiras digitais aprimoram a experiência do cliente

Quando falamos em pagamentos, a melhor experiência oferecida é a invisível. O cliente está sem a carteira, mas pega seu celular e faz uma compra no shopping, tudo sem sair da poltrona. No Brasil, mercado que terá 236 milhões de smartphones nos próximos dois anos, de acordo com dados da FGV-SP, a previsão é de que o crescimento de carteiras digitais se intensifique, e abra de vez as portas para o uso de E-wallets (carteiras digitais) no país em 2017.

As carteiras digitais são soluções eletrônicas que permitem o armazenamento de dados financeiros e de identidade, aprimorando a experiência de compra do cliente. A carteira digital também já pode ser usada no comércio tradicional, via smartphones, com as mesmas vantagens das compras online. A ferramenta beneficia a todos, inclusive aos lojistas, que podem fazer a validação de dados do cliente no momento da compra, análises antifraude e, ainda, garantir o recebimento do valor da compra em casos de fraudes.

Em breve não haverá mais distinção entre o varejo online e offline, e o pagamento não será mais um ponto de fricção na experiência de compra.

*João Barcellos é CEO da MundiPagg, empresa com soluções de pagamento online

]]>
Expectativa do consumidor fica estável em junho, revela pesquisa da CNI //www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/expectativa-do-consumidor-fica-estavel-em-junho-revela-pesquisa-da-cni/119790/ //www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/expectativa-do-consumidor-fica-estavel-em-junho-revela-pesquisa-da-cni/119790/ Fri, 23 Jun 2017 14:20:01 -0300 Kelly Oliveira Expectativa do consumidor fica estável em junho, revela pesquisa da CNI

De acordo com a pesquisa, as expectativas dos brasileiros para os próximos seis meses em relação à inflação, ao desemprego ao endividamento e à situação financeira ficaram estáveis em junho frente a maio

Depois da queda de 2,5% em maio, o Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec) ficou estável em 100,5 pontos em junho. O indicador está 0,5% abaixo do registrado em junho de 2016 e 7,4% menor do que a média histórica (108,5 pontos), de acordo com pesquisa divulgada hoje (23), em Brasília, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Quanto menor o índice, mais pessimista é a avaliação dos consumidores.

"A confiança do consumidor se mantém estável em patamar baixo, sendo incapaz de estimular uma recuperação do consumo suficientemente forte para impulsionar a atividade econômica", disse a CNI.

De acordo com a pesquisa, as expectativas dos brasileiros para os próximos seis meses em relação à inflação, ao desemprego ao endividamento e à situação financeira ficaram estáveis em junho frente a maio.

Perspectiva sobre a renda tem melhora

Segundo a pesquisa, só a perspectiva sobre a renda pessoal teve uma melhora significativa em junho. O indicador de expectativas da renda pessoal aumentou 2,1% na comparação com maio. Mesmo assim continua 0,8% abaixo do verificado em junho do ano passado.

O indicador de expectativas de compras de bens de maior valor, como móveis e eletrodomésticos, recuou 1% e o de endividamento caiu 0,9% em relação a maio. Isso significa que aumentou a cautela com o consumo e as pessoas estão mais endividadas, explicou a CNI.

Esta edição do Inec, feita em parceria com o Ibope Inteligência, ouviu 2.002 pessoas em 143 municípios do país entre os dias 8 e 12 de junho.

]]>
Blairo Maggi deve ir aos EUA tratar de suspensão à importação de carne bovina //www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/blairo-maggi-deve-ir-aos-eua-tratar-de-suspensao-a-importacao-de-carne-bovina/119789/ //www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/blairo-maggi-deve-ir-aos-eua-tratar-de-suspensao-a-importacao-de-carne-bovina/119789/ Fri, 23 Jun 2017 14:01:01 -0300 Yara Aquino Blairo Maggi deve ir aos EUA tratar de suspensão à importação de carne bovina

Segundo Maggi, serão enviadas as informações necessárias às autoridades americanas e então ele irá ao país em busca de reestabelecer as importações do produto brasileiro

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse que deve viajar aos Estados Unidos para prestar esclarecimentos e tentar reverter a suspensão à importação de carne bovina fresca vinda do Brasil. Ontem (22), o governo americano anunciou a suspensão alegando preocupações recorrentes em relação à segurança dos produtos destinados ao mercado americano.

Segundo Maggi, serão enviadas as informações necessárias às autoridades americanas e então ele irá ao país em busca de reestabelecer as importações do produto brasileiro.

“Como é uma suspensão temporária, estaremos trabalhando na semana que vem para finalizar os planos que já vinhamos fazendo no ministério e pretendo, assim que possível, assim que os americanos receberem as informações do Brasil, me deslocar até os Estados Unidos com uma equipe para que a gente possa fazer as discussões necessárias e reestabelecer este mercado tão importante que o Brasil conquistou nos últimos anos”, disse Maggi em áudio divulgado nas redes sociais.

Em comunicado, o secretário de Agricultura dos Estados Unidos, Sonny Perdue, informou que a suspensão dos embarques permanecerá em vigor até que o Ministério da Agricultura brasileiro tome as medidas corretivas que o Departamento de Agricultura americano considere satisfatórias. A suspensão atinge as 13 plantas frigoríficas brasileiras que estavam habilitadas a exportar para os Estados Unidos.

Blairo disse ainda que o governo brasileiro já estava atento ao assunto e na última quarta-feira (21) suspendeu as exportações de carne bovina fresca de cinco frigoríficos brasileiros para os Estados Unidos, depois de autoridades sanitárias americanas identificarem irregularidades provocadas pela reação a componentes da vacina contra a febre aftosa. Ele explicou que a reação provoca um caroço na carne no local onde o animal é vacinado que, no entanto, não oferece risco à saúde pública.

Segundo o ministro Blairo Maggi, será aberta uma investigação para apurar o tipo de reagente que está sendo utilizado na vacina e se de fato está deixando os resíduos nas carnes exportadas para os Estados Unidos.

O ministro disse que o governo brasileiro trabalha para resolver o problema de forma rápida. “Concordamos com a posição americana, vamos corrigir, porém, temos que lutar porque é um mercado muito importante”, disse. E completou “Vamos correr atrás e tentar resolver esse assunto o mais rápido possível já que a pecuária brasileira passa por um momento muito difícil, com preços baixos para os produtores”.

Em julho do ano passado, após 17 anos de negociações, o Ministério da Agricultura concluiu acordo com os Estados Unidos para exportação de carne bovina fresca para o mercado norte-americano. Até então, os brasileiros vendiam apenas carne bovina industrializada para os Estados Unidos em função das rigorosas exigências sanitárias impostas pelo país.

]]>
As startups vão substituir grandes empresas ou sertão incorporadas por elas? //www.administradores.com.br/noticias/negocios/as-startups-vao-substituir-grandes-empresas-ou-sertao-incorporadas-por-elas/119788/ //www.administradores.com.br/noticias/negocios/as-startups-vao-substituir-grandes-empresas-ou-sertao-incorporadas-por-elas/119788/ Fri, 23 Jun 2017 13:35:01 -0300 Rafael Ribeiro As startups vão substituir grandes empresas ou sertão incorporadas por elas?

Vivemos o boom do empreendedorismo tecnológico, para cada setor da economia que olhamos há startups oferecendo soluções para dar mais praticidade ao dia a dia das pessoas e, principalmente, dos negócios

Nas últimas semanas nos deparamos com duas grandes notícias de forte repercussão no mercado de startups no Brasil. A primeira foi a compra de 49% da corretora XP Investimentos, considerada pelo mercado a fintech brasileira mais bem-sucedida, pelo Banco Itaú, por R$ 6,3 bilhões. A outra foi o aporte de US$ 100 milhões que o aplicativo brasileiro 99, que permite chamar táxis e carros particulares, recebeu da empresa japonesa SoftBank. Esses dois exemplos, em cenários distintos, mostram a força desse setor na economia e isso faz com que surjam diversos questionamentos, como por exemplo: será que as startups vão substituir as grandes empresas ou serão incorporadas por elas?

Vivemos o boom do empreendedorismo tecnológico, para cada setor da economia que olhamos há startups oferecendo soluções para dar mais praticidade ao dia a dia das pessoas e, principalmente, dos negócios. Claro que ainda há muito espaço para ser conquistado e uma de nossas missões é que em 2035, 5% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro seja provido pelo setor. É uma meta audaciosa, porém plausível, basta ver o crescimento do mercado.

Nos próximos anos, veremos com mais frequência as grandes empresas se aproximando das startups, não somente com a intenção de adquirir negócios, mas também com o objetivo de somar esforços em prol da melhoria de ambos. É fácil perceber esse movimento com hackatons, projetos de aceleração, pitch corporates e até coworkings financiados por grandes empresas, mas qual é o intuito dessas iniciativas. Elas servem para monitorar, incorporar e aprender com as startups e as novas tecnologias que estão surgindo. As empresas e processos estão ficando cada vez mais tecnológicos e isso não é mais segredo para ninguém. Acompanhar essas mudanças requer ficar próximo a elas e é esse movimento que estamos vendo.

Nessa equação não são só as empresas que saem ganhando. Startups ganham vendendo suas soluções, conseguindo mais ferramentas e recursos e se aproximando de grandes líderes do mercado. A colaboração entre empresas e startups traz ganhos para todos os lados, inclusive para o consumidor que se beneficia de produtos cada vez mais ágeis, inovadores e personalizados.

É claro que teremos também cada vez mais o movimento de aquisição, seja por conta de soluções tecnológicas ou apenas pelo simples fato de tirá-las do mercado e acabar com a concorrência. Porém, quem abre uma startup já sonhando em vender o negócio para uma grande empresa, está investindo errado no negócio. Vender é efeito colateral de um produto bem feito e isso leva tempo e, principalmente, muito esforço.

Creio que veremos cada vez mais essa aproximação entre os dois lados, por meio de relações saudáveis que irão beneficiar não somente as startups e grandes empresas, mas sim toda a sociedade, gerando novos empregos e oportunidades de negócios gerando um impacto social positivo para todos.

Rafael Ribeiro - Diretor executivo da ABStartups. Formado em ciências da computação e com especialização em marketing, Rafael foi co-fundador da Weblinia e da Monster Joy.

]]>
iStock
Startups crescem no Brasil economizado com escritórios colaborativos //www.administradores.com.br/noticias/negocios/startups-crescem-no-brasil-economizado-com-escritorios-colaborativos/119787/ //www.administradores.com.br/noticias/negocios/startups-crescem-no-brasil-economizado-com-escritorios-colaborativos/119787/ Fri, 23 Jun 2017 13:10:01 -0300 Fernando Bottura Startups crescem no Brasil economizado com escritórios colaborativos

Uma startup é uma empresa recém criada, ainda em fase de desenvolvimento e pesquisa de mercados

Dois dos termos da moda com certeza são startup e coworking (ou escritórios colaborativos), mas o que poucos perceberam é que a união desses dois ocorre de maneira perfeita para quem está se iniciando no mundo dos negócios. Para entender melhor é importante se aprofundar nos termos.

Uma startup é uma empresa recém criada, ainda em fase de desenvolvimento e pesquisa de mercados. O termo tornou-se popular internacionalmente durante a bolha da internet, quando um grande número de "empresas.com" foram fundadas. São empresas baseadas na tecnológica, e com grande espírito empreendedor e uma constante busca por um modelo de negócio inovador.

Já os espaços de coworking são os escritórios compartilhado, ou seja, vários profissionais dividem o mesmo espaço na busca de compartilhar ideias e dividir os custos. Só isso já aponta para a forte relação de ambos, não?

Por serem empresas em início, uma das dificuldades das startups é a falta de capital para ter um local adequado de trabalho. Elas geralmente nascem na garagem da casa dos pais, o quarto da república e os cafés dos shoppings, porém esses espaços possuem sérias limitações quando a empresa começa a ganhar corpo, a montar sua equipe e atender clientes.

Mesmo com esse crescimento, na maioria das vezes não vale a pena pagar o aluguel de um escritório para uma equipe enxuta que, às vezes, é formada por somente duas ou três pessoas. Assim, fica óbvio a relação estabelecida entre esses dois termos, sendo que em espaços compartilhados as startups ganharam novas possibilidades para tirar as ideias do papel, sair da garagem e começar a crescer.

Mas, é só isso? Não, na verdade esse ponto tem se mostrado como a ponta de um enorme iceberg, pois, ao buscar o coworking em busca de credibilidade e baixos custos, uma startup descobre um mundo de benefícios e possibilidade. Só para citar alguns:

Foco no negócio

Em um coworking é entrar e trabalhar, o seja, não tem que fazer reforma e ter preocupação com infraestrutura, está tudo lá, telefone, internet, estação de trabalho, equipe de limpeza e tudo mais que pode esperar um grande escritório

Flexibilidade

Sua startup vai crescer, e espaços compartilhados pode acompanhar esse crescimento sem a necessidade de mudança de endereço. Os ambientes de coworking podem ajustar seu espaço de trabalho sem grandes impactos financeiros.

Contratos descomplicados

Um contrato de aluguel é geralmente uma grande dor de cabeça, para obtenção de salas comerciais estipula um mínimo de um ano de permanência. No coworking os pacotes podem ser feitos e reajustados a qualquer momento, encontrando o melhor modelo que se adequa à sua necessidade, mesmo se você desejar renovar mensalmente.

Networking

Ao iniciar um negócio se precisa de contatos e esse é um grande benefício de um coworking sobre o homeoffice. Em sua volta estarão diversos profissionais que podem suprir uma necessidade de sua empresa ou que pode te indicar. O ambiente de coworking permite que surja um mar de novas oportunidades!

Conhecimento compartilhado

Os principais espaços proporcionam a troca de conhecimento em seus próprios ambientes, nos cafés ou em workshops e cursos sobre empreendedorismo, como iniciar uma startup e dicas sobre marketing para pequenas empresas, por exemplo. É só saber aproveitar.

Fernando BotturaExecutivo e fundador da GoWork (www.gowork.com.br), mantém em São Paulo nove unidades de escritórios compartilhados.

]]>
iStock
Existe uma profissão certa para cada tipo de pessoa? //www.administradores.com.br/noticias/carreira/existe-uma-profissao-certa-para-cada-tipo-de-pessoa/119786/ //www.administradores.com.br/noticias/carreira/existe-uma-profissao-certa-para-cada-tipo-de-pessoa/119786/ Fri, 23 Jun 2017 12:40:01 -0300 Ingrid Luiza Neto Existe uma profissão certa para cada tipo de pessoa?

Mas o fato é que, apesar das dificuldades inerentes à escolha de qual profissão seguir, tendemos a nos envolver em atividades que sejam compatíveis com nossas habilidades

Escolher qual profissão seguir não é tarefa simples. Uma das grandes dificuldades nesse processo é o aumento da quantidade de profissões disponíveis para o candidato escolher, em um mercado de trabalho cada vez mais exigente e competitivo. Além disso, quando o candidato apresenta diferentes áreas de interesse (gostar de música e de química ao mesmo tempo, por exemplo), deverá refletir sobre quais dessas atividades gostaria de fazer profissionalmente, tendo que lidar com as perdas resultantes de suas escolhas. Ao escolher trabalhar com música, a princípio o indivíduo terá de abrir mão de seu interesse pela química.

Mas o fato é que, apesar das dificuldades inerentes à escolha de qual profissão seguir, tendemos a nos envolver em atividades que sejam compatíveis com nossas habilidades. Pessoas que buscam profissões que estejam alinhadas a seus interesses e à sua personalidade, tendem a ser mais satisfeitas profissionalmente e a mudar menos de carreira.

Alguns estudos da psicologia revelam que os interesses são uma expressão da personalidade e que pessoas que seguem uma mesma profissão tendem a apresentar características da personalidade semelhantes. Tais estudos consideram que existem seis tipos de personalidade vocacional: Realista, Investigativo, Artístico, Social, Empreendedor e Convencional (RIASEC), conforme figura a seguir:

Veja abaixo algumas das características comuns a cada tipo de personalidade vocacional e alguns cursos correlatos:

(R)ealista: preferência por atividades práticas e concretas, como o uso de máquinas, ferramentas e materiais. Pessoas com personalidade realista tendem a ser introvertidas e a atribuir pouca importância aos valores estéticos. Apresentam maior capacidade matemática e mecânica que capacidade verba; e perceptiva.
Exemplos de cursos: áreas da Engenharia

(I)nvestigativo: interesse e curiosidade por atividades analíticas e intelectuais, buscando soluções para problemas comuns e satisfação em atividades acadêmicas. Tendem a ser introvertidos, críticos e perfeccionistas, preferindo profissões mais científicas e teóricas. Apresentam boa capacidade de organização, independência e originalidade.
Exemplos de cursos: Direito, Ciências Biológicas, Ciências Farmacêuticas

(A)rtístico: gosto por atividades livres e não sistematizadas, visando desenvolver competências inovadoras e criativas, como a linguagem, a arte e a música, com tendência à abertura a novas experiências. Pessoas com personalidade artística enfatizam sentimentos, emoções, intuições e imaginação, apresentando aptidões verbais, motoras e perceptuais.
Exemplos de cursos: Arquitetura, Artes Cênicas, Música

(S)ocial: busca pelo contato com outras pessoas, demonstrando extroversão e tendendo a evitar situações que exijam força física. Demonstram responsabilidade e sensibilidade, e grande capacidade verbal e interpessoal. Os sociais preferem trabalhar em atividades comunitárias e têm menor habilidade matemática do que verbal.
Exemplos de cursos: Serviço Social, Sociologia, Psicologia, Pedagogia

(E)mpreendedor: atração por situações de poder, que associam-se à liderança e ao empreendedorismo, evitando atividades muito reflexivas e teóricas. Apresentam necessidade de domínio, boa expressão verbal e capacidade persuasiva.
Exemplos de cursos: Relações Públicas, Gestão Hoteleira e Turismo

(C)onvencional: preferência por atividades como manipulação de dados, que têm relação com competências de organização e disciplina. Indivíduos com personalidade convencional tendem a evitar situações livres e exploratórias, sendo caracterizados por falta de flexibilidade e de criatividade.
Exemplos de cursos: Economia, Contabilidade e Administração

De maneira geral, os estudos têm encontrado uma relação significativa entre tipos de personalidade e escolhas de carreira entre estudantes de graduação, sugerindo que os estudantes tendem a obter maior satisfação ao escolherem carreiras que mais se relacionem com suas características pessoais.

Por fim, e antes que você reflita sobre qual o seu tipo de personalidade e se você escolheu o curso certo, vale ressaltar que todos nós apresentamos características das seis dimensões. Apesar de existir uma predominância de uma dessas dimensões sobre as demais, que caracteriza o tipo de personalidade que cada um de nós apresenta na maior parte do tempo, podemos apresentar características realistas, investigativas, artísticas, sociais, empreendedoras ou convencionais, a depender da situação ou contexto.

Se você se interessou pelo tema, se está em fase de escolha do curso certo para você, ou em processo de mudança de curso, recomenda-se que reflita profundamente sobre seus interesses, gostos e preferências. Autoconhecimento é a palavra chave nesse momento. E lembre-se que, nessa tarefa de olhar para si, a ajuda de um profissional da psicologia pode ser muito bem-vinda!

Profa Dra Ingrid Luiza Neto - Docente do curso de Psicologia do Centro Universitário do Distrito Federal (UDF)

]]>
iStock